Pessoas Tóxicas

 

 

De fato estamos cercados de pessoas tóxicas.  Pessoas que são egocêntricas, manipuladoras, interesseiras, arrogantes, rancorosas, amarguradas, mal amadas, invejosas ou fracassadas, que não conseguem ver o sucesso ou a felicidade alheia. Enfim, pessoas sombrias que minam os relacionamentos e amizades com intrigas, críticas excessivas, falta de consideração e respeito pelo outro e abusos verbais ou físicos. Pessoas muito perigosas de se conviver.  Essas pessoas tóxicas acabam, de alguma forma, nos envenenando. Direta ou indiretamente, acabamos agindo por influência delas, seja com atitudes ou omissões. Muitas vezes acabamos agindo por impulso para evitar essas pessoas, ou, na pior das hipóteses, acabamos agindo da mesma forma. São pessoas nocivas, intoxicando nosso comportamento e nos levando a agir e a tomar decisões que, em outras circunstâncias poderiam ser completamente diferentes.  São tóxicas, porque conseguem despertar o que há de pior dentro de nós, não apenas no sentido de maldade ou crueldade, mas no sentido de perdermos a identidade, a autonomia, a energia, a iniciativa e o poder de decisão. Ficamos estagnados, hipnotizados, paralisados. São verdadeiros vampiros, sem Luz própria, que consomem nossa energia vital, que exploram e manipulam pessoas de acordo com os seus interesses e vivem às custas da energia dos outros para se sustentarem.

Tóxicas  são aquelas pessoas que sabem tudo a respeito da vida das outras pessoas, mas não conseguem administrar a própria vida. Sabem dar conselhos como ninguém tem um discurso lindíssimo para o mundo lá fora, mas que, na vida pessoal, nos bastidores, na vida íntima, são pessoas frustradas, isoladas, verdadeiras ilhas no meio da sociedade, que não tomam para si os próprios conselhos. Sabem olhar de fora, apontar defeitos, problemas, erros. Mas não sabem participar, não conseguem enxergar os próprios problemas ou defeitos. Apontam os erros alheios para, de certa forma, esconder os seus próprios. São os “sabe-tudo” e só a sua forma de pensar é que está certa. Não suportam ser contrariados e confrontados. Quando o são, perseguem a pessoa até “livrarem-se” dela ou então se vingam. Seu ego é superlativo para compensar a sua extrema falta de Amor-Próprio. Usam as pessoas conforme seus interesses e, quando estas discordam de suas ideias, são descartadas e eliminadas, sem a menor consideração.

 

 

  A toxicidade reside exatamente no fato de não nos darmos conta de que estamos sendo manipulados ou influenciados. Ficamos hipnotizados, fascinados, imersos numa imensa ilusão, até o dia em que despertamos e tomamos consciência de que estamos muito mal, morrendo por dentro, e que algo urgente necessita ser feito. Um corte para a nossa libertação, para resgatar a nossa sanidade, saúde, alegria de viver.   Em nossa busca pela felicidade, por tudo aquilo que nos traz bem-estar e alegria, o grande segredo é não se deixar influenciar, se afastar e evitar a convivência com esses tipos. Isso não significa alimentar  sentimentos  negativos dentro de si com relação a eles, mas de preferência visualizá-los felizes e agradecidos em sua vida, emanando energias e vibrações positivas.  Reflita, você convive intimamente com alguma pessoa tóxica, seja na família, no trabalho, ou nas “amizades”?   Tenha cuidado, afaste-se, fique longe o quanto antes dessas pessoas.   Cuide-se, preserve-se, seja você mesmo, seja pleno e feliz.  E acima de tudo sempre perdoe essas pessoas, muitas vezes, elas não tem consciência de seus próprios malefícios.

 

 

10 tipos de “pessoas tóxicas” que você deve evitar na sua vida

 

 

Você convive com elas o tempo todo: no seu trabalho, em eventos, na sua família. Pessoas tóxicas são aquelas que exalam algum tipo de sentimento ou característica ruim que pode afetar seu dia a dia.Como qualquer tipo de toxina, você precisa limitar sua exposição a essas pessoas ou até mesmo cortar laços para se proteger. Segundo o site da revista "Inc.", esses sujeitos infelizmente não vêm com avisos ou alertas. Por isso, aqui vão alguns sinais para identificar esses tipos:

 

1. Pessoas arrogantes
Há uma grande diferença entre confiança e arrogância. Confiança inspira; arrogância intimida. Pessoas arrogantes sempre sabem mais e se sentem superiores aos outros. Elas nunca vão celebrar sua confiança, porque isso interfere na arrogância delas.

