Procrastinação

 

Obs:  Ao fundo deste Estudo, selecionei uma série de Videos e algumas Pregaçoes referentes ao assunto. Assim voce ficará melhor informado. Obrigado.

 

 

 

Procrastinação é o diferimento ou adiamento de uma ação. Para a pessoa que está a procrastinar, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de productividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com a suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, torna-se um problema quando impede o funcionamento normal das acções. A procrastinação crônica pode ser um sinal de problemas psicológicos ou fisiológicos.

A palavra em si vem do latim, procrastinatus: pro- (à frente) e crastinus (de amanhã). A primeira aparição conhecida do termo foi no livro Chronicle (The union of the two noble and illustre famelies of Lancestre and Yorke) de Edward Hall, publicado primeiramente antes de 1548.

Logo, um procrastinador é um indivíduo que evita tarefas ou uma tarefa em particular.

Segundo o filósofo Thiago Klinger, a procrastinação do indivíduo é resultado do planejamento exacerbado e/ou supérfluo em intersecção a falta de uma perspectiva vigente. Tais perspectivas, derivam da angústia dos resultados ou de simplesmente a falta de "motivação" do indivíduo em relação ao objeto.

Todavia, tal conceituação apresenta-se sob critérios fragmentados, sendo superada pela corrente "painismo" ("pain", atrasado, no latim; ismo, debilitado, doente), segundo a notória explanação do jurista brasileiro M. Filho. A mencionada tendência de pensamento moderno, que supera a do filósofo Thiago Kllinger, revela que a procrastinação valida-se em outras tendências de fragmentação ideológica, na articulação político--debilitada de um grupo ínfimo, ostentador de um poder social insuficiente nas camadas menos desenvolvidas, em regra, das massas pobres..

 

 

Causas da procrastinação

 

 

Psicologia

As causas psicológicas da procrastinação variam muito, mas geralmente tendem a fatores como ansiedade, baixa autoestima e uma mentalidade auto-destructiva. Pensa-se que procrastinadores têm um nível de consciência abaixo do normal, mais baseado em "sonhos e desejos" de perfeição ou realização, em vez de apreciação realista de suas obrigações e potenciais.

O autor David Allen traz à tona duas grandes causas psicológicas de procrastinação no trabalho e no dia-a-dia que estão relacionadas à ansiedade, e diretamente ligada à preguiça emocional. A primeira categoria engloba coisas muito pequenas para se preocupar, tarefas que são uma interrupção irritante no fluxo das coisas, e que tem soluções de baixo impacto; um exemplo seria, organizar uma sala desarrumada. A segunda categoria contém coisas muito grandes para serem controladas, tarefas que uma pessoa pode temer, ou cujas implicações podem ter um impacto grande na vida da pessoa; um exemplo seria, um estudante de vestibular adiar indefinidamente o preparo para a prova, por causa da pressão recebida por seus familiares e o medo de não conseguir ser aprovado.

É de apontar que uma pessoa pode inconscientemente sobrestimar ou subestimar o tamanho de uma tarefa, se a procrastinação se tornar um hábito.

 

 

“Depois eu faço!” Isso é procrastinação, autocontrole e respostas do ambiente.

 

 

 

“Depois eu faço!”

 

 

Se você é uma pessoa que diz essa frase com frequência ou convive com pessoas que vivem sempre deixando as coisas para depois, cuidado. Você pode estar sofrendo com a procrastinação e pode estar em constantes tentativas de autocontrole em função das respostas ambiente. Entenda.

Procrastinação é um termo amplamente utiizado para descrever o adiamento de tarefas, projetos e obrigações.

 Culturalmente o termo é utilizado para referir-se àquelas pessoas que deixam tudo para depois ou fazem tudo na última hora.

O procrastinar é uma classe de comportamento presente nos mais diversos contextos e ambientes, como na educação (adiar até o último instante o estudar para a prova, fazer o trabalho pedido pelo professor, se inscrever no vestibular…), na saúde (adiar os exames, consultas, procurar ajuda medico-profissional…), no trabalho (atrasar relatórios, não cumprir tarefas tarefas no prazo, não cumprir horários…), dentre outros contextos e situações.

Porém é importante destacar que o procrastinar não é necessariamente uma característica generalizada, isto é, uma pessoa pode procrastinar em determinados ambientes e não em outros. Por isso é importante ter um olhar especialziado sobre esses aspectos.

Um excelente sinal para perceber se você está procrastinando algo é perguntar a si mesmo com frequência: “por que não realizo logo essa atividade em vez de ficar adiando?”.

O mesmo vale quando para você reparar se outras pessoas estão adiando as tarefas e compromissos: “Por que fulano não realiza logo essa atividade e fica só deixando para depois?” Quando procrastinamos algo, nosso comportamento está sendo guiado e controlado por diversas variáveis, dentre elas o autocontrole e as respostas do ambiente. Isso significa que, embora a procrastinação seja algo que pode trazer sofrimento, há uma função para ela e paralelamente pode estar havendo granhos nesses adiamentos que nem sempre são enxergados.

Para você compreender melhor a procrastinação e sua função através das variáveis, é importante termos em vista o conceito de autocontrole.

O autocontrole ocorre com a ativação de mecanismos ou comportamentos específicos para evitar situações que provocam conflitos e sinalizam consequências ruins.

 Ou seja, é a tentativa de evitar problemas, poupar energia psíquica e permanecer naquilo que convencionamos a chamar de zona de conforto.

 

 

Outra coisa que você precisa saber é que o autocontrole é aprendido. Ele se desenvolve quando alguém se comporta tentando dribar as consequências de eventos de maior magnitude que já são considerados pela pessoa como “atrasados”. Por exemplo, uma pessoa que se considera velha para iniciar um novo relacionamento, prestar um vestibular ou deixar a casa dos pais, pode entender que não valeria a pena investir tanto na mudança e assim tenta dribrar ao máximo suas decisões.

Por isso é que chamamos isso de  evento de grande magnitude: o investimento emocoinal é visto como algo muito oneroso. Porém tudo isso é “compensado” com as recompensas de menor maguinitude.

As recompensas de menor magnitude são aqueles pequenos ganhos que mantém ou justificam a proscrastinação.

Ou seja, são ganhos imediatos  ou de menor espera, que envolvem esforços bem menores e a pesooa tende a fixar sua atenção exclusiva ou preferencialmente neles, distanciando-se cada vez mais dos propósitos (já atrasados) e que tendem a ficarem cada vez mais distantes à medida que o foco é direcionado para os de pequenos ganho. Por exemplo, uma pessoa que deseja muito estudar, mudar de emprego, ganhar mais dinheiro… Mas ao analisar o percurso que precisa fazer até atingir esse objetivo, termina se rendendo aos “encantos” e “facilidades” do pequeno sálário ao final do mês do emprego atual.

