Manipuladores

 

Como identificar e neutralizar manipuladores?

 

A amizade é o sentimento mais belo que existe, pois através dela é possível escrever histórias que ficarão marcadas para o resto de nossas vidas.   Não duvide: nada é mais gratificante e motivador do que ter uma pessoa em que podemos confiar para dividir as nossas decepções, contar os nossos segredos, e manifestar os nossos íntimos desejos.   Com o passar do tempo, essa criatura acaba se tornando mais do que uma irmã para nós, visto que geramos um grau de afinidade tão grande que passamos a morar dentro dessa alma, fazendo com que tenhamos um inigualável tesouro que o dinheiro nunca pôde e nunca poderá comprar.  Evidentemente, somos seres absolutamente dependentes dos nossos semelhantes: precisamos compartilhar coisas, praticar a generosidade e a abnegação, sermos auxiliados em momentos obscuros, dar e receber carinho, confrontar ideias para recebermos críticas e elogios, ensinar e receber de volta conhecimento, enfim necessitamos de interação.   Em razão dessa óbvia e estarrecedora conclusão, o brilhante escritor Vinicius de Moraes acertadamente disse: “Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos.”    O estupendo pensador nos dá uma base sólida para interpretarmos o tamanho e a representatividade de um amigo na vida de um reles ser humano. Note como as pessoas solitárias são infelizes, melancólicas, vazias e sem esperança, porquanto vivem cercadas de si mesmas e não se abrem para o mundo. São entidades apáticas, orgulhosas, vaidosas, apatetadas e vastamente alienadas, dado que fogem das conexões sociais por medo de mostrarem suas verdadeiras faces e imperfeições.   Em outras palavras, esses indivíduos vivem se escondendo por não acreditarem nas próprias ideias e por serem tímidos e demasiadamente inseguros, nadando em um oceano completamente desabitado e sofrendo por surfarem em um mar onde só existem miragens e ilusões. 

Estamos sob a lei da justiça universal e colhemos exatamente aquilo que plantamos, de sorte que quanto mais bondade praticarmos mais felizes e completos seremos. Você desconfia dessa inquestionável reflexão?

Então faça uma análise em sua cidade e repare o comportamento das pessoas mais bem sucedidas: note calmamente e você perceberá que elas possuem uma característica em comum, a saber: a socialização.   E não poderia ser diferente porque quanto mais amamos os nossos semelhantes, mais inteligente nos tornamos, pois passamos a vencer os nossos egos inflados e as nossas naturezas autos sabotadoras.   Um homem só passa a ser sábio e poderoso a partir do momento em que decide viver para os outros e não para si mesmo.   Servindo o próximo, encontramos as sagradas respostas da vida, gerando um mapa transcendental que nos entrega o caminho da paz, da certeza e da felicidade.   Não duvides, aquele que aceitou ser lapidado pela sua comunidade herdou instintivamente as chaves do paraíso e tem força e autonomia para concretizar qualquer desejo, mesmo os mais utópicos e impensáveis do planeta.    Pense comigo: quem é vencedor senão aquele que passeia pelas florestas da empatia, invadindo o coração dos outros com o intuito de cicatriza-lo e regenerá-lo.   Ora, essa foi a qualidade mais elevada de Jesus Cristo - o maior de todos -, porque ele acreditava que a honra máxima estava em satisfazer as necessidades alheias, procurando dar as pessoas apoio, conforto, segurança e amor.

 

Entenda a mente de um falsário e suas perniciosas e endiabradas intenções.

 

Uma pessoa manipuladora age pelos seus interesses, nunca pelos seus ideais. Isso acontece porque ela não existe para praticar a verdade, a justiça e a honra, mas sim para herdar prosperidade (bens materiais), vantagem (atalhos ilegais e antiéticos) e privilégio (mordaças e blindagens ilícitas).  Em outros termos, ela quer passar na frente dos outros a todo custo e usa as outras pessoas para concretizar esse objetivo, de sorte que não possui nenhum amigo, mas tão somente criaturas nas quais ela usa para crescer e se desenvolver.   Essa entidade se especializou na arte da encenação e se comporta de maneira estratégica e planejada.