 

2. Pessoas vítimas
Uma das piores pessoas que você pode encontrar na sua vida são as que sempre se fazem de vítimas. Elas olham para seus próprios erros e sempre encontram alguém para culpar. Elas nunca se responsabilizam pelas vidas delas.

 

3. Pessoas controladoras
Elas sabem tudo e a melhor forma de fazer qualquer coisa, mas no fundo são pessoas extremamente inseguras. O problema é que enquanto você estiver rodeada por elas, você nunca terá chance de dar sua opinião ou ser escutado.

 

4. Pessoas invejosas
Elas nunca estão felizes com o que têm e são incapazes de ficarem felizes pelas boas coisas que acontecem com você. Elas acreditam que se alguma coisa benéfica tem que acontecer, deve ser com elas.

 

5. Pessoas mentirosas
Mentirosos crônicos são perigosos porque você nunca saberá no que acreditar. Você não poderá contar com as promessas deles ou suas palavras. Eles mentirão para você sobre outras pessoas e sobre outras pessoas para você.

 

6. Pessoas negativas
Você provavelmente deve conhecer alguém que vive irritado, ressentido, desconfiado de tudo. Negatividade destrói relacionamentos e passar tempo com pessoas assim dá a sensação de que estão sugando sua vida.

 

7. Pessoas gananciosas
Muito de nossa cultura nos guia para querer mais, alcançar mais, faturar mais. Até certo ponto isso é bom, mas se torna tóxico quando alguém quer tudo – o que é seu ou dos outros –, e o processo de conquistar essas coisas se torna mais importante do que até mesmo viver.

 

8. Pessoas que julgam
Há uma grande diferença entre julgar com base em dados objetivos e julgar apenas para criticar. Pessoas que julgam demais são rápidas para tirar conclusões que nem sempre se provam corretas. Elas são péssimas ouvintes e comunicadoras.

 

9.  Pessoas fofoqueiras
Elas conversam sobre os outros sem distinguir o que é especulação e realidade. Isso é uma forma de elevá-las acima de suas inseguranças. Poucas coisas são mais destrutivas do que fofocas.

 

10. Pessoas sem caráter
Se uma pessoa não tem integridade ou honestidade –  trair, manipular, fofocar fazem parte de suas atitudes diárias –, haverá poucas coisas que ela não faça para conseguir o que quer.

 

 

7 Maneiras Inteligentes De Lidar Com Pessoas Tóxicas

 

 

Sobreviver aos altos e baixos e passar por cima das mudanças de humor de outras pessoas pode ser muito desafiador. É importante, porém, lembrar de que pessoas temperamentais e negativas podem estar passando por uma fase difícil em suas vidas.  Elas podem estar doentes, extremamente preocupadas, ou mesmo sentindo a falta daquilo de que necessitam em termos de amor e apoio emocional. Pessoas como estas precisam ser escutadas, apoiadas e cuidadas.  Embora, por qualquer que seja a causa de suas mudanças de humor repentinas e negatividade, você ainda precise se proteger do comportamento delas às vezes.Mas existe outro tipo de comportamento temperamental e negativo: o do bulinador tóxico, que usará seus balanços de humor para intimidar e manipular. Este é o aspecto do temperamento ruim, que inflige abusos e miséria duradouros.  Se você observar estas pessoas de perto, você perceberá que as atitudes delas são exageradamente pensando em si mesmas. Suas relações são priorizadas de acordo com a forma como cada uma pode suprir suas necessidades pessoais.    Este é o tipo de comportamento que pretendo explorar neste artigo, o comportamento de pessoas tóxicas. Então, como você pode lidar com essa implacável toxicidade peculiar de outras pessoas?

 

1. Siga Adiante Sem Pessoas Tóxicas.

Se você conhece alguém que insiste em manipular a atmosfera emocional destrutivamente, então, tenha certeza: eles são tóxicos.  Se você está sofrendo por causa das atitudes deles, se a sua compaixão, sua paciência, seus conselhos e sua atenção não parecem ajudá-los, e eles não parecem importar-se nenhum pouquinho, pergunte-se: “Eu preciso desta pessoa em minha vida?”  Quando você deleta pessoas tóxicas do seu ambiente, torna-se muito mais fácil respirar. Se as circunstâncias lhe garantem isto, então, deixe esta pessoa para trás e prossiga quando for necessário.   E se precisar conviver com elas por alguma razão, considere os próximos pontos.

