Redenção

 

 

Redenção, no cristianismo, é a crença na libertação do homem por meio do sacrifício de Jesus Cristo.

 

Outras religiões

A ideia de uma libertação dos males e do sofrimento ocorre também em outras religiões, de formas que podem ser vistas como paralelas à redenção cristã. Assim, o islamismo, mesmo não compartilhando com o cristianismo o conceito do pecado original, acredita que todo homem nasce precisando de salvação, que só pode ser obtida pela e submissão a Deus.  No hinduísmo, o "moksha" ou "mukti" é entendido como libertação do ciclo de renascimentos e da lei do carma. Já o budismo acredita na libertação do mundo das aparências (maya) por meio de um esforço pessoal ao longo de um caminho de oito etapas: perfeito entendimento, perfeita intenção, perfeita fala, perfeita conduta, perfeita ocupação, perfeito esforço, perfeita contemplação e perfeita concentração (Vinayana Pitaka).

 

Introdução

 

Na carta aos Efésios, diferente de outras, o apóstolo dos gentios não menciona heresia ou erro quaisquer.  Nessa carta, que apesar de pequena é muito rica em doutrina, Paulo foi bem didático ao falar dos propósitos de Deus e da graça do Soberano.  Seu objetivo era fazer com que os efésios (destinatários da carta) entendessem os propósitos divinos.

 

 

Hoje quero compartilhar com você um pouco sobre essa carta que é tão clara ao falar da graça, da salvação e dos propósitos de Deus para o homem. Eu não sei você, mas eu fico fascinado ao perceber por meio desse escrito de Paulo os dois atributos desse Deus a quem servimos: a justiça e a misericórdia. Então vamos aprender juntos? Convido você a abrir sua Bíblia e conferir nela se o que escrevo e comento está de acordo com as Escrituras Sagradas.

 

Redimidos pela graça

 

 

No capítulo 1 de Efésios, Paulo começa bendizendo a Deus, o Pai, pelas Bênçãos Espirituais que recebemos em Cristo e falando também sobre a nossa eleição antes da criação do mundo.  O apóstolo fala também sobre a nossa predestinação em amor e que essa predestinação não se baseou em nada mais que a vontade do Soberano, tendo como objetivo o “louvor de Sua gloriosa graça” (v. 6).   Continuando com a leitura, tive a minha atenção voltada para a palavra “redenção”, vocábulo que, somente no capítulo 1, é mencionada duas vezes: nos versículos 7 e 13, os quais transcrevo e comento abaixo.  Começando pelo versículo 7: ...Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus, Efésios 1:7.

 

 

A redenção era uma prática greco-romana que consistia na libertação de escravos mediante o pagamento de um resgate. Em termos da graça a redenção é a libertação da natureza pecaminosa.  Essa libertação é baseada no pagamento de um preço e esse preço foi pago por Cristo, o redentor, aquele que morreu em lugar dos que devem ser redimidos tornando-os justificados diante de Deus, o Pai. E essa justificação é baseada na graça do próprio Deus. E no versículo 13 o apóstolo Paulo diz:  Nele, quando vocês ouviram e creram na palavra da verdade, o evangelho que os salvou, vocês foram selados com o Espírito Santo da promessa, que é a garantia da nossa herança até a redenção daqueles que pertencem a Deus, para o louvor da sua glória. Efésios 1:13-14

O apóstolo aqui fala que essa redenção é recebida por aqueles que ouvirem a creram e que esses que creram receberam um selo – o Espírito Santo – e que este selo é a garantia de que os que pertencem a Deus terão sua redenção completada para glória do próprio Deus.  Outra versão do texto bíblico, a “Almeida Corrigida e Revisada Fiel” substitui a palavra “garantia” por “penhor”, como transcrito abaixo:  O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória. Efésios 1:14.    Segundo a Wikipédia “penhor é direito real de garantia vinculado a uma algo móvel ou mobilizável. 