Em razão dessa apurada e hiper-teatralizada técnica, poucas pessoas percebem suas verdadeiras intenções.   De uma forma mais transparente, essas criaturas possuem uma imagem exterior extremamente bem trabalhada, de forma que transmitem uma marca tremendamente assertiva, positiva e agradável aos olhos dos outros (esse é o grande diferencial que as permite ludibriar com total maestria e coordenação).    Normalmente, esses atores da escuridão seduzem as suas vítimas estudando seus pontos fracos, isto é, após descobrirem o que satisfaz a outra parte, eles investem pesado nessa vertente até ganharem a confiança dos referidos alvos.  Quanto a isso, não se engane: elas se dedicam durante dias, meses e até anos na busca dessas informações para montarem suas operações táticas com o intuito de ceifar essas ingênuas e lerdaças vítimas.   Após conquistarem integralmente a credibilidade de suas presas, elas passam a pôr em prática os seus maquiados intentos: pode ser um cargo em uma grande empresa, uma posição maior em um grupo comunitário, o uso de um objeto valioso (como um carro, um iate, um apartamento, etc...), a vingança por algo que ocorreu no passado, a busca de um relacionamento amoroso, a participação em um clube restrito (privado), o desejo de roubar dados e informações, a ideia fétida de sugar os pontos fortes do amigo e absorvê-los, em síntese, muitas são as vontades desses seres de alma envenenada, que existem para a maldade e para as pífias embromações do engano. Usando letras heterogêneas para explicar a mesma coisa, esses lendários hereges do Sheol não se aproximam de ninguém por gostar, apreciar, admirar e estimar, muito pelo contrário, eles não ostentam esse tipo de sentimento, porquanto amam COISAS e não PESSOAS.    Em linhas gerais, esses ventríloquos envolvem suas marionetes em um círculo de pequenas e imperceptíveis armadilhas, fazendo as mesmas realizarem aquilo que eles mais querem sem se darem conta do ocorrido. Fatalmente, esses bonequinhos descerebrados são tomados por uma cegueira mórbida onde não podem enxergar as coisas como elas realmente são.  Curiosamente, esses indivíduos atacados possuem um padrão singular: geralmente são seres carentes, covardes, tímidos, caridosos, servidores, com baixa estima e pouca capacidade intelectual, porquanto esse perverso caçador só pode dar o seu bote se a sua presa deixar (ele não é autossuficiente), ou seja, o que alimenta as manobras dessa raposa é o poder que ela recebe de suas inseguras e néscias vítimas.   E as coisas pioram ainda mais quando esses indivíduos usam outras pessoas (parceiros) para fortalecerem suas forças, conspirando em grupo para materializarem seus objetivos com mais rapidez e agilidade. Receba o insight dos deuses: o seu ninho social está cheio dessas pessoas, o que faz com que a sua rede de contatos seja um tanto quanto perigosa e confrontadora. Desgraçadamente, esses sujeitos não têm caráter: são mentirosos, cascateiros, bravateiros, demagógicos, ladrões, cínicos, debochados, injustos, marqueteiros, ardilosos, soberbos, perversos, masoquistas, traidores, estupradores intelectuais, maquiavélicos sociais, demônios espirituais e sanguessugas morais.  Eles não valem absolutamente nada: vivem tão somente para destruir vidas e satisfazerem seus sonhos tipicamente egoístas, torpes e mesquinhos.  Por isso, o convívio social é tão difícil: porque estamos rodeados de mentes poluídas. Por consequência, é fundamental trabalharmos a nossa capacidade de ler os outros, de forma a interpretarmos e reconhecermos esses bandidos sociais.   Com um pouco de treinamento e uma postura atenta é possível perceber algumas atitudes típicas (e tendenciosas) dessas malignas criaturas.

O importante é não cair no sono profundo da morte: moldando escudos para absorver essas flechadas e rapidamente expirá-las.

 

Como destronar esses tiranos da maquinação.

 

Como conseguimos ver ao longo de tantas linhas, o manipulador só herda seu trono se a outra parte permitir. O problema é que muita gente abastece esse castelo de horrores, construindo pilares e montanhas que no futuro ironicamente as enterrarão.  Uma outra característica que notamos ainda, foi a mudança de personalidade desse sujeito: que troca de personagem de acordo com a peça em que irá atuar. Isso é interessante porque nos mostra que essa criatura possui muitas máscaras e não detém uma conduta coerente e coesa (ela é ambígua por excelência e incógnita por natureza).   Vimos também que esse devorador vive para sugar a autonomia, o respeito e a dignidade humana, buscando pressionar seus alvos por meio do aumento de suas fraquezas (culpa, medo, insegurança). Em proporções maiores, eles praticamente dominam toda a consciência alheia, como se fossem donos de certas almas.  Percebemos anexadamente que esses sujeitos são tão treinados que uma pessoa comum não é capaz de detectá-los, pois eles são completamente invisíveis aos olhos banais. E como se não bastasse essa endiabrada e proeminente qualidade, eles também agem em bando de vez em quando, fortalecendo suas perniciosas ações por meio dessa macabra e persuasiva união.   Até importa que existam pessoas assim para que os indivíduos íntegros se manifestem, trazendo a luz de seus cosmos para detonar de vez essas ominosas escuridões. Em outros termos, devemos enxergar essa embromação como uma oportunidade de realizar o bem, provando que a verdade é infinitamente superior a qualquer tipo de ilusão.   Conhecendo a mente e o coração dos cavaleiros do apocalipse, decidi separar algumas atitudes que o ajudarão a se manter livre do domínio desses principados da teatralização, de sorte a quebrar essas nefastas correntes antes que elas possam perversamente abraça-lo, confira:

  • Procure se afastar e ignorar essas pessoas – indiferença plena -;
  • Aprenda a ser autêntico e a dizer NÃO sempre que seu coração mandar;
  • Nunca ceda a chantagens emocionais e corte esse fétido mal pela raiz;
  • Seja lúcido e coerente e não permita que esses forjadores da realidade (atores) destorçam os fatos e lucrem sordidamente com isso;
  • Seja firme e não deixe que sentimentos destrutivos como a culpa, o arrependimento e o pessimismo o façam barganhar suas convicções e valores;
  • Não recue, titubeie ou se fragilize quando for confrontado: olhe nos olhos do dragão e mostre que ele terá muito trabalho para incendiá-lo;
  • Inverta os papéis e ponha o caçador em evidência: puxe os holofotes e atire-os na cara dele, você verá que ele se incomoda em provar do próprio veneno e perde rapidamente sua “inabalável” autoconfiança;
  • Saiba impor limites e jamais queira abraçar todas as “causas”;
  • Aprenda a respeitar suas próprias volições e não negocie seus insights e certezas com ninguém;
  • Fortaleça seu feeling e não deixe que as variáveis externas tenham poder de oprimi-lo;
  • Aprenda a verificar esses comportamentos adulterados: seus padrões e regras. Posteriormente, aja com equilíbrio e sensatez: não aceite favores de qualquer um, mantenha sua mente focada somente em coisas positivas, seja corajoso (firme) e, principalmente, não jogue o jogo dessas raposas;
  • Seja um intenso questionador: desconfie de tudo. E mais: tenha muito cuidado com pessoas gentis e acessíveis, dado que muitas delas são fantasmas da maquinação e suas bolsas vivem recheadas de astutas artimanhas;
  • Não queira estabelecer vínculos com pessoas antidemocráticas e tipicamente tirânicas (donas da verdade);
  • Seja transparente e exija que a outra parte também seja, evitando condutas indecifráveis e pontualmente embaçadas. 

Para todos os efeitos, o mais interessante é ser seletivo, isto é, não sair fazendo amizade com qualquer um, pois os companheiros que visitam as suas moradas podem lhe causar danos irreversíveis e piamente catastróficos. Aprenda: os verdadeiros amigos devem gostar de você simplesmente pelo que você é (amor) e não por aquilo que você pode lhes oferecer (objetos).