 

2. Pare De Fingir Que O Comportamento De Pessoas Tóxicas É Bom.

Se você não tomar cuidado, pessoas tóxicas podem usar seu comportamento temperamental para conseguir tratamento preferencial, porque… bom… parece mais fácil, para aquietálas, escutar suas retóricas aborrecidas.  Não se deixe passar por bobo.   Facilidades por um tempo curto significarão sofrimento por longo período de tempo para você, em situações como estas.

Drama constante e negatividade são coisas com que nunca vale a pena se conviver.   Se alguém a cima de 21 anos de idade não consegue ser um adulto racional, confiável, de um modo regular, é hora de ser.

 

3. Imponha-se Sobre Pessoas Tóxicas (Ou Descarte-As Da Sua Vida Por Completo).

Defenda a você mesmo. Algumas pessoas farão qualquer coisa para seu próprio ganho às custas de outras: furar filas, tomar o dinheiro e a propriedade, bulinar e desmerecer, jogar a culpa, etc.  Não aceite este comportamento. A maioria destas pessoas sabem que estão agindo errado e irão desistir surpreendentemente rápido quando confrontadas.   Na maior parte dos meios sociais, as pessoas tendem a permanecer quietas até que alguém se imponha.  Então, IMPONHA-SE.

Algumas pessoas tóxicas irão usar a brabeza como uma maneira de influenciar você, ou elas podem não lhe responder, quando você está tentando comunicar-se, ou interrompê-lo e começar a falar negativamente sobre alguma coisa de que você gosta.   Se você se atrever a falar mais alto e responder ao comportamento delas de maneira adversa, elas poderão surpreender-se ou ficar com mais raiva, por você ter transpassado o comportamento temperamental delas.   Mas você deve falar mais alto de qualquer forma e, se não surgir efeito, considere descartar essas pessoas inflexíveis e negativas da sua vida por completo.

 

4. Se Necessário, Coloque Os Pés No Chão.

Sua dignidade pode ser atacada, devastada e desgraçadamente zombada, mas jamais pode ser tirada, a menos que você se entregue a isto. Só depende de encontrar a força para defender seus limites.  Demonstre que você não será insultado ou desmerecido.  A mensagem é clara: não há recompensa para indiretas, e nenhum jogo será feito para cima de você.  

Pessoas realmente tóxicas poluirão todos ao seu redor, inclusive você, se você lhes permitir.  Se você tentou ser racional com elas, e elas não estão se ajudando, não hesite em deixar de dar espaço a elas ou ignorá-las até que aprendam.

 

5. Não Leve O Comportamento Tóxico Delas Para O Lado Pessoal.

São elas, e não você. As pessoas tóxicas tentarão alegar que, de alguma maneira, você fez algo errado.    E porque o botão “sentir-se culpado” é grande em muitos de nós, até o argumento de que fizemos algo errado pode machucar nossa autoconfiança e desacomodar nossa mentalidade bem resolvida.  Não deixe que isto aconteça com você.   Lembre-se que existe uma grande liberdade que vem até você, quando você não leva nada para o lado pessoal.    A maioria das pessoas tóxicas se comportam negativamente, não só com você, mas com todos aqueles com quem interagem.   Mesmo que a situação pareça pessoal, mesmo que você se sinta insultado diretamente, de modo geral, não tem nada a ver com você.   O que elas dizem e fazem, as opiniões que elas têm, baseiam-se inteiramente em suas próprias reflexões pessoais.

 

6. Pratique A Compaixão Prática.

Por vezes, faz sentido ser simpático com pessoas tóxicas que você saiba que estejam atravessando uma fase difícil, ou aquelas que estão sofrendo de uma doença. Não há questionamentos nisto.  Pessoas tóxicas podem ser angustiadas, depressivas, ou mesmo mentalmente ou fisicamente doentes, mas você ainda precisa diferençar o problema real delas da maneira como se comportam em relação a você.  Se você deixa as pessoas se saírem bem com algo errado, porque elas estão angustiadas, encarando um problema médico, ou deprimidas…  Mesmo assim, você está fazendo com que isto seja um prato cheio para que elas continuem usando sua situação desfavorável, inconscientemente, como um meio para chegar a um fim.  Existem muitas pessoas que estão passando por extremas dificuldades e que não são tóxicas para todos ao redor de si. Somente podemos agir com compaixão genuína quando estabelecemos limites.