 

 

Genericamente, o penhor é qualquer objeto que garante o direito imaterial, não palpável (o penhor do trabalho é o dinheiro e da divida, é algo de valor, dado como garantia – não necessariamente bens móveis).”  Na Bíblia o vocábulo “Penhor” aparece 24 vezes e o seu sentido é de garantia geral de um direito não tangível.  Quando fomos encontrados pela graça de Deus recebemos em nós o Espírito Santo, e esse Espírito que passa a habitar em nós os que somos de Deus, ele é a garantia de que receberemos a redenção em Cristo na dispensação da plenitude dos tempos (Ef 1:10).

 

1 Coríntios 1:30-31

COMENTÁRIO DO NOVO TESTAMENTO

 

 

Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. Para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor.

 

 

MAS VÓS SOIS DELE. Mas vós sois de Deus. Não pertencemos a este mundo nem nos conformamos com ele. Somos de Deus porque ele nos escolheu como propriedades exclusivas dele. Somos de Deus porque ele nos escolheu em Cristo antes da fundação do mundo. Somos de Deus porque ele nos elegeu para a salvação e a vida eterna. EM CRISTO JESUS. Somos de Deus em Cristo Jesus nosso Senhor. Isto porque foi Cristo quem nos comprou com o seu precioso sangue derramado por nós no alto do gólgota. Somos de Deus em Cristo porque ele foi crucificado em nosso lugar cumprindo por nós o sacrifício da propiciação e pela redenção nos reconciliou com Deus. Jesus é o nome próprio e Cristo é tudo que representa Jesus de Nazaré. O QUAL FOI FEITO PARA NÓS POR DEUS. Cristo Jesus representa para nós tudo de bom da parte de Deus. Se somos alguma coisa é porque Cristo Jesus nos supervalorizou pela sua morte vicária em nosso lugar. Deus honrou a Jesus Cristo em tudo, quando lhe deus um nome que é sobre todo o nome (Filipenses 2:9). SABEDORIA. Cristo Jesus foi feito para nós por Deus à verdadeira sabedoria. Somente aqueles que são beneficiados com os efeitos positivos da redenção realizada por Cristo Jesus é que compreendem o quanto a vinda do Messias foi para nós um ato de extrema sabedoria de Deus. Porque ele nos revelou todo conhecimento sobre o Pai. E JUSTIÇA. Cristo Jesus foi feita para nós por Deus a justiça. Esta expressão se refere à justiça divina na pessoa bendita de Cristo, como justiça de Deus. Nele se cumpre a justificação dos redimidos, porque ele é a nossa justificação perante Deus. A nossa dívida para com a justiça de Deus foi quitada e posta na conta de Cristo. 1 João 2:2 -Filhinhos, não pequeis, mas se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo. Quando cremos no nome de Cristo, somos perdoados diante de Deus.

E SANTIFICAÇÃO.  Cristo Jesus foi feita para nós por Deus Santificação. Romanos 3:23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Essa era a nossa condição, mas o Senhor Jesus nos lavou com o seu sangue e nos purificou. Somos aceitos diante da santidade de Deus pela redenção e expiação feita por Cristo Jesus. E REDENÇÃO. Cristo Jesus foi feita para nós por Deus redenção. O seu sacrifício em nosso lugar produziu a paz entre nós e o nosso Deus. Isaías 53:4-5 - Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. AQUELE QUE SE GLORIA, GLORIE-SE NO SENHOR. O mundo considera os verdadeiros cristãos menos que nada. Somos considerados pela sociedade a escória da terra. Somos fracos e frágeis. Para que reconheçamos que todo glória só pertence a Deus.

 

Versiculos relacionados ao assunto Redençao:

Os meus lábios gritarão de alegria quando eu cantar louvores a ti, pois tu me redimiste. Salmos 71:23

 

...sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:24

 

E não só isso, mas nós mesmos, que temos os primeiros frutos do Espírito, gememos interiormente, esperando ansiosamente nossa adoção como filhos, a redenção do nosso corpo. Romanos 8:23

 

Cristo nos redimiu da maldição da Lei quando se tornou maldição em nosso lugar, pois está escrito: "Maldito todo aquele que for pendurado num madeiro". Gálatas 3:13

 

...em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados. Colossenses 1:14

 

Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver, transmitida por seus antepassados,  1 Pedro 1:18
 