Ou mesmo, aquela pessoa que sofre num relacionamento frustrado, mas se rende aos pensamentos e ideias que  “não tenho mais idade para começar algo novo”, “é muito dificil arrumar alguém”… Observe que tudo isso é visto como resposta do ambiente ao nosso comportamento e muitas vezes as pessoas se apegam a essas respostas rápidas para adiar o máximo que poderem suas decisões, tarefas e compromissos mais impotantes.

 

 

Se você sofre com a procrastinação, saiba que – mesmo sem perceber – você pode estar investindo em estratégias e comportamentos de autocontrole que podem estar a serviço de te manter no foco apenas dos pequenos resultados e nas respostas de pequena magnitude dadas pelo ambiente.

 É importante você entender que quanto mais você privilegiar essas respostas rápidas mais você tenderá a se distanciar do seu grande – e talvez necessário – objetivo. 

Além disso, quadros de ansiedade, baixa autoestima, melancolia, estagnação e até depressão, são os passos seguintes. Evite isso e procure ajuda profissional o quanto antes.

 

 

Fisiológica

 

 

Pesquisas sobre as raízes fisiológicas da procrastinação, na sua grande maioria, focam-se no envolvimento do córtex pré-frontal.

Essa área do cérebro é responsável por funções de execução cerebral como planejamento, controlo de impulsos, atenção, e age como um filtro diminuindo estímulos que causam distração, que vêm de outras regiões do cérebro.

Lesões ou baixa utilização dessa área podem reduzir a capacidade de uma pessoa de filtrar estímulos que causam distração, resultando em má organização, perda de atenção e aumento de procrastinação.

 Isso é similar ao papel do lobo pré-frontal no

Transtorno do Défice de Atenção com Hiperactividade (TDAH), onde é comum a sua subutilização.

 

 

Procrastinação e a saúde mental

 

 

A procrastinação pode ser uma desordem persistente e debilitante em algumas pessoas, causando disfunções e imperícia psicológicas significantes.

Estas pessoas podem estar, de fato, sofrendo de outros problemas mentais como depressão ou Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

Enquanto a procrastinação é uma condição comportamental, esses outros problemas de saúde mental podem ser tratados com medicamentos e/ou terapia.

Medicamentos podem melhorar a capacidade de foco e atenção de uma pessoa (no caso de um TDAH) ou melhorar o humor e temperamento no geral (no caso da depressão).

A terapia pode ser uma ferramenta importante para ajudar um indivíduo a ter novos comportamentos, superar seus medos e ansiedades, e alcançar uma melhor qualidade de vida.

Portanto, é importante para as pessoas que lidam cronicamente com a procrastinação debilitante, consultarem um terapeuta ou um psiquiatra para ver se um maior problema de saúde mental pode estar presente.

 

Perfeccionismo

Tradicionalmente, a procrastinação tem sido associada com o perfeccionismo, uma tendência de avaliar negativamente os resultados e a performance de alguém, medo intenso e ansiedade, mau humor recorrente e workaholismo. Slaney, em 1996, descobriu que perfeccionistas adaptivos eram menos prováveis a procrastinar que os não-perfeccionistas, enquanto que os perfeccionistas não-adaptivos (pessoas que veem seu perfeccionismo como um problema) apresentavam altos níveis de procrastinação (e também ansiedade).

 

 

Procrastinação acadêmica

Enquanto que a procrastinação académica não é um tipo especial de procrastinação, pensa-se que a procrastinação é particularmente prevalente em configurações ambientais acadêmicas, onde estudantes devem lidar com prazos para provas e trabalhos em um ambiente cheio de eventos e atividades que competem o tempo e atenção dos estudantes. Mais especificamente, um estudo de 1992 mostrou que "52% dos estudantes entrevistados indicaram ter uma necessidade, de moderada a alta, de ajuda em relação à procrastinação".

Alguns estudantes enfrentam a procrastinação devido à falta de gerenciamento de tempo ou técnicas de estudo, stress, ou porque se sentem sobrepujados com seus trabalhos. Estudantes também podem lidar com a procrastinação por razões médicas como o TDA/TDAH ou uma desordem de aprendizado como a dislexia.

A situação é pior em nível de graduação, onde as condições são perfeitas para procrastinação e trabalho mental intangível com prazos flexíveis e, muitas vezes, objetivos auto-definidos.

Muitas universidades oferecem aulas, treinamento e tutoria em técnicas de estudo para estudantes que estão enfrentando a procrastinação ou uma desordem de aprendizado.

 Estudantes com TDA ou desordens de aprendizado, geralmente estão aptos a considerações especiais como, por exemplo, tempo maior para fazer uma prova.

Não é sabido o quão frequentemente um caso severo de procrastinação causado por uma disfunção mental pode passar despercebido quando a pessoa está em um contexto acadêmico, pois ela pode ser categorizada meramente como "procrastinação acadêmica".

 

 

Síndrome do estudante

 

 

A síndrome do estudante refere-se ao fenômeno que muitos estudantes só vão começar a se dedicar inteiramente a uma tarefa logo antes do prazo final.

 O termo foi originado no livro Critical Chain de Eliyahu M. Goldratt.

Por exemplo, se um grupo de estudantes vai até um professor e pede por um adiamento do prazo final de entrega, eles provavelmente vão argumentar que seus projetos serão melhores se eles tiverem mais tempo para trabalhar neles; os alunos pedem isso com a intenção de distribuir o tempo de trabalho pelo tempo que sobra até o prazo de entrega.

Porém, a maioria dos estudantes terá outras tarefas ou eventos que também demandam seu tempo. Logo, eles vão acabar se encontrando na mesma situação que começaram, desejando ter mais tempo livre, conforme a data limite se aproxima.

 

 

Cuidado com a procrastinação, ela pode atrapalhar sua carreira.

 

 

“Deixar para amanhã o que se pode fazer hoje.” Esse é o lema de um procrastinador.

Um mal que pode lhe trazer estresse e sentimento de culpa por ter deixado suas atividades para última hora.

 Sem contar toda a autodepreciação quando falha por ter enrolado e, consequentemente, não conseguir cumprir o objetivo.

Um procrastinador sempre adia suas demandas.

Portanto, faz as suas atividades com um tempo menor que o necessário.

O que, na maioria das vezes, resulta em um trabalho de baixa qualidade.

No mundo corporativo atual, que preza pela rapidez e por colaboradores diligentes, proativos e dinâmicos, procrastinar pode resultar em uma sequência de erros e no fracasso de um projeto bem elaborado.

 

 

Tipos de procrastinadores

 

 

 

O tipo relaxado

 

 

Os procrastinadores do tipo relaxado veem suas responsabilidades negativamente e fogem delas direcionando sua energia para outras tarefas.