 

7. Dê Tempo A Si Mesmo E Recarregue As Energias.

Se você é forçado a conviver ou trabalhar com uma pessoa tóxica, então, certifique-se de poder tirar tempo para relaxar, descansar e recuperar-se.  Ter de jogar as regras de um adulto racional e centrado na cara da temperamentalidade é exaustivo, e se você não tomar cuidado, a toxicidade poderá afetar você.  Outra vez, entenda que até mesmo as pessoas que possuem verdadeiros problemas e doenças clínicas são capazes de compreender que você também tem necessidades, o que significa que você pode, educadamente, desculpar-se quando precisar. Você merece este tempo afastado.  Você precisa pensar pacificamente, livre de pressão e de comportamento tóxico. Sem problemas para resolver, limites para estabelecer, ou personalidades para satisfazer.  Por vezes, você precisa dar tempo a si mesmo, longe deste mundo ocupado, que não dá tempo a você. Aproveite esse tempo também para autoreflexão e, se aplicável, buscar remover hábitos tóxicos próprios.    E, se necessário, medite. Meditação pode fazer milagres para sua saúde mental e emocional.

 

Pessoas Tóxicas: Mantenha distância.

 

 

Especialista em mediação familiar e de conflitos, Margarida Vieitez dedica-se há mais de vinte anos ao estudo e ao acompanhamento de conflitos diversos, nomeadamente familiares, conjugais e de divórcio. Licenciada em Direito, dedicou-se ao Direito da Família, tendo feito seis pós-graduações, entre as quais Mediação Familiar, Mediação de Conflitos e Saúde Mental. É fundadora do Espaço Família e, mais recentemente, do projeto LoveDoctors.

Há pessoas que nos deixam maldispostos, que nos consomem todas as energias, que nos fazem sentir culpados, que nos fazem questionar a nossa capacidade de julgamento. São pessoas tóxicas e transformam-nos numa má versão de nós mesmos. Publicado nesta semana, o livro SOS Manipuladores é um verdadeiro manual para saber identificar e afastar da nossa vida quem nos faz mal.

Quem são estes vampiros emocionais, as pessoas tóxicas das quais fala no seu livro?
Defino um tóxico como uma pessoa que não nos quer bem e nos pode fazer mal, se permitirmos. Existem muitas caraterísticas diferentes, não as conseguimos inventariar todas, mas as que aparecem com mais frequência são as pessimistas. São aquelas pessoas que veem o copo sempre meio vazio, que nos estão sempre a dizer «tem cuidado» e «vê lá no que te vais meter». Têm uma visão da vida muito cinzenta. Mas há outras, como as que não nos deixam evoluir e nos puxam para trás ou as que estão conosco quando estamos mais em baixo, mas que não conseguem partilhar a nossa alegria. Será que são mesmo nossas amigas? Podemos escolher quem faz parte da nossa vida, para além da família. Os nossos amigos e os nossos companheiros somos nós que escolhemos. Porquê estar com pessoas que não nos fazem bem?

 

Porquê?
Porque temos muita dificuldade de afirmação, de dizer não e, além disso, geralmente, quando descobrimos que tipo de pessoa temos à frente já é tarde. As pessoas vão-se revelando com o tempo, de início tendem todas a ser simpáticas, atenciosas e generosas.

 

E muitas vezes quando percebemos que a pessoa é tóxica já existe um relacionamento mais íntimo e outros sentimentos envolvidos?
Sim, e nessa altura tomar uma atitude é mais difícil. Porque já estão muitas coisas em causa: uma relação duradoura, filhos, família, todo um projeto de vida. Aí temos de perceber o que sentimos. Por exemplo, escrevendo num papel, todos os dias, ao longo de um mês, o que sentimos ao pé da pessoa. Isso permite que tenhamos distanciamento e percebamos qual é o sentimento mais frequente. Conseguimos definir qual é o comportamento do outro de que não gostamos e perceber como é que reagimos perante isso.

 

Às vezes não reagimos de todo, para evitar o conflito.
Sim, ninguém gosta de estar em guerra com ninguém, por isso, muitas vezes, anulamo-nos a nós próprios.