Ele trouxe redenção ao seu povo e firmou a sua aliança para sempre. Santo e temível é o seu nome!   Salmos 111:9

 

Ponha a sua esperança no Senhor, ó Israel, pois no Senhor há amor leal e plena redenção. Salmos 130:7

Pois o dia da vingança  estava no meu coração, e chegou o ano da minha redenção. Isaías 63:4

 

Tendo chegado ali naquele exato momento, deu graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém. Lucas 2:38

 

Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês". Lucas 21:28

 

...e nós esperávamos que era ele que ia trazer a redenção a Israel. E hoje é o terceiro dia desde que tudo isso aconteceu. Lucas 24:21

 

...sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:24

 

E não só isso, mas nós mesmos, que temos os primeiros frutos do Espírito, gememos interiormente, esperando ansiosamente nossa adoção como filhos, a redenção do nosso corpo. Romanos 8:23

 

É, porém, por iniciativa dele que vocês estão em Cristo Jesus, o qual se tornou sabedoria de Deus para nós, isto é, justiça, santidade e redenção, 1 Coríntios 1:30

Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus, Efésios 1:7

 

...que é a garantia da nossa herança até a redenção daqueles que pertencem a Deus, para o louvor da sua glória. Efésios 1:14

 

Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Efésios 4:30

 

...em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados. Colossenses 1:14

 

Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Lugar Santíssimo, de uma vez por todas, e obteve eterna redenção.  Hebreus 9:12

 

 

O que é redenção e reconciliação?

 



Certamente esses dois conceitos estão enquadrados no contexto bíblico e possuem definições distintas, mas não necessariamente estão independentes uma da outra. A redenção implica na libertação mediante pagamento de um resgate. No Antigo Testamento, a palavra se refere a um ato legal praticado pelo parente resgatador (Lv 25.24,51-52; Rt 4.6; Jr 32.7-8), a um regate ou desobrigação (Nm 3.49) e também ao dinheiro pago para a libertação de um refém (Sl 111.9; 130.7).
As pessoas podiam remir propriedades, animais e indivíduos (escravos, prisioneiros, parentes sujeitos a um contrato) legalmente obrigados com Deus ou em servidão por outras razões.  Só Deus, entretanto, pode libertar da escravidão do pecado (Sl 130.7-8), das mãos de inimigos opressores (Dt 15.15) e do poder da morte (Jó 19.25-26; Sl 49.8-9).  No Novo Testamento, a redenção está ligada ao ato de libertar e deixar ir livre (Lc 2.38; Rm 3.24; Ef 1.14; Hb 9.12). Como também enfatiza o imenso preço da redenção: "...o precioso sangue de Cristo" (1 Pe 1.19; Ef 1.7) que também é chamado de sacrifício expiatório, "propiciação pela fé no seu sangue" (Rm 3.25).   Os cristãos são exortados a se lembrarem do "preço" da sua redenção como uma motivação para a santidade pessoal (1 Co 6.19-20; 1 Pe 1.13-19).

A reconciliação já se trata do processo pela qual a comunhão entre Deus e o homem é restaurada. As escrituras relatam que essa comunhão foi quebrada e que os dois encontram-se separados por causa da santidade de Deus e do pecado do homem.


Através do sacrifício de Cristo, os pecados da humanidade são expiados e a ira de Deus é aplacada. O próprio Deus "nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo" (2 Co 5.18)

Sendo assim, fica claro que somente através da redenção por Cristo Jesus, o homem tem a sua dívida paga e fica livre para poder se reconciliar com Deus e restaurar a sua comunhão antes perdida por ter deixado o pecado entrar em sua vida.

 

Qual é a importância da morte e ressurreição de Cristo para o Cristianismo?

 

 

Porque Jesus teve que derramar o seu sangue?