Em razão disso, Confúcio sabiamente disse: “Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça.

No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade".   Pense nisso e se cerque de gente do bem para que o seu quintal seja visitado tanto em dias ensolarados quanto em dias obscuros.   Só assim, você terá a lídima certeza de que a alegria estampada nos rostos alheios será sempre sincera, pura e leal, tal qual às folhas esverdeadas que caem em seu lúdico jardim.

 

Como identificar e parar os manipuladores:

8 dicas para mantê-los à distância ou se libertar!

 

“Há aqueles cuja principal habilidade é fazer girar as rodas de manipulação. É a sua segunda pele e se estas rodas param de girar, eles simplesmente não sabem o que fazer “.

 

Manipulação psicológica pode ser definida como o exercício de influência indevida  através da distorção mental e exploração emocional, com a intenção de tomar o poder, controle, benefícios e privilégios às custas da vítima.  É importante distinguir a influência social saudável da manipulação psicológica. A influência social saudável ocorre entre a maioria das pessoas, e faz parte do dar e receber das relações construtivas. Na manipulação psicológica, uma pessoa é usada para o benefício de outra. O manipulador deliberadamente cria um desequilíbrio de poder, e explora a vítima para satisfazer a sua vontade.  A maioria dos manipuladores possui quatro características comuns:

1-Eles sabem como detectar seus pontos fracos.

2-Uma vez encontrado, eles usam suas fraquezas contra você.

3-Por meio das suas astutas maquinações, eles convencem você a desistir de algo que você quer, a fim de servir aos interesses dele (a).

4-No trabalho, e situações familiares ou sociais, uma vez que o manipulador consegue tirar vantagem de você, ele ou ela provavelmente vai repetir a violação, até que você coloque um fim à exploração.   As causas da manipulação crônica são complexas e profundas. Mas independente do que impulsione o indivíduo a ser psicologicamente manipulador, não é fácil quando você está no outro lado, recebendo a agressão. Como alguém pode gerenciar com sucesso tal situação? Aqui estão oito chaves para lidar com pessoas manipuladoras. Nem todas as dicas abaixo podem se aplicar à sua situação específica. Basta usar o que funciona e deixar o resto.

 

1. Conheça os seus direitos humanos básicos 

A orientação individual mais importante quando você está lidando com uma pessoa psicologicamente manipuladora é conhecer os seus direitos e reconhecer quando estão sendo violados. Contanto que você não prejudique os outros, você tem o direito de se defender e defender seus direitos. Por outro lado, se você trazer prejuízos para os outros, você pode perder esses direitos. A seguir estão alguns dos nossos direitos humanos básicos:

Você tem o direito de ser tratado com respeito.

Você tem o direito de expressar seus sentimentos, opiniões e desejos.

Você tem o direito à sua própria lista de prioridades.

Você tem o direito de dizer “não” sem se sentir culpado.

Você tem o direito de obter o que você paga.

Você tem o direito de ter opiniões diferentes dos outros.

Você tem o direito de cuidar e se proteger de ameaças físicas, mentais e emocionais.

Você tem o direito de criar a sua própria vida feliz e saudável.

Estes direitos humanos básicos representam as suas fronteiras.

É claro que a nossa sociedade está cheia de pessoas que não respeitam estes direitos. Manipuladores psicológicos, em particular, querem privá-lo de seus direitos para que eles possam controlar e tirar proveito de você. Mas você tem o poder moral e legítimo para declarar que é você, não o manipulador, quem está no comando da sua vida.

 

2. Mantenha distância

Uma forma de detectar um manipulador é ver se ela age com ´´perfis´´ diferentes na frente de pessoasdiferentes e em diferentes situações. Enquanto todos nós temos algum grau de diferenciação social, os manipuladores psicológicos tendem a habitar em condições extremas, sento altamente educados com uma pessoa e completamente rudes com outra, ou totalmente cuidadosos em um momento e ferozmente agressivos em outro. Quando você observar este tipo de comportamento a partir de um indivíduo, de modo regular, mantenha uma distância saudável e evite se envolver com a pessoa, a menos que seja absolutamente necessário. Como mencionado anteriormente, as razões para a manipulação psicológica crônica são complexas e profundas. Não é seu trabalho alterar ou salvá-los.

 

3. Evite a personalização e a auto-culpa

Já que a agenda do manipulador é procurar e explorar seus pontos fracos, é compreensível que você se senta inadequado, ou até mesmo se culpe por não satisfazer o manipulador. Nestas situações é importante lembrar que você não é o problema; você está simplesmente sendo manipulado para se sentir mal, ficando mais suscetível para entregar os seus poderes e direitos. Considere o seu relacionamento com o manipulador, e faça as seguintes perguntas:

Estou sendo tratado com respeito genuíno?

As expectativas e demandas dela sobre mim são razoáveis?

Existe apenas uma, ou as duas pessoas desta relação estão se doando para mantê-la?

Em última análise, eu me sinto bem comigo mesmo nesta relação?

Suas respostas a estas perguntas lhe darão importantes pistas sobre se o “problema” na relação é com você ou com a outra pessoa.

 

4. Coloque o foco neles, fazendo perguntas de sondagem

Inevitavelmente, manipuladores psicológicos vão fazer pedidos (ou exigências) de você. Estas “ofertas” muitas vezes fazem você sair do seu caminho para satisfazer as suas necessidades. Quando você ouvir uma solicitação irracional, às vezes é útil colocar o foco de volta no manipulador, fazendo algumas perguntas de sondagem para ver se ela(e) tem suficiente auto-consciência para reconhecer a injustiça da sua intenção.

Quando você fizer essas perguntas, estará colocando um espelho, de modo que o manipulador possa ver a verdadeira natureza do seu estratagema. Se o manipulador tiver um grau de auto-consciência, ele ou ela provavelmente vai retirar a demanda e recuar.

