Pentagrama

 

Os 5 Príncipes do Inferno abaixo de Lúcifer São :

Asmodeus, Astaroth, Baal, Belzebu, Belial.

 

 

Isso e para vocês terem uma base da luta espiritual que sofremos,cada entidade trabalha em uma área especifica, sempre para a destruição como: casamento, familia, saúde, emocional, sentimental, financeiro,  moral, social e espiritual. Eles estão ativo a todo momento esperando uma brecha para poder entrar na vida  das pessoas e poderem destruir porque essa e a função do diabo,matar, roubar, e destruir.  O diabo não pode entrar em nossa vida sem nossa permissão, e essa permissão esta quase sempre relacionada ao pecado,que e o grande motivo da derrota de muitos por não verem ou assumirem seus erros,  assim fica fácil do nosso adversário agir livre mente.

 

 

BRECHAS QUE O DIABO USA COM FREQÜÊNCIA

Falta de Perdão e a mais comum que o nosso adversário usa constantemente, Inveja, Mentira, Falar contra o Ungido de Deus, Não honrar pai e mãe.   Prostituição, vícios, Idolatria, isso e muito mais nos deixa vulneráveis aos ataques do diabo, (eu estou apenas  fazendo um breve resumo) para entendemos que o nosso adversário não entra na nossa vida como ele quer,ele precisa da nossa permissão,que nos concedemos por falta de conhecimento da nossa parte, mas no nome de Jesus Cristo vou tentar mostrar da melhor maneira possível as artimanhas do inimigo de nossa alma.  Quantas pessoas estão oprimidas e não são libertas dentro de nossas igrejas por falta de conhecimento, muitos tem ate mesmo vergonha de dizer que tem sentimentos e desejos obscuros. Quantos que não se libertarão da prostituição, pornografia etc.  Nos temos acompanhado dentro do ministério de libertação pessoas com, sindrôme do pânico, depressão, pessoas que tem ligações com demônios e não conseguem quebrar este vinculo que chega ate mesmo a assustar. Não se espante com isso pois estamos aqui para mostrar o oculto e escondido,o que não vemos mas esta acontecendo.(Entenda uma coisa satanás pode nos levar ate a beira do abismo, mas a decisão de pular e nossa).

 

 

As duas pontas para cima,significa Lúcifer e seu reino; as duas pontas para baixo,significa o homem com deus, no lugar de deus.  É Símbolo de adoração a satanás já estabelecida em varias partes do mundo, alguns conjuntos de musica rock adoram este símbolo para garantir SUCESSO.Também esta imagem representa o demônio da magia negra que se chama BAPHOMET;  (Veja estudpo completo sobre este ser, abaixo):

 

Baphomet e a Igreja de Satan

Baphomet ou Bafomé é uma síntese de vários conceitos mágico-místicos, mais conhecida por sua relação com os Templários e a Maçonaria.

 

 

Uma das imagens de mais forte presença no universo ocultista de nossa época, por vezes erroneamente interpretada como uma rebuscada representação do diabo católico, recebe o nome de Baphomet. Todavia, apesar de muito ter sido especulado sobre o lendário ídolo dos Templários, pouca informação confiável existe a respeito desta enigmática figura. Daí vêm as inevitáveis questões: o que de fato esta imagem significa e qual a sua origem? Além disso, o que ela hoje representa dentro das Ciências Arcanas? Há algum culto atualmente celebrado cujos fundamentos estejam calcados neste Mistério?

A figura do Baphomet também é relacionada as virgens que apresentavam anomalias em seus bustos. As virgens de 3 mamilos e as virgens de apenas 1 seio era tatuadas com a cabeça do Baphomet para que nenhum homem pudesse tocá-las. Diziam que as mulheres com tais anomalias genéticas eram amaldiçoadas.

 

 

Também conhecido como Azazel ou Bode expiatório.  Mais tarde, Azazel foi considerado por algumas fontes judaicas para ser um sobrenatural sendo mencionado em conexão com o ritual do Dia da Expiação. A palavra expiação encontra-se poucas vezes na Bíblia, mas o conceito da expiação constitui o assunto principal do Antigo e do Novo Testamento. Palavras mais conhecidas como reconciliação, propiciatório, sangue, remissão de pecados e perdão estão diretamente relacionadas com esse tema.

 

 

       Estátua de George Washington e a semelhança com Baphomet

Baphomet representa matérias opostas, ou seja o bem e o mal, as trevas e a luz.    Repare que ele tem seios femininos e o órgão genital masculino, reparem que ele é humano e ao mesmo tempo é animal, sua mão aponta o céu e a terra, ou seja esse é o intuito de Lucífer quando tenta copiar a frase de Jesus cristo , pois ele disse assim na terra como no Céu, e Lúcifer também quer passar essa imagem para todos seus adoradores e para isso usa seu príncipe Baphomét.

História

Em 1307 uma série de acusações daria início a cruel perseguição imposta pelo Papa Clemente V (Arcebispo de Bordéus, Beltrão de Got) e pelo Rei de França Felipe IV, mais conhecido como Felipe o Belo, contra a Ordem dos Cavaleiros do Templo, também chamada de Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo, ou, simplesmente, Templários. O processo inquisitorial movido contra os Templários foi encerrado em 12 de setembro de 1314, quando da execução do Grão-Mestre da Ordem do Templo, Jacques de Molay, juntamente com outros dois Cavaleiros, todos queimados pelas chamas da Inquisição.

 

Planta da Cidade de Washingtom e estrela invertida

 

No longo rol de acusações estavam: a negação de Cristo, recusa de sacramentos, quebra de sigilo dos Capítulos e enriquecimento, apostasia, além de práticas obscenas e sodomia. O conjunto das acusações montaria um quadro claro do que foi denominado de desvirtuação dos princípios do cristianismo, os quais teriam sido substituídos por uma heterodoxia doutrinária de procedência oriental, sobremodo islâmica.No entanto, dentre as inúmeras acusações movidas contra os Templários, uma ganharia especial notoriedade, pois indicava adoração a um tipo de ídolo, algo diabólico, entendido como um símbolo místico utilizado pelos acusados em seus supostos nefastos rituais. Na época das acusações, costumava-se dizer que em cerimônias secretas, os Templários veneravam um desconhecido demônio, que aparecia sob a forma de um gato, um crânio ou uma cabeça com três rostos. Na acusação, embora seja feita menção a adoração de uma "cabeça", um "crânio", ou de um "ídolo com três faces", nada é mencionado, especificamente, sobre a denominação Baphomet.

 

 

Muitas pessoas que se intitulam satanistas usam o Pentagrama invertido (com duas pontas para cima), afirmando significar o triunfo da Matéria sobre o Espírito. Até hoje essa "Ideologia" é seguida por Satanistas e alguns rockeiros e metaleiros.

 

                                                         Igreja de Satã

 

LaVey começou a apresentar sexta-feira de palestras sobre ocultismo e rituais. Um membro do círculo sugeriu que ele tinha a base de uma nova religião. Em Walpurgisnacht , 30 de abril de 1966, ele raspou a cabeça ritual, na tradição de antigos algozes, declarou o fundador da Igreja de Satanás, e proclamou 1966 como o "ano um", Anno Satanas, o primeiro ano da Era de Satan . A mídia acompanhou a cerimônia de casamento Satânica subseqüente de radicais jornalista John Raymond socialite de Nova York Judith Case em 01 fevereiro de 1967. O Los Angeles Times e San Francisco Chronicle estavam entre os jornais que os artigos impressos dublagem de "O Papa Negro". LaVey realizados batismos Satânica (incluindo um para Zeena) e funerais Satânica (incluindo uma para mecânico naval, mecânico de terceira classe Edward Olsen, completo com um capacete cromado guarda de honra ), e lançou um álbum gravado com direito a missa satânica .l. LaVey passou a ser considerado o Papa Negro e sua esposa Diane Hegarty, foi nomeada Suma Sacerdoti  Iniciação como um satanista.

 

 

Tornando-se uma celebridade local através de sua paranormalidade de investigação e performances ao vivo como um organista, inclusive jogando o Wurlitzer no Lost Weekend cocktail lounge, ele atraiu muitos notáveis ​​San Francisco para suas festas.  Igreja de Satã. LaVey começou a apresentar sexta-feira de palestras sobre ocultismo e rituais. Um membro do círculo sugeriu que ele tinha a base de uma nova religião. Em Walpurgisnacht , 30 de abril de 1966, ele raspou a cabeça ritual, na tradição de antigos algozes, declarou o fundador da Igreja de Satanás, e proclamou 1966 como o "ano um", Anno Satanas, o primeiro ano da Era de Satan.

 

 

Se Anton Lavey era intitulado o papa negro, não era pra ir contra a igreja, era para adoração de outro deus, um simbolo com o rosto de Baphomet estampado na bíblia negra, eu te pergunto se seria algo bom? não somos de um blog religioso e não queremos fazer sensasionalismo, se alguem se acha bom o suficiente para contestar isso ótimo, Referências ao final deste post.

Morte
Anton LaVey morreu em 29 de outubro de 1997, em St. Mary's Medical Center em São Francisco de edema pulmonar . Ele foi levado para o St. Mary's, um católico hospital, porque ele era o mais próximo disponível. Por razões de aberta a especulação, a data ea hora de sua morte foi incorretamente (por dois dias) listado como a manhã do Dia das Bruxas em seu atestado de óbito. Um funeral secreta satânica, com a presença apenas por convite, foi realizada em Colma . LaVey corpo foi cremado com as cinzas dele acabou dividido entre seus herdeiros, como parte de um acordo.

 

 

 

A EFÍGIE DE BAPHOMET
Eliphas Levi foi o primeiro a adaptar o pentagrama invertido, mostrado à esquerda, como símbolo do mal. Na Idade Média, o pentagrama vertical representava o verão, enquanto o invertido, com uma ponta para baixo, era uma representação do Inverno. Levi criou duas ilustrações dopentagrama, o primeiro, sua Boa Orientação, caracterizou os cinco pontos de um homem, dentro das pontas do Pentagrama. Isso é chamado o homem microcósmico e os quatro membros representam os quatro elementos, terra, ar,fogo e água, com a cabeça representando o espírito.Após o Homem Microcósmico, ele desenhou opentagrama invertido como a cabeça de bode ou Baphomet. Assim fazendo, ele criou uma diferenciação, pela primeira vez, entre o bem e o mal simbolizados pelo pentagrama. A efígie de Baphomettornou-se o símbolo oficial da Igreja de Satanás, criada por Anton Szandor La Vey, em 1966. Essa efígie é usada no mundo inteiro por satanistas e seguidores de Satanás. Apesar disso, é preciso mesmo muito boa vontade para enquadrar a cabeça da cabra, ou do bode, na estrela de cinco pontas, considerando-se que a posição das orelhas, conforme a figura à direita, é totalmente anti-natural e forçada. A menos que exista uma tal raça de caprinos cujas orelhas apontem para os lados.

 

 

 

Marilyn Manson foi verdadeiramente uma estrela satânica em seu início de carreira, mas a sua própria autobiografia, intitulada ‘A Longa e Dura Jornada Para Fora do Inferno’, conta que ele já se cansou do cargo. Manson se considera hoje tão Satanista quanto Jesus Cristo, um rebelde, um insatisfeito com seus contemporâneos que achava que poderia mudar o mundo. E reconhece por fim que nem ele nem Cristo são capazes de mudar suas próprias vidas, quanto mais o mundo em que viveram.

 

 

SIMBOLISMO

É uma das maneiras que satanás tem para acorrentar pessoas mal informadas,através de correntes,desenhos,tatuagens,imagens de uma forma geral para qualquer uso etc. Simbolismo é um conjunto  destinado a memorar fatos ou exprimir crenças,próprias de uma religião,de um povo ou uma cultura,abrangendo varias civilizações. O Símbolo é tão antigo quanto o homem,muito amplo,grande quantidade desses sinais permanece um INCOGNITA para o homem moderno,que apesar dos aprofundados estudos,ainda não conseguiram desvendar desvendar os diversos mistérios da crença religiosa antiguidade.  Para o presente estudo, interessa-nos que tem o significado esotérico,ou estão ligados intimamente ao ocultismo através da crença que permanece obscura através do tempo. Pesquisas, virão na simbologia motivos para penetrar fundo nos mais diversos problemas da mente humana.Estudiosos desse nível deixaram a grandeza de que a simbologia não é mero aglomerado de sinais mas uma linguagem do espírito,que fala daquilo que esta no interior do homem do seu potencial,o próprio estado lanterna da alma como eles dizem.O Plano satânico,no entanto visa o despertamento do homem para uma procura mais febril pelos símbolos,visando a sua preparação imperceptível para a aceitação da marca final da besta que deverá ser encarada como um fato normal,já que satã e muito esperto para arriscar-se a criar pânico inconveniente entre seus seguidores.

 

 

Na Maçonaria, o Laço Infinito (como também era conhecido o pentagrama, por ser traçado com uma mesma linha) era o emblema da virtude e do dever. O homem microcósmico era associado ao Pentalpha (a estrela de cinco pontas), sendo o símbolo entrelaçado ao trono do mestre da Loja.  Estes são apenas alguns dos símbolos que convivemos todos os dias sem saber os seus significados e influência negativas, cuidado é muito perigoso se envolver com eles.

 

Cada Demonio traz consigo mais de 30 legioes de demônios com mais de 7 mil demônios por legião.

"Aaba": demônio fêmea, de beleza irresistível, com capacidade de poder se apresentar como mulher e seduzir quem bem desejasse. Contudo, curiosamente, era incapaz de presenciar derramamento de sangue.

"Aamon": um dos três demônios a serviço de Satanaquia e comandante da primeira legião do Inferno. É a suprema divindade dos egípcios. Demônio que se apresenta com cabeça de lobo, cauda de serpente, sempre remitando fogo.

"Aarão": comandava legiões de demônios, sendo adepto da Magia Negra, considerando "Aaron, fil diboli" (Aarão, filho do diabo). Feiticeiro bizantino, possuidor da chave de Salomão, construtor do tempo de Salomão. Não confundir com Aarão, irmão do primogênito de Moisés, primeiro sumo sacerdote dos hebreus, que permitiu, na ausência de Moisés, que os hebreus sacrificassem ao bezerro de ouro e morreu na montanha de Hor, antes de entrar na terra da Promissão.

"Abaddom": Abaddom (hebraico) significa "O destruidor". É o nome dado ao anjo do abismo ou da morte ou do Inferno, no Apocalipse, por João, sendo identificado como o anjo exterminador, nos versículos 10 a 23, do capitulo 12 do livro do Êxodo. Mencionado também, no primeiro capitulo do livro do Apocalipse, como o chefe dos demônios - gafanhotos, o soberano do Poço Sem Fundo (Judas, 6) e o rei dos demônios no livro do Êxodo, assim esta escrito: "Porque o senhor passara ferindo os egípcios e quando ele vir este sangue sobre a verga das vossas portas, e sobre as duas umbreiras, passara a porta da vossa casa e não deixara entrar nela o anjo exterminador a ferir-vos".

"Abassay": gêmeo maléfico ou diabrete, na língua tupi entre as tribos negras ocidentais, nos territórios da antiga África Francesa, era tido como o deus que povoou o mundo. Na Anthologia Negra, de Blaisse Pendars, consta que Abassi, sentado em seu trono, fez todas as coisas, superiores e inferiores, no mundo inteiro. Todos os homens habitavam o céu, na havendo homens na Terra. A pedido de Altair, entidade divina das tribos negras da antiga África ocidental francesa, fez com que os homens passassem a habitar a Terra.

"Abigor": demônio que comandava 60 legiões infernais, em seu cavalo com asas, tinha a capacidade de prever o futuro, alem de ser conhecedor de todos os segredos da arte de guerrear. Carregava sempre consigo uma lança, estandarte ou cetro.

"Abraxas": demônio que era representado com uma cabeça de galo, grande barriga e rabo cheio de nós. Sempre carregava consigo um chicote e um escudo. Usado também, como termo místico, muito em voga entre os gnósticos. Na numeração grega, suas sete letras, Abraxas ou Abracax, denotam o numero 365 - supostamente, a soma total dos espíritos que emanam de deus. Para os ocultistas, a palavra tinha poderes mágicos e, gravada em pedras, poderia ser usada como amuleto ou talismã, para dar sorte. Daí a origem da palavra mágica "Abracadabra", que "protege as pessoas do mal, de doenças, da morte e abre todas as portas". Essa curiosa palavra foi usada, pela primeira vez, no século 11 d.C. (não entendi bem esta data no escrito), por Quintus Serenus Sammonius, sábio responsável pela saúde do imperador romano, sendo sua origem desconhecida. No ano 208, foi mencionada em certo poema, quando o imperador Severus esteve na Grã-bretanha, como cura certa contra a febre terçã, que é aquela que se repete com três dias de intervalo. Aparece no denominado "Triângulo Mágico", que tem conexão com outros conceitos do ocultismo, inclusive no simbolismo do Tarô, que é escrita na forma de um triângulo, sendo colocada em volta do pescoço.

"Adramelech": Demônio sumeriano. Tido como presidente do Alto Conselho dos Diabos, grande chanceler do Inferno e superintendente do guarda-roupa do Diabo. Foi sempre representado na forma de uma mula, com torso humano e rabo de pavão.

"Agatodemon": termo grego designado demônio beneficente, que acompanha as pessoas por toda a vida. Segundo diz a lenda, Sócrates, o grande filósofo grego (468-400 a.C.), tinha
um demônio semelhante, que o acompanhava sempre.

"Agaures": grão-duque da parte ocidental do Inferno, comandante de 31 legiões de demônios, ensinando línguas, fazendo com que os espíritos terrestres dancem e distraiam seus inimigos, sendo ainda considerado primeiro ministro de Lucifer. Costuma aparecer como nobre senhor, trazendo um gavião no punho, vestindo túnica, montado a cavalo, levando consigo um crocodilo.