É comum, por exemplo, para uma criança procrastinadora do tipo relaxado, abandonar a sua lição de casa, mas não sua vida social. Esse tipo de procrastinação é uma forma de negação.

O procrastinador evita situações que causariam desprazer, e, em vez delas, participa de situações mais prazerosas. Em termos Freudianos, esses procrastinadores se recusam a renunciar ao princípio do prazer, em vez de sacrificarem-se no princípio da realidade.

Eles podem aparentar não estar preocupados com o trabalho e com prazos, mas isso é simplesmente uma forma de evasão.

 

O tipo tenso-nervoso

 

O procrastinador tipo tenso-nervoso normalmente sente-se dominado por pressão, irreal quando trata-se de tempo, incerto sobre seus objetivos e muitos outros sentimentos negativos. Sentindo que lhes falta a habilidade ou foco para completar seus trabalhos, eles dizem a si mesmos que precisam "desestressar" e relaxar, e que é melhor "ir com calma à tarde para começar de novo na manhã seguinte", por exemplo.

 O "relaxamento" do procrastinador desse tipo é geralmente temporário e inefetivo, e leva a até mais stress conforme o tempo vai se esgotando, prazos se aproximam e a pessoa se sente cada vez mais culpada e apreensiva.

Esse comportamento vira um ciclo de fracasso e atraso, enquanto os planos e objetivos são deixados de lado e anotados "para amanhã" ou para a próxima semana repetidamente.

Isto também traz um efeito debilitante em sua vida pessoal e suas relações.

Como os procrastinadores desse tipo são incertos em relação a seus objetivos, eles muitas vezes se sentem desconfortáveis com pessoas confiantes e objetivas, o que pode causar depressão.

Procrastinadores tensos-nervosos geralmente recolhem-se da vida social, evitando contato até mesmo com amigos próximos.

 

Preguiça

 

A preguiça pode ser interpretada como aversão ao trabalho, bem como negligência, morosidade e lentidão.

O preguiçoso, conforme o senso comum, é aquele indivíduo avesso a atividades que mobilizem esforço físico ou mental. De modo que lhe é conveniente direcionar a sua vida a fins que não envolvam maiores esforços.

A preguiça é algo que pode ser combatido e pode ter motivações psicológicas e fisiológicas.

 

Etimologia

É um termo oriundo do latim pigritia, "aversão ao trabalho"

 

 

Procrastinação pode esconder problemas mais sérios.

A mania de deixar tudo para depois vai muito além da preguiça e pode esconder o medo do fracasso.

 

 

A procrastinação assume perfis diversos.

O procrastinador por criação de problema adia as tarefas para mais tarde porque acha que terá mais tempo.

O procrastinador comportamental até faz listas e planos, mas não segue nada do que foi planejado.

E o procrastinador retardatário faz várias coisas antes de cumprir uma tarefa determinada anteriormente.

Segundo o psiquiatra norte-americano Bill Knaus em artigo publicado no “Psychology Today”, estes são os três perfis de quem tem mania de deixar tudo para depois.

 Mas, para a professora-titular da USP e terapeuta analítica comportamental Rachel Kerbay, a definição vai além.

 

 

A publicitária Carina já tem fama de procrastinadora até no escritório e não quis mostrar o rosto: "é fácil começar e terminar o dia fazendo alguma coisa que não tem nada a ver com o trabalho"

 

 

Rachel trabalha há mais de 15 anos com o assunto e define o “autocontrole” – ou melhor, a falta dele – como a palavra-chave para entender este distúrbio. “O procrastinador quer sempre usufruir do resultado imediato. Não sabe planejar e criar condições para que as coisas aconteçam. Como ele segue só aquilo que é de seu interesse, perde o que poderia ganhar a longo prazo”, explica a professora.

 

 

Cada um com os seus motivos

 

É exatamente o que Carina Martins faz repetidas vezes. Redatora publicitária, ela precisa trabalhar em dupla com o responsável pela arte. Mas a fama de “deixar tudo para a última hora” já é bem conhecida entre os colegas e, no último emprego, chegou aos ouvidos do chefe. “Como eu também sou DJ, é muito fácil começar o dia procurando música e, quando me dou conta, passei o expediente inteiro fazendo outra coisa que não era o trabalho”, diz.

Carina também é do tipo que demora muitos dias para cumprir uma tarefa muito fácil, exatamente pelo grau de exigência ser menor. Só que quando o assunto é difícil, ela também trava. Daí o motivo é ter medo de encarar um desafio.

“Geralmente, o procrastinador tem medo do resultado e de uma avaliação pública. Daí o bloqueio e a decisão de não fazer nada. Para isso, ele encontra várias desculpas –muitas vezes externas, como tempo ruim, pouco dinheiro, falta de sorte – ou apela para a emoção para adiar os compromissos”, analisa Rachel.

O problema é que, na maioria dos casos, ele joga o trabalho para frente com a desculpa de que precisa de mais tempo para fazer determinado projeto, e nem por isso faz melhor. “Eu sempre falo, ‘semana que vem eu faço com mais calma’. Apesar da sensação ruim de angústia, acabo me enrolando de novo e dedico menos tempo do que o trabalho de verdade precisa. A saída, então, é o improviso”, confessa Carina.  Missão dada não é missão cumprida.

 

Nesse nó de desculpas e enrolação, a preguiça – ao contrário do que muita gente acredita – não é a resposta do problema. É só ver a disposição da Carina para pesquisar música e fazer outras atividades que lhe dão prazer. Foi também o que concluiu Christian Barbosa, especialista em produtividade e autor do livro “Equilíbrio e Resultado – Por que as pessoas não fazem o que deveriam fazer”. Christian elaborou uma pesquisa e perguntou a mais de 4 mil pessoas a seguinte questão: “você procrastina atividades ao longo da sua rotina?”. 97,4% dos entrevistados responderam “sim”.

De acordo com o levantamento, exercício físico, leitura, saúde e planejamento financeiro são as quatro coisas mais adiadas. Por outro lado, casamento, comprar apartamento, mudar de emprego e férias são aquelas que as pessoas realizam com mais facilidade. “Não há nada de errado em procrastinar de vez em quando, o problema é quando isso começa a ficar crônico e passamos a adiar frequentemente coisas que não poderiam ser adiadas”, define.

A falta dessa figura pode ser uma das razões que faz o estudante Marcio Vincler viver sempre no atraso. Há alguns anos, ele passou a trabalhar com a mãe. Como precisa de dedicação semi-integral na faculdade de veterinária, e ainda dá expediente em uma clínica, o tempo disponível para escritório é bem reduzido e as regalias são muitas.

 Coisas que não poderiam ser adiadas”, define.

“De maneira geral, as coisas pessoais acabam sendo as que mais adiamos. Talvez porque na vida pessoal ninguém fique cobrando que você leia determinado livro ou organize seu armário. Mas, no trabalho, você tem chefe e clientes que esperam o resultado de sua produção”, ressalta Christian.