 

5. Use tempo a seu favor

Além de pedidos irracionais, o manipulador, muitas vezes, também espera uma resposta imediata de você, para maximizar a pressão e seu controle sobre você na situação. (Vendedores chamam isso de “fechar o negócio”.). Nestas situações, em vez de responder de imediato ao pedido do manipulador, considere usar o tempo a seu favor, e se distancie da sua influência imediata. Você pode exercer liderança sobre a situação simplesmente dizendo:  “Eu vou pensar sobre isso.”

Considere o quanto estas palavras são poderosas de um cliente para um vendedor, ou de você para um manipulador. Aproveite o tempo que você precisa para avaliar os prós e os contras da situação, e considerar se você quer negociar um acordo mais justo, ou se você ficará melhor dizendo “não”, o que nos leva ao nosso próximo ponto:

 

6. Saiba como dizer “não” – diplomaticamente, mas com firmeza

Para dizer “não” diplomaticamente, mas com firmeza, é  preciso praticar a arte da comunicação. Efetivamente articulado, ele permite que você fique firme, ao mesmo tempo que mantém uma relação viável. Lembre-se de que os seus direitos humanos básicos incluem o direito à sua própria lista de prioridades, o direito de dizer “não” sem se sentir culpado, e o direito de escolher a sua própria vida feliz e saudável.

 

7. Enfrente os bullyings com segurança

Um manipulador psicológico também se torna um bullyinador quando quer intimidar ou magoar outra pessoa.   A coisa mais importante a ter em mente sobre os bullyinadores é que eles escolhem aqueles que eles percebem como mais fracos, por isso, quando você permanece passiva e complacente, tornar-se um alvo. Bullyinadores são covardes. Quando seus alvos começam a mostrar suas garras e lutar por seus direitos, muitas vezes recuam. Isto é verdade nos pátios das escolas, bem como em ambientes domésticos e de escritório.

 

8. Elenque as consequências

Quando um manipulador psicológico insiste em violar seus limites e não aceitam um “não” como resposta, fale das conseqüências.  A capacidade de identificar e afirmar conseqüências é uma das habilidades mais importantes que você pode usar para “se livrar” de uma pessoa difícil. Efetivamente articulada, a consequência dá uma pausa para manipulador, e o obriga a mudar do tirano ao respeitoso.

 

Pra lá!

4 Dicas para ajudar a prevenir que manipuladores façam parte da sua vida.

Há poucas coisas na vida que mais dão as sensações de impotência, desprezo, raiva, nojo e revolta, ao mesmo tempo, como saber que se foi alvo de um manipulador.

 A verdade, é que pessoas assim estão por todos os lugares, seja na vida profissional, seja na pessoal: pode ser seu colega de trabalho, seu chefe, aquele amigo de longas datas, seu/sua parceiro(a), até mesmo seus próprios pais!  Sim, o manipulador se aproveita da confiança que você põe nele para moldá-lo à sua forma.  O pior de tudo, é que a manipulação muitas vezes se esconde em forma de conselhos, de ideias interessantes e sugestões, por isso, é realmente complicado desconfiar que se está sendo manipulado.  Mas há 4 dicas simples que podem ajudar você a identificar manipuladores em potencial e até mesmo prevenir que você traga uma pessoa assim para o seu convívio pessoal.

 

1. Identificando o problema.

 

O primeiro passo, apesar de inicial, é um dos mais complicados. Reconhecer um manipulador não é algo simples e você pode mesmo até acabar julgando demais as pessoas a sua volta.  Mas, há comportamentos-chave que, geralmente, podem identificá-lo.   Geralmente, manipuladores são pessoas cujas necessidades vêm primeiro e eles sempre esperam que você esteja lá para fazer o que eles querem, no momento que eles precisem.   E eles frequentemente passarão por várias situações em que, aparentemente, precisarão da sua ajuda.

2. Perguntas e mais perguntas

Manipuladores são extremamente exigentes e demandam demais. Eles só prosperam quando estão no controle, e por isso, fazer perguntas pode devolver a você boa parte desse controle. Perguntar em que determinada ação o beneficiará ou se você pode tomar as rédeas de determinada situação, por exemplo, fazem tocar um alarme na cabeça do manipulador de que você talvez não seja tão manipulável assim.   Até mesmo, perguntar a si próprio se determinada ação é lógica e/ou razoável, é uma ótima maneira de se previnir contra a manipulação.

3. Sua nova palavra mágica é…

 

Sabe quando sua mãe perguntava “qual é a palavra mágica?” e você respondia “por favor!”? Esqueça isso! Sua nova palavra mágica e mantra contra o manipulador é NÃO.    Isso mesmo, aprenda a dizer “não”, pois essa é uma das melhores e mais eficazes formas de retomar o controle sobre algo – especialmente se você realmente não quiser ou não puder fazer algo.

Mas há um truque certeiro aqui: diga “não”, num primeiro momento, sempre que achar necessário, mesmo que você queira fazer o que foi pedido! A intenção aqui é ver a reação da pessoa que pediu: ela surtou? Se fez de vítima? Falou com seus amigos e familiares? Falou mal de você por aí? Nunca mais falou com você? Nem preciso explicar o que essas reações querem dizer. Elas falam por si mesmas.

4. Inverta a situação a seu favor

Em situações nas quais você não possa dizer “não” – sim, é normal que isso ocorra – você pode facilmente dizer “olha, eu vou pensar sobre isso e falo com você daqui a alguns minutos/horas/dias”. Com isso, você tira as rédeas das mãos do manipulador novamente, deixando-lhe sem meios para agir, ganhando tempo para conversar sobre o assunto com outras pessoas e até mesmo com o próprio manipulador, de modo a sempre dar uma resposta adequada.

 

Como lidar com pessoas manipuladoras

 

 

Saiba como conviver com pessoas manipuladoras de sua rotina diária sem causar constrangimentos ou se deixar influenciar.