"Ahpuch": Demônio maia.

"Ahriman": Demônio mazdeano. Igual ao espírito do mal, irmão gêmeo de Ormuzd, espírito do Bem, no Zoroastrismo.

"Ahura": (Veja "Asura").

"Algol": do árabe "Al-gul", significando "(a cabeça do) demônio". Estrela dupla variável, muito brilhante, da constelação de Perseu; Estrela-Demônio.

"Aligar": um dos três demônios à disposição de Eleuretty, o tenente-general das legiões do Inferno. Tem o poder de concluir as coisas que se desejavam e pode fazer cair granizo. Comanda os demônios Abigar, Batim e Tursã.

"Alijenu": espírito do mal. Espírito diabólico.

"Aliocer": grão-duque do Inferno, comandante poderoso de 36 legiões infernais, possuindo cabeça de leão, com chifres e olhos flamejantes, sendo que seu enorme cavalo possui patas de dragão.

"Allatou": esposa de Nergal, demônio chefe da polícia do Inferno, encarregado da denominada Corte Infernal. Nergal era espião honorário de Belzebu. Na religião sumeriano-arcadiana, designava demônio do mal, da morte. É descendente e serviçal de Eresshkigal, "senhora do grande lugar", rainha do mundo dos mortos nos textos sumerianos, ela reina no seu palácio, sempre guardando a fonte da vida. Seu nome familiar é Namar e na religião assírio-babilônica Allatou é a deusa do submundo, consorte de Bel e, posteriormente, de Nergal.

"Alu": demônio da Mesopotâmia, com feições de cachorro, preferindo o silêncio e a escuridão. Foi escrito e pintado por alguns artistas, apresentando-se sem pernas, ouvido e boca.

"Aluga" ou "Alougua": demônio fêmea, que era ao mesmo tempo súcubo e vampiro, acostumado a levar os homens à exaustão e depois ao suicídio.

"Amaduscias": grão-duque do Inferno; comandava 30 legiões e possuía cabeça de unicórnio, aparecendo muitas vezes com forma humana, costumava dar concertos invisíveis, fazendo com que as árvores balançassem ao som de sua voz. Alguns grupos musicais, da denominada atuante "música pesada", o adotam com padroeiro e protetor.

"Aman": um dos demônios que costumava possuir madre Joana dos Anjos. Foi um dos primeiros demônios que ela mandou expulsar. Nada a ver com a figura bíblica (Antigo Testamento), personagem que foi primeiro-ministro de Assuero (Nerses), rei da Pérsia, que planejou o extermínio dos judeus no país, no que foi impedido por Mardoqueu e sua sobrinha Ester, concubina do rei. Esse fato é considerado lendário para justificar a instituição da festa judaica intitulada Purim, celebrada nos dias 14 e 15 do mês de Adar, correspondente a fevereiro-março do nosso calendário.

"Amane": segundo o livro de Enoque, espécie de Apocalipse dos primeiros tempos do Cristianismo, não admitido nos cânones dos livros sagrados, era um dos chefes dos duzentos anjos que se rebelaram contra Deus e que prometeu recrutar vassalos em Samiaza.

"Amishie": Um demônio principado sobre a Costa Rica.

"Amon": deus egípcio da vida e reprodução, com cabeça de carneiro.

"András": também Marquês do Inferno, demônio com cabeça de coruja, com o corpo nu de um anjo alado, cavalgando sempre um lobo e brandindo sua espada. Couto Magalhães classifica-o como o deus que protege os animais do campo contra o abuso da caça. Sua figura é a de um veado branco, com olhos de fogo. Barbosa Rodrigues diz que no Amazonas, quando o Anhangá aparece no homem, é sempre sob a forma de um veado, cor vermelha, cruz na testa, olhar de fogo e chifres cobertos de pelo. Os tupinólogos Teodoro Sampaio e Testavim traduziram o termo por "alma", espírito maligno, diabo, alma de finados.

"Angra Maineu": o espírito diabólico da religião Zoroastrismo, que causa todo o mal.

"Anhangá": Na mitologia tupi-guarani, o espírito do mal; diabo.

"Anhangüera": do tupi "diabo velho".

"Apollyon": Sinônimo grego para Satã, o arquidemônio.

"Asambossam": Vampiro africano.

"Asper": principal inimigo do deus Sol no Egito antigo, sendo considerado o próprio demônio, a serpente da noite. Nenhuma relação teria com as personagens do diálogo de Oratoribus. Diálogo dos Oradores, atribuído a Tácito, notável historiador latino que viveu entre 56 e 120 d.C.

"Asura" ou "Ahura": classe de deuses soberanos na mitologia védica, que acabaram sendo considerados demônios. Inimigos dos Devas, divindades que representavam o Bem e, nas regiões da Índia, serima todos os seres divinos.

"Aurius": Um demônio que protege e leva mensagens a Satanás.

"Ayperos": príncipe infernal, comandante de 356 legiões, sendo representado como um abutre dotado de capacidade de prever o futuro.

"Ayphos": um dos três demônios obedientes aos desejos de Náberus, marechal-de-campo do Inferno.

"Azidahaka": demônio na religião de Zoroastro, que tomou a forma de serpente, possuidora de três presas.

"Azucrim": Entidade diabólica e molesta; diabo.

Aamon Na demonologia, Aamon é um demónio que conhece o passado e o futuro, e é o responsável por facultar esse saber a todos aqueles que fizeram um Pacto com o Diabo. Este demónio é considerado um príncipe dos infernos, e possui 40 legiões de demónios sob seu comando.  Um dos três demônios a serviço de Satanaquia e comandante da primeira legião do Inferno. É a suprema divindade dos egípcios. Demônio que se apresenta com cabeça de lobo, cauda de serpente, sempre remitando fogo.

Abaddon Abaddon em hebraico significa destruição. Este demónio é um dos anjos destruidores do Apocalipse, sendo referenciado na Bíblia no livro de Job, ( 26,6), assim como no livro do Apocalipse, (9,11).

Abbigar O demónio Abigar é descrito na Ars Goetia, e é um dos supremos presidentes dos infernos, possuidor de trinta e seis legiões de espíritos impuros sob seu poder. Abbigar pode instruir em matérias de astrologia e artes liberais, assim como revelar a localização de coisas perdidas ou escondidas.

Abraxas Na antiguidade, o nome deste demónio era gravado em pequenas pedras,( as pedras de Abraxas), que eram usadas para fabricar amuletos. De acordo com a ancestral tradição mística Egipcia, o nome desta entidade era usada para representar e invocar tanto Deus como o Demónio, tanto a luz como as trevas, pois em representa a dualidade em tudo aquilo que existe: morte e vida, calor e frio, noite e dia, etc.

Agiel O seu nome advêm da palavra hebraica : אגיאל – a inteligência, o espírito benéfico de Saturno. O nome desta entidade é referido em obras místicas como «A chave de Salomão»

Allocer Demonologia : trata-se de um dos grandes duques do inferno, que tem 36 legiões sob seu comando. Este demónio pode induzir á imortalidade e ensinar os mistérios das esferas celestes.

Amon Amon é um Marquês do Inferno, que tem ao seu serviço 40 legioes de espiritos malignos. Este demónio pode revelar verdades sobre o passado e o futuro, assim como tem o poder tanto de desunir amigos, como unir pessoas desavindas. A controvérsia é o seu dom e domínio

Andras O demónio Andras é visto por algumas obras místicas como um príncipe do inferno, embora noutras fontes demonologicas se encontra descrito como um Marquês do inferno. Possui 30 legiões de demónios sob seu poder, e é um dos demónios da discórdia. Andras é também um perigosíssimo demónio, predador de homens. Ele é o 63º dos 72 espíritos demoníacos de Salomão, considerado altamente perigoso. Este demónio é conhecido por poder matar qualquer mago que o conjure sem os adequados conhecimentos e força espiritual. O demónio Andras é também conhecido por incutir incontrolável ira nas pessoas, sendo responsável por actos de violencia e guerra. Ele é convocado por lideres militares conhecedores das ciências das trevas, tal é o seu poder destruidor e enraivecedor.

Armârôs O nome Armaros advêm do Aramaico: תרמני. De acordo com o livro de Enoch, este demónio faz parte de um grupo de 200 anjos denominado os «Vigilantes» ou os «Observadores». Estes anjos caídos, parecem estar ligados á maldição e á corrupção. Os Armaros, são úteis na reversão de feitiços e encantamentos.

Asmodai Demónio mencionado nalgumas tradições Talmudicas, referido por exemplo na historia da construção do Templo de Salomão. Também é mencionado no Livro de Tobias. Este demónio, segundo alguns demonologistas, assume também o nome de Asmodeus.

"Asmodeus" ou "Asmodeo": "Criatura do julgamento". Asmodeus é tido como um dos cinco príncipes do inferno. Asmodeus, ( também Asmodai), é o demónio do sexo e da Luxúria, podendo tanto desunir como unir casais. Na Bíblia, ( Livro de Tobias), é este o demónio responsável pela morte dos noivos de Sara/ Certas teses demonológicas advogam que Asmodeus é filho de Adao e Lilith, sendo que foi gerado quando Lilith ainda era esposa de Adão e ambos viviam no paraíso. Mais tarde Lucifer, ( ver Lúcifer), veio a possuir Eva, ( a segunda mulher de Adão), e desse segundo relacionamento sexual nasceu Caim. Caim e Asmodeus são por isso os primeiros primogénitos da história humana, ambos condenados aos domínios infernais. Segundo o Dicionário Bíblico, é o demônio que assediava Sara, filha de Raquel, tendo matado seus sete primeiros maridos no próprio dia do casamento, até que veio a ser subjugado pelo anjo Rafael. Considerado o demônio bíblico da ira e da luxúria. Do hebreu "Asmoday" ou "Acheneday", é o demônio chefe de Shedin, uma classe dos demônios com garras de galo. Na demonologia judaica, considerado o espírito do mal, sendo que seu berço é o Avesta, o livro sagrado da religião de Zoroastro, profeta persa, fundador do Zoroastrismo, apelido dado pelo filósofo Nietzche como Zarastustra. O Zorgastrismo ou Zoroastrismo tem como principal característica o dualismo, o princípio do Bem e do Mal. Conta a história que o anjo Rafael capturou Asmodeus e perdeu-o no deserto egípcio, permitindo assim que Sara se cassasse com Tobias, que veio a ficar cego e posteriormente foi curado por seu filho, graças a interferência do anjo Rafael. Na demonologia, é o superintendente das casas de jogos na corte infernal. Costuma ser representado com três cabeças diferentes, sendo uma de touro, outra de homem com hálito de fogo e a terceira de carneiro. Dizem ter ele destronado Salomão, que acabou por vencê-lo, obrigando-o a construir um templo. Seu símbolo é o símbolo da Anarquia.

Anticristo Este famoso demonio, é conhecido pelo nao menos famosa descrição numerologica: 666. O anticristo é um demónio vampiro, uma vez que realiza a missão inversa de Cristo, ou seja: se Cristo deu o seu sangue pela humanidade, o Anticristo suga o sangue da humanidade. Diz-se que o anticristo nascerá da união entre uma virgem e um demónio. Toda a obra do anticristo visa a corrupção da humanidade pelos vícios e pecados. O anticristo é capaz de realizar grandes prodígios e milagres, tal como Cristo fez e esta escrito que marcará os seus seguidores com uma marca enigmática, que normalmente se entende ser o numero «666».

Astaroth    Astaroth, é um principe do Inferno. Este demonio encontra-se referido na obra de Salomão, assim como no Dictionnaire Infernal. Astaroth é um demónio da primeira e mais alta hierarquia, que influi sobre os pecados da preguiça e vaidade. Este demónio possui também a capacidade de ensinar ciências matemáticas, assim como de revelar tesouros escondidos. Astaroth pode também responder a todas as perguntas que se lhe colocarem, se formuladas de acordo com os devidos procedimentos ritualisticos. Grão-duque importante e poderoso na região oeste do Inferno, casado com Astartéia, tida como a deusa fenícia da Lua. Quando novas leis são propostas, costuma emitir sua opinião. É sempre representado como um anjo nu, coroado, montando um dragão, segurando em sua mão esquerda uma serpente. É também o tesoureiro do Inferno, exalando profundo mau cheiro, verdadeiramente insuportável. Astartéia, tida como sua esposa, é considerada a divindade dos povos semíticos, a deusa do céu, sendo a protetora de várias cidades e muitas vezes honrada com sacrifícios humanos. No museu do Louvre (França), há uma estátua representando sua figura.

Azazel Azazel, foi um dos famosos demónios que desceram dos céus para se unir ás filhas dos homens, conforme descrito no livro de Génesis. Em troca da união carnal com as mulheres, ele ensinou á humanidade as artes da guera e da criação de armas. Às suas mulheres, Azazel ensinou os segredos dos cosméticos,(o que tanto lhes agradou), assim como lhes revelou os segredos da pratica da Magia Negra.  Demônio de origem hebraica. Instruiu os homens a criarem armas de guerra, introduziu os cosméticos. O Levítico menciona-o como o bode expiatório, enviado ao deserto. "Deitando sortes sobre os dois bodes, para ver qual deles será imolado ao Senhor, e qual será o bode emissário". "E para espiar o santuário das impurezas dos filhos de Israel, das suas prevaricações contra a lei, e de todos os seus pecados" (Lev 6:8-34). De acordo com o livro de Enoque, é um dos 200 anjos que se rebelaram contra Deus. Nos escritos apocalípticos é o poder do mal cósmico, identificado pelos impulsos dos homens maus e da morte. Eles teriam vindo até a Terra para esposar os humanos e criar uma raça de gigantes. O Livro do Apocalipse descreve-o como uma criatura impura e com asas. É identificado como a serpente que tentou Eva e que poderia ser o pai de Caim. No século II os búlgaros bogomilianos concordavam que Satanael teria seduzido Eva e que ele, não Adão, era o pai de Caim. A maioria dos bogomilianos foi queimada viva pelo imperador bizantino Alexis. Os Atos dos Apóstolos falam, ainda, em outros três demônios, a saber: 1) Lirith, divindade maléfica do sexo feminino, desencadeadora de tempestades, espécie de fantasma noctívago, que os babilônios chamavam de Lilitu. Antiga tradição popular judaica afirma que Lilith teria sido a primeira mulher de Adão; 2) Bergar, cujo sentido é o de maligno e comparado, por Paulo, como Anticristo; 3) Asmodeus, conforme já esclarecido, aparece no livro de Tobias como o assassino dos maridos de Sara.

Baal A determinada altura na história dos antigos habitantes da zona da Mesopotâmia começou a existir uma confusão relativa à identificação dos deuses. Cada lugar adorava uma mesma divindade, mas com um nome diferente e isto tudo fomentou a dificuldade de hoje em identificar a diferença entre os deuses.ex: o baal introduzido em Israel por Acabe foi Baal-Melkart.Mas havia outros como Baal-Zebube, o nome Belzebu (usado frequentemente no Novo Testamento para definir o príncipe dos demônios) nada mais é do que uma pronúncia mais fácil do mesmo nome.Mais tarde Baal deu origem a Beliel o qual vem grandemente referido até no novo testamento. Este personagem teve a sua origem muito anteriormente como o príncipe do mundo epíteto que lhe garantia uma superioridade em relação aos outros componentes da divindade desta época. Este deus era conhecido também por Enki - O Senhor da Terra. Na Bíblia se faz referência a Baal que poderia ser um epíteto de Hadad ou Adad que era uma divindade cananeia e suméria. Um deus da fertilidade.Este deus Adad dos sumérios viria a ser o deus Sin dos acádios mais tarde, pai da bíblica Astarte (filisteus) e do seu irmão Camos ou Camoesh. Ambos também fizeram parte da mitologia Suméria e Acaádia, como Ishtar e Shamash.Em Canaã, os Hebreus lutaram em várias épocas contra a adoração do "deus" Baal. No Livro dos Juízes (da Bíblia Hebraica), o hebreu Gideão destrói os altares de Baal e a árvore sagrada pertencente aos Midianitas.Mais tarde, o profeta Elias, no século IX a.C., condenou o Rei Acabe por adorar Baal.

"Baalberith": senhor canaanita da Convenção, que se tornou mais tarde um demônio. Demônio de Segunda ordem, senhor dos casamentos, secretário, chefe e arquivista do Inferno. O demonologista I. Wier representa-o como um pontífice sentado entre os príncipes do Inferno.

"Bael": primeiro rei do Inferno, comandante de 60 legiões, possuidor de três cabeças, sendo uma com a figura de um gato, a outra de um sapo e a terceira de um homem.

"Baital": Vampiro indiano.

"Balaam": Demônio grego da avareza e cobiça. Um dos demônios maus que se apossou da madre Joana dos Anjos. A paixão de Balaam era a mais perigosa de todas. Identificado como um demônio de três cabeças, cavalgando um urso e carregando um falcão em suas mãos. Uma das cabeças era semelhante á de um touro, a outra igual à de um homem e a terceira de um carneiro. No Antigo Testamento, aparece o nome de Balaão, profeta, vidente e adivinho, originário da cidade mesopotâmica de Petor. Diz a lenda bíblica que, convocada por Balak, filho de Sefor, rei de Moavo, a ir ao encontro dos israelitas para amaldiçoá-los, pôs-se a caminho, montado numa burra, quando lhe surgiu um anjo, com uma espada nua. O animal parou, recusando-se a andar. A burra, dotada com o dom da palavra, condenou a sua crueldade. Deus, então, abriu os olhos de Balaão, que viu o anjo e, assim, em vez de amaldiçoar os israelenses, abençoou-os.

"Baphomet": adorado pelos Templários como símbolo de Satan.