Apesar de admitir que não se incomoda com as brincadeiras dos colegas, ele sabe o quanto esse comportamento cria rótulos. “Eu não consigo chegar no horário em nenhum lugar e as pessoas já contam com a minha demora”, diz.

 

 

Rir de si mesmo nem sempre é a melhor saída

 

 

Carina brinca com desenho: procrastinadores temem ser tachados de "preguiçosos"

 

A descontração dos procrastinadores vai embora quando é proposta uma sessão de fotos para ilustrar esta reportagem. Aí, a desculpa da imagem a zelar fala mais alto. Situação parecida viveu Christian Barbosa: se na primeira fase de sua pesquisa, que era anônima, não teve dificuldades, tudo mudou quando ele deu início à segunda etapa, que era procurar personagens e entender o dia-a-dia desse grupo. “Eles simplesmente sumiram. Ou pediam para trocar os nomes, a idade, a profissão. A principal preocupação era não ser mal visto pelos colegas de trabalho”, explica.

Mesmo assim, o procrastinador é mais tolerado no Brasil do que em outros lugares. “O que dita a cultura são os costumes, os valores de um grupo. E a nossa não é a do fazer, mas o de empurrar.

 

O presente é o momento ideal

A pergunta diante deste jogo de empurra-empurra é: há uma luz no fim do túnel? Sim. “É preciso mudar as ações, as habilidades e a fala. Ou seja, o jeito de fazer das coisas”, afirma Rachel. É o que também acredita Christian Barbosa. “Infelizmente, na vida nem sempre teremos apenas coisas interessantes para fazer. É preciso aceitar isso”, diz.

Segundo ele, em muitos casos, adotar uma estratégia de produtividade dá bons resultados. Outra dica valiosa é defendida por Rachel. “Planeje os compromissos, crie alternativas factíveis e avance aos poucos. A recompensa neste caso não é material. É o sentimento de dever concluído que dá impulso à mudança e se torna mais satisfatório do que o mal-estar de um comportamento procrastinador”.

 

 

Saiba o que a ciência fala sobre a mania de procrastinar.

Veja o que os cientistas constaram sobre a velha mania de adiar o que precisa ser feito, e como essa descoberta pode te ajudar a organizar suas prioridades.

 

 

Quem nunca adiou uma tarefa, atire a primeira pedra! De uma forma ou de outra, alguma vez cedemos à mania de deixar as coisas para depois  dizendo a nós mesmos que “amanhã dá tempo”, ou depois de amanhã, ou daqui a semanas… A mania em escolher prazeres fáceis e adiar as atividades mais necessárias –  e importantes –  tem sido alvo de estudo de cientistas de todo o mundo. 

Pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, constataram que algumas pessoas podem ter maior tendência à mania de procrastinar do que outras. Segundo a pesquisa, pessoas impulsivas têm a atenção desviada com maior facilidade, e cedem a prazeres de curto prazo, o que resulta em adiar os deveres para outra hora. Ainda que a tese não afirme que todo impulsivo será, necessariamente, um procrastinador, os pesquisadores acharam correlação entre as características. 

Por mais que a pessoa tenha consciência de que o resultado da procrastinação dificilmente será positivo, adiar tarefas “chatas” libera doses de dopamina para o cérebro, e aí vem aquela breve sensação de prazer e a probabilidade de repetir o comportamento.

 

 

A mania de adiar os deveres nada mais é que uma auto sabotagem e quebra do autocontrole. Cientistas da Universidade de Utrecht, na Holanda criaram o termo “procrastinação da hora de dormir” ao constatarem que as pessoas que apresentam maior dificuldade em resistir aos prazeres curtos, também são mais predispostas a adiar o momento de dormir.

E aí, você se identificou com algum trecho? Resistir à mania de adiar as atividades importantes precisa ser um exercício diário. Para ajudar a retomar o autocontrole, pense no futuro e no prazer que estar livre daquelas obrigações lhe trará, também coloque na balança o desespero e a angustia sentidas na correria em terminar às pressas o que foi adiado. “Você é seu maior inimigo”, lembre sempre.

 

 

 

06 dicas para acabar com a procrastinação com menos stress e mais produtividade.

 

 

O significado de procrastinar basicamente é deixar para depois aquela tarefa que, se realizada imediatamente agora, tiraria de seus ombros boa parte da ansiedade e stress que a pendência causa. A solução parece fácil e óbvia, porém, num mundo em que a tecnologia se tornou ao mesmo tempo meio de trabalho e/ou resolução de problemas, também “local” de distração, passatempo e ponto de encontro com amigos, é preciso ir um pouco mais a fundo para realmente entender como lidar com esse comportamento comum a todos e nem sempre fácil de superar.

 

 

Por que estou procrastinando?

 

 

Embora ainda não existam explicações científicas para a procrastinação, sabe-se que as pessoas tendem a estimar o valor da realização de uma tarefa baseando-se na proximidade da recompensa que receberão como resultado. Isso significa que quanto mais rápido somos recompensados por um comportamento, mais rápido iremos nos interessar por em fazê-lo.

Entendeu por que escolhemos dar uma boa risada (recompensa) com os amigos no Facebook enquanto adiamos estudar para aquela prova na sexta? Na primeira opção, a recompensa é imediata, enquanto na segunda, além de incerta, precisa ser construída em um período de tempo mais longo.

Mas existem alguns truques que podem ajudar a nos livrar do estresse causado pela procrastinação. Vamos a eles:

 

Examine os motivos pelos quais está adiando a tarefa

 

 

Perguntar-se porque realizar a tal tarefa tornou-se tão difícil pode levá-lo direto à solução do problema.Alguns dos motivos mais comuns pelos quais não conseguimos realizar tarefas a tempo:

  1. A lista de coisas a fazer está tão grande que mal se sabe por onde começar: Nesse caso é preciso priorizar. Reserve o período do dia em que você costuma se sentir mais produtivo (manhã, tarde ou noite?) para as tarefas mais difíceis.

  2. É simples, mas a tarefa vem sendo adiada há meses! Marque na agenda o dia e a hora (mesmo que você prefira deixar para daqui a algumas semanas) aquela tarefa que você vem adiando há meses. Esse compromisso será inadiável.

  3. Calcular mal o tempo de descanso: Calcular mal o tempo necessário para realizar uma tarefa, especialmente, se a tarefa exige criatividade, faz com que percamos a noção de que o descanso é uma peça importante na produtividade. Pode ser que você simplesmente esteja cansado, precise de férias ou de uma boa noite de sono.