 

E isso não tem consequências a médio prazo?
Tem, sem dúvida. Mesmo a nível de saúde. Muitas vezes as pessoas sentem-se fragilizadas não só do ponto de vista emocional como apresentam sintomas físicos porque começam a somatizar. Aparecem no consultório a queixar-se de insónias, de dor no peito, de falta de apetite, de falta de interesse, começam a deprimir. Temos de perceber o que se passa connosco. Porque é que nos mantemos naquela situação.

 

Tendemos a achar que o problema está em nós e não no outro?
Muitas vezes sim. Ao longo dos anos, mesmo em consulta, apareceram-me muitos casos de pessoas que chegavam a casa e ficavam maldispostas ou faziam horas extraordinárias no emprego porque não lhes apetecia ir para casa ou, pelo contrário, acordavam de manhã sem vontade de ir para o trabalho. O problema nem sempre é a falta de vontade da pessoa, é quem lá está à nossa espera. As pessoas com quem estamos têm uma influência muito grande sobre o nosso estado emocional e o nosso equilíbrio. Assim como há alimentos que podem intoxicar-nos, também há pessoas que podem intoxicar-nos.

 

E quando percebemos isso, se calhar, mais do que questionar porque é que a pessoa tem aquele comportamento, importa perceber porque é que nós o toleramos?
Exatamente. Porque há sempre uma explicação. E antes de tentarmos mudar o outro, devemos tentar perceber o que é que se passa connosco e mudarmos nós. Até porque, quando nós mudamos, o outro também muda.

 

Muda mesmo? Um tóxico pode reabilitar-se?
Tenho muita esperança e muita fé nas pessoas. Acho que, se realmente quiserem, podem alterar o comportamento. Mas é difícil, em muitos casos. Por exemplo, nos casos dos ciumentos ou dos obsessivos é muito difícil mudar, mas é possível se a pessoa perceber o que se está a passar e pedir ajuda especializada.

 

E uma pessoa tóxica é assim com toda a gente ou só com algumas pessoas?
Normalmente, é para toda a gente. Não gosto de generalizar, mas costuma ser um padrão. Por exemplo, uma pessoa que costuma ter inveja dos outros tem-na em relação a todas as pessoas, sem discriminar alvos.

 

Estabelece uma diferença entre as pessoas tóxicas e as altamente tóxicas – sendo as altamente tóxicas as manipuladoras. O que distingue estes dois tipos de pessoa é a intencionalidade?
As pessoas tóxicas, como as pessimistas, por exemplo, são pessoas com quem podemos conseguir lidar e que, às vezes, até têm esse comportamento por uma questão de preocupação, não existe uma má intencionalidade. Os manipuladores conseguem controlar completamente a vida do outro e é esse o objetivo deles. Os manipuladores, embora possam não ter noção das consequências dos seus atos, têm a intencionalidade de controlar, de criar dependências para atingir resultados. Têm uma estratégia.

 

E que estratégia é essa? Como é que podemos perceber que temos um manipulador à nossa frente?
O manipulador começa por ser muito sedutor. São pessoas simpáticas, cordiais, interessadas, que satisfazem os nossos desejos, que estão sempre disponíveis para nós e para os nossos problemas. Passam-nos a ideia de que ao lado delas não vamos ter problema nenhum. A nível das relações amorosas, surpreendem imenso, dão muita atenção, são meigas, fazem tudo para seduzir e conquistar. Só depois de a pessoa estar conquistada e confiar é que começam a manipular.

 

Mas, nesse caso, já é tarde quando conseguimos detetar.
Podemos desconfiar se a atenção for em exagero: se está sempre a ligar, a mandar mensagens, a querer estar sempre presente. Os manipuladores dão estes sinais, nós devemos estar atentos, colocar limites e perceber como é que o outro reage aos limites que colocamos.

 

Devemos testar, é isso?
Sim, e logo no início das relações. Por exemplo, não atender um telefonema, rejeitar um convite quando se está com trabalho ou cansado e ver como é que a pessoa reage.

 

Como é que o manipulador reage?
Muito mal. Uma pessoa que goste de nós diz «Ok, então descansa e saímos depois», ou, se não atendemos, pode comentar «Liguei há pouco, mas devias estar ocupada» ou nem sequer faz menção a isso. O manipulador lida muito mal com contrariedades e frustração. Assim que percebe que não consegue dominar o outro, a reação é má e esse é um dos indícios de que temos um manipulador a querer entrar na nossa vida.