"Barão": demônio criado sob as instruções do barão Gilles de Rais (1404-440). Este, morto pela Inquisição após um processo que ainda gera controvérsias, foi acusado de sacrificar mãos e corações de criancinhas para obter o segredo da pedra filosofal, ou seja, descobrir a maneira de transformar metais em ouro.

"Barbatos": um dos três demônios a serviço de Eleuretty, tenente-general das forças do Inferno.

"Bast": deusa egípcia do prazer representada pelo gato.

"Batsaum-Rasha": demônio turco invocado para produzir bom tempo ou chuva.

"Bechard": (Nenhuma informação. Se você souber, envie por e-mail).

"Beemô": (Veja "Biemo").

"Behemoth": personificação hebraica de Satã na forma de um elefante. Behemot (hebraico "fera", ou mais propriamente, "feras"), animal de proporções gigantescas mencionado na Bíblia (Jó 40), e o equivalente terrestre ao monstro marinho chamado Leviathan. Behemot é do tamaho de mil montanhas e bebe tanta água diariamente que um rio especial emana do Paraíso para saciar sua sede. Ele ruge uma vez por ano, no mês de Tamuz, para aterrorizar os animais selvagens do mundo e mantê-los sob controle. Na Idade do Messias, Behemot e Leviathan matar-se-ão um ao outro e sua carne será comida no grande banquete messiânico.

"Beherit": nome sírio para Satã.

"Belfegor" ou "Belphegor": o demônio das descobertas, seduzindo os homens com a distribuição de riquezas. Algumas vezes aparece como uma mulher jovem e sedutora. Alguns rabinos dizem que ele está sentado numa cadeira e nessa posição foi representado por Bosh, pintor, escultor e gravador holandês (1462-1516), no "Jardim das Delícias".

"Beyerevra": demônio indiano mestre das almas que vagueiam pelo espaço.

"Biemo" ou "Beemô": demônio da gula, denominando os prazeres do estômago, tomando a figura de animais de grande porte, principalmente o elefante e a baleia. "Protege" aqueles que vivem nas orgias e nas farras.

"Bile": deus celta do inferno.

"Boabhan Sith": (Veja "Buh-Van-She").

"Bonifarce": um dos demônios que se apossou de Elisabeth Allier, freira francesa do século XVII. Conta a história que essa foi exorcizada em 1639, com muito sucesso, por Francois Faconnet. Estava possuída por dois demônios, Bonifarce e Orgeuil, havia mais de vinte anos, admitindo-se que esses demônios tenham entrado em seu corpo quando ela tinha 7 anos de idade, por meio de um pão que havia sido colocado em sua boca.

"Buer": demônio de segunda grandeza, comandante de 50 legiões, com cabeça de leão. Locomove-se com cinco pés de bode, na forma de uma estrela.

"Buh-Van-She" ou "Boabhan Sith": Vampira escocesa. Uma sincrética fada-demônio.

Balam Na demonologia, Balam é um dos poderosos reis dos infernos, que tem ao seu serviço quarenta legiões de demónios e espíritos impuros. Balam oferece respostas de grande detalhe e perfeição a todos os assuntos sobre o passado, presente e futuro. A invisibilidade é tida como um dos dons que ele pode facultar a quem concede os seus favores, se bem que a invisibilidade é na verdade uma metáfora para a capacidade de realizar viagens astrais com o corpo espiritual.

Barbas Na Ars Goetia, Barbas é descrito como o grande presidente do inferno. Possuindo trinta e seis legiões de espíritos demoníacos sob sua autoridade, ele pode conceder sabedoria sobre coisas que estejam escondidas ou perdidas, assim como artes mecânicas. Barbas pode também ser o grande causador ou curador de doenças, e dizem poder alterar as formas das coisas.

"Besta": pseudônimo do próprio Diabo. No livro do Apocalipse, o apóstolo João fala de duas bestas, sendo que uma sai do mar, com um leopardo de dez chifres e sete cabeças, pés de urso e mandíbula de leão, e outra que vem a terra, como dois chifres, parecendo um dragão. Trata-se de uma visão do apóstolo João (Apocalipse 13). O profeta Daniel teve uma visão de quatro bestas representativas de quatro sucessivos impérios que se destruiriam uns aos outros. Todas as quatro representariam Satã. Comumente é tomado como o Anticristo.

Bathin De acordo com a Pseudomonarchia Daemonum, o demonio Bathin é um duque dos infernos. Este demónio possui trinta legiões sob seu poder, e concede conhecimentos sobre os poderes ocultos das pedras preciosas, nem como sobre as virtudes das ervas.

Beliel    Belial é um dos mais conhecidos e poderosos demónios infernais. O seu nome deriva da divindade Caananita «Baal». Na religião Caananita, Baal é o Deus criador de todas as coisas, tal como para os judeus HYHV é o Deus criador de toda a existência. «Baal» significa na verdade «senhor», ou «Lorde», ou «Amo». O seu feminio é «Baalat».Na demonologia,e visto com um dos mais poderosos seres espirituais, aquele que se opõem ao Deus Javé e á sua ordem. Belial comanda as forças infernais contra as forças de Deus. Belial foi gerado ao mesmo tempo que Belial e é tido como o mais importante rei dos infernos, possuindo ao seu serviço oitenta legiões de demónios. a sua condição de Rei – Chefe ou do Sheol, ele é responsável pelo pecado do orgulho, da arrogância e da loucura. Antes da sua queda, Belial era o anjo da virtude, e no reino de Deus ocupava o supremo lugar hierárquico que mais tarde, (apos a perdida batalha entre os anjos de Deus e os anjos revoltosos contra Deus) , o arcanjo Miguel veio a assumir. Antes da revolta contra Deus, Belial era o primeiro arcanjo da criação na hierarquia celestial, seguindo-se depois dele e me segundo lugar o arcanjo Miguel, depois Gabriel em terceiro, seguido de Uriel em quarto e Rafael em quinto. A sua expulsão do reino de Deus consolidou a hierarquia angélica tal como a conhecemos hoje em dia. Belial pertencia á categoria dos anjos da vingança e anjos destruidores que estavam ao serviço de Deus e é um demónio destruidor de tudo: casamentos, negócios, saúde e da felicidade em geral.

Belzebu    Belzebu é o tenente dos exércitos infernais, estando directamente sob a autoridade de Lúcifer, o imperador do Inferno. Belzebu é famoso pelo seu titulo: «Senhor das Moscas»; Belzebu é o demónio que por excelência, proporciona os mais famosos e acertados oráculos. Belzebu preside á «Ordem da Mosca», e encontra-se entre os mais famosos anjos caídos. Dizem alguns Grimórios e estudos demonologistas, que Belzebu é uma das três entidades que constituem profana a trindade dos infernos, aquela que se opõem á santa trindade dos céus. A profana trindade seria assim constituída por Lucifer, Astaroth e Belzebu. A este ultimo é atribuído o pecado da gula, sendo que se diz que Belzebu habita em Africa. O demónio Balzebu preside aos Sabbath das bruxas, pois é senhor de todos os rituais que ali se celebram. A eucaristia das missas negras, é realizada sob o selo de Belzebu. Reza a historia, que Belzebu foi o responsável pela famosa possessão demoníaca de uma freira de nome irmã «Madalena de Demandoix», no convento de Aix-en-Provece – França

Belphegor Belphegor é um importante demonio, que concede a capacidade de realizar descobertas e invenções.

È o demónio do talento e do engenho criativo, o génio que influencia os génios e as suas invenções.

Belphegor pode também gerar grandes riquezas e prosperidade material.

Berith Berith é um dos grandes duques do inferno, tendo sob suas ordem trinta e seis legiões de espíritos impuros. È um demónio que pode dar a conhecer saber sobre o passado, presente e futuro, assim como se diz ser capaz de transmutar metais em ouro, o que é na veradade uma metáfora para a capacidade de conceder riquezas atraves de processos místicos.

Bifrons Bifrons encontra-se descrito na Pseudomonarchia Daemonumius ,assim como no Legemeton. Bifrons um demonio que pode conceder saber sobre a astrologia, a medicina, a geometria e conhecimentos sobre plantas e pedras magicas. O demónio Bifrons habita normalmente junto de cemitérios, dos quais é senhor.

Bune O demónio Bune é um dos grandes duques do inferno, possuidor de trinta legiões de demónios sob seu serviço. Este demónio pode fazer desaparecer cadáveres, e pode transformar os mortos em demónios que passam a ficar sob seu poder. O demónio Bune é por isso um espírito impuro que pode ser encontrado junto de sepulcros. O demónio Bune pode conceder eloquência na arte oratória, facultar respostas certas e também favorecer nas riquezas.

Bruxa Na época medieval, a bruxa era considerada um ser sobrenatural de natureza demoníaca, ou pelos híbrida, (entre demónio e humano), pois acreditava-se ser nascida da relação entre um demónio e um humano. De acordo com o Malleus Maleficarum, uma demónio feminina denominada succubus poderia ter relações sexuais com um humano, ao abrigo das trevas nocturnas e sem que este se pudesse defender do ataque demoníaco. O succubus recolhia assim o sémen de um homem tinha atacado durante o sono, e então usaria essa essência para engravidar outras mulheres. As crianças assim nascidas eram filhas do demónio, ou seja: já nasciam bruxas.

Outra explicação porem fundamentava também a existência da bruxa: essas podiam também não nascer bruxas, mas tornarem-se bruxas através de um pacto com o demónio. Nesse caso, a bruxa tornar-se-ia amante do diabo, e em troca de relações sexuais com o diabo , receberia os seus poderes. A uma concubina do diabo, ou prostituta do diabo, chamava-se por isso bruxa, e ela beneficiava do dom das trevas. Os poderes das bruxas, sejam eles quais forem, denominam-se: «dom das trevas», e assim como no I Livro de Coríntios podemos ler quais são os 9 dons espirituais que vem do alto, ( de Deus), existem igualmente 6 dons das trevas, que vem dos demónios. As bruxas eram conhecidas por lançarem poderosos malefícios causadores de devastações, calamidades, destruição de lares, sedução de pessoas inocentes que caiam em pecado, etc; assim como por participarem em festividades e orgias com demónios e humanos,( Sabbat), ao passo que também por serem servas do Diabo e por isso representarem a profanação dos mandamentos de Deus neste mundo. Durante algum tempo, as Bruxas foram tidas como seres sobrenaturais, sendo que se fez a sobreposição da bruxa e os conceitos de Lamia e Sucubus.

Caim Caim foi o patriarca do primeiro assassínio, o pai humano da primeira morte e por isso, foi condenado á vida eterna nos infernos na condição de espírito terrenal e impuro, ou demónio.

Caim é referenciado na Ars Goetia, como um demónio favorecedor de disputas, assim como que concede ao homem o entendimento e influencia sobre as aves, os cães, ( entre outros animais), e as aguas. O demónio Caim também faculta saber oracular sobre o futuro.

Caim nasceu da relação sexual que ocorreu entre Eva e Lúcifer, sendo esse o motivo pelo qual Deus o rejeitou, (Caim era um nefilim, ou seja: parte humano e parte angélico, fruto de uma relação carnal entre anjo e mulher, algo que Deus repudia e que inclusive foi o motivo do Dilúvio), assim induzindo-o á perdição.

Caim foi por isso ,( juntamente com Asmodeus, filho de Lilith e Adão), o primeiro primogénito da humanidade, que tal como o outro, acabou condenado á existência demoníaca .

Grande mestre do Inferno, representado com homem elegante, com cabeça e asas de um pássaro preto - melro -, sendo considerado o mais inteligente dos sábios do Inferno. Leva consigo um sabre, quando toma a forma humana, embora tenha cauda de pavão. Entende os pássaros, os bois, os cachorros e o som das ondas do mar. Deu formação a uma seita denominada Cainites ou Caimitas, para adorá-lo, louvando a Caim, Judas, Sodoma, Esaú e rendendo homenagem a Korah, certo judeu que foi destruído depois de liderar uma rebelião contra Moisés. Louvaram também a Judas que acreditavam ter livrado a humanidade de Jesus Cristo. No Antigo Testamento, aparece o nome de Esaú, que em hebraico quer dizer "peludo", também cognominado Edom - o ruivo. Muitos críticos encontram analogia entre Esaú - Jacó e Caim - Abel, relacionando-os a uma luta entre o pastoreio e a agricultura. Esaú era filho de Isaque e Rebeca, irmão gêmeo de Jacó, a quem vendeu seu direito de primogênito por um prato de lentilhas. Os satanistas acreditam que Caim foi fruto de uma relação sexual de Satã, através da serpente, com Eva, sendo assim Caim filho dele.

Camaris O demonio Camaris tem o posto de marquês do inferno e possui vinte legiões de espíritos impuros sob seu comando. Camaris é uma divindade guerreira, possuidora da capacidade de descobrir coisas perdidas ou escondidas, assim como de ensinar ao homem a gramática, a lógica e a retórica. Este demónio pode levar o homem a tornar-se guerreiro e é o demónio que governa todos os espíritos de Africa.

"Caçador Negro": diabo que conduz uma caçada alada ou uma caçada no Inferno.

"Cali": (Veja "Kali").

"Ch'iang Shih": Vampiro chinês.

"Chamos": membro do conselho de príncipes do Inferno, demônio da bajulação. Citado por Milton, no Paraíso Perdido, como o terrível horror das crianças de Maabo, região situada na costa sudeste do Mar Morto, Ásia Menor, que faz parte dos planaltos que se estendem à leste do rio Jordão, a chamada Transjordânia. No Antigo Testamento, Moab, personagem bíblica, do hebraico Moabi, "nascido do próprio pai", eis que era filho de Ló, pela união incestuosa deste com sua filha mais velha. É também tido com a divindade semítica dos moabitas e talvez dos amonitas.

"Chax": duque do Inferno, mentiroso e ladrão.

"Chemosh": deus nacional de Moabites, mais tarde um demônio.

"Cimeries": monta um cavalo negro e rege a África.

"Chorozon": poderoso demônio argelino que abriu as portas do Inferno com palavras de encantamento. Exorcizado por Aleister Crowley no deserto argelino, sendo que alguns ocultistas afirmam que este foi possuído pelos demônios pelo resto da sua vida.

"Coulobre": diabo na forma de dragão que, na Provence (França), andava devorando as pessoas. Em Cavaillon, cidade francesa, foi ele derrotado por São Verard, por meio de água benta. Nicolau Mignard, pintor francês cognominado Mignard D'Avignon (1606-1668), retratou a batalha. D'Avignon foi encarregado de trabalhar na decoração das Tulherias, antiga residência dos soberanos da França em Paris.

"Coyote": demônio do índio americano.

"Cumba": Um demônio principado sobre a África.

Crocell O demónio Crocell é um dos duques do inferno, e quando invocado correctamente pode conceder sabedoria sobre geometria e outras ciências. Este demónio é conhecido pela forma obscura e misteriosa como fala com quem o contacta, e pode revelar fontes escondidas de agua. O demónio Crocell pode manifestar-se na ilusão do som de aguas correntes.

Dantalion Demonio cujo o posto de duque dos infernos lhe concede poder sobre trinta e seis legiões de espíritos impuros. Dantalion concede saber sobre artes de ciências, assim como é conhecer dos pensamentos de todos os seres humanos, pelo que pode fazer revelações preciosas sobre outras pessoas e as suas intenções, fraquezas, as suas ideias, os seus desejos, etc. Este demónio não so conhece as ideias de todas as pessoas, como também pode influir e levar a alterar as ideias de uma pessoa. Dantalion também pode por um lado ser o causador do amor entre homem e mulher, e por outro lado ser o gerador de ilusões ou alucinações.

"Dagon": demônio filisteu vingativo do mar.

"Damballa": deusa serpente do Vodu.

"Dearg-Dues": Vampiro irlandês.

"Demogorgon": nome grego para demônio; diz-se que não seria conhecido pelos mortais.

"Diabolus": (grego) "fluindo para baixo".

"Dibbuk" ou "Dibuk": demônio particularmente mau que perseguia os acadêmicos e procurava descansar dentro de uma pessoa. Na Idade Média, uma das maiores superstições entre os judeus do leste europeu.

"Djim" ou "Djin": do árabe "ginn". Na tradição e folclore árabes, entidade de poderes superiores aos humanos e inferiores aos dos anjos; gênio, espírito, demônio.

"Drácula" ou "Drakul": nome romeno para demônio. O vampiro romeno.

Decarabia O demonio decarabia é referido na obra Pseudomonarchia Daemonum, como tendo trinta legioes de espiritos impuros ao seu serviço. Este demónio conhece as virtudes das ervas e pedras, ao passo que pode assumir a forma de um pássaro.

Demogorgon O demonio Demogorgon é conhecido por ser possuidor de um esplendido palacio situado nas montanhas dos Himalaias. A cada os cinco anos todos os demónios e génios são convocados a comparecer nesse sumptuoso palácio, a fim de prestarem contas das suas actividades demoníacas e feitos infernais. Esta convenção de demónios é extremamente parecida com os Sabbath das bruxas, e há quem algue que as lendárias reuniões das bruxas são inspiradas neste ritual demoníaco conjurado pelo demónio Demogorgon. Este demónio não é retratado com forma humana, ( nem masculina nem feminina), mas apenas como um espírito obscuro e sem forma. Dizem que este espírito demoníaco pode revelar em toda a sua extensão, a verdadeira natureza do mistério da vida e da própria criação, sendo que esse elevadíssimo saber pode levar um comum mortal á loucura.

Duma(h) Este é o demónio do silencio e da quietude da morte. Duma é o guardião do décimo quarto portão do Inferno e um espírito associado ao anjo da morte e o seu fenómeno ontológico.

"Efialtes": demônio masculino íncubo que vem pela noite copular com uma mulher, perturbando-lhe o sono e causando-lhe pesadelos.

"Ekiminus": Vampiro assírio. Espíritos malígnos invisíveis e capazes de possuir humanos.

"Emma-O": regente japonês do inferno.