 

Muitos críticos rejeitam a “teologia sangrenta” da Bíblia porque a vêem como um resquício de um tipo muito primitivo de religião conhecido como “religião de matadouro”. Muitos abandonam o Cristianismo bíblico porque se consideram refinados demais para incluir pensamentos de um sacrifício em sua adoração.  A Bíblia declara claramente "A alma que pecar, essa morrerá", e "o salário do pecado é a morte" (Ezequiel 18:20; Romanos 6:23). No governo moral de Deus, ele determinou que a penalidade para o pecado seja a morte, física e eterna. As pessoas podem reclamar deste decreto de Deus considerando-o injusto ou extremo, mas seus protestos apenas mostram como o pecado os cegou para a verdadeira natureza do mesmo. O fato de que Deus requer um castigo tão drástico para o pecado deveria ensiná-los não que Deus é brutal, mas que o pecado é abominável. Ainda assim, Deus, em seu amor incomparável pelo homem, também determinou que a penalidade pelo pecado pode ser colocada sobre um substituto e, sobre este princípio, o sistema sacrifical do Velho Testamento é construído.

 

"Porque a vida da carne está no sangue; e eu a tenho dado a vocês sobre o altar para fazer expiação por suas almas; porque pelo sangue se faz expiação pela alma."  Levítico 17:11.

 

Mesmo que o homem quisesse, ele não poderia oferecer a si próprio como pagamento por seus pecados, pois esse mesmo pecado o desqualifica como um sacrifício aceitável. Consequentemente, o Velho Testamento providenciou o oferecimento de certos animais selecionados, cujo sangue era derramado vicariamente pelos pecados dos que se arrependiam e acreditavam na revelação de Deus.  Todos os animais inocentes, sem mácula, que foram oferecidos como sacrifício no Velho Testamento apontavam para o grande sacrifício, feito por Jesus Cristo na cruz do Calvário. João Batista introduziu a Cristo, dizendo “eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29). O castigo que Deus impôs pelo pecado é ao mesmo tempo justo e de amor, por que o próprio Deus, na pessoa de seu Filho, pagou o preço por todos aqueles que o aceitam como seu Substituto.  Deus o Filho, revestido de forma humana, derramou o seu sangue pelo pecado do homem, satisfazendo assim a justiça santa de Deus. E, através de seu sangue precioso, Deus se mostrou  ao mesmo tempo "o justo e justificador de todos aqueles que crêem em Jesus" (Romanos 3:26).   A Bíblia retrata o homem sem salvação como um escravo do pecado e fala sobre libertá-lo da mesma maneira que um escravo era redimido no mundo antigo.  Em Cristo "nos temos aredenção através de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas de sua graça" (Efésios 1:7). "Porque vocês não foram redimidos através de coisas corruptíveis, como prata e ouro, do modo vão como vocês viviam … mas pelo precioso sangue de Cristo, como o Cordeiro sem defeito ou mácula" (1 Pedro 1:18-19).   Separados de Jesus Cristo, todas as pessoas estão alienadas de Deus. A rebelião causada pelo pecado abriu um abismo entre Deus e o homem impossível de ser transporto humanamente. O sangue de Cristo construiu a ponte entre Deus e o homem.

"Em Cristo Jesus vocês, que antigamente estavam longe, foram trazidos para perto através do sangue de Cristo." Efésios 2:13

"Mas Deus mostra o seu amor para conosco quando, ainda pecadores, Jesus Cristo morreu por nós. E muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, somos salvos da ira de Deus através dele [Jesus Cristo]."  Romanos 5:8-9

O pecado humano polui o coração de uma maneira que somente pode ser purificada pela graça de Deus. E a graça de Deus se manifesta na eficácia do sacrifício de Jesus Cristo como declara o apóstolo João: "o sangue de Jesus Cristo, o Filho de Deus, nos purifica de todo o pecado" (1 João 1:7). Ainda que Deus deteste o pecado, nós ainda podemos gozar de sua amorosa graça por causa do sangue de Jesus Cristo. O livro de Apocalipse nos dá uma mostra da glória futura:

"Estes são os que vieram da grande tribulação, que lavaram as suas vestes e as tornaram brancas através do sangue do Cordeiro. Portanto, eles estão diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu templo."  Apocalipse 7:14-15

A Bíblia enfatiza o sangue de Jesus Cristo porque somente através de seu sacrifício encontramos perdão, purificação, reconciliação, salvação e glória.

 

 

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna." (João 3:16)

 

 

Jesus Cristo tinha realmente que morrer antes que Deus pudesse perdoar pecados?