 

Não há propriamente estatísticas sobre isto, mas em vinte anos de mediação familiar já viu o suficiente para ter noção se há um perfil típico…
A manipulação é muito transversal, temos mulheres e homens, de muitas faixas etárias, com formação e níveis socioeconómicos muito diferentes. E não se pense que uma vítima de manipulação tem de ter um nível socioeconómico baixo ou pouca formação. Há mulheres inteligentíssimas, de sucesso, muito atraentes, que são vítimas de manipulação e continuam nas relações.

 

Há casos que a tenham impressionado especialmente?
As histórias têm todas muitos traços comuns. Mas, talvez por ser mulher, faz-me muita impressão ver estas mulheres que se deixam manipular assim. O amor não deve ser um sofrimento, isso é desamor.

 

Mas assim como existem pessoas tóxicas também existem pessoas nutritivas.
Sem dúvida, é uma ótima palavra! Muito nutritivas. Porque uma relação saudável é uma relação que nos faz crescer, que nos faz evoluir e que nos faz mostrar a nossa melhor versão, o melhor que há em nós. Para quê estar com uma pessoa que nos torna ansiosos, tristes, agressivos? Não estamos cá para sofrer. Temos direito a ser felizes.

 

 

Como conseguir viver bem ao lado de pessoas com características “tóxicas“?

 

 

 

1) NÃO TENTE MUDAR A PESSOA

Isso é um pouco decepcionante, pois, na prática, é difícil não tentar mudá-la. Ainda mais se gostamos e queremos o bem da pessoa.Ocorre que é preciso levar em conta que ninguém muda pelo outro.  Só mudamos porque queremos mudar e, mesmo assim, é um processo difícil e demorado.

 

2) AJUSTE AS SUAS EXPECTATIVAS SOBRE A RELAÇÃO

Não espere valorização ou algum tipo de reconhecimento por algo que você fez para a pessoa. Pessoas difíceis são inseguras e com baixa auto-estima, apesar de, muitas vezes, apresentarem uma fachada que mostra exatamente o contrário.Geralmente, sabem tudo sobre a vida alheia, mas não conseguem enxergar a si mesmas.Costumam falar: “Eu não tenho problemas” ou “É você que está com problema”. Portanto, se essas pessoas não conseguem reconhecer o próprio valor, imagine ver o valor dos outros!

 

3) CUIDE DE SUA AUTO-ESTIMA

Essas pessoas sempre tentarão abalar o que você pensa sobre si mesmo. Potencializam os seus pontos fracos e o enchem de culpa e frustrações. Portanto, cuide de sua auto-estima para conquistar uma imunidade emocional cada vez mais forte e, consequentemente, conseguir se desviar de qualquer “ataque tóxico” da pessoa.Portanto, é possível se proteger da “toxicidade” dessas pessoas e não deixar sua vida ser dominada por elas.  Não se desgaste emocionalmente tentando mudar a pessoa. Aproveite para usar essa energia para si mesmo. Invista na construção de uma auto-estima à prova de balas e, consequentemente, viva com menos estresse e mais felicidade ao lado de qualquer pessoa saudável ou “tóxica”.

 

 

10 tipos de pessoas tóxicas que deve evitar a todo o custo

 

As toxinas estão em todo o lado: no ar, na água, na comida. Mas as pessoas tóxicas não são menos prejudiciais e podem causar danos graves na sua vida. O site Inc. criou uma lista de vários tipos de pessoas tóxicas das quais se deve manter longe.

 

 

As pessoas tóxicas estão em todo o lado e é pouco provável que nunca se tenha cruzado com uma delas no seu dia a dia. Mas tal como deve combater as toxinas, também deve evitar a exposição a este tipo de pessoas. Elas não vêm com um alerta mas há vários sinais que as denunciam.

 

1. Arrogância

Há que perceber que existe uma grande diferença entre confiança e arrogância. Se a confiança inspira, a arrogância intimida. As pessoas arrogantes acreditam que sabem sempre o que é melhor e sentem-se superiores aos outros. Não se iluda: elas nunca vão celebrar a sua confiança porque interfere com a arrogância delas.

 

2. Vitimização

Um dos tipos de pessoas mais perigosas que pode ter na sua vida é a eterna vítima. Para elas os seus problemas são sempre mais importantes e a culpa das situações nunca é delas, é sempre dos outros. Nunca assumem a responsabilidade pelos seus atos.