  4. Estar rodeado de distrações: Ajude-se a focar criando um ambiente calmo no qual você seja pouco perturbado. Ou simplesmente desligue a internet. Existem inclusive aplicativos para auxiliar você a se livrar de seus principais aliados na procrastinação:, as redes sociais. Aplicativos como Freedom e SelfControl bloqueiam determinados sites pelo tempo que você determinar.

  5. Falta motivação: Faça uma lista com todos os resultados positivos que a realização da tarefa irá trazer para você. Estudar para a prova o tornará mais apto em sua profissão, terminar o artigo o deixará mais próximo daquele mestrado, ou simplesmente, realizar a tarefa deixa você com um problema a menos para resolver.

  6. Sobra perfeccionismo:Tenha como meta apenas fazer o que de melhor pode ser feito. Enfrente seu perfeccionismo.

 

Analise a tarefa a ser realizada e defina prazos

 

 

Quando a tarefa é muito extensa, dividí-la em sub-tarefas facilita a visualização de quanto tempo e esforço será necessário para cumpri-la.

Mas lembre-se, seja sensato o impor prazos para o término de cada etapa, pois essa pode ser uma estratégia “de dois gumes” que serve tanto para a motivação quanto para a desmotivação.

Em trabalhos criativos, por exemplo, é mais importante manter-se ativo e focado do que apressar-se a terminar.

 

 

Comece agora, mantenha o foco depois

 

 

Ccomeçar a tarefa parece impossível? Negocie consigo mesmo fazê-lo por apenas cinco minutos.

Não complique a tarefa, simplesmente comece.

Às vezes, a simples atitude de realizar um pouco do que precisar ser feito já é suficiente para colocar as rodas para girarem, ou seja, a motivação de ter conseguido começar é suficiente para mantê-lo focado até o final.

 

 

Administre suas próprias recompensas

 

 

Separe intervalos específicos para navegar por pura distração na internet, conectar-se às redes sociais, checar emails e etc.

Mas é preciso ser rigoroso com o tempo de descanso e o uso de um despertador ou timer marcando o tempo é essencial.

Recomenda-se 50 minutos de trabalho para 10 de descanso, mas você pode ajustar como preferir e há quem diga que o ideal é começar com um tempo mais curto de trabalho (meia hora) e ir aumentando progressivamente.

Se a sua tendência é perder-se no mar da internet tão logo se conecte a atividades distrativas, escolha outra forma de descansar, como dar uma volta, fazer um lanche, ouvir um pouco de música.

Nesse caso, concentre a recompensa de conectar-se a sites divertidos para o fim do período de realização das tarefas.

Também vale prometer a si mesmo dar-se um belo presente quando tudo estiver terminado.

 

 

Comprometa-se com outras pessoas

 

 

Essa é uma boa dica para quem está adiando aquelas promessas de início de ano: fazer exercícios físicos, parar de fumar, dedicar-se ao hobbie.

Quando precisamos dar satisfações para outras pessoas, tendemos a nos comprometer mais com a tarefa, por isso é bom participar de grupos como forma de incentivar-se, ou apenas comunicar aos amigos sua decisão.

Além disso, a troca de experiências é uma ótima motivação.

 

 

Faça da realização um hábito

 

 

Durante a realização e principalmente quando conseguir terminar sua tarefa, parabenize-se, motive-se, tente guardar na memória as boas sensações trazidas pelo cumprimento do objetivo.

Uma maneira de ser mais efetivo é escrever comparando as vantagens de ter realizado aquilo na hora certa com as desvantagens que você sofreria se adiasse para depois.

Há quem diga ser possível criar o hábito de procrastinar produtivamente engajando-se em aprender sobre assuntos relacionados ao trabalho ao invés de “matar o tempo”, mas, normalmente o stress só acaba quando o trabalho termina.

 

 

Como lutar contra o hábito primitivo de procrastinar

A ciência mostra que procrastinar faz parte da natureza humana. Mas há maneiras de lutar contra esse hábito primitivo e terminar o trabalho no prazo.

 

 

Leandra Soares, diretora de planejamento da Agência KI: o mau hábito de checar a cada 5 minutos os e-mails tirava a atenção do trabalho

São Paulo - Um estudo da Universidade do Colorado, em Boulder, nos Estados Unidos, publicado em fevereiro de 2014, mostrou pela primeira vez na história que o hábito de adiar pode ter um componente genético. A notícia trouxe algum conforto para procrastinadores compulsivos, que agora podem dividir com os pais a culpa pelo mau comportamento.

Mas o grande mérito dos pesquisadores foi mostrar que esse terrível inimigo do trabalho foi aprimorado dentro de nosso DNA ao longo de milhões de anos e que não podemos nos livrar dele tão facilmente quanto pensávamos. A pergunta-chave sobre o hábito de atrasar agora mudou: se deixar para depois faz parte da natureza humana, como podemos enfrentar a leseira e concluir nosso serviço no prazo? 

De uma perspectiva da evolução humana, a procrastinação seria um subproduto da impulsividade. Os pesquisadores da Universidade do Colorado identificaram que um mesmo gene define as duas coisas. Para o homem primitivo, fazer planos de longo prazo não era tão importante quanto saciar as necessidades básicas e instantâneas de sobrevivência.

Cuidar do que acontecia no presente era muito mais importante do que pensar no futuro. Desse modo, o homem desenvolveu o instinto de reagir a estímulos imediatos mudando o foco de sua atenção. Dessa natureza surge a chave de cada adiamento: a pessoa perde a concentração na atividade que está fazendo para se preocupar com uma perturbação momentânea. O urgente supera o importante.

A vida moderna é mais bem-adaptada a metas de longo prazo. A maioria das pessoas não precisa mais caçar o alimento diariamente. Mas as tendências impulsivas ainda estão presentes e o mundo é um lugar lotado de pessoas, eventos e aparelhos que drenam a atenção de qualquer profissional.

“O grande problema é quando o adiamento prejudica a carreira, o trabalho ou os relacionamentos”, afirma o consultor Christian Barbosa, especialista em gestão do tempo, de São Paulo. Em casos extremos, a in­capacidade de cumprir compromissos no prazo estabelecido leva a pessoa a perder oportunidades de crescimento e a ser taxada de incompetente ou preguiçosa.

Mas há diferenças entre a preguiça e o adiamento. A primeira é a falta de vontade de fazer uma tarefa. Já a procrastinação é um atraso irracional de uma ação pretendida, na definição do psicólogo Piers Steel, da Universidade de Calgary, no Canadá, autor de estudos sobre o assunto e do livro A Equação de Deixar para Depois (Editora Best Seller, 2012, 35 reais). O procrastinador quer cumprir a tarefa, mas por algum motivo não consegue.

De acordo com Piers, a maioria dos adiadores vive culpada, tensa, estressada, ansiosa e com baixa autoestima por não conseguir se programar direito para fazer as coisas com antecedência, como imagina que os outros colegas de trabalho façam.