"Empusa": demônio da "Meia-Noite" surgindo com os mais variados disfarces. Costuma surgir como uma bela mulher, com o pé esquerdo feito de bronze, outras vezes com o casco de mula. Na Rússia, era temido porque aparecia à "Meia-Noite" na época da colheita, como uma viúva, e costumava quebrar os braços e as pernas dos trabalhadores. Tinha a sensualidade dos vampiros pela carne humana. Enviado à Terra pelas divindades infernais para atacar os viajantes, sugando suas vítimas.

"Eurônimo" ou "Euronymous": príncipe grego da Morte. No Inferno, tem um corpo horrível, coberto de pêlos de raposa. Usa longos dentes, alimenta-se de carniça putrefata, de corpos mortos, sendo adorado no Templo de Delfos, cidade da antiga Grécia, onde Apolo tinha um Templo, ditando oráculos através da boca da Pítia. Delfos foi tomada pelos gauleses em 279 a.C.

Eligos O demonio Eligos governa sessenta legioes de espiritos infernais, e pode conceder a capacidade de descobrir coisas perdidas ou escondidas, assim como de revelar o futuro sobre guerras e conflitos. Este demónio também pode captar o apoio e favores de pessoas importantes.

"Fenriz": filho de Loki, descrito como um lobo.

Forneus O demónio Forneus pode conceder o dom de retórica, assim como favorecer os laços de fidelidade entre pessoas. Forneus tem sob sua autoridade vinte e nove legiões de demónios e detem o titulo de marques no reino dos infernos.

Furcas Em demonologia, Furcas governa vinte legiões de espiritos impuros, ao passo que é um dos cavaleiros do inferno. O demónio Furcas concede ensinamento de Filosofia, Astronomia e Astrologia, lógica, retórica e quiromancia e piromancia .

Furfur Na demonologia, Furfur governa sobre vinte e nove legiões de espíritos infernais. Furfur é um espírito de mentira, que apenas revela a verdade se forçado a tal através de meios místicos adequados. Furfur é também um demónio causador do amor entre homem e mulher. Este demónio tem também o poder elemental de influir em tempestades, trovoadas e relâmpagos. Se for obrigado a dizer a verdade, este espírito de mentira revela as mais profundas verdades sobre os divinos segredos de todas as coisas.

"Goles": Vampiro turco.

"Goliardo": diz-se de, ou indivíduo dado à, gula e vida desregrada ou devassa, de hábitos demoníacos como os do gigante bíblico Golias, que personificava o demônio.

"Gorgo": diminutivo de Demogorgon, nome grego para demônio.

Génio Génio, na verdade constitui uma categoria de espíritos, ( tal como os «familiares» - ver familiares), que são elementais quando se manifestam na natureza, ou atributivos quando se manifestam no ser humano. Os génios são elementais, porque estão associados ou manifestam-se através de elementos da natureza. Os géniossao também atributivos, pois estão também associados a atributos espirituais, ou seja: manifestam-se no ser humano por via de certo tipo de qualidades como vícios, artes, etc. O termo pelo qual são conhecidos advêm do árabe Jinn – جن Os Jinn são uma raça de criaturas que se situam entre aquilo que é o ser humano e os demónios. Se o ser humano é de carne e osso e mortal, ao passo que os demónios são apenas espírito e eternos, os Jinn são de certa forma feitos de matéria como os humanos, mas de tal forma etéreos que se assemelham ao fumo; se os humanos são mortais, os Jinn não são imortais como os demónios, mas tem uma vida de tal forma longa que aos nossos olhos tal se assemelha com a imortalidade. A palavra Jinn significa invisibilidade ou isolamento, que é aquilo que melhor define os Jinn: uma classe de espíritos á parte de toda a criação de Deus, um grau intermediário entre os humanos e os anjos.

Os Jinn são conhecidos por conceder todo o tipo de desejos aos humanos que os conseguem invocar, contudo aquilo que concedem é sempre extremamente perigoso, pois encontra-se sempre acompanhado de consequências colaterais e subentendimentos. Ao mesmo tempo que oferecem o sonho, semeiam nele as raízes do pesadelo; ao mesmo tempo que concedem a mais divina flor, concedem também o mais doloroso espinho. Os Jinn devem permanecer em isolamento, pois a sua relação com os humanos é demasiadamente complicada: se bem que alguns gostam do ser humano e o ajudam, a maioria não perde uma oportunidade para causar desgraça e apenas responde aos pedidos humanos sob coação.

Um génio, ( em árabe جن ), é por isso um espírito que rege os destinos de uma pessoa ou de um local.

Trata-se de um espírito também associado a um elemento da natureza, ( que se consegue manifestar nesta mundo por via de um certo elemento da natureza: agua, fogo, terra, ar), ou a um certo tipo de energia que promana de um certo tipo de acto vicioso, ou vicio.

A palavra «Jinn» ou «Djinn» , tem uma significância relacionada com aquilo que é oculto, invisível, dissimulada e distante ou isolada.

Haagenti O demonio Haagenti é um grande presidente das regioes infernais, possuidor de trinta e tres legioes de espiritos impuros ao seu serviço. Ele tem a capacidade de tornar os homens sábios. Também se diz ser possuidor da capacidade de transmutar metais em ouro, sendo que tal facto traduz metaforicamente a capacidade de oferecer riquezas ao homem. Haagenti, possui também uma capacidade singular: é capaz de transformar água em vinho.

"Haborym": Sinônimo grego para Satã. Duque do Inferno com três cabeças, uma de gato, outra de homem e a terceira de cobra. Demônio do fogo e também dos holocaustos. Senta-se todo enrolado, como uma serpente, segurando uma tocha.

Incubus Incubus são uma classe demoníaca masculina que se alimenta das almas de mulheres que possui carnalmente durante o seu sono. Certas doutrinas demonologistas consideram que os Incubus são na verdade anjos que caíram em virtude do seu gosto pecaminoso pelo prazer da carnalidade. Situam por isso a queda original desse tipo de anjos, pela altura pré-diluviana relatada no Livro de Génesis e no apócrifo de Enoch. Por isso, alguns demonologistas relacionam os Incubus com os Nefilins, ao passo que outros afirmam que Sata, Azazel e os 200 anjos desertaram o Céu para se juntar sexualmente com as mulheres, são na verdade Incubus. Incubus são masculino de Succubusver Succubus

"Ifrite": Na tradição popular árabe, demônio ou diabo.

"Íncubo" ou "Inccubus": anjo do Paraíso que foi expulso e se transformou em demônio, procurando continuamente mulheres para saciar-se, enquanto elas dormem. Na França, são chamados "Follet", de "Alp" na Alemanha, de "Follette" na Itália, e no Brasil, de duendes. A sua fêmea é denominada Súcubo. O número deles é tão elevado que se torna difícil destruí-los, no dizer de Santo Agostinho (De Civitate Dei - XV, 23). Muitos afirmam que o íncubo é um anjo que atrai as mulheres em sua queda para o Inferno. Muitas mulheres foram possuídas por belos homens, corpos mortos temporariamente reanimados pelos íncubos. Durante a Idade Média, muitos sintomas em razão da menopausa eram imputados aos íncubos. Diziam que Huno e Platão nasceram da união de um humano e um íncubo, bem como o famoso sábio Merlin, fruto de um íncubo e a filha do rei da Inglaterra. Foi Merlin conselheiro de quatro reis ingleses, incluindo-se o rei Artur, fundador da Távola Redonda, e cognominado O Mágico. A fada Viviana encerrou-o num círculo mágico de onde não pode mais sair. Dizem que a abadessa de Cordoue tinha um íncubo, com a forma de animal, como seu amante. São vampiros da Europa Medieval.

"Ishtar": deusa babilônica da fertilidade.

"Izmaichia": Um demônio principado sobre a Europa e meio oeste.

"Jahi": demônio fêmea da religião de Zoroastro que foi beijada por Ahriman, introduzindo assim a menstruação no mundo. Ahriman representa o principie do mal, e o seu oposto, Ormuzd, o principie do bem, que deve acabar por vencer.

"Jin": demônio entre os árabes pagãos, representando uma das forças contrárias à natureza. Espírito ou demônio menor que um anjo. A forma plural do nome é "jinn"; a forma feminina, "inniyah". Formados de fogo ou ar, os "jinn" podem adotar tanto forma humana quanto animal. Para os muçulmanos, são entes sobrenaturais que podem ser bons ou maus. O rei Salomão possuía um anel de magia que o protegia desse demônio.

"Jurupari": entidade sobrenatural dos índios sul-americanos, versão ameríndia da divindade legisladora encontrada em todas as sociedades primitivas. Geograficamente, o Jurupari é o mito mais difundido no Brasil. Sua origem situa-se, provavelmente, no período da passagem do matriarcado para a organização patriarcal ocorrida nas sociedades tribais brasileiras. Segundo a lenda, Jurupari foi concebido de mulher virgem fecundada pelo sumo da cucura (planta da família das moráceas, entre elas, o figo, a jaca e a fruta-pão). O filho desta gravidez foi enviado à terra com a missão de reformar os costumes e procurar a mulher perfeita para ser esposa do Sol. Não pode deixar a Terra enquanto não encontrá-la. Jurupari tirou o poder das mulheres e o entregou aos homens. Instituiu festas para os iniciados, ou seja, homens que atravessaram o rito da puberdade e se tornaram guerreiros. As mulheres não podem participar das festas pois, se conhecerem os segredos dos homens, Jurupari as castiga com a morte. Nas festas de Jurupari, que ainda ocorrem em muitas populações indígenas ou entre seus remanescentes, os homens dançam e tocam um instrumento de sopro chamado "trombeta de Jurupari". O mito está ligado também à idéia de íncubo (demônio masculino que violenta mulheres à noite) porque Jurupari aparece aos homens nos pesadelos. A catequese jesuítica identificou-o com o diabo.

"Kali" ou "Cali": (Hindu) filha de Shiva; alta sacerdotisa de Thuggees. Deusa indiana de magia negra. Nome dos seus seguidores: dakinis.

"Kalpas": Vampiro japonês.

"Kasdeya": nome do quinto Satã, que ensina a destruição aos homens. Na magia, é representado por uma caveira de um jovem.

"Kobal": diretor de diversões da corte do Inferno. Padroeiro dos comediantes. Durante séculos foi considerado suspeito para a Igreja. Demônio que sentia imenso prazer em matar. Na Alemanha, é "Kobald", espírito familiar, considerado o guarda dos metais preciosos.

"Kracelonico": Um demônio principado sobre a Europa.

"Krikoin": na religião dos esquimós, é o demônio do mal, que persegue os cães que ficam ao lado de fora das casas, nas noites frias.

"Krion": Um demônio principado sobre a América Central.

"Krivopijac": Vampiro búlgaro.

"Kruonos": Um demônio que ataca igrejas que praticam batalha espiritual.

"Krutofor": Um demônio que ataca igrejas que praticam batalha espiritual.

"Kubera": é o rei dos demônios maus para os hindus, sendo também considerado o deus da riqueza.

"Lâmias": Vampiras gregas. "Gênios femininos que atacavam os jovens sugando-lhes o sangue" (Dicionário de mitologia greco-romana. São Paulo: Abril Cultural, 1973).

Leonardo A este demonio esta geralmente associada a figura de um bode negro, poise le pode-se manifestar corporeamente dessa forma junto dos humanos. O demónio Leonardo é a divindade da feitiçaria, e preside a todos os Sabbaths das bruxas.

Leviatã Leviatã é um tipo de demónio morfologicamente associado a terríveis e respeitáveis forças da natureza, um misto de bestialidade e força elemental. O demónio Leviatã surge no Livro de Job enquanto um monstro aquático, uma fusão entre a besta mais feroz, ( representativa assim de uma das formas da bestialidade), e a imponência do poder do mar ,( associado assim ao elemento da agua na sua mais feroz manifestação). Devido a Leviatã, conhecem-se alguns dos atributos animalescos do demónio: «a sua força reside nos rins e o seu vigor no musculo do ventre»

Hebreu) Demônio das águas. Um dos maiores demônios, e o maior responsável pela atuação maligna no Brasil (um país com 12% da água doce do mundo e um dos maiores litorais). No livro de Isaías 27:1, Leviathan é descrito como a serpente veloz e o dragão do mar. Leviathan é um dos quatro príncipes coroados do Inferno. Dos quatro pontos cardeais representa o Oeste. Dos quatro elementos, representa o elemento água.

Lilith Lilith é o demónio feminino, mãe de demónios. Possuidora de grande beleza, é a concubina preferida de Lúcifer, (uma das suas 5 esposas, a preferida delas), e possui o título de rainha do Inferno. Lilith é um Succubus – ver Succubus – e consorte do demónio Samael.

Lilith é na verdade a primeira mulher de Adão, a primeira mulher criada por Deus e que antecedeu Eva. Contudo ao contrário de Eva que foi criada a partir da costela de Adão, e que por isso era obediente, Lilith foi gerada em pé de igualdade com Adão, e por isso revelava traços de grande independência, o que desagradou ao seu esposo humano. Lilith era também livre e lasciva, sendo que se recusava a sujeitar sexualmente a Adão, ou sequer e submeter á sua suposta superioridade, ( Lilith recusava-se a ficar debaixo de Adão durante o coito, sendo que Adão não aceitava essa posição de inferioridade do macho ), o que muito desagradava ao primeiro homem. Por assim ser, Lilith abandonou o Paraíso e fugiu para o Mar Vermelho, onde conheceu e manteve relações com diversos demónios. Ao perceber que a sua esposa tinha fugido, Adão queixou-se chorosamente a Deus. Deus ouviu os lamentos de Adão, e assim enviou 3 dos seus anjos para ir buscar Lilith e faze-la regressar para junto do seu esposo. Lilith foi abordada pelos 3 anjos que a foram buscar, a quem maliciosamente respondeu que já não poderia regressar ao paraíso para viver na companhia do marido, pois já se tinha desgraçado nas suas prostituições com os demónios e não era digna do esposo. A resposta fazia sentido, e o facto assim permaneceu consumado. Lilith continuou assim a viver na companhia dos demónios, prostituindo-se com eles e dando origem a filhos igualmente demoníacos. Adão ficou só, e Deus achou que isso não era bom, sendo que criou uma segunda mulher: Eva. Eva foi também ela seduzida por Lúcifer, e dessa relação nasceu Caim. Certas mitologias dizem que o motivo que levou Lilith a abandonar o paraíso foi não só a sua recusa em submeter-se a Adão, mas também a sua incontrolável luxúria. Foi a lascívia que a levou a entregar-se a Lúcifer, com quem conheceu o prazer que não conseguia ter com Adão. Em troca das relações sexuais, Lúcifer concedeu a Lilith sabedoria mística e magica. Foi essa sabedoria esotérica, ( a magia negra), que deu a Lilith os meios para fugir do Paraíso e consumar a sua magia negra, através da prostituição com os demónios. Lilith foi por isso a primeira bruxa na história da humanidade. Ao contrário de Eva que morreu como qualquer ser humano, Lilith tornou-se consorte de Lúcifer, e metamorfoseou-se num demónio. Lilith é um demónio succubus, que ataca os homens á noite e cavalgando sobre o corpo da sua vítima, lhes suga a alma através do contacto carnal.

Segundo a etimologia judaica vulgar, o nome Lilith deriva de «Layil», que significa «noite». O mesmo nome, de acordo com as tradições assírio -babilónicas, significa «demónio feminino» ou «espírito dos ventos».  Demônio feminino mencionado no folclore judaico. Várias são as lendas sobre ela, sendo considerada a personificação das paixões desregradas. A mais antiga tradição popular judaica dá como sendo ela a primeira mulher de Adão. Não conseguindo lhe dar um filho, Deus decidiu criar Eva para ser sua companheira. Foi ela quem ensinou a Adão a felação e outras práticas que a moral qualifica de antinaturais. É, a mãe dos espíritos do mal, Lelin, Sehedin e Roudin. É associada com a praga e o flagelo do meio dia (Salmo 91, Salmo 56). Tida ainda, com um dos sete demônios da Cabala hebraica, representado pela figura de uma mulher nua, cujo corpo termina em cauda de serpente. Pela crença dos antigos persas, alguns a dão como filha de Samuel e esposa de Ashmedai ou Esmadfewa, um dos sete espíritos demoníacos.

"Loki": Demônio teutônico. Demônio do fogo, gênio do mal. Na mitologia escandinava é comparado ao próprio Diabo.

Lúcifer O seu nome em hebraico, (הילל בן שחר) significa «estrela da manha», ou «estrela da alvorada», ou «luz da alvorada», estando todas estas expressões associadas ao planeta vénus que antes da alvorada, aparece como a primeira fonte de luz do dia que esta para nascer. Lúcifer é também o mais belo, sábio e poderoso ser criado por Deus, um anjo , ( um querubim), caído cujo o exílio do reino de Deus se deveu á sua tentativa de usurpar o trono do seu pai e ser igual a Deus. Lucifer foi feito a partir do fogo no primeiro dia da criação, é possuidor de doze asas brancas de invulgar envergadura e é o primeiro filho de Deus. Sobre Lúcifer, fala o Livro de Isaías: : "Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao (Sheol), ao mais profundo do abismo.".

Isaías 14:12-15 Este texto representa, ( a pretexto de se dirigir a um rei terreno), a própria historia de Lúcifer, o primeiro filho de Deus, ( mais bela e sabia criatura, conhecida pelo cognome de «o portador da luz», a quem o Pai entregou o poder sobre a morte), que se havendo rebelado contra o seu pai por a Ele se desejar tornar igual, acabou expulso do reino celestial, exilado para sempre no «sheol», ou o «mundo dos mortos».

Por se opor ao seu pai e á tirania desse Deus HYHV, o seu filho exilado passou a chamar-se «opositor» ou «adversário», que em hebraico se escreve: «Satã». «Satã» não é por isso um «nome» que designa uma entidade em particular, mas antes um «titulo» ou um «adjectivo» que define todo aquele que de «opõem» ao deus HYHV.