 

3. Controlo

As pessoas controladoras, por natureza, acreditam sempre que sabem tudo e que são as melhores a fazer qualquer coisa. Normalmente, este tipo de pessoas esconde-se no controlo para esconder a sua insegurança. Mas enquanto elas estiverem por perto, nunca irá conseguir expressão uma ideia ou opinião.

 

4. Inveja

As pessoas invejosas têm um grande problema:  nunca estão satisfeitas com o que têm. Isso faz com que não sejam verdadeiramente felizes e não saibam dar valor às coisas positivas que acontecem na sua vida. E por essa razão, não conseguem apreciar as conquistas dos outros porque acreditam que, se há coisas boas a acontecer, têm de acontecer com elas.

 

5. Mentiras

Quem nunca disse uma mentira? Uma mentira pode ser inofensiva ou não mas no caso de mentirosos compulsivos o caso pode tomar proporções mais graves. Até porque nunca saberá se a pessoa está a dizer a verdade ou não e nunca saberá se pode acreditar no que lhe está a ser dito ou não. Essa desconfiança faz com que nunca possa confiar inteiramente nessa pessoa. Porque ela tanto lhe contra mentiras sobre os outros como conta mentiras aos outros sobre si.

 

6. Negatividade

É muito provável que conheça alguém que está sempre de mal com a vida e que desconfia de tudo. A negatividade pode destruir relações e se passar muito tempo com este tipo de pessoas vai sentir que lhe estão a sugar a boa disposição.

 

7. Ganância

Desejar mais e melhor é natural na vida de uma pessoa. Mas quando levado ao extremo é prejudicial. Uma pessoa gananciosa vai querer conquistar tudo apenas para si, o que é delas e o que não é. E quando o conseguem, isso torna-se o foco das suas vidas.

 

8. Julgamento

Há uma grande diferença entre dizer uma opinião ou ser opinativo. As opiniões são objetivas e têm por base o descernimento, enquanto ser opinativo é apenas emitir críticas. Estas pessoas são muito rápidas a criar conclusões. São más ouvintes e comunicadoras.

 

9. Bisbilhotice

Um bisbilhoteiro acredita que está a ter uma conversa sobre alguém como uma troca de informação. Eles fazem-nos para se sentirem superiores e esconderem a sua insegurança. No entanto, não consegue distinguir entre especulação ou facto. Poucas coisas são mais destrutivas do que a bisbilhotice.

 

10. Falta de caráter

Quando uma pessoa tem falta de valores e não é honesta e engana, mente, manipula, é bisbilhoteira e gananciosa, não há muitas coisas que não faça. Não olha a meios para atingir os fins. Se decidir que é um obstáculo, ela vai tornar a sua vida num inferno.

 

 

Minha opinião pessoal:

 

 