Após anos de estudo, o pesquisador canadense identificou três grandes elementos que determinam a procrastinação.

“De longe, os principais motivos pelos quais adiamos as coisas são falta de confiança, achar a tarefa chata ou pouco prazerosa e a distração provocada pela impulsividade”, afirma Piers.

 O último item ajuda a entender por que uma pessoa pode se desviar até de coisas que gosta de fazer.

A ideia de que a maturidade ajuda a combater a procrastinação é apenas parcialmente verdadeira.

Um profissional experiente pode ter aprendido a controlar distrações de modo a se manter focado no serviço, mas isso nunca será completamente verdade.

“Todo mundo tem suas armadilhas, e isso vale tanto para o estagiário quanto para o presidente”, diz o headhunter André Caldeira, diretor da Proposito, empresa de seleção de executivos de Curitiba, que entrevistou vários gestores sobre o assunto.

 

O papel de cada um.

Cada pessoa tem um padrão próprio para deixar as coisas para depois. Não há como afirmar categoricamente que alguém está procrastinando, só é possível suspeitar. Há situações em que um procrastinador diz que a inércia é uma escolha racional.

“Uns trabalham menos para passar mais tempo com a família. Mas isso depende dos valores de cada um. O único que pode afirmar com certeza se está adiando ou não é o pro­crastinador”, diz Piers.

Agora que já ficou claro que todo mundo adia seus compromissos de alguma maneira, está na hora de controlar os instintos para viver menos tenso.

 

 

Maneiras de parar de procrastinar no trabalho.

 

 

Talvez a procrastinação não seja um fator decisório para o fracasso de um projeto, mas é certeza que se existe procrastinação, existe má administração do tempo e um planejamento bem medíocre dentro de rotina do profissional.

Segundo um artigo do Hongkiat.com, foi colocado 7 maneiras práticas para pararmos de procrastinar em nosso ambiente de trabalho.

 

 

1 – Técnica Pomodoro

 

 

Por meio de pesquisa, foi revelado que o cérebro humano tende a perder o interesse no trabalho quando exposto a uma atividade em um longo período de tempo. Isso é natural e envolve todas as áreas profissionais. Isso ocorre porque somos movidos por recompensas, e se não trabalhamos motivados, perdemos o interesse rapidamente.Em jogos por exemplo, porquê ficamos tanto tempo em um mesmo ambiente? O desafio no impulsiona a este lugar. Porém o mais importante é a sensação de ser premiado após poucos minutos de jogo, quando passamos de fase ou subimos um nível.A vida também é dessa forma! Vamos utilizar esta mesma técnica para garantirmos nosso sucesso pessoal. A técnica Pomodoro nos mostra justamente este conceito: através de curtos períodos de tempo de trabalho precisamos nos autopremiar com um curto intervalo de pausa. Existem aplicativos para este fim, geralmente controlado em tempos de 25min ou 30min.

 

 

2 – Manter sempre em mente os efeitos da procrastinação

 

 

Outra maneira de evitar a procrastinação é entender de fato seus efeitos. E não somente isso, manter sempre em mente o que isso pode causar em nosso dia-a-dia. Sabemos que procrastinar pode levar a uma perda de posição, perda financeira, perda de oportunidades, cair no erro em deixar projetos inacabados, enfim, podemos encontrar grandes consequências para o procrastinador. Mantenha isso sempre em mente.Se permanecer com essa ampla visão sobre as causas e consequências, vai facilitar a tomada de decisões imediatas na solução de problemas e realização de tarefas. Você pode também definir pequenas metas diárias para que consiga cumpri-las naturalmente, ao invés de criar grandes esboços e agrupar tudo em grandes “to-do lists” (listas do que fazer).

 

 

3 – Aproveite o prazer das conquistas

 

 

Responda: não é bom quando temos aquela sensação de missão cumprida sobre alguma atividade ou até mesmo sobre algum projeto pendente? Pois bem! Você precisa usufruir deste momento como uma recompensa e como um momento de refletir sobre os prazeres de fechar as atividades (quando você consegue fechá-las). Se o “deixar para depois” gera grande insatisfação pessoal, por outro lado, conseguir resolver tudo isso no momento “agora” nos leva uma satisfação que nos impulsiona a novos momentos assim.

Ver as tarefas sendo “riscadas” em nossos blocos é maravilhoso! Use esse momento como uma arma contra vocês mesmo. Existem algumas ferramentas que podem ajudar na categorização das tarefas e também como administrá-las, exemplo o Wunderlist. Algumas delas também em versões mobile, para ajudar você a nunca perder o foco.

 

 

4 – Faça enquanto é pequeno

 

 

O que leva também à procrastinação é manter todo o foco em atividades maiores e deixar aquelas tarefas menores para mais tarde. Estas pequenas tarefas se acumulam e acabam virando grandes em algum momento. Amplamente falando e salvo as questões específicas, estas pequenas atividades que deveriam ter sido resolvidos primeiro, justamente por serem pequenas e rápidas. Ou até mesmo dividir entre pequenas e grandes dentro de um espaço de tempo.Infelizmente estas são esquecidas principalmente pelo fato de “serem muito pequenas” e que “podem ser feitas depois”, dentro do prazo. Isso é uma mentira de nossa mente e você nunca deverá deixar de lado para lembrar depois! Saiba que dificilmente voltará a realizar esta atividade dentro do prazo que você imaginava.

 

 

5 – Não trabalhe até se sentir esgotado

 

 

É certo dizer que a psicologia humana afirma que se você não tem nada pendente na cabeça, sua mente tende a sair do curso.

Em outras palavras você pode se distrair facilmente quando está cansado. A ideia aqui é você não chegar a este ponto, mas conseguir realizar suas pausas antes do momento de estresse ao realizar várias tarefas.

Em momentos específicos, vá tomar um cafezinho ou ouvir uma música, ler um jornal, ou até mesmo jogar um game.

Tudo isso para revitalizar sua “barra de energia”. Se você deixar sua “barra” chegar ao nível esgotado, com toda certeza via perder o foco de suas atribuições.

 

 

6 – Use o Poder da Motivação

 

 

Muitas vezes os funcionários se esquecem de suas atividades básicas dentro de uma empresa, e isso poderá leva-lo à procrastinação. Saiba que você tem um papel dentro da empresa e seu trabalho tem um propósito específico.

Essa é a base de você estar onde está. Se conseguir reinventar a maneira como executa suas tarefas, então está tomando as medidas certas para fortalecer-se. Se está difícil levantar-se pela manhã e ir trabalhar, reflita! Há algo errado! Se você não consegue se auto motivar, pense se não é hora de avaliar seu cargo ou a empresa onde está. A certeza é que, se está difícil até mesmo de começar algo, a procrastinação é uma consequência.