Porque na verdade Lucifer e Satanás são duas entidades diferentes, a Igreja na sua teologia oficial não considera Lúcifer o «Diabo», mas apenas um «anjo caído» - Petavius, De Angelis, III, 3, 4

Lucifer era um anjo de Luz que havendo-se rebelado contra o seu pai, gerou uma guerra celestial. Havendo-a perdido, Lúcifer e os todos os anjos que o apoiaram, ( cerca de 1/3 dos anjos dos céus), foram banidos da presença de Deus e exilados no mundo dos mortos, ou «Sheol». Lúcifer é também conhecido por ser o «portador da luz», pois é o anjo da sabedoria . Lúcifer tentou oferecer a sabedoria a Eva, dando-lhe a provar o fruto da arvore do conhecimento, ( conforme no livro de génesis), facto que acabou gerando a expulsão de Adão e Eva do paraíso. Algumas tradições místicas hebraicas afirmam que Caim é filho de Lúcifer e não de Adão, facto pelo qual Deus desgostava dele e o rejeitou, conduzindo-o ao homicídio de Abel. Afirmam também certas tradições místicas que foi contra Lúcifer que Jacob lutou, pois Lúcifer era o anjo guardião de Caim e confrontou Jacob, desejando vingar-se do seu protegido. Lúcifer pode facultar sabedoria sobre todos os mais profundos segredos místicos e do oculto, assim como pode conceder um dos 6 dons das trevas.Lucifer é também pai de Mammon, e possui 5 consortes, sendo que Lilith é a sua imperatriz

Lucifuges O demonio Lucifuges é um espirito da noite, detem o titulo de Marques dos infernos. Este é um demónio das trevas com grande aversão á luz, e é um espírito de vingança extremamente perigoso, que pode matar apenas pelo seu toque ou pelo seu mero sopro.

"Maggor": Um demônio principado sobre a Ásia.

"Mandrakes": demônios pequenos, sem pêlos, grosseiros. Uma espécie dos conhecidos Capetas.

"Mania": deusa etrusca do inferno.

"Manitó" ou "Manitô": Gênio tutelar, ou demônio, entre índios americanos.

"Mantus": deus etrusco do inferno.

"Marduk": deus da cidade de Babilônia.

"Mastema": sinônimo hebreu para Satan.

"Mefistófeles" ou "Mephistopheles": (Grego) querm evita luz, Faustus. Pérfido, maldoso, sarcástico. Nome popular do diabo, segundo Goethe. Personagem do drama Fausto de Goethe (1749-1832), é um demônio que veio à Terra para satisfazer paixões de Fausto. Julga o mundo com ironia desdenhosa. Seu nome é empregado com sinônimo de homem de caráter perverso, verdadeiramente diabólico. A história de Fausto é a história do homem que vendeu sua alma ao Diabo em troca de bens terrestres. O drama divide-se em duas partes, onde o genial poeta imortalizou suas concepções da natureza e do homem.

"Melek Taus": demônio yesidi.

"Metzli": deusa azteca da noite.

"Mezu": no folclore japonês, o demônio com cabeça de cavalo, que dá assistência a Kongo, xerife dos Infernos.

"Mictian": deus azteca da morte.

"Midgard": filho de Loki, descrito como uma serpente.

"Milcom": demônio amonita.

"Molegue": príncipe da "Terra das Lágrimas", no Inferno. Recolhe, com alegria, as lágrimas das mães. É um demônio monstruoso, gotejando o sangue das criancinhas e as lágrimas de suas mães. Apresenta-se com cabeça de bezerro, coroa real, braços esticados para receber suas vítimas humanas. Os amonitas, membros de tribo à leste do Jordão, descendentes de Amon, que derrotaram os gigantes de Zomzomins e ocuparam a região, costumavam adorá-lo, sacrificando crianças em seu louvor para obterem boas colheitas e vitória nas guerras. Milton e Flaubert a ele fazem referência.

"Moloch": demônio fenicio e canaanita.

"Mormo": (Grego) rei dos Ghouls, consorte de Hecate.

"Mulli": primeiro mordomo da casa dos príncipes infernais.

"Mulos": (Veja "Vlokoslaks").

"Murmur": demônio da música, conde do Inferno, surgindo como um abutre, de pernas abertas, figurando um soldado gigantesco. Também denominado Murmúrio.

Mammon Mammon é um demónio relacionado com a avareza, que igualmente é responsável pela concessão de riquezas. De acordo com algumas fontes demonológicas, Mammon é o filho do Diabo.

Mammon é filho de Lucifer e Lilith, o fruto primogénito do casal que governa os infernos.

Caim e Asmodeus são seus meios irmãos, uma vez que:

- Caim nasceu da relação sexual entre Lúcifer e Eva, (é por isso um Nefilim, raça híbrida, fruto das relações entre anjos e mulheres humanas, uma casta odiada por Deus e que foi motivo do dilúvio), sendo irmão de Mammon por filiação do pai.

- Asmodeus nasceu da relação entre Lilith e Adão, sendo que é por isso meio irmão de Mammon por filiação maternal.

Mammon, Asmodeus e Caim constituem a trindade dos primeiros primogénitos.  Demônio aramaico da avareza, riquezas e iniqüidades. Foi ele quem ensinou os homens a cavar a terra à procura de tesouros ocultos, no dizer de Milton. Palavra aramaica que significa "riqueza". Cristo nos adverte que não podemos servir a Deus e a Mamon (Mateus 6: 24): "ninguém pode servir a dois senhores porque ou há de aborrecer um e amar outro, ou há de acomodar-se a este e desprezar aquele. Não podemos servir a Deus e às riquezas (Mamon)". Vide também Evangelho de Lucas 16:13.

"Naamah": demônio feminino grego da sedução.

"Nasu": na religião de Zoroastro, representa o demônio feminino que se alimenta de corpos que acabaram de morrer ou já se encontram em estado de putrefação. Surgem com se fossem borboletas. Sua residência é o Inferno, no monte Elbroug.

"Nergal": deus babilônico do Hades. Demônio sumeriano das regiões infernais. Pode ser igualado ao deus grego Plutão, que governava o submundo. Nergal, com o Satã bíblico, habitava originariamente os céus. Considerados por muitos como demônio de segunda classe. Era chefe de polícia e espião de Belzebu. Esposo de Ereshkigal que, no panteão sumero-arcadiano, é considerada a senhora do grande lugar, rainha do mundo dos mortos, reinando em seu palácio, guardando a fonte da vida. Os demônios do mal e da morte são seus descendentes.

"Nihasa": demônio do índio americano.

"Nija": deus polaco do mundo subterrâneo.

"Nimorup": Um dos demônios que S. L. MaGregor Mathers usou para atacar Aleister Crowley, no início do século passado. Espécie de anão de grande cabeça, longas orelhas e lábios a escorrer baba, de um verde bronzeado.

"Nominon": Um dos demônios que S. L. MaGregor Mathers usou para atacar Aleister Crowley, no início do século passado. Uma espécie de grande e esponjosa medusa com uma mancha esverdeada e luminosa, como se se tratasse de uma obscena confusão.

"Nosferatu": Vampiro romeno.

"Nuton": originário da lenda belga, vivendo sempre em grutas, perto de águas correntes. Muito brincalhão, torna-se violento, todavia, se atacado.

"Nybras": propagandista dos prazeres da corte infernal. Supervisor dos sonhos, visões, êxtase. Demônio inferior, tido como falso profeta e charlatão.

"Nysroch": chefe da casa do príncipe infernal. De segunda classe; preside os prazeres da mesa.

Naberius Naberius é um demonio referenciado na obra Lemegeton, assim como na Pseudomanarchia Daemonum, e é um espírito infernal que pode conceder grande sabedoria nas áreas da lógica aplicadas á grande arte da persuasão, das quais ele é um mestre inspirador. Por tudo isso, é também um demónio que pode garantir grandes honrarias, reconhecimentos e louvores.

Nahemah Nahema é um demónio feminino, o demónio da sedução. A sexualidade e o desejo carnal são os seus domínios de influência sobre o ser humano. Nahemah é um Sucubus, e por alguns demonologistas é considerada a princesa dos Sucubus. A rainha desta classe de demónios, é Lilith.

Nefilins O termo Nefilins, advem etimologicamente do hebraico נְפִלנ ְפִיל , que significa: "os que fazem os outros cair".

Os Nefilins são descritos como "os poderosos da Antiguidade" ou os “heróis da antiguidade”.

Segundo o Livro de Génesis e outros textos apócrifos anteriores, um conjunto de 200 anjos tinha a seu cargo a observação dos destinos da humanidade e a esses chamavam-se os «vigilantes». Entre eles encontrava-se Satã, Azazel e muitos outros. Os 200 anjos desejaram carnalmente as mulheres dos homens, e abandonaram os céus para se unirem a ela. Os anjos caídos tomaram assim as mulheres que escolheram para si, tiveram relações com elas e desposaram-nas. Dessas uniões entre anjos e mulheres nasceram filhos e a esses filhos chamaram-se Nefilins. Trata-se de uma raça híbrida, que era o cruzamento entre anjo celeste encarnado e mulher humana. Em troca das relações sexuais com as mulheres, os anjos ensinaram-lhes a ciência, a astrologia e a magia negra. Os filhos desta união, ( os nefilins), possuíam poderes sobrenaturais e foram conhecidos como os «heróis da antiguidade»; nas civilizações greco-romanas, tais seres foram chamados de «semi-deuses».

Dizem certas fontes que os nefilins eram monstros. Nada podia estar mais errado e prova disso encontramos nas próprias escrituras. Sabemos por fontes hebraicas ancestrais que Caim foi fruto da relação entre Lúcifer e Eva, motivo pelo qual Deus o rejeitou. Ora, Caim era por isso fruto da relação entre um anjo e uma humana, e no entanto era de aparência humana perfeitamente normal.

O Deus HYHV considerou que a união entre anjos e humanas era contrária à própria natureza tanto dos humanos como dos anjos, e por isso contra-natural e logo abominável;

ainda mais, a concessão da sabedoria aos humanos, ( desde as ciências, á astrologia, á magia negra, etc), era uma violação das regras divinas que também separavam anjos e humanos, uma vez que desde o inicio, já no paraíso Deus havia proibido que os humanos acedessem á arvore da sabedoria;

por último, a raça de nefilins simbolizava tudo o que mais era abominável a Deus: estes seres não eram nem anjos nem humanos, possuíam um poder que ultrapassava o que era permitido aos humanos, podiam conceder sabedoria e feitos que levassem os humanos a evoluir fora dos limites impostos, e eram pela sua natureza semi-divina facilmente idolatráveis, o que para o Deus HYHV ,(um deus ciumento), deixar de o adorar para adorar outros seres celestes, é a maior das afrontas.

Segundo as escrituras, por tudo isto Deus arrependeu-se da criação e enviou o dilúvio que tudo destruiu,

e do qual apenas Noé e os seus familiares sobreviveram.

Segundo a tradição judaico cristã, quando o dilúvio devastou a face da terra,

os anjos que abandonaram os céus, incorporando e assim casando com as mulheres, desincorporaram e assim regressaram á sua forma celeste. Contudo, já não podiam regressar á presença de Deus, pelo que se transformaram em demónios. Também os espíritos dos nefilins, ( que morreram no dilúvio), foram condenados a vaguear eternamente pela terra, também eles transformando-se em espíritos impuros ou demônios.

"Orgeuil": (Nenhuma informação. Se você souber, envie por e-mail).

"Orias": conde do Inferno. Perito em Astrologia. Na metamorfose, carrega sempre uma serpente em cada mão.

"Orthon": demônio familiar do conde de Corasse e do conde de Foix. Invisível, sabe tudo o que acontece no mundo. Quando aparece, costuma mostrar-se como uma porca.

"O-Yama": nome japonês para Satã.

"Pan" ou "Pã": deus grego da luxuria, depois relegado ao demonismo. "Pazuzu": demônio assírio, rei dos espíritos maus do ar, filho de Hanpa. Há no museu do Louvre (França) uma estátua de bronze, do século VII, representando Pazuzu, com forma humana, duas asas e dois chifres. O demonio Pazuzu é o demonio da pestilência, o demónio dos ventos infernais do sudeste. O demónio Pazuzu pode ser invocado para auxiliar á expulsão de outros espíritos nos exorcismos"Perséfone": deusa do Inferno, filha de Júpiter e Ceres, mulher de Plutão. É a mãe das fúrias.

"Pluto": deus grego do mundo subterrâneo.

"Proserpine": rainha grega do mundo subterrâneo.

"Prusias": um dos três demônios a serviço de Satanáquia, grande general das legiões de Satã.

"Pwcca": nome gales para Satã.

"Raastapack": Um demônio principado sobre a Oceania.

"Rakshasa": A feiticeira vampira indiana.

"Ravana": demônio rakchasa, do épico Ramayana, soberano do Ceilão que raptou Sita, esposa de Rama. Ramayana é um poema sânscrito, ao mesmo tempo religioso e épico, em 50.000 versos e sete partes. Celebra a genealogia de Rama, a sua juventude, a luta contra Ravana, raptor de Sita, sua vida e ascensão para o céu. Rama é uma das encarnações de Vichnu na mitologia hindu e deus da Índia, casado com a deusa Sita.

"Raymon": demônio poderoso encarregado das cerimônias infernais. Aparece na forma de um homem vigoroso, mas com rosto de mulher, coroado com jóias e montando um dromedário.

"Rimmon": demônio sírio adorado em Damasco. Embaixador do Inferno na Rússia czarista. Demônio menor, chefe dos médicos, acreditando-se que era capaz de curar a lepra.

"Saarecai": demônio menor que habita os buracos da casa.

"Sabazios": demônio frigio, identificado com Dyonisus, adorado como serpente.

"Sardon": conselheiro do Inferno, sacrificando as criancinhas nos Sabás (rituais satânicos). Deu origem à expressão "risadas sardônicas".

"Saitan": equivalente enoquiano de Satã.

"Sammael" ou "Samael": (Hebreu) "Veneno de Deus". Principe dos demônios, líder dos anjos que foram expulsos do céu, chefe das forças de Sitra Achra e marido de Lilith. Samael tem pele escura e chifres. É identificado com Satã e a inclinação para o mal, e é o principal acusador de Israel no céu, onde se opõe Miguel, o anjo guardião de Israel. Foi Samael quem enviou a serpente para seduzir Eva no jardim do Éden. Ele é ativo à noite e tenta os homens ao pecado. Quando pecam, eles aumentam o poder de Samael e permitem-lhe ganhar controle temporário sobre a Sechiná, trazendo calamidade ao mundo. Como ele simboliza tudo que é mau e impuro, seu mero nome, que significa "veneno de Deus", é evitado, e a ele se refere eufemisticamente ou de forma abreviada. A tradição cabalística o associa ao Leviathan. No Shabat e nas festas ele não tem poder sobre o mundo.

"Samnu": demônio da Ásia Central.

Satã: (Hebreu) adversário, opositor, acusador. Na tradição judaica mais primitiva, um dos anjos de Jeová, advogado ou representante dos homens junto a este, e que posteriormente, sob a influência do problema do mal e das soluções de tipo dualista dadas a esse problema, passou a significar o mau, o acusador, o tentador, o demônio. Satã veio a ser considerado a personificação da malignidade, e conhecido por vários nomes diferentes, o mais importante dos quais é Samael. Como inclinação para o mal, ele tenta o homem ao pecado, pode aparecer sob muitas formas diferentes. É mais ativo em tempos de perigo, e as pessoas que falam coisas malignas estão "abrindo suas bocas a Satã", dando-lhe oportunidade de realizar aquela mesma malignidade. Alugmas orações da liturgia visam a manter Satã afastado do homem, e o toque do Shofar em Rosh ha-Shaná tem o efeito de confundí-lo, para que não lembre a Deus os pecados de Israel. Ele não tem poder no Iom Kipur, quando os judeus se dedicam à oração e ao arrependimento. Satã é um dos quatro príncipes coroados do Inferno. Dos quatro pontos cardeais representa o Sul. Dos quatro elementos, representa o elemento fogo.

"Sedit": demônio do índio americano.

"Seirim": demônio cabeludo na forma de bode, que dança nas ruínas da Babilônia, comandado por Azazar.

"Sekhmet": deusa egípcia da vingança.

"Set": demônio egípcio.

"Shabrini": demônio dos antigos judeus que costumava cegar os homens.

"Shaitan": nome árabe para Satã.

"Shedim": demônio destruidor. Dizem ser descendente da serpente, outros dizem ser de Adão, depois da queda, e outros de Deus, que deixou os inacabados, incompletos, por causa do dia do descanso, ou seja, do Sábado. Para poder localizá-los, devem ser espalhadas cinzas pelo chão, para que esses demônios deixem seus rastros, dependendo, todavia, de uma formula mágica a ser proferida para que possam ser vistos. Suas garras são de galo e seu chefe é o demônio Asmodeus.

"Shiva": o destruidor. Deus indiano.

"Sinfiris": Um demônio que tem sede de sangue.

"Strigolius": Vampiro romano.

"Súcubos" ou "Succubus": demônio fêmea, em oposição aos Íncubos, tentando os homens durante o sono, nada os detém até conseguirem copular com eles. Costumam visitar os solitários, monges e pastores, aproveitando-se de seus jejuns e abstinências. Reanimam cadáveres que depois de uma noite de amor, voltam ao estado putrefato. Muitas vezes, dizem, tomam a forma da pessoa amada. Esta é uma raça menos conhecida de vampiras européias. A maneira mais comum de se alimentarem é tendo relações sexuais com suas vítimas, deixando-as exaustas e depois alimentando-se da energia dispersada no ato sexual. Elas podem entrar numa casa sem serem convidadas e tomar a aparência de qualquer pessoa. Geralmente visitarão suas vítimas mais de uma vez. A vítima de uma Succubus interpretará as visitas como sonhos. A versão masculina de um Succubus é um Íncubus. São vampiras da Europa Medieval.