Minha intenção é de colocar como nossas atitudes e certos padrões de comportamentos afetam nossa saúde física e emocional, mas para ter uma saúde equilibrada, muitas vezes, não depende só da gente, pois vivemos cercados de pessoas com suas variadas complexidades.  Quando percebemos que mantemos ao nosso lado pessoas e relacionamentos que não valem a pena, que esgotam nossa energia e nos fazem sentir mal… (Creio que a a maioria das pessoas tem esse tipo de pessoa próxima por causa dos laços de família), muitas vezes isso acontece porque permitimos, nem sempre somos vítimas desse tipo de pessoas, nós é que damos abertura a elas, damos o poder a elas para nos manipular, talvez por medo de não sermos aceitos, ou querer aprovação, por carência, por estar com auto-estima  lá chão e por aí vai.  Resolvi escrever minha opinião aqui no tópico depois de ler muitos comentários dizendo que é egoísmo e não devemos nos afastar de pessoas que precisam de ajuda, que Jesus ensinou isso ou aquilo, mas esquecem  que Jesus também ensinou: “Ame o próximo como a ti mesmo”. Como amarei o próximo se não me respeito,  se não me amo e não busco o que imagino que seja o melhor para mim?   Eis a questão: Quem é mais importante?  Você ou o outro?   Eu respondo que EU sou mais importante,  pois se eu não estiver bem e equilibrado nenhum tipo de relação vai agregar coisas boas em minha vida e não saberei amar e respeitar quem estiver ao meu lado… E se para EU ficar bem for preciso me afastar de pessoas que me desvalorizam ou querem me manipular de alguma maneira, que me criticam apontando o dedo potencializando meus defeitos enchendo-me de frustrações, então eu prefiro me afastar sem culpas e remorsos… Ninguém muda ninguém, o que podemos e devemos fazer é mudar a nós mesmos. Cuidar da auto-estima  para conquistar imunidade emocional, buscar companhia de pessoas nutritivas que irão agregar em nossas experiências de vida… Mas é preciso saber identificar relações saudáveis com problemas normais que nos ensinam a lidar com as diferenças de relações tóxicas.Tantos problemas de saúde surgem por não conseguirmos equilibrar nossas emoções, segundo a metafísica da saúde todos os desequilíbrios em nosso corpo surgem de um desequilíbrio emocional.Vou citar alguns exemplos:  Metafisicamente, o útero é afetado quando a mulher se distancia das suas características básicas, assumindo posturas de vida que não correspondem a sua maneira de ser. Geralmente isso ocorre por ter sido muito criticada ou, ainda, por ter tido os piores resultados ao agir de acordo com seus princípios. Quando a mulher perde sua originalidade, espontaneidade para agradar aqueles com quem convive, ela pode ter sérios problemas no útero. A inflamação dos brônquios revela um estado emocional de desconforto e irritabilidade acerca do que se passa ao redor. Essa condição é desencadeada pela falta de habilidade em lidar com os fatores internos frente às situações.  Quem tem seus brônquios inflamados geralmente vive num ambiente tumultuado, com atritos e discussões, ou num silêncio demasiado, em que não há diálogo entre as pessoas. Ambos os casos podem causar medo de se expressar e ser tratado com estupidez ou com indiferença.Em virtude disso, algumas pessoas afetadas pela bronquite preferem se isolar e permanecer caladas; outras recorrem ao exibicionismo para chamar a atenção; existem, ainda, aquelas que se revoltam e se tornam rebeldes.  Conviver com pessoas muito críticas e que não te dá oportunidade de se expressar, de ser  você  mesmo, e não respeitam suas  ideias  pode gerar problemas na garganta.  De modo geral a DOR NA GARGANTA, segundo a metafísica da saúde representa dificuldade de se expor, e profundos aborrecimentos em relação à sua própria conduta. A frustração de não conseguir falar o que sente ou de não fazer o que sabe afeta as emoções, disparando o “gatilho somático” que atinge diretamente a garganta. Quando a febre surge, no âmbito metafísico esse padrão refere-se a um estado de profunda irritação contida.  A gastrite refere-se metafisicamente a irritação com o que se passa ao redor. Preocupação excessiva com os episódios que estão a nossa volta.  Na fibromialgia, a pessoa sente-se extremamente arrependida por ter sido omissa nas situações passadas, vítima da falta de apoio e de consideração dos outros.  Foi displicente com as necessidades próprias para atender às solicitações alheias; arrepende-se por ter feito para os outros aquilo que deveria ter feito para si mesmo.  A pressão baixa é caracterizada pelo comportamento de fugir dos acontecimentos,  inconscientizando  as situações conflitantes.  As pessoas afetadas pela pressão baixa, sempre que se deparam com episódios difíceis negam-se a enfrentá-los, querem esquecer que estão passando por tais problemas.   Esses são apenas alguns exemplos de como nosso desequilíbrio emocional afeta nossa saúde, e como sabemos que ninguém vive sozinho, precisamos nos dedicar mais às pessoas que respeitam e aceitam sem críticas o que temos de melhor a oferecer e que também nos dão o seu melhor, não precisa ser perfeito porque ninguém é, mas é preciso respeito mútuo. Foi por causa desses conceitos psicossomáticos, e claro, por experiência própria de conviver com pessoas autoritárias e manipuladoras que eu acho imprescindível nos afastar de pessoas que nos sugam, que nos criticam o tempo todo causando-nos insegurança e medo de nos expressar, pessoas que se acham donas da verdade, que não conseguem te ver bem que já encontra um jeito de tentar te por para baixo, pessoas que menosprezam suas ideias e seus ideais, que manipulam e tentam de todo jeito te tirar a liberdade de ser quem você realmente é.

 

 

Estudo realizado por Pastor Rogério Costa

Caxias do Sul – 22/02/16

 

 

Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com

 

 

 

Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!