 

 

A primeira vista, parece que um Deus que ama os homens a ponto de querer salvá-los seria capaz de planejar um plano de salvação que não envolvesse a morte de seu amado Filho. Deus é tão vingativo assim que precisa desse pagamento pelo pecado? Ele não poderia somente nos perdoar sem requerer que um preço fosse pago?

Estas questões se relacionam com a direta natureza de Deus. E, mesmo que não possamos entender a infinita perfeição de Deus, a Bíblia nos revela o bastante para termos uma resposta (Jó 11:7; Deuteronômio 29:29). A Bíblia declara que “Deus é amor” (1 João 4:8, 16), mas não apresenta o amor como o único atributo de Deus. Através de toda a Escritura, Deus é retratado como proeminentemente santo (Salmo 99:9; Isaías 5:16) - santo em caráter (Salmo 22:3; João 17:11), santo em nome (Isaías 57:15; Lucas 1:49), santo em ações (Salmo 145:17), santo em seu reino (Salmo 47:8). A razão pela qual os cristãos podem confiar nas promessas de Deus é que ele as atesta através de sua santidade (Salmo 89:35).  A solução para o alegado conflito entre o amor de Deus e sua ira está em sua santidade. O mesmo Deus pode mostrar amor e ira porque, primeiramente, ele é santo. Os anjos ao redor do trono de Deus não cantam nem "Amoroso, amoroso, amoroso", nem "Irado, irado, irado", mas "Santo, santo, santo" (Isaías 6:3, Apocalipse 4:8).  A santidade de Deus envolve uma separação estrita do pecado e uma justiça perfeita em lidar com o mesmo em suas criaturas. Se Deus violasse seu atributo básico de santidade, seu perdão seria inútil. Que valor têm o perdão de alguém sem padrões? O conceito da salvação não faz sentido a menos que comecemos com a santidade de Deus. Conseqüentemente, o pecado não é um coisa que pode ser jogada de lado como algo sem importância ou convenientemente ignorada. A existência do pecado necessita de resposta. O apóstolo Paulo lidou com esse problema em Romanos 3:21-26 mostrando como Deus pode ao mesmo tempo ser "o justo e justificador de todos aqueles que crêem em Jesus" (3:26). A ênfase principal desta passagem é a justiça de Deus, mencionada nos versículos 21, 22, 25 e 26. Desde que a santidade de Deus é uma parte imutável de seu caráter, ele não irá simplesmente ignorar a rebelião do pecado. Entretanto, justiça e misericórdia se misturam no plano de Deus para o homem de modo a prover "a justiça de Deus através da fé em Jesus Cristo para todos os que crêem" (3:22). Deus não viola a sua santidade ao prover a salvação, por que Deus o Filho provê "propiciação por seu próprio sangue" para todos os que crêem (3:25). A "propiciação" se refere à satisfação da justiça divina e vem da prática de ungir com o sangue sacrificial o assento da misericórdia da Arca da Aliança do Velho Testamento. Esta aplicação do sangue simbolizava a morte de um substituto como o preço por quebrar a lei de Deus. Jesus Cristo se tornou nossos Substituto, "porque o salário de pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna através de Jesus Cristo, nosso Senhor" (Romanos 6:23).

 

 

Jesus sofreu na cruz, e os apóstolos explicam o sofrimento dizendo: "Isto era para demonstrar a justiça de Cristo, porque, através de sua presciência, Deus pode perdoar pecados cometidos anteriormente" (Romanos 3:25).

Deus perdoou os pecados dos crentes do Velho Testamento com base no sacrifício futuro de Cristo, assim como ele perdoa hoje com base no mesmo sacrifício, agora passado, feito de uma vez por todas (Hebreus 10:12).

Acima de tudo, Deus permanece santo. A ponto principal da pregação de Paulo em Tessalônica foi que "Cristo devia sofrer e se levantar dos mortos" (Atos 17:3).   A morte de Cristo não foi opcional. Ela era o centro do plano de Deus para a salvação do homem.

Muita confusão resulta da noção incorreta de que Deus o Pai não amava a Cristo porque quis que ele morresse para que o pecado do homem pudesse ser perdoado.