"Supay": deus inca do mundo subterrâneo.

"T'an-mo": contraparte chinesa para demônio, cobiça, desejo.

"Tânatos": demônio masculino que personifica a morte, irmão de
Hipnos (sono) e de Nix (noite). Freud, em seus estudos, desenvolveu o conceito no qual Tânatos é uma das forças que governam o subconsciente profundo. A outra força é Eros (o amor).

"Tarasgua" ou "Tarascon": metade monstro da terra, metade do amor, foi vencido por Santa Marta, que o prendeu em seu cinto de virgindade. Apresentava cabeça de leão, com seis pés, patas de urso e rabo de serpente.

"Tchort": nome russo para Satã, "deus negro".

"Tezcatlipoca": nome azteca do inferno.

"Thamuz": embaixador do Inferno na Espanha, sendo inventor da artilharia, da Inquisição e de suas punições. Era considerado o inspirador das grandes paixões. Era deus sumeriano que mais tarde foi relegado ao demonismo.

"Thoth": deus egípcio da magia.

"Tunrida": demônio feminino escandinavo.

"Typhon": personificação grega de Satan.

Sallos O elemento no qual este demonio pode facilmente incorporar, é na agua. Este demónio encontra-se referenciado no Lemegeton, assim como na Ars Goetia, e é um dos duques do inferno, com trinta legiões de espíritos sob sua ordem e comando. O demónio Sallos é um espírito perito em assuntos afectivos e carnais entre homens e mulheres.

Samael Samael é o demónio relacionado com a morte. A consorte deste demónio é Lilith,( ver Lilith), rainha do palácio do inferno e a mãe de todos os demónios. Samael esta também relacionado com os pecados da ira e da violência, ao passo que concede o poder da pratica da magia negra. Para alguns demonologistas, antes da sua queda, Samael era a mais alta entidade celestial no trono de Deus, e é na verdade o anjo da morte. Há quem afirme que Samael não é um anjo que haja sido banido por Deus, mas que antes de exilou por vontade própria.

Satanachia O demónio Satanachia é um dos grandes generais dos infernos e a sua influencia faz-se sentir com mais poder durante a fase da lua crescente. Este demónio pode-se manifestar no nosso mundo na forma de uma flor ou de um insecto venenoso. Satanachia tem a faculdade de poder aliviar as dores.

Satanás ou Satã O termo Satã advêm do hebraico שָטָן, ,(em árabe شيطان), que significa «acusador», ou «adversário», ou «opositor». O termo em si, não se refere a nenhuma entidade nem é um nome em particular, mas antes um adjectivo qualificativo ou uma espécie de título, uma vez que todo aquele que seja um «opositor» ou «adversário» do Deus Javé é um «Satanás».

As religiões monoteístas identificam Satã com a encarnação do mal, enquanto que em certos meios teológicos do oculto, ele é apenas uma entidade espiritual que se opõem á tirania do Deus Javé.

Satã embora tenha sido um anjo criado por Deus, é tido como um dos anjos que se rebelou contra Deus. È comum o erro de confundir Satã com Lúcifer, embora ambos não sejam a mesmta entidade: enquanto que Lúcifer é o filho de Deus, (por isso, o «portador da Luz»), que se rebelou contra o seu próprio Pai e desejou usurpar-lhe o trono celestial, ( tendo sido por isso exilado dos céus), Satanás é um anjo que simplesmente abandonou o reino dos céus. Enquanto que Lúcifer é um rebelde que se opõem a Deus, ( o seu Pai), e acabou exilado, Satã é um anjo desertor que de livre vontade abandonou o seu lugar no reino celestial.

Satã fê-lo para descer á terra e amar as filhas dos homens, as belas mulheres que ele cobiçou para si mesmo.

Ao abandonar o céu para se unir carnalmente ás mulheres, Satã fez-se acompanhar de seguidores, uma cerca três centenas de anjos que desceram á terra. Foi Satã,( e os seus seguidores), que num acto de rebeldia contra Deus, entregaram á Humanidade o saber sobre todas as ciências: astrologia, astronomia, física e química, os segredos da fabricação de metais, as leis, a magia, etc. Foi também da união entre Satã ,(e os seus anjos seguidores), com as mulheres, que nasceu a raça nefilim.

Urobach Urobahc encontra-se mencionado na Ars Goetia e no Lemegeton. Urobach, é um demonio que se pode manifestar neste incorporando num cavalo. Este é um dos príncipes do inferno, que tem a capacidade de dar a saber sobre coisas passadas, presentes e futuras, ao mesmo tempo que pode conceder grandes honrarias.

Uphir  Demônio químico, conhecedor de ervas medicinais e, responsável pela saúde dos outros demônios.

Upiertzi  Vampiro polonês.

Vekum  Demônio que seduziu os filhos dos anjos sagrados e persuadiu-os a virem à Terra e ter relações sexuais com os mortais, conforme o livro de Enoque.

Vetis Trabalha para Satã e é especialista na corrupção das almas de pessoas santas.

Viesczy  Vampiro russo.

Vlokoslaks  ou  Mulos   Vampiro sérvio.

Xaphan  Demônio menor que, por ocasião da rebelião dos anjos, deu a sugestão para se atear fogo no céu. É o que acende o fogo no Inferno.

Xesbeth  Demônio das mentiras, dos prodígios imaginários, dos contos maravilhosos.
Yaotzin  Deus azteca do inferno.

Yemaye   Um demônio principado sobre a América do Sul.

Yen-lo-Wang  Regente chinês do Inferno.

Zaebos Demônio com cabeça humana e corpo de crocodilo

Zagan O demonio Zagan é o demonio da falsificação ou da criação de falsidades que parecem ser reais. Este demónio é um dos presidentes das regiões infernais. O demónio Zagan é também capaz de conceder boa disposição e sentido de humor, ao mesmo tempo que tem a capacidade de transformar agua em vinho, e vinho em sangue.

Zepar O demonio Zepar é uma deidade da Guerra, um espirito infernal possuidor de trinta legioes de seres demoniacos sob sua autoridade. Este demónio pode seduzir as mulheres de forma irresistível, mas também as pode tornar estéreis.

Ziz O demónio Ziz é uma entidade que assume a forma de um pássaro gigante de normes proporções, cuja a envergadura de apenas uma das suas asas pode cobrir todo o sol. Este demónio pertence á categoria de entidades bestiais, tal como Leviatã – ver Leviatã.

 

 

Segue a lista dos cinco nomes dos príncipes que representam o pentagrama e suas características:

 

01 - Asmodeus

 

Asmodeus (em grego: Asmaidos, em latim: Asmodaeus, Asmodäus, em hebraico: Aschmedai (Talmud) é um demônio da mitologia do Judaísmo (Livro de Tobias 3,8,17).Asmodeus o grande rei dos demônios.  Asmodeus é um demônio da mitologia do judaísmo (Livro de Tobias 3,8,17- 6,14 - 8,2), considerado o demônio bíblico da ira e da luxúria.É um demônio bíblico, foi ele quem matou os 7 maridos de Sara, filha de Raquel, no próprio dia do casamento.Asmodeus significa "criatura que julga", “Criatura do julgamento”, “O destruidor”.  Demônio hebreu da ira e da luxúria.  O nome Asmodeu significa também “aquele que faz perecer” (anjo destruidor II Samuel 24:16, Sabedoria 18: 25, Apocalipse 9:11).Asmodeu reaparece no Testamento de Salomão (onde ele é, como em Tobias, inimigo da união conjugal) e no judaísmo pós-biblico.Asmodeus também é chamado de Ashmadia que pode originar do Persa Aeshma-Deva ou "Demônio da Ira", um dos demónios do parsismo. Em língua persa Aeshma-Daeva, era o Demónio Destruidor, o Exterminador.  O seu nome significa o “Sopro ardente de Deus”. É considerado um dos sete príncipes do inferno abaixo somente de Lúcifer (o Imperador do Inferno). É o demônio representante do último pecado, a Luxúria, concepção dada ao considerado pior dos pecados. Sua origem difere muito conforme a fonte, alguns consideram-no como um anjo caído, porém alguns escritos judaícos indicam Asmodeus como o "Rei Esquecido de Sodoma", nesse conto Asmodeus é visto como o homem mais impuro já nascido, e aquele que guiou Sodoma à luxúria. Alguns teólogos consideram a destruição de Sodoma como meio de matar Asmodeus, e não como prelúdio do Dilúvio. Já no livro deuterocanônico de Tobias, é citado como o assassino dos noivos de Sara. Deus envia o Arcanjo Rafael para guiar Tobias, encontrar Sara e prender o demônio nos mais altos picos terrestres. Depois de completar sua missão, o Arcanjo cura Tobit pai de Tobias e retorna para a Corte celeste.  Segundo seitas satânicas, a letra inicial de seu nome é parte integrante do acrônimo Baal, nome do deus pagão citado tanto nas escrituras sagradas do Torá (judaísmo) quanto na Bíblia (cristianismo), que se traduz nos nomes dos demônios Belzebu, Astarot, Asmodeus e Leviatãs. Asmodeus é normalmente representado como uma espécie de chimera, com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, símbolos de virilidade e  fertilidade. Porém, pode ser representado também como uma espécie de feiticeiro capaz de adotar a forma de aranha.  Por se tratar de um humano que virou demônio e não um anjo caído, Asmodeus possuí o livre arbítrio, negado aos anjos, sendo considerado a Arma de Lúcifer para derrotar o Messias. A Qabahla Medieval diz que de Asmodeus e de sua consorte Lilith nasceu um grande príncipe no paraíso, sendo este a régua de oitenta mil demônios destrutivos e é chamado de "a espada do rei Asmodeus".Seu nome é Alefpene'ash e sua face queima como um fogo violento (' esh). Ele também é chamado Gurigur, porque antagoniza e luta com o "Príncipe de Judah" tentando-o durante seu jejum de 40 dias no deserto. Na demonologia, Asmoday é normalmente representado com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, simbolos de virilidade e fertilidade. É representado sentado sobre um dragão infernal, armado de uma lança e cuspindo fogo. Sendo o demônio chefe de shedin, classe de demônios com garras de galo, ele mesmo tem pés de galo, e uma cauda de serpente.Numa classificação demonológica baseada nas categorias dos sete pecados capitais, Asmodeu é o demônio da luxúria e da lascívia.No século XVI alguns demonólogos, atribuiram um mês a cada demônio: o mês de NOVEMBRO foi considerado o mês, em que o poder de Asmodeus estaria mais forte.Outros demonólogos, afirmaram que o seu signo zodiacal era aquário, mas somente entre 30 de Janeiro e 8 de Fevereiro.

Casta demoniaca

Ashmedai, pertence à casta de demônios mais poderosos. Asmodeus é tido como um dos cinco príncipes do inferno, abaixo de Lúcifer - o imperador. São eles: Asmodeus, Astaroth, Baal, Belzebub, Belial. Asmoday é o 32º espírito da Goetia. É um grande, forte e poderoso rei, que governa 72 legiões de espíritos inferiores. Asmodeus é o preferido de Amaymon. Quando convocado, Amaymon tentará iludi-lo (ao praticante).

Selo de Asmodeus

Funções

Asmodeus é considerado um dos demônios mais temidos do Inferno. É um dos demônios mais antigos, da luxuria, da sensualidade, dos ciúmes, da fornicação, da ira, da vingança, e dos jogos, que não perde muito tempo com conversas ou diálogos.A sua principal missão é a de perturbar a vida sexual dos casais, destruir casamentos, incentivar o desejo dos homens pelas mulheres. Incentiva igualmente adultérios, e relacionamentos contra-natura. Ele é igualmente um dos demônios responsável pelas obsessões.Ele semeia a discórdia, discussões e o engano.É o super-intendente das classes de jogos na corte infernal.
Desde que nas suas graças ou com um pacto com ele, ele pode conceder o anel das Virtudes, ensinar aos homens as artes da astronomia, aritmética, geometria, geomancia, artesanato e artes mecânicas. Ele dá a capacidade de ler pensamentos e confere invisibilidade. Asmodeus responde todas as perguntas se ele assim o quiser (ou obrigado a isso), e ele descobre e guarda tesouros ocultos, que pode revelar a quem estiver "do lado dele".

 

 

02 – ASTAROTH

 

Astaroth é um demônio representado como um homem desnudo com asas, mãos e pés de dragão e um segundo par de asas com plumas abaixo do principal, levando uma coroa, segurando uma serpente com uma mão e cavalgando sobre um lobo ou um cachorro.Ex-querubim, é tido como o tesoureiro do inferno.O vigésimo nono espírito é Astaroth. Ele é um duque poderosíssimo, e aparece na forma de um anjo medonho, montado sobre a besta-dragão do inferno, com uma víbora na mão direita. É sábio não se aproximar muito dele a fim de evitar o fedor deletério que ele exala. O magista deve apontar-lhe com o anel ao que estará protegido. Conhece todos os segredos da Criação e responde questões sobre o passado, presente e futuro. Declarará prontamente a queda dos espíritos, se desejado, e a razão dela. Pode fazer os homens sábios em todas as ciências liberais. Reina sobre 40 legiões de espíritos.Outras versões medievais indicam Astaroth como um enorme cavaleiro negro, montado em um Escorpião.  De acordo com Sebastian Michaelis é um demônio de primeira hierarquia que seduz por meio da beleza, da vaidade, filosofías racionalistas de ver o mundo e seu adversário é São Bartolomeu, que pode proteger contra ele porque venceu as tentações de Astaroth. Inspira aos matemáticos, artesãos, pintores e outros artistas liberais, pode dar invisibilidade aos homens, pode conduzir os homens a tesouros escondidos que tenham sido enterrados por feitiços de magos e contesta a qualquer pergunta feita em forma de letras e números em varias línguas.Existem tambem afirmaçoes de muitos estudantes da goetia que afirman que Astaroth possui uma enorme força fisica,as vezes ele e representado por um gigante que manipula um machado duplo,entretanto a verdadeira forma deste gran duque dos infernos ainda e muita discutida.  De acordo com Francis Barrett, Astaroth é o príncipe dos acusadores e inquisitores. Segundo alguns demonologistas do século XVI, os ataques deste demônio contra os humanos são mais fortes durante mês de agosto. Seu nome parece vir do da deusa Ashtart/Astarté, que na Bíblia Vulgata Latina é traduzida como Astharthe (singular) e Astharoth (plural). Esta última forma se transformou na Biblia do Rei Jaime em Ashtaroth. A forma plural foi tomada do Hebraico antigo por aqueles que não sabiam que era um plural nem que era o nome de uma deusa, o vendo só como o nome de outro deus a parte de Deus e, por tanto, um demônio....  Dictionnaire Infernal - Collin de Plancy (1863) (parafraseadas) Astarote aparece como um anjo feio cavalgando o dragão e segurando uma víbora no seu lado esquerdo. Pensa-se que o grão-duque poderoso preside 40 legiões, e possivelmente sobre o Leste e é tesoureiro do inferno. Os sidônios e Phlistines adorado ele no passado. Wierus menciona que ele sabe de acontecimentos passados e futuros, as coisas secretas, artes liberais, e a história da criação e da queda dos anjos. A vulgata latina diz-se Astharthe (singular) e Astharoth (plural) sendo em sua origem relacionado a uma deusa. É um poderoso demônio que tem por trunfo a beleza sendo pai da vaidade e das filosofias racionalistas do material, seu poder é inspirativo aos matemáticos, artesãos e outros artistas, supostamente podendo levar os homens a tesouros ocultos deixados por feiticeiros e magos e tendo por ajudantes três demônios como chamados Aamon, Pruslas e Barbatos, é referido como uma espécie de grão duque do inferno regido por Satanás. Sua aparência é como um homem desnudo com asas com mãos e pés de dragão portando uma coroa e segurando uma serpente enquanto cavalga sobre um lobo ou cão. Este seria inimigo de São Bartolomeu por ser vencido por este em suas tentações. É fortemente citado por demonologistas e segundo referências do século XVI seus ataques seriam mais fortes no mês de agosto.

Selo de Astaroth

Casta demoniaca

Ela era conhecida como Astarte aos cananeus, aos sumerianos, ela era conhecida como Inanna, aos babilônios, ela era conhecida como Ishtar para os assírios e os Akkadians, ASHTART, ASHTORETH, ASHERAH, e ASTORETH, para os egípcios, ISIS, ASHET e aset, ao Phoenecians, ela era conhecida como Tanit-ASHTART e ASHTAROTH. Seu nome ugarítico era ANAT.

Astaroth é uma Deusa muito antiga. Ela está com a humanidade, assim como Satanás e Belzebu, desde o início. Astaroth é neta de Belzebu. Seus pais são Ningal e Nanna. Ela sempre foi muito popular, muito amada e venerada em locais onde ela foi adorada. Por estar conosco desde o início, ela foi conhecida por vários nomes diferentes, e como ela foi a Deusa Chefe em diversas áreas e culturas. Ela foi conhecida como uma deusa da fertilidade, amor e guerra.

Funcões
Pode tambem ser chamado de "Roth", Um anjo poderoso, ex-querubim celeste, é um dos mais próximos a lucifer,sua função é a de cordenar e governar parte do mundo inferior, O Inferno. Como Roth já fez parte da gama de querubins divinos ele sabe como ninguem as artemanhas para lutar e derrotar um anjo celestial.