Manipular é tentar exercer influência sobre uma pessoa ou mesmo um grupo de pessoas objetivando induzir e conduzir a pessoa ou o grupo a agir de acordo com o desejo do manipulador.   O objetivo da pessoa que manipula é sempre o de se dar bem à custa de terceiros e para tanto usa as mais diversas artimanhas. Encontramos pessoas manipuladoras em ambos os sexos independe de posição social, crença ou orientação sexual.   A convivência diária com o manipulador pode causar diversos males e em alguns casos levar a pessoa a um profundo estado de estresse.   Nem sempre é possível identificar pessoas que tem por hábito manipular, pois suas ações são carregadas de sutilezas e disfarces.

 

Como lidar com pessoas manipuladoras no trabalho

 

O manipulador vive em busca do manipulável e no ambiente de trabalho não é diferente.

É preciso estar sempre atento a atitudes e ações das pessoas que nos rodeiam, aquele colega de trabalho sempre solícito e gentil pode esconder atrás da máscara uma pessoa manipuladora que a qualquer momento irá cobrar por toda solicitude e gentileza ofertada ao longo do tempo.   Seja qual for à situação não se intimide, seja sincera, saiba dizer não e quando o fizer nunca volte atrás.   Dispense gentilmente favores que não tenha solicitado e quando for alvo de elogios retribua da mesma forma e deixe claro que tudo o que você faz é parte do seu trabalho e que outro profissional no seu lugar faria o mesmo.    Não se torne refém de chantagens emocionais, mantenha sua sintonia mental sempre elevada e repleta de pensamentos positivos.   E quando alguém vier lhe cobrar algo que esta fora do seu alcance ou que não faça parte das suas responsabilidades, simplesmente diga não ou encaminhe o caso a chefia ou gerência.

 

Como lidar com pessoas manipuladoras na família

 

Neste caso evite ser conivente por conta dos laços de família, é preciso o diálogo franco e aberto que faça com que a pessoa entenda que essa não é a forma correta de agir. As pessoas próximas a você conhecem suas limitações e também os seus pontos fracos e isso facilita a ação do manipulador. Lidar com pessoas manipuladoras dentro do próprio lar ou entre os familiares não é uma tarefa fácil, pois na maioria das vezes estamos tratando com pessoas que nos são caras.  No entanto é preciso firmeza e determinação, pois nesses casos é um ato de amor fazer com que essa pessoa compreenda que é preciso ter limites. Reúna a família e fale abertamente sobre o problema e aponte soluções como, por exemplo, encaminhar a pessoa a um psicólogo, psiquiatra ou terapeuta.

 

Como identificar comportamentos manipuladores?

 