Essa conclusão ignora o ensino básico das Escrituras de que Jesus era Deus o Filho que, tão perfeitamente como Deus o Pai, trabalhou para o plano da redenção.

Na véspera de sua crucificação, Jesus orou: "Pai, a hora é chegada, glorifica a teu Filho, para que o Filho glorifique a ti" (João 17:1). Hebreus 12:2 revela que Jesus suportou a cruz e desprezou sua vergonha por causa da "alegria que lhe fora proposta".

Enquanto alguns retratam Jesus indo para a cruz em protesto contra o Pai cruel, as Escrituras mostram o Pai e o Filho em perfeita harmonia na redenção.

A santidade, justiça e retidão de Deus são partes imutáveis de seu caráter, de modo que ele exerce julgamento contra o pecado como aquele que é soberano sobre o reino moral.

Ainda assim, ele próprio pagou o preço justo pelo pecado na pessoa de seu Filho para que, sem violar sua santa natureza, ele garantisse perdão e justificação a todos os que crêem.

 

Jesus Liberta

 

 

Libertação 

 

A maioria dos pastores e suas respectivas esposas não chegaram à igreja com a vida certinha, sem problemas, com uma boa conduta, muito pelo contrário, muitos chegaram com uma vida totalmente destruída, sendo o causador disso o diabo que veio para matar, roubar e destruir. Mas até mesmo os que nasceram na igreja, tiveram que passar pelo processo de libertação, pois todos nós nascemos com uma natureza pecaminosa.Portanto todos temos que nos libertar, seja de espíritos malignos, do pecado, como também do nosso eu, da nossa carne e das nossas vontades.A libertação vem pelo ouvir a Palavra de Deus.“e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” João 8:32

Há casos em que a pessoa ao chegar na igreja manifesta com espíritos malignos, mas há casos que não. Porém, de qualquer forma, se não houver a libertação, a limpeza espiritual, o Espírito de Deus não pode habitar dentro de nós. Por isso temos que estar muito atentos para não enganarmos a nós mesmos, se não você estará na igreja há muito tempo, mas será como se tivesse chegado ontem, pois a libertação ainda não aconteceu.Se você está nesta fase de libertação, então seja firme nas correntes de sexta-feira, mas não somente vai por ir, vai com o objetivo de realmente se libertar de todos os males. Abandone o pecado, seja sincero, abra o seu coração, sem medo de passar mal e manifestar, não pense que você irá passar “vergonha”, passar mal não é vergonhoso, pense comigo: É melhor me libertar de uma vez por todas e o mal não ter mais acesso a minha vida, ou é melhor mesmo sentindo mal nas orações eu me fechar para não passar “vergonha” e ficar com esses sintomas para sempre? Lembre: Os anos irão passar e sua vida não irá mudar enquanto não houver a libertação.  Dê a liberdade que Jesus precisa para poder entrar e fazer a limpeza em sua vida, lembre: Jesus é educado Ele espera ser convidado para entrar em sua “casa” (vida), já o diabo não, ele entra sem permissão. Seja perseverante, pois o diabo não vai gostar nada da sua atitude e vai tentar fazer de tudo para você desanimar.  Busque ouvir e absorver o espírito da Palavra de Deus, tanto nas pregações como na leitura da Bíblia, quanto mais você absorver do Espírito de Deus você vai se esvaziar do mal e do seu eu.

 

 

E quando saber se já estou liberto?

 

 

Quando você toma o próximo passo, a conversão, Romanos 10:06,11.

 

Mas a justiça que é pela fé diz assim: Não digas em teu coração: Quem subirá ao céu? (isto é, a trazer do alto a Cristo. ) Ou: Quem descerá ao abismo? (isto é, a tornar a trazer dentre os mortos a Cristo. ) Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos.   A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.   Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.

 

 

Faça agora mesmo sua Oraçao para aceitar Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. Pr. Rogério Costa ( Youtube):

https://www.youtube.com/watch?v=fByTUuiBnuY

 

Estudo realizado por Pastor Rogério Costa

Caxias do Sul – 29/03/15

 



Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com

 

 

Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!