 

 

03- Baal

Baal A determinada altura na história dos antigos habitantes da zona da Mesopotâmia começou a existir uma confusão relativa à identificação dos deuses. Cada lugar adorava uma mesma divindade, mas com um nome diferente e isto tudo fomentou a dificuldade de hoje em identificar a diferença entre os deuses.ex: o baal introduzido em Israel por Acabe foi Baal-Melkart.Mas havia outros como Baal-Zebube, o nome Belzebu (usado frequentemente no Novo Testamento para definir o príncipe dos demônios) nada mais é do que uma pronúncia mais fácil do mesmo nome.Mais tarde Baal deu origem a Beliel o qual vem grandemente referido até no novo testamento. Este personagem teve a sua origem muito anteriormente como o príncipe do mundo epíteto que lhe garantia uma superioridade em relação aos outros componentes da divindade desta época.Este deus era conhecido também por Enki - O Senhor da Terra. Na Bíblia se faz referência a Baal que poderia ser um epíteto de Hadad ou Adad que era uma divindade cananeia e suméria.Um deus da fertilidade.Este deus Adad dos sumérios viria a ser o deus Sin dos acádios mais tarde, pai da bíblica Astarte (filisteus) e do seu irmão Camos ou Camoesh. Ambos também fizeram parte da mitologia Suméria e Acaádia, como Ishtar e Shamash.Em Canaã, os Hebreus lutaram em várias épocas contra a adoração do "deus" Baal. No Livro dos Juízes (da Bíblia Hebraica), o hebreu Gideão destrói os altares de Baal e a árvore sagrada pertencente aos Midianitas.Mais tarde, o profeta Elias, no século IX a.C., condenou o Rei Acabe por adorar Baal. Os povos semitas ocidentais eram politeístas (adoravam várias divindades), e seus deuses possuíam características muito parecidas.A eles, os semitas davam o nome de Baal.Juntamente com El, representava a divindade suprema do panteão cananeu.Sendo uma divindade relativa à fertilidade, tinha sua imagem associada às chuvas que renovavam as colheitas. Seu principal rival era Mot, divindade da seca e da morte. Assim, Baal representava a vida e suas forças ativas, enquanto El tinha como principais atribuições a sabedoria e a prudência da vida adulta.Com o tempo, o culto a Baal foi se espalhando, tendo os fenícios como principal civilização a adotá-lo.Para eles, o deus era Baal Shamem, senhor dos céus.As tribos israelitas, ao chegarem à Canaã (a terra prometida por Iavé nas tradições hebraicas), passaram a denominar de Baal todos os deuses locais, sem distinção.No século IX, a princesa Jezabel (fenícia, casada com Acabe de Israel), pretendeu instituir o culto ao seu deus, Baal, em detrimento do culto a Iavé, divindade única dos hebreus.Tal atitude fez com que os israelitas passassem a repudiar Baal, transformando esta divindade em uma personificação de todos os "falsos deuses".Além disso, havia a lenda de que cartagineses faziam sacrifícios de crianças (os primogênitos de cada família) ao deus Baal Hammon, Esses acontecimentos contribuíram para que os israelitas cultivassem uma imagem sanguinária desse deus semita.No cristianismo, Baal Rafar é um demônio.Estudos cristãos o colocam como um dos principais agentes do mal e líderes do inferno. Baal ou Bael (as grafias mais significativas e utilizadas) é citado vária vezes no antigo testamento, principalmente nos livros atribuídos ao profeta Moisés.Baal veio significar às vezes o deus pagão local de um pessoa particular, e ao mesmo tempo todos os ídolos da terra.Igualmente encontra-se em diversos lugares no plural, Baalim ou Baals (2:11 dos juizes, 10:10).Havia muitas variações, tais como o deus do sol, o deus da fertilidade, e Beelzebuth, ou o "senhor das moscas".Ao longo de séculos, essa divindade cananeia passou a representar, no Judaismo e, posteriormente, entre as seitas cristãs da antiguidade, a personificação do mal, sendo aproximado à imagem de Lúcifer, o anjo caído do cristianismo.

                                                 Sacrifício de crianças
Naquele tempo, existia um costume de sacrificar crianças para garantir a colheita de uma vila.Normalmente o primogênito.Não apenas os mesopotâmicos, mas também os cartagineses, rivais dos romanos no controle do Mediterrâneo e derrotados por Roma nas Guerras Púnicas, costumavam sacrificar crianças para oferecer aos deuses. Na bíblia, vemos isso no sacrifício que Abraão vai fazer de Isaac e é impedido pelo anjo, indicando alegoricamente que a humanidade não necessitava mais deste tipo de sacrifício.Existia em Cartago uma estatua de Baal de proporções imensas.A imagem tinha as mãos voltadas para a frente e ligeiramente inclinadas em direção à terra, sobre as quais eram colocadas as crianças escolhidas para o sacrifício: sem apoio, as crianças escorregavam e caíam em uma grande fogueira, acesa aos pés da estátua.

Para o povo cartaginês, os seres imolados tornavam-se divindades. Músicos tocavam flautas e tambores durante o ritual, e as próprias mães entregavam seus filhos para os sacerdotes.

Selo de Baal

Casta demoniaca

Talvez a casta mais manipuladora do Inferno seja realmente os Baal. Os Baal mais antigos, que fundaram a casta, os Anjos Caídos, eram em sua maioria pertencente a casta Hashmalim. Com a experiência que tinham adquirido na Gehenna, e pela sua participação em massa na Guerra do Céu - caíram mais Hashmalim que qualquer outra casta - Lúcifer criou um nível do Inferno especialmente para Baal, o Othris. Esta é uma terra de infinitas torturas, para onde vão as almas dos injustos após a morte - aquelas que não foram para a o primeiro nível. Este é o inferno dos mortais.Othris é considerada a Nova Gehenna, um lugar onde os injustos vão e os Baal o torturam por toda a eternidade. Os Baal muitas vezes se associam aos Beliais e aos Daimonium a fim de conseguir almas diretamente para Othis.Os Baal costumas vir à Terra e assumem posições de manipuladores dos homens, fazendo de tudo para eles sofrerem.Pode-se encontrar um Baal vendendo drogas ou como torturador em um destes pequenos países do Oriente Médio que vivem em guerra.

Funções

Na demonologia, é representado como o grão–duque do inferno, chefe dos exércitos, comandante direto de legiões de demônios. Representado com três cabeças, sendo uma de gato, outra de homem e a terceira de um sapo. Seu corpo, bastante forte, termina em pernas de aranha, podendo se tornar invisível.Entretanto, através da história, Baal teve outras designações, sendo considerado a divindade suprema dos fenícios e dos cartagineses, para quem eram sacrificados crianças a fim de garantir fartas colheitas, bem como a segurança contra os inimigos.Servia ainda para designar muitas deidades. É também o deus semítico da fertilidade, cuja adoração era associada à grosseria sexual. Aparece na Bíblia, com diferentes predicados: Baal, Senhor da Aliança, Baal – Zebul – O Baal das Moscas, que aparece na Vulgata - versão latina da Bíblia, revista por São Jerônimo – com sentido pejorativo . Entre os sumérios e babilônicos, assume a forma de Bel, Bel-Mardux.Os Baalim eram protetorers dos oráculos- templos – sendo certo que alguns reis de Israel incentivaram seu culto, o que motivou a reação dos profetas.É uma palavra hebraica que significa senhor, marido, dono, sendo certo que nos primeiros tempos usavam o termo Baal para o verdadeiro Deus.

 

 

 

04 - Belzebu

Belzebu é o tenente dos exércitos infernais, estando directamente sob a autoridade de Lúcifer, o imperador do Inferno. Belzebu é famoso pelo seu titulo: «Senhor das Moscas»; Belzebu é o demónio que por excelência, proporciona os mais famosos e acertados oráculos.O príncipe dos demônios. Ao lado de Leviatã, estimula o orgulho e a heresia entre os homens.Belzebu preside á «Ordem da Mosca», e encontra-se entre os mais famosos anjos caídos. Dizem alguns Grimórios e estudos demonologistas, que Belzebu é uma das três entidades que constituem profana a trindade dos infernos, aquela que se opõem á santa trindade dos céus. A profana trindade seria assim constituída por Lucifer, Astaroth e Belzebu. A este ultimo é atribuído o pecado da gula, sendo que se diz que Belzebu habita em Africa. O demónio Balzebu preside aos Sabbath das bruxas, pois é senhor de todos os rituais que ali se celebram. A eucaristia das missas negras, é realizada sob o selo de Belzebu. Reza a historia, que Belzebu foi o responsável pela famosa possessão demoníaca de uma freira de nome irmã «Madalena de Demandoix», no convento de Aix-en-Provece – França

Casta demoniaca

Príncipe dos demônios e senhor das Moscas é um dos governantes do inferno, seu domínio é o orgulho. É considerado a encarnação do mal absoluto. Era um antigo deus do Mediterrâneo oriental.

Selo de Belzebu

Funções

O príncipe dos diabos. É usado no Novo Testamento, para identificar Satã. Na demonologia, ele é o primeiro ministro dos espíritos malignos, o "Senhor das Moscas”, manda moscas arruinarem a colheita e o povo de Canaã prestava-lhe homenagem na forma de uma mosca. Figura aterrorizante, enorme, preto, inchado, chifrudo, cercado de fogos e com asas de morcego. Milton, no Paraíso Perdido, descreve-o como um rei autoritário, cuja face irradia sabedoria.

 

 

 

05 - Belial

É considerado o demônio da arrogância e da loucura. Há quem o veja como a besta do Apocalipse  Belial[1] é um personagem da mitologia cananita que determinava este Belial como o adversário do povo "escolhido". É o 68º espírito listado na Goetia. Na mitologia cristã Belial é mencionado também no novo testamento como o oposto da luz, do bem e de Jesus Cristo. Seria o mais importante demónio na Terra, que comandava as forças da escuridão contra os "filhos da luz" que serviam Satã. Criado junto com Lúcifer, de Belial foi dito - rei do inferno - e comandante de 80 legiões.  Belial ou Beliel é o Rei-Comandante de Sheol (parte das regiões infernais). Na demonologia cristã, é reconhecido como um antigo Anjo da Virtude, que após a queda junto com Lúcifer, foi transformado no demônio da arrogância e da loucura, ocupava o posto que agora pertence a Arcanjo São Miguel. Também é responsável pela luxúria, e foi por sua causa que as cidades de Sodoma e Gomorra caíram em tentação. Ele aparece na forma de dois anjos sentados em uma carruagem de fogo.  A letra quer dizer "filhos da indignidade.Uns homens, filhos de Belial, saindo do meio de ti, incitaram os moradores da sua cidade, dizendo: Vamos, e sirvamos a outros deuses! - deuses que nunca conheceste - Deuteronômio 13:13. Ele não pode resistir a tentação de gabar-se, "Eu era o primeiro dos anjos". Miguel supostamente era o segundo, Gabriel o terceiro, Uriel o quarto e Rafael o quinto. O orgulho desse anjo era verdadeiro pois seus irmãos são conhecidos como Anjos da Vingança, é o arque-rival de Fanuel.  Na Bíblia, ha menções de Belial, não Beliel, como podemos ver em II Samuel 22,5 ou II Coríntios 6,15, não encontrando em nenhuma parte Beliel.

Casta demoniaca

Beliel ou Belial é o Rei-Comandante de Sheol (parte das regiões infernais). Na demonologia cristã, é reconhecido como um antigo Anjo da Virtude, que após a queda junto com Lúcifer, foi transformado no demônio da arrogância e da loucura, ocupava o posto que agora pertence a Arcanjo São Miguel. Ele aparece na forma de dois anjos sentados em uma carruagem de fogo.Belial (também conhecido como Belhor, Baalial, Beliar, Beliall, Beliel; do idioma hebreu, temos Bliyaal בליעל - (Significado:sem valia). Em livros antigos dos judeus, as crianças não circuncidadas eram alcunhadas como "filhos de Belial".A etimologia para seu nome é incerta. Alguns estudiosos verteram diretamente do hebreu como "sem valor" (Beli yo'il), enquanto outros traduziram como "não escravizado" (Beli ol), "O que não tem derrotas" (Belial) ou "nunca vencido" (Beli ya'al). Apenas alguns poucos etimologistas assumiram essas transcrições literais como origem de suas pesquisas.
Beliar significa sem valor. O próprio Belial nos diz no Evangelho de Bartolomeu que "Em primeiro lugar eu era chamado Satanel, que era interpretado como mensageiro de Deus, mas quando rejeitei a imagem de Deus, meu nome foi mudado para Satanás, que é o anjo que guarda o Inferno".

Selo de Belial

Funções

Do hebraico BELLHHARAR, que quer dizer "inútil”, sem valor. Sinônimo de Satã e também de Belzebu, com designativo do chefe dos demônios. No Novo Testamento, aparece uma vez (Segunda Epístola aos Coríntios, 6, 15). O mais imoral de todos os diabos. No Livro das Revelações, e cognominado "a besta”. Num dos pergaminhos encontrados no Mar Morto, aparece com o chefe das forças do mal. Sua intenção é fazer proliferar a perversidade e a culpa. Alguns o identificam com o anticristo. No primeiro século d.C. foi considerado o anjo da desordem que governa o mundo. É o demônio da pederastia e cultiva a sodomia, (Homossexualismo). Algumas vezes é representado numa carruagem de fogo. Possuía sete chifres e sete cabeças, ostentando sobre cada cabeça sete nomes blasfemos e , sobre os chifres, dez diademas . Assemelha –se a uma pantera, com os pés de urso e boca de leão. Noutro passo, é mencionado como possuindo dois chifres, falando com um dragão. Alguns intérpretes o deram com figuração dos falsos profetas advindo da Ásia.Os Beliais são conhecidos como os demônios negociadores. Talvez os Beliais sejam um dos grandes colaboradores para a aquisição de almas para o inferno.São mestres da negociação e do comércio e costumam efetuar mais pactos do que todas as outras castas juntas.Os Beliais costumam vir à Terra em busca de suas almas. Muitos deles se apresentam como demônios que podem oferecer a um mortal o que ele quiser, mas também podem ser meros vendedores de enciclopédia.A casta acompanhou o progresso do comércio e ajudou muitos burgueses a terem sucesso financeiro - embora o pagamento seja recompensador. Os Beliais mantém relações de amizade com todas as castas, algumas dizem que todo demônio que se preze já comprou alguma alma de um Belial ou fez um contrato para que este lhe conseguisse uma determinada alma.

 

 

 

 

Estudos sobre demonologia

 

Tipo: Batalha Espiritual / Autor: Pr. Ricardo Ribeiro

A origem dos anjos caídos:
Satanás estava no céu, era um anjo de Deus, querubim ungido do Senhor. Era um anjo perfeito, até que um dia se engrandeceu diante de Deus, querendo ser semelhante ao altíssimo:
“Por meio do seu amplo comércio, você encheu-se de violência e pecou. Por isso eu o lancei, humilhado, para longe do monte de Deus, e o expulsei ó querubim guardião, do meio das pedras fulgurantes” (Ez 28.26).
No capítulo 28 de Ezequiel, a partir do versículo 11, encontramos as descrições deste anjo.
Ele era o modelo da perfeição (v.12).
Ele estava no Éden, Jardim de Deus (v.13).
Ele foi criado e não nascido (v.13,15).
Ele era um anjo (v.14).
Ele estava no monte santo de Deus (v.14,16).
Este anjo também é identificado claramente em Apocalipse 12.7-9:
“E houve guerra no céu: Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e os seus anjos batalhavam, mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, que engana a todo o mundo. Ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”.
Este anjo rebelado passou a se chamar Satanás, que literalmente quer dizer “lançar um contra o outro”, isto é, “semeador de contendas ou calunias”.

No hebraico significa “Satan”, que além de “adversário” tem também o sentido de “acusador”. Antes de sua queda, esse anjo rebelde era conhecido como “estrela da manhã, filho da alva” (Is 14.12). Na versão vulgata é traduzido por “Lúcifer” que significa “portador de luz”.

Além desses nomes, Satanás tem seus títulos e funções:
O príncipe deste mundo (Jo 12.31; 14.30; 16.11).
O deus deste século (2 Co 4.4).
O príncipe das potestades do ar (Ef 2.2).
A antiga serpente (Ap 12.9; 2 Co 11.3).
O grande dragão (Ap 12.3,9).
Enganador (Ap 12.9; 20.3).
Acusador de nossos irmãos (Ap 12.10)
Tentador (Mt 4.3; 1 Ts 3.5).
O vosso adversário (1 Pe 5.8).
Homicida (Jo 8.44).
Mentiroso e Pai da mentira (Jo 8.44).
Mal ou Maligno (Mt 6.13; Jo 17.15; Ef 6.16; 2 Ts 3.3).
Enganador (Gn 3)
Manipulador de lideranças (1Cr 21.1)
Falsificador de profecias (1 Rs 22.21)
Destruidor de cidades (Nínive, Babilônia, etc)
Desagregador de igrejas (1Co 1.10-17)
O principal pecado que levou Satanás a sua queda, foi o orgulho (Ez 28.17; 1 Tm 3.6). Isaías 14.13-15 descreve o seu orgulho demonstrado em sua rebelião contra Deus. Cinco vezes Satanás disse em seu coração:
“Eu subirei..., (eu) exaltarei..., (eu) me assentarei...,
(eu) subirei..., (eu) serei...”.
Como resultado de seu pecado, Satanás foi banido do céu (Is 14.12; Ap 12.7-9), e foi destinado ao abismo (Is 14.15; Ap 20.3). Quando Satanás pecou, ele não pecou sozinho, mas seduziu um bom número de anjos a servi-lo ao invés de Deus.

A Bíblia diz que um terço dos anjos foram seduzidos por Satanás (Ap 12.4).