Quando falamos em manipulação, estamos falando sobre o ato de tentar influenciar o comportamento ou ações de outra pessoa de forma indireta. Somos humanos, e como tais, nossas emoções muitas vezes acabam distorcendo o julgamento que fazemos da realidade, tornando difícil enxergar a verdade por trás da dissimulação  (quando fingimos ou disfarçamos o que sentimos ou pretendemos) embutidos em diferentes formas de comportamento. Os aspectos controladores da astúcia somados à manipulação às vezes são tão sutis que passam despercebidos, escondidos embaixo de um manto de sentimentos como obrigação, amor ou algo que ja virou hábito. Neste artigo você vai aprender a identificar um comportamento manipulador à sua volta para que você consiga contornar a situação, e não virar um refém dela.  Entenda as características de uma personalidade manipuladora.  Elas não são óbvias porque essas pessoas agem em silêncio ao construírem um muro de obrigações que temos para com elas. Esse muro acaba fazendo com que você se sinta pressionado e obrigado a continuar agindo dessa maneira por elas mesmo que no fundo você fique se perguntando como a coisa chegou a esse ponto. Algumas das características de uma personalidade manipuladora incluem:  O mártir. A pessoa com esse tipo de personalidade age como se ele ou ela fossem muito legais com os outros, mas na verdade estão misturando consideração com a necessidade de serem importantes para você. Quando agem assim, eles fazem coisas pelos outros que ninguém pediu ou quis que fizessem, mas assim eles garantem uma ligação com o “favorecido”. Fazendo esse “favor” para você, eles esperam que você dê algo em troca. Outra coisa que eles costumam fazer é jogar na sua cara tudo o que já fizeram por você e quando terão o retorno para tanta “boa vontade”…
Os excessivamente dependentes e carentes. São pessoas que não se sentem à vontade em ser elas mesmas nem em mostrar as suas próprias idéias e opiniões. Elas acabam se escondendo por trás de uma máscara de manipulação para que você ache que está lidando com alguém normal, quando na verdade estão fazendo com que você supra a carência delas.
Os narcisistas. Esse é o arquétipo do manipulador e é muito difícil lidar com esse mestre da manipulação.  Você. Sério mesmo. Cada um de nós acaba tendo um comportamento manipulador uma vez ou outra. É que, para a maioria das pessoas, esse deslize acontece de vez em quando. Para os manipuladores, é um vício que usam como um manual para o dia-a-dia e para todos os relacionamentos.  Repare nas maneiras que as pessoas usam para tentar manipular umas às outras.  Há alguns comportamentos básicos que acabam em manipulação, e é importante saber como identificá-los antes que virem uma dor de cabeça. Neste artigo você tem uma visão geral desses comportamentos, com os seguintes passos que dão mais detalhes e sugestões sobre como reagir da melhor forma possível (sem “perder a amizade”):  O peso da culpa. Esse comportamento manipulador serve para fazer com que você se sinta culpado e comece a agir como deveria, e não como você realmente quer e mantendo-se fiel ao que você acredita.
O dono da verdade. Essa tática manipuladora serve para fazer com que a opinião do manipulador sobre seu comportamento prevaleça sobre a realidade, o que acaba se tornando um jogo de sentimento de culpa. Não importa o que você faça ou diga, o ato de você negar a opinião dele é prova de que ele está certo.  O telefone sem fio. Esse truque de manipulação é um tipo de pseudo-sociologia em ação. Para fazer com que você faça o que eles querem, eles alegam que “fulano disse isso” e que o certo é fazer desse jeito. Assim, eles se livram da responsabilidade e passam todo o peso dela para as suas costas.   Os pit bulls. Esse método de manipulação consiste em provocar brigas. Assim, eles fazem com que você se sinta mal por coisas que não fez nem disse, mas pelas quais deve se sentir culpado no final. Dessa forma eles conseguem fazer com que você sinta pena deles para que possam manipulá-lo quantas vezes quiserem.   Auto-piedade: Mas eu sou tão mal-amado/perturbado/vítima das circunstâncias, etc. Às vezes todos nós precisamos de um ombro amigo para chorar nossas mágoas, mas manipuladores experientes sabem como ser os “coitadinhos” que sempre precisam de mais atenção.  Restrinja o peso da culpa.  Ela está no topo da lista de ferramentas manipuladoras. Se você consegue fazer com que alguém se sinta culpado, então você sabe do que estamos falando. O problema é que as pessoas se cansam de serem forçadas a sentir culpa o tempo todo enquanto o manipulador pensa que está levando vantagem. No final, eles acabam perdendo o respeito de todos e tornando os amigos, parentes e colegas de trabalho distantes (como não podem se livrar do manipulador, as pessoas se defendem tentando ficar o mais longe possível). Uma das regras básicas na hora de acabar com o peso da culpa é cortar o mal pela raiz, assim que começam a usar o truque em você. Lembre-se: A culpa é deles, não sua. Confira abaixo formas de se lidar com a culpa que os manipuladores empurram para cima de você:  Reconheça o joguinho deles. É sempre assim: “Se você ligasse pra mim de verdade, você iria…”, ou “Se você fosse mais responsável, você iria…”, ou ainda, “Se você me entendesse de verdade, você iria…”. Em todos esses casos, dá para substituir essas frases por “Faça o que eu quero.” Outro jeito de fazer com que você se sinta culpado é jogar na sua cara o que você nunca faz, por exemplo: “Sabia que eu tinha entendido errado! Você jamais teria feito isso sem falar comigo antes.” Traduzindo para o manipulês, isso quer dizer: “Nunca faça nada sem antes me consultar!”  Devolva na mesma moeda. Deixe que eles provem do próprio veneno e não deixe que a forma como eles vêem seu comportamento determinar a situação. Assim eles têm a chance de sentir na pele o que ficam jogando na cara de todo mundo. Basta repetir o que o manipulador disse e fazer o mesmo jogo deles, acusando-os de não darem valor a você. Dessa forma você se livra da obrigação que tentam empurrar para você. Por exemplo:  Manipulador: “Você não está nem aí para todo o esforço que dedico para você.”  Você: “Claro que eu ligo para todo o esforço que você dedica para mim. Você está cansado de ouvir isso. Mas parece que você é que não liga muito para o quanto eu me importo com você.”   Manipulador: “Mentira! Eu dou valor sim!”  Você: “Claro, do mesmo modo que eu dou valor pro seu esforço e dedicação.”  Não deixe que coloquem uma “coleira” em você. Quando eles começam a jogar a culpa em você se fazendo de coitadinhos, não caia nessa. Ao invés disso, rebata na hora. Por exemplo:  Manipulador: “Tudo bem, vai lá acampar com seus amigos enquanto eu fico aqui cuidando sozinha dos cachorros. Não se preocupe comigo.”  Você: “Que maravilha! Que sorte a minha ter você para cuidar dos cachorros enquanto viajo. Obrigado!” Mantenha a arrogância deles bem longe.  Uma das coisas mais irritantes em manipuladores arrogantes é que eles ficam dizendo o que você está sentindo ou fazendo, e para quê. Isso passa a impressão de que não levam você a sério, ou seja, que você é o que eles supõe que você seja, e pronto. A intenção deles é fazer com que você faça tudo que seja bom para eles, não para você. É difícil perceber a onde está o truque, mas é essencial que você saiba identificar a jararaca no ninho para matá-la na hora. Eles adoram as palavras “Acho/parece que você/quem me dera”, etc: “Acho que você vai me deixar sozinho de novo”, ou “Parece que você não vê tudo o que faço por você e agora você vai passar o Natal com os amigos ao invés de passar comigo.” O problema do manipulador arrogante é que ele nunca faz perguntas, pois estas fazem com que eles sintam que estão perdendo o controle sobre a “vítima”. Em um relacionamento normal, as perguntas deixariam suas intenções claras e daí daria para partir para conversas mais profundas. O manipulador arrogante prefere acreditar no que ele acha que você está fazendo; assim ele controla o você que está na cabeça dele e não precisam ouvir o você da vida real. Corte a opinião deles na hora ignorando o que eles ficam insinuando e traga o manipulador de volta à realidade deixando claro que o que você pensa e faz tem valor também. Por exemplo: Manipuladora: “Quem me dera se você entendesse como é difícil pra mim passar o Natal sem você, depois de tudo o que sempre fiz por vocês.”  Você: “Na verdade, eu passo tanto tempo com você quanto com os pais da Márcia. Estou achando ótimo passar a mesma quantidade de tempo tanto com a minha família quanto com a dela.”   Manipuladora: “É, parece que você vai me deixar sozinha de novo.”    Você: “Não vou te deixar sozinha. Está passando seu filme preferido na televisão, os cachorros precisam da sua atenção e até terça estarei de volta, como sempre.”  Manipuladora:” Se você tem coisas mais importantes para fazer, é melhor não desperdiçar seu tempo me visitando.”