 

 

7 – Fuja das Tentações

 

 

As tentações são obstáculos reais. Cada uma tem sua lista de tentações a vencer diariamente: TV, telefone, computador, internet, Facebook, jogo, mensagem, chats, enfim, a lista não é pequena das coisas que podem nos tirar a atenção a cada minuto.

Você precisa optar por não cair nestes erros e seguir em frente no foco. Pense que estas atividades serão como uma recompensa compensadora de todo os esforço SE você tiver força de vontade. Se for preciso, isole-se por alguns momentos, fique off-line… Use suas ferramentas.

 

 

 

10 coisas que você pode fazer para controlar a procrastinação

 

 

Procrastinação é adiar ou evitar fazer algo que você deve fazer. É natural procrastinar ocasionalmente. No entanto, a procrastinação excessiva pode resultar em sentimentos de culpa e ansiedade por não cumprir uma tarefa quando deve ser feita.

Além disso, a procrastinação excessiva pode levar a um desempenho ruim se você tentar concluir uma tarefa com pouco tempo restante. Em suma, a procrastinação excessiva pode interferir no seu sucesso no concurso e na vida pessoal.

 

1. Passar muito tempo “olhando” para o que você precisa fazer uma tarefa é uma forma clássica de procrastinação.

2. Priorize as tarefas que você tem que fazer, pondo-as em em ordem de prioridade irá evitar o problema de tentar decidir por onde começar. Criar uma lista de “fazer” no início de cada dia. Mantenha a lista de um tamanho razoável e riscar fora cada coisa realizada.

3. Use lembretes visuais do que você tem que fazer. Coloque notas em lugares de destaque (por exemplo, porta de geladeira, tela de computador, e espelho) irá lembrá-lo de que algo precisa ser feito.

4.Programar cuidadosamente o que você tem que fazer, manter a sua programação, definir metas específicas e acompanhar o seu progresso em direção a realização irá ajudá-lo a evitar a sensação de que o trabalho é interminável.

5. Recompense-se quando você completar uma tarefa no tempo determinado. Você pode navegar na Internet, tomar um pouco de sorvete, ou fazer qualquer outra coisa que seja um reforço positivo para você.

6. Trabalhe com um grupo de estudo, ao menos em algumas ocasiões. A energia dos outros membros do grupo irá recarregá-lo.

7. Estude nos horários que você trabalha melhor. Alguns estudantes podem começar as tarefas na parte da manhã, enquanto para outros podem ser mais confortável a trabalhar à noite.

8. Não tente terminar tudo de uma vez. Quebrar as tarefas em partes menores e estudar por curtos períodos de tempo torna as atividades mais facilmente gerenciáveis.

9. Concentre-se em iniciar uma tarefa, em vez de terminá-la. Traga o seu foco do futuro para o agora. Identifique as formas pelas quais você procrastina e tome medidas diretas para eliminá-la.

10. Benjamin Franklin uma vez disse: “Você pode adiar, mas o tempo não vai.” Use as sugestões neste artigo para não atrasar o quê tem que fazer e para garantir que o tempo não trabalhe contra você.

 

Diga não a Procrastinação!

Na Bíblia


 

Procrastinação é o diferimento ou adiamento de uma ação, é negligenciar prazos, deixar tudo para depois. Para a pessoa que está procrastinando, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com suas responsabilidades e compromissos.

 As consequencias são: aflição, desespero, problemas financeiros, culpa, autocondenação, medo, baixa autoestima, etc... os males são terríveis! Espiritualmente falando a procrastinação é a chave que abre a porta para o espírito maligno da pobreza, pois quem procrastina, tem sérios problemas profissionais e financeiros.

A Bíblia registra no livro de Josué que por causa da procrastinação Israel parou a conquista da terra, simplesmente resolveram montar acampamento sendo que a terra estava entregue, sujeita a eles, Josué fica furioso em ver aquela situação e diz: ATÉ QUANDO SEREIS REMISSOS ( vagarosos, preguiçosos, negligentes, provocando atraso)EM PASSARDES PARA POSSUIR A TERRA QUE O SENHOR VOS DEU?

(Josué 18:03).  Observe que este mal deixa a pessoa anestesiada até na hora de conquistar, maldito satanas!

 

 

Podemos também citar Ló que atrasou sua saída de Sodoma e Gomorra, os anjos foram obrigados a pegar  Ló e sua família pelos braços, essa procrastinação de Ló custou a vida de sua esposa.

( Genesis 19 ),  outro homem negligente com a educação espiritual de seus filhos foi Eli,  seus filhos fizeram coisas horríveis, profanando o altar  e as ofertas, Eli ficou passivo, indiferente, negligenciou, e colheu o Juízo de Deus  seus filhos morreram, Israel perdeu a arca da aliança que representava a presença de Deus, o próprio Eli morreu e o ministério sacerdotal foi retirado completamente da família e dos descendentes de Eli.

Aquilo que temos que fazer hoje, não podemos deixar para amanhã, pois esse mal de procrastinação, traz muitos estragos na vida espiritual, sentimental, material (profissional e financeira).  Diga não a Procrastinação agora! 

Comece a abrir suas gavetas, seus arquivos, sua agenda, resolva sua situação, se você está com o dinheiro para pagar suas contas hoje, faça imediatamente, não deixe atrasar, não acumule tarefas, relatórios, não chegue mais atrasado no seu trabalho e  se tiver que perdoar alguém resolva perdoar hoje.

 Aproveito o hoje para você ficar em dia com Deus , com sua família, com seu ministério, com seu trabalho.

A libertação deste mal é para hoje!  HOJE SE OUVIRES A VOZ DE DEUS NÃO ENDUREÇAIS O VOSSO CORAÇÃO. Hebreus 04:08,09. Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não falaria depois disso de outro dia. Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus.

Resolva seus pecados e pendências, hoje, Paulo escreveu aos Efésios 04: 26 e 27 : Se vocês ficaram com raiva, não deixem que isso faça com que pequem , não deixe que o sol de ponha sobre a sua ira, para que o diabo não tenha direito de entrar em sua vida!

 

Abandone a procrastinação e seja diligente. pois a diligência é a cura para este mal.

 

 

O que trabalha com mão remissa ( vagarosa, negligente, preguiçosa, atrasada) empobrece, mas a mão dos DILIGENTES, vem a enriquecer. Proverbios 10:04

 

A mão do DILIGENTE dominará, mas a remissa ( mão do procrastinador ) será sujeita a trabalhos forçados.  O preguiçoso, não assará a sua caça, mas o bem precioso do homem é ser ele DILIGENTE .Pv. 12:24 E 27

 

Os planos do DILIGENTE tendem à abundância, mas a pressa excessiva ( desepero e aflição do procrastinador que deixou tudo para a última hora) à pobreza. Pv 21:5

 

Vistes um homem DILIGENTE na sua obra? Perante reis será posto; não será posto perante homens obscuros. Pv. 22:29

 

Diga não a procrastinação, peça perdão ao Senhor, reconheça esse mal em sua vida, peça ajuda ao Espírito Santo e arrependa-se, seja uma pessoa DILIGENTE, hoje.