A PRESENTE POSIÇÃO DE SATANÁS
Tem um reino de demônios - Mateus 12:24
Controle geral - I João 5 :19
Controle político - João 12:31
Controle eclesiástico - II Coríntios 4:4
Controle espiritual - Mateus 13:38

ENTENDENDO MAIS SOBRE DEMÔNIOS
Apesar de Satanás ter sido um querubim ungido, com a rebelião ele levou consigo muitos anjos (inclusive arcanjos), os quais se tornaram demônios, desta forma teriam sido destituídos de seus corpos angelicais. Agora tais demônios necessitam de corpos para poderem se manifestar neste mundo. Vejamos abaixo algumas características gerais sobre tais seres espirituais:
São seres inteligentes: Mt 8. 29,31 - E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes de tempo?... Então os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada dos porcos.
São seres espirituais. Lc 9.38,39,42 - E eis que, dentre a multidão, surgiu um homem, dizendo em alta voz: Mestre, suplico-te que vejas meu filho, porque é o único; um espírito se apodera dele e, de repente, grita e o atira por terra, convulsiona-o até espumar, e dificilmente o deixa, depois de o ter quebrantado... Quando se ia aproximando, o demônio o atirou no chão e o convulsionou; mas Jesus repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou a seu pai.
São espíritos destituídos de seus corpos: Mt 12.43,44 - Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não encontra. Por isso diz: Voltarei para minha casa donde saí. E, tendo voltado, a encontra vazia, varrida e ornamentada.
Nota: Os anjos de Deus tem corpos espirituais, porém os demônios foram destituídos de seus corpos, por isso precisam de um corpo para habitar, de forma que toque, enxergue e sinta o mundo físico com a mesma facilidade que nós humanos.

São muitos em número: Mc 5.9 - E perguntou-lhe: Qual é o teu nome? Respondeu ele: Legião é o meu nome, porque somos muitos.
Os demônios são de tal modo numerosos e “organizados”, que criaram uma rede de hierarquias e divisões, capaz de tornar Satanás praticamente ubíquo no meio deles.

Reconhecem o poder e autoridade de Cristo (Mc 5:6).
Sentiram medo de Jesus, e imploraram para que Ele não lhes atormentasse (Lc 8:28).
Habitam em territórios estipulados: “rogaram-Lhe muito para que Ele não os enviasse para fora daquela província ” (Mc 5:10).
Observe que a bíblia diz que quando um demônio é expulso, ele fica fora do corpo e vai para lugares áridos. Não encontrando onde habitar, volta com sete mais fortes, para lutar pelo corpo que “o pertencia”. Quando os demônios clamam para serem jogados para porcos, percebemos duas verdades importantes:
- Os demônios precisam de corpos para habitar, pois são espíritos sem corpo;
- É possível um espírito imundo possuir um animal vivo. (Mc 5:12).

HIERARQUIA ESPIRITUAL DOS DEMÔNIOS
“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Ef 6.12).
O texto acima talvez possa ser chamado de áureo da batalha espiritual. Pois aqui Paulo nos dá grandes ensinamentos:
Nossa luta não é carnal (homem carnal não tem como lutar)
Existe hierarquia espiritual
Mais adiante ele ainda traz importantes ensinamentos:
Existe uma armadura espiritual para a batalha espiritual.
Existe o “dia mau”
Agora vamos falar exclusivamente sobre a hierarquia espiritual. No versículo 12 o apóstolo fala de potestades, principados, dominadores e forças. Antes de qualquer coisa precisamos entender que Satanás não é onipresente. Por não ser onipresente, ele mais uma vez se torna pequeno diante de Deus.
Em um dos congressos de batalha espiritual ministrados por nós, há algum tempo atrás, um homem chegou na porta da igreja e disse: “Eu sou Lúcifer, e trouxe comigo muitos demônios”. Mais uma vez confirmei um que a bíblia diz: “Satanás é o pai da mentira; é mentiroso desde o princípio”.
Em primeiro lugar Satanás não possui pessoas. Ele é um demônio muito “poderoso”, e certamente o ser humano seria frágil para tal possessão. Em segundo lugar, eu não creio que Satanás iria deixar seu posto (talvez em uma guerra, ou comandando seu batalhão), para se preocupar comigo e com mais um congresso que estávamos ministrando.
Após ordenar a libertação, o homem foi liberto e percebemos que eram poucos demônios de baixo escalão que o possuía.
Por não ser onipresente, Satanás criou uma inteligente rede de atuação, colocando demônios espalhados por localidades, com funções diferentes. Esta é a classificação demoníaca citada por Paulo, na qual estudaremos a seguir.
Principados (príncipes infernais)
De acordo com o dicionário Michaelis, principado significa: “Território ou Estado governado por um príncipe ou princesa”. No grego, a palavra principado é arche – “autoridade”, “governante”, “domínio”, “esfera de influencia”
Existem demônios de alto escalão designados para ocupar estes principados. São como príncipes de grandes regiões, como continentes e países.
A Bíblia nos traz um bom exemplo de batalha espiritual, a nível de principados:
“Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia.” (Dn 10.13)
Enquanto Daniel orava por uma resposta do Senhor, estava sendo travada uma guerra nas regiões celestiais.
O príncipe da Pérsia lutava com o arcanjo Miguel (também príncipe – “arché angelos”), para impedir a resposta do homem de Deus. Não é sempre principados (de alto escalão) se ocupam para impedir nossas orações. No caso de Daniel, ele orava intercedia por uma nação inteira, por isso envolveu principados.
Observe a resposta do arcanjo Miguel:
“E ele disse: Sabes por que eu vim a ti? Agora, pois, tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e, saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia.” (Dn 10.20)
Potestades (gerentes infernais)
No grego, potestade significa eksousia – “autoridade”, “poder”, no sentido de autoridade delegada. São governantes subordinados aos príncipes, por isso também chamados sub-principes. Agem respectivamente em cada principado (território) a que pertencem. Em determinados casos, tais poderes de principados diferentes se unem para agir em uma tarefa específica.
Existem milhares e milhares de potestades espalhadas sob a face da terra, assumindo responsabilidade por estados, cidades, ruas, bairros, clubes, igrejas, religiões, seitas e partidos, etc, etc...
Dominadores - Demônios de Baixa Grandeza
Do grego kosmokrator, que literalmente significa “governante mundial”. Também são milhares e milhares, e são os responsáveis pelo andamento de projetos idealizados pelos príncipes ou sub-príncipes. Atuam como guias, orixás, mensageiros ou operários.
A bíblia diz que o mundo jaz no maligno. A palavra governante mundial não é porque eles estão no comando geral, mas porque seus atos influenciam diretamente o destino da humanidade.
São os demônios de baixa grandeza são as conhecidas “entidades”, que na Umbanda são conhecidas por diversos nomes, como Zé Pilintra, Exu Caveira, Pombagira, Preto Velho, Etc. Eles são destinados a possessões, onde entram nas vidas das pessoas e destroem tudo.
Alem disso, tais demônios são responsáveis pelo surgimento movimentos espirituais malignos, tais como:
Astrologia (através de espíritos de adivinhação)
Movimento de nova era (demônios que afetam a mente humana)
Anjo da morte (espíritos de suicídio)
Idolatria “coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios” (1Co 10.20)
Forças espirituais da maldade
Do grego, pneumatikos, “seres malignos”, “forças do mal”. São demônios de menor hierarquia, que trabalham em legiões, auxiliando nos trabalhos de possessões. Estima-se que existam cerca de 30 bilhões de demônios para cada habitante no planeta terra. Alguns destes demônios tem atributos “especiais”, como poder mover, ou fazer “desaparecer” objetos. Emitem sons, entre outros feitos.

Legiões demoníacas
“...mas esta casta de demônios não se expulsa senão à força de oração e de jejum.” (Mt 17.21)
A palavra “casta” significa qualidade, tipo, categoria. Esta palavra é citada por Jesus, quando diante de um endemoniado. Quando os discípulos estavam a ministrar libertação, encontraram dificuldade em alguns casos, nos quais Jesus explicou que somente poderiam sair mediante a jejum e oração. Se tratavam de legiões de demônios, deixe-me explicar como funciona a libertação por legiões.
Quando encontramos uma pessoa possessa por um ou poucos espíritos malignos, ordenamos a cada um que saiam em Nome de Jesus, e a libertação é encerrada. Porém, uma casta são centenas de demônios, alojados em uma única pessoa.
Quando se expulsa um, entra outro. Quando se tira o outro, entra mais um... agora imagine você expulsar centenas de demônios, um por um.
Certa vez Jesus ordenou que uma legião fosse retirada de um homem, e os demônios foram jogados para porcos. Para o Mestre foi fácil, pois ele era um homem de oração e jejum, sua autoridade era gigantesca.Estes demônios se apresentaram a Jesus sob o título de “legião”, porque eram muitos. No contexto do fato ocorrido, existiam as legiões de soldados romanos. Tais legiões eram formada por cerca de 6000 homens, assim divididos em 10 coortes (pelotões de 600 homens), que por sua vez se dividiam em 6 centúrias (100 homens) cada.Acredita-se que uma legião tem cerca de 6000 demônios, assim como a legião romana. A legião de soldados romanos era formada por 6000 soldados, dividida em 10 grupos de 600, chamados coortes. Cada coorte era dividida em seis grupos de 100, conhecidos como centúrias (liderados pelo centurião).
Agora imagine, expulsar um por um destes demônios. Neste caso, é necessário ter uma vida de oração e jejum. O crente que jejua acumula “créditos” no mundo espiritual, e se torna espiritualmente forte para este tipo de batalha. Quando este crente se depara com um possesso por legiões, basta ordenar que os demônios saiam, e assim se fará.Existem algumas legiões de demônios conhecidas principalmente no Brasil e no continente africano. Foram trazidas para o Brasil através dos escravos, com suas seitas e religiões que trouxeram para nossa cultura formas de invocação e pactos para nossa terra.

Quando os padres jesuítas proibiram os escravos foram proibidos de adorar e invocar tais legiões, exigindo que adorassem os santos cristãos (católicos), foi criado então o sincretismo, de forma que as castas poderiam ser adoradas, através dos nomes dos santos católicos.

Prova disso é que em diversas cidades brasileiras, praticantes de umbanda, candomblé, catolicismo romano, se encontram nas portas dos templos, normalmente, para adorar.
Geralmente vemos em portas de igrejas católicas, baianas, vestidas com roupas de cultos africanos.

 

 

 

Pentagrama: o poder da estrela de cinco pontas

A soma das forças do Universo é uma infinita proteção contra as energias negativas e este poder pode ser encontrado no Pentagrama Esotérico. Este antigo símbolo é representado por uma estrela de cinco pontas que indica o domínio do Espírito sobre a água, a terra, o fogo e o ar. Para muitos, esta ação sobre os quatro elementos é a mais profunda forma de comunhão total com os Deuses.

Utilizado desde a antiguidade em práticas de magia, o pentagrama possui símbolos que vão desde os sagrados e astrológicos até os cabalísticos e numerológicos. Esses poderes são usados por quem manipula o pentagrama para trabalhar o autoconhecimento. Dessa forma, o pentagrama também pode ser uma forma única de profunda medição e encontro com o seu eu interior.

Para a proteção contra os males do mundo, é possível usar este símbolo em pingentes para colares ou anéis que devem ser usados no dedo anular. Muitas pessoas também usam o seu desenho em janelas, com a finalidade de impedir a entrada de energias negativas tanto no ambiente de trabalho quanto nas residências.

Uma curiosidade fica por conta dos chineses. Eles acreditam que o pentagrama representa o ciclo da destruição e da criação, já que possui os elementos madeira, fogo, terra, metal e água.

 

 

Para os chineses, um elemento é gerado pelo outro, com exceção da água, que inibe o fogo.  O poder de proteção do pentagrama está em acreditar em sua força. Afinal, quem não está sempre em busca de mais e mais proteção?Desde os primórdios da humanidade, o ser humano sempre se sentiu envolto por forças superiores e trocas energéticas que nem sempre soube identificar.Sujeito a perigos e riscos, teve a necessidade de captar forças benéficas para se proteger de seus inimigos e das vibrações maléficas. Foi em busca de imagens, objetos, e criou símbolos para poder entrar em sintonia com energias superiores e ir ao encontro de alguma forma de proteção.  Dentre estes inúmeros símbolos criados pelo homem, se destaca o pentagrama, que evoca uma simbologia múltipla, sempre fundamentada no número 5, que exprime a união dos desiguais. As cinco pontas do pentagrama põem em acordo, numa união fecunda: o 3, que significa o principio masculino, e o 2, que corresponde ao princípio feminino.  Ele simboliza, então, o andrógino.

 

 

O pentagrama sempre esteve associado com o mistério e a magia. Ele é a forma mais simples de estrela, que deve ser traçada com uma única linha, sendo conseqüentemente chamado de "Laço Infinito". A potência e associações do pentagrama evoluíram ao longo da história. Hoje é um símbolo onipresente entre os neopagãos, com muita profundidade mágica e grande significado simbólico.Desde os primórdios da humanidade, o ser humano sempre se sentiu envolto por forças superiores e trocas energéticas que nem sempre soube identificar. Sujeito a perigos e riscos, teve a necessidade de captar forças benéficas para se proteger de seus inimigos e das vibrações maléficas. Foi em busca de imagens, objetos, e criou símbolos para poder entrar em sintonia com energias superiores e ir ao encontro de alguma forma de proteção.Dentre estes inúmeros símbolos criados pelo homem, se destaca o pentagrama, que evoca uma simbologia múltipla, sempre fundamentada no número 5, que exprime a união dos desiguais. As cinco pontas do pentagrama põem em acordo, numa união fecunda, o 3, que significa o principio masculino, e o 2, que corresponde ao princípio feminino. Ele simboliza, então, o andrógino. O pentagrama sempre esteve associado com o mistério e a magia. Ele é a forma mais simples de estrela, que deve ser traçada com uma única linha, sendo conseqüentemente chamado de "Laço Infinito".A potência e associações do pentagrama evoluíram ao longo da história. Hoje é um símbolo onipresente entre os neopagãos, com muita profundidade mágica e grande significado simbólico. Um de seus mais antigos usos se encontra na Mesopotâmia, onde a figura do pentagrama aparecia em inscrições reais e simbolizava o poder imperial que se estendia "aos quatro cantos do mundo". Entre os Hebreus, o símbolo foi designado como a Verdade, para os cinco livros do Pentateuco (os cinco livros do Velho Testamento, atribuídos a Moisés). Às vezes é incorretamente chamado de "Selo de Salomão", sendo, entretanto, usado em paralelo com o Hexagrama.Na Grécia Antiga, era conhecido como Pentalpha, geometricamente composto de cinco As. Pitágoras, filósofo e matemático grego, grande místico e moralista, iniciado nos grandes mistérios, percorreu o mundo nas suas viagens e, em decorrência, se encontram possíveis explicações para a presença do pentagrama, no Egito, na Caldéia e nas terras ao redor da Índia. A geometria do pentagrama e suas associações metafísicas foram exploradas pelos pitagóricos, que o consideravam um emblema de perfeição. A geometria do pentagrama ficou conhecida como "A Proporção Dourada", que ao longo da arte pós-helênica, pôde ser observada nos projetos de alguns templos.Para os agnósticos, era o pentagrama a "Estrela Ardente" e, como a Lua crescente, um símbolo relacionado à magia e aos mistérios do céu noturno. Para os druidas, era um símbolo divino e, no Egito, era o símbolo do útero da terra, guardando uma relação simbólica com o conceito da forma da pirâmide. Os celtas pagãos atribuíam o símbolo do pentagrama à Deusa Morrigan.  Os primeiros cristãos relacionavam o pentagrama às cinco chagas de Cristo e, desde então, até os tempos medievais, era um símbolo cristão. Antes da Inquisição não havia nenhuma associação maligna ao pentagrama; pelo contrário, era a representação da verdade implícita, do misticismo religioso e do trabalho do Criador.  O imperador Constantino I, depois de ganhar a ajuda da Igreja Cristã na posse militar e religiosa do Império Romano em 312 d.C., usou o pentagrama junto com o símbolo de chi-rho (uma forma simbólica da cruz), como seu selo e amuleto. Tanto na celebração anual da Epifânia, que comemora a visita dos três Reis Magos ao menino Jesus, assim como também a missão da Igreja de levar a verdade aos gentios, tiveram como símbolo o pentagrama, embora em tempos mais recentes este símbolo tenha sido mudado, como reação ao uso neopagão do pentagrama.  Em tempos medievais, o "Laço Infinito" era o símbolo da verdade e da proteção contra demônios. Era usado como um amuleto de proteção pessoal e guardião de portas e janelas. Os Templários, uma ordem militar de monges formada durante as Cruzadas, ganharam grande riqueza e proeminência através das doações de todos aqueles que se juntavam à ordem, e amealhou também grandes tesouros trazidos da Terra Santa. Na localização do centro da "Ordem dos Templários", ao redor de Rennes du Chatres, na França, é notável observar um pentagrama natural, quase perfeito, formado pelas montanhas que medem vários quilômetros ao redor do centro.  Há grande evidência da criação de outros alinhamentos geométricos exatos de Pentagramas como também de um Hexagrama, centrados nesse pentagrama natural, na localização de numerosas capelas e santuários nessa área. Está claro, no que sobrou das construções dos Templários, que os arquitetos e pedreiros associados à poderosa ordem conheciam muito bem a geometria do pentagrama e a "Proporção Dourada", incorporando aquele misticismo aos seus projetos.   Entretanto, a "Ordem dos Templários" foi inteiramente dizimada, vítima da avareza da Igreja e de Luiz IX, religioso fanático da França, em 1.303. Iniciaram-se os tempos negros da Inquisição, das torturas e falsos-testemunhos, de purgar e queimar, esparramando-se como a repetição em câmara-lenta da peste negra, por toda a Europa.Durante o longo período da Inquisição, havia a promulgação de muitas mentiras e acusações em decorrência dos "interesses" da ortodoxia e eliminação de heresias. A Igreja mergulhou por um longo período no mesmo diabolismo ao qual buscou se opor. O pentagrama foi visto, então, como simbolizando a cabeça de um bode ou o diabo, na