Você: “Nossa, que bom que você entende como as coisas estão corridas para mim agora. Sai muito caro viajar de avião nessa época e eu vou poder passar mais tempo com você em maio.”  Dê o fora quando o manipulador começar a fazer o joguinho “Mas o fulano disse/acha que…  ” Ao usar alguém de fora para usar como referência, acabamos generalizando como forma de ter evidências “concretas” de que o que queremos é o correto, por mais vagos e absurdos que sejam nossos argumentos. A maioria das pessoas uma vez ou outra comete esse deslize, mas para o manipulador, isso é um meio de vida. Toda vez que ele mencionar que sua tia Rita, seu primo Paulo ou a fofa da Luciana faria ou diria isso ou aquilo, fique esperto. Eles usam essa tática para testar você e comparar a sua falta de boa vontade (na cabeça deles) com outras pessoas que são colocadas lá em cima (ou seja, que supostamente fazem tudo que o manipulador deseja) só para fazer com que você se sinta mal por não fazer o que eles querem. Os manipuladores usam esse jogo por outros 2 motivos: Ele acha que tudo na vida dos outros é sempre melhor; ele quer se livrar da responsabilidade do que diz e faz colocando outra pessoa no meio que não tem nada a ver com a situação. De quebra, te força a se sentir mal por não fazer o que eles querem.   Manipulador: “A Fabiana disse que não é muito bom você me deixar sozinha toda hora. Ela disse que isso pode até me fazer mal.”    Você: “Nossa, não tinha percebido que a Fabiana era psicóloga. Agora eu tenho que falar com ela de qualquer jeito para ver se ela não pode passar mais tempo com você.”  Manipuladora: ”Todo mundo acha que não custaria nada você me dar outro anel de diamantes, que você regula demais.”   Você: “Todo mundo? Nossa, eu preciso conhecer essa gente tão podre de rica! Você sabe que eu te compraria outro anel, mas a minha sorte é você já ter um para te distrair até a gente conseguir juntar o suficiente para incluir uma compra cara no orçamento do mês.”  Desvie das brigas e conflitos usados pelos manipuladores.   Saiba identificar o joguinho que eles fazem ao provocar uma briga ou conflito. Isso acontece muito entre amigos ou parentes, quando um quer tentar controlar os outros. Ao provocá-lo, a intenção do manipulador é te deixar chateado e nervoso a ponto de bater boca. Por exemplo: “Que coisa, hein! Me deixando sozinho de novo hoje à noite!” ou “Puxa, achei que tínhamos combinado que essa era a melhor solução. Agora, você vem e faz algo nada a ver.” Ou ainda: “Por que você tem que fazer tudo do seu jeito? Como é que eu fico nessa história?” Às vezes esse truque vem disfarçado numa piada ou brincadeira, mas com o objetivo de te colocar para baixo. Ao invés de discutir com o manipulador, aprenda a dizer não: Mostre a ele fatos, dados concretos. Por exemplo:  Fique calmo, com a cabeça fria e um sorriso no rosto quando você for dizer não. Não adianta fazer cara feia ou dar uma patada de volta. É importante também reagir de forma simples e simpática.  Use a sua linguagem corporal para ajudar a mostrar que “não” é “não”: balance a cabeça e faça cara de quem está se negando a entrar no joguinho.  Seja educado. Quando um manipulador pedir algo a você, experimente responder “Puxa, eu até faria isso, mas agora estou numa correria danada e só vou ter um tempinho livre daqui a uns 3 meses. Fico te devendo essa.”  Não deixe que a auto - piedade do manipulador atinja você.  Ele acha que dá tudo errado para ele o tempo todo para que você fique com pena dele e faça o que ele quer. Fazendo o papel de “indefeso”, “azarado” ou “sofrido na vida”, eles estão tentando conseguir sua ajuda emocional, financeira ou outras formas de parasitar em você. Fique ligado caso você ouça um “Você é a única pessoa que tenho no mundo”, ou “Não tenho mais ninguém para conversar”, etc. Quando você tiver que lidar com um ataque de auto - piedade, seja legal, mas prevenido – você não quer ter obrigação nenhuma para com ele. Algumas formas eficientes de lidar com um manipulador desse tipo:  Manipulador: “Eu só tenho você no mundo.”  Você: “Ah, lá vem você me agradando de novo! Mas tanto eu como você sabemos que isso não é verdade. Você vê a Carol no domingo e a Juju nas quintas, fora a turma do vôlei nos sábados. E aquela vez que eu te liguei na quarta à noite, você estava jogando baralho com os vizinhos!”  Manipulador: “Não tenho ninguém com quem conversar.”   Você: “Ué, você se lembra de ontem? A Tati veio na sua casa para ficar batendo papo com você a tarde inteira. E a Gabi disse que você sempre pode contar com ela toda vez que precisar de alguém para conversar no telefone. E eu estou adorando conversar com você, mas infelizmente tenho um compromisso daqui a 5 minutos que eu não posso desmarcar.”
Fique atento a pessoas que distorcem.  Os fatos para parecerem que são melhores do que realmente são. Normalmente são gente que vai mentir até para o Papa para conseguir o que querem. Isso acontece muito no ambiente de trabalho quando querem que fiquem do lado deles ou para conseguir favores da chefia. Ao topar com uma distorção dos fatos, procure deixar as coisas claras. Explique que o que eles estão lhe dizendo não corresponde ao que você se lembra e que você precisa entender melhor como eles chegaram àquela conclusão. Mantenha a calma e diga que precisa de uma explicação porque você está fazendo confusão. Faça perguntas simples como quando vocês dois concordaram sobre um assunto, como eles acham que esse plano estratégico foi bolado, etc. Assim que vocês estiverem na mesma sintonia de novo, tome esse ponto como o de partida, ao invés de começar pela distorção do manipulador. Por exemplo: Carlos (manipulador): “Eu pedi para o Marcos terminar tudo isso ainda hoje. Ele nunca entrega os relatórios em dia.” Chefe: “Sério,  Marcos?”   Marcos: “Não é bem assim. Carlos, quando foi que você me disse que esse relatório é da minha inteira responsabilidade? Da última vez que nos falamos eu entendi que ele era um esforço em equipe, com você dando a palavra final antes de eu apresentá-lo para a diretoria. Mas ontem não consegui contatá-lo depois de verificar que você não estava na empresa, e vi que não tinha escolha a não ser continuar com o trabalho sozinho. O problema é que não consegui resolver as questões relacionadas a X,Y e Z, que são da sua área. E eu entreguei os últimos 6 relatórios 2 dias antes da data: Eu levo prazos muito a sério.” Outro exemplo: “Você nunca me apóia durante as reuniões, você só comparece para garantir o seu e me jogar para os leões.”  Você: “Isso não é verdade. Eu achei que você estava pronto para falar com os investidores sobre suas próprias idéias. Se eu tivesse suspeitado que você estava com dificuldades para se expressar, eu teria dado uma força, mas você se saiu muito bem sozinho.”  Fique esperto com gente que tem “memória seletiva”. Essa ferramenta manipuladora serve para livrá-los das obrigações indesejadas e ao mesmo tempo insinuar que quem tem que fazê-las é você (na frente do chefe).  Não caia na armadilha daqueles que usam o amor como moeda de troca.  Esse tipo de manipulador normalmente usa frases como “Eu sei que você me ama, então por que você não …”, “Você sabe que te amo, então não custa você fazer X,Y e Z pra mim…”, com o objetivo de fazer com que você aceite o que eles querem. Isso acontece muito entre casais ou até mesmo amigos. As pessoas que agem assim vão fazer com que você sinta que tem uma dívida para com elas toda hora. Ao invés de deixar que manipulem o amor que você sente por eles, experimente mostrar que o que você está fazendo já é uma prova de amor, e se possível, mostrar que você reconhece o amor que eles sentem por você também:  Esposa: “Se você me amasse, você me lavaria junto para essa viagem de negócios. Não ligo para o seu chefe pão-duro, isso é problema seu, não meu.”   Marido: “É claro que te amo, e por isso mesmo não quero meu chefe implicando com você. Seria péssimo para você ter que ser super legal com ele o tempo todo, e ele não gostaria nada de ver você por ali, e poderia até mesmo tirar o meu cargo por achar que eu não levei a viagem de negócios a sério.”  Marido: “Você acha que esse jardim é mais importante do que eu.”  Esposa: “Na verdade meu amor, eu cuido do jardim para que você possa ter um lugar seguro e legal para fazer um churrasco com seus amigos. Eu quero que tudo fique perfeito para você, do mesmo jeito que você pinta a casa com as cores que você sabe que eu gosto.”  Aprenda a identificar um mal-estar de mentira.   Infelizmente, tem gente que chega a se fingir de doente para manipular os outros. Esse teatro pode ir desde pequenos sintomas até a Síndrome de Munchausen. Fingir que se está doente significa exagerar sintomas falsos para conseguir o que se quer.
   As pessoas que fazem isso estão tentando fugir de responsabilidades, ter mais tempo livre, levar vantagem em lugares públicos ou são tão preguiçosos que querem que tudo seja feito pelos outros.   Se a pessoa ficar o tempo todo usando esse truque, deve-se levar em consideração a possiblidade de ela precisar procurar a ajuda de um psiquiatra ou psicólogo.   A parte chata para você é ter que lidar com alguém que realmente tem uma doença, mas que consegue parecer bem na maior parte do tempo. Ela só exagera (e muito) os sintomas causados pela doença.  Se a pessoa realmente sofre da Síndrome de Munchausen, tente não julgá-la. O que acontece às vezes é que essa foi a maneira que a pessoa encontrou de lidar com o stress de ter uma doença crônica. O melhor a fazer nesse caso é aconselhar a pessoa a buscar ajuda psicológica. Não adianta ficar discutindo por causa da “doença de mentirinha”.  Fique atento a gente que cria fofocas.  Gente assim vai dizer a você exatamente o contrário do que você espera ouvir.   Assim, para desmenti-los, você acaba entregando mais informações do que deveria na ânsia de corrigi-los ou de provar que estão errados.    Muitas pessoas reservadas acabam se abrindo sem querer caindo nessa armadilha – que é usada para trazer à tona o que estava meio que em segredo.  Ignore cenas dramáticas que visam usar suas emoções para derrubar você.