 

 

ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS

 

 

No dia em que recebi a Cristo como Salvador, e entreguei minha vida para Ele, recebi de um cobrador de ônibus poucas horas após minha decisão um folheto com este título. Para mim, aquilo soou como uma confirmação do que havia ocorrido momentos antes, visto que ainda pairavam em meus pensamentos um turbilhão de ideias, impressões, etc., e, dentre eles, aquele que nos faz achar que não é preciso levar a fé tão a sério a ponto de deixar de fazer as mesmas coisas que sempre fizemos (baladas, farras, vícios, etc.) – afinal, para muitos,  a religião é apenas mais um ingrediente para suas vidas, nada mais.

“Antes que seja tarde demais” ficou marcado como um alerta, um aviso de que não sou dono do tempo, muito menos senhor dos acontecimentos ou eventos aos quais estou sujeito. Não me refiro especificamente a questões trágicas, como a morte ou doenças, por exemplo.

Mas, há muitas outras coisas que podem acontecer e paras as quais precisamos estar atentos e nos anteciparmos, antes que elas nos privem das oportunidades do presente e do futuro, ou que nos tragam amargas decepções.

Procrastinar é atitude dos fracos, dos covardes e preguiçosos. Deixar o que deve ser feito para amanhã é argumento de pessoas de caráter dúbio, de quem talvez não seja digno de total confiança.

Muitas vezes nos arrependemos por não termos dito ou feito algo que poderia evitar esta ou aquela dor de cabeça, então, só restam lamentos do tipo “Se eu tivesse feito ou dito isto ou aquilo quem sabe não seria diferente!”.

 

 

“Antes que seja tarde demais” é um incentivo para que você leitor, tome decisões urgentes em dizer e fazer tudo aquilo que deve ser dito e feito hoje, agora! Haja o que houver e doa em quem doer, mas fale e faça com a sabedoria que o Senhor pode lhe dar, aproveitando bem o tempo, discernindo as oportunidades e estando um passo a frente dos acontecimentos.

 

Pesquisa revela que 97% dos brasileiros tem o hábito de “deixar para última hora”

 

Quem nunca ouviu a expressão de que o brasileiro tem o hábito de deixar tudo para última hora? 

E se alguém ainda tinha dúvida de que a atitude não faz parte do cotidiano nacional, agora pode se conformar.

Uma pesquisa realizada pela empresa Triad Productivity Solutions, especializa em produtividade, revelou que 97,4% da população tem o hábito de deixar para depois alguma atividade do cotidiano.

 

 

Magda Hanna faz parte do grupo de 52,7% da população brasileira que adia compromissos relacionados à saúde.

Tarefas simples como responder um email ou até mesmo lavar a louça estão presentes na lista. Entretanto, de acordo com a pesquisa, que ouviu mais de 4 mil internautas de 22 Estados, as quatro atividades campeãs quando o assunto é “empurrar com a barriga” são: exercício físico (68%), leitura (64,2%), saúde (52,7%) e planejamento financeiro (46,8%). Deixar o curso de idiomas para depois ou começar uma especialização também são outras atividades muito lembradas.

Segundo a psicóloga Deise Carvalho, o comodismo e a falta de organização são os principais motivos que levam as pessoas a adiarem as atividades. “A pessoa diz que precisa cumprir aquela ação, mas não coloca como prioridade. Talvez porque exija um esforço que desagrada”, disse.

Ainda de acordo com a especialista, a procrastinação – que nada mais é do que o adiamento de uma ação – pode estar relacionada com uma angústia inconsciente que o ser humano tem em relação àquela atividade.

A internet ou falta de estímulo são os principais motivos que levam as pessoas a desistir de alguma atividade. As curiosidades das redes sociais, segundo aponta a pesquisa, induzem as pessoas a passarem o tempo na frente do computador e deixar outras tarefas de lado. Preguiça e falta de disposição aparecem com destaque no ranking de motivos para a procrastinação.

 

 

Deixa para depois

Os estudos mostram ainda que as principais tarefas adiadas são aquelas que a pessoa realmente não gosta de fazer e que são consideradas chatas, que atinge 86,5% dos entrevistados. Em seguida, compromissos longos ou que causam medo e desconforto.

Já as responsabilidades pessoais geralmente são deixadas para depois  por 26% dos entrevistados, diferentemente das atividades profissionais, que esta apnas a 13%).

Para Christian Barbosa, idealizador da pesquisa, as pessoas são propensas a deixar quase tudo para depois, principalmente se não houver cobranças. ”Talvez porque na vida pessoal ninguém fique cobrando que você leia determinado livro. Já no trabalho você tem chefe, colegas e clientes que esperam o resultado de sua produção e ficam no seu pé”, afirmou.

 

 

 

Força de vontade

Preocupar-se com a alimentação não é tarefa fácil para a empresária Magda Hanna. Desde que descobriu que tem hipotireoidismo, tenta manter a saúde em dia, mas sempre deixa a dieta para depois. Segundo ela, refrigerante e chocolate fazem parte do cardápio e sempre adia a consulta com o nutricionista ou endocrinologista quando pensa que eles vão impor regras. “Prometo que vou procurar o médico e seguir a dieta, mas sei que eles vão tirar o que mais gosto da alimentação, então estou sempre adiando. ”, afirmou.

Magda Hanna faz parte do grupo de 52,7% da população brasileira que adia compromissos relacionados à saúde. Ela afirma que o motivo pode ser o comodismo e a busca pela liberdade em comer sem se preocupar com as consequências. “Falta força de vontade para mudar este hábito e seguir a dieta corretamente. Não gosto de ser cobrada”, afirmou.

Para a psicóloga Deise Carvalho, a melhor forma de cumprir uma ação que sempre fica para depois é criar uma meta, mesmo que seja uma reeducação alimentar. “A pessoa deve ir fazendo aquela atividade aos poucos até criar um hábito e não adiar mais”, afirmou.

 

“Os únicos limites das nossas realizações de amanhã são as nossas dúvidas e hesitações de hoje.” (Franklin Roosevelt).

 

 

 

Estudo realizado por Pastor Rogério Costa

Caxias do Sul – 17/08/14

 

 

Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com

 

Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

Procrastinar

Data: 24/10/2015 | De: Dirlene Coelho

Estava procurando algo que definisse a procrastinação, que pudesse relacionar a todas as áreas da vida, este texto foi o mais completo, aborda o dia a dia, a vida espiritual, enfim, da ênfase no equilíbrio, se houver dedicação demasiada em alguma coisa, outros perecera, muito bom.

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!