 Algumas pessoas choram, gritam, fazem o maior drama e usam outras formas de chantagem emocional para forçar os outros a fazer o que querem ou simplesmente para conseguir o que desejam.   Isso é comum entre crianças e adolescentes, que querem ver até a onde eles conseguem ir com esse tipo de manipulação.    Vale conferir bons livros sobre como ser bons pais na hora de lidar com crianças e adolescentes; o comportamento deles tem mais a ver com o ato de testar limites e pode ser administrado se os adultos souberem ser bons pais.    Se o seu filho sofre de distúrbios de comportamento, procure ajuda profissional. Distúrbios como rebeldia em excesso, conduta inadequada ou ansiedade gerada pela distância dos pais podem ser jogos de manipulação por parte dos pequenos, mas esses problemas precisam de atenção especial com a ajuda de psicólogos, além de muita paciência e amor.   Siga a sua intuição.  Em todas as situações de manipulação mencionadas neste artigo, é muito importante levar a sua intuição a sério.   Você se sente pressionado ou forçado a fazer algo que preferia não fazer?     O comportamento deles parece que te atinge o tempo todo?   Uma vez que você oferece ajuda, eles esperam que você ajude sempre mais? Suas respostas para essas perguntas são uma boa forma de abrir seus olhos para o futuro do seu relacionamento com o manipulador.

Dicas:
Nem todas as desculpas por estar doente devem ser encaradas como suspeitas. Todo mundo fica doente uma vez ou outra.
Por outro lado, tem gente que tem um incômodo leve e aproveita para exagerar os sintomas para conseguir “privilégios”.

O segredo é observar se há um padrão fixo nos sintomas ou se a pessoa realmente procura o médico ou não.

 Do mesmo modo, nem todos os tipos de comportamento são manipuladores. Há de se levar em conta o contexto e cada situação individualmente.

 

 

Estudo realizado por Pastor Rogério Costa

Caxias do Sul – 25/02/16

 

 

Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com

 

 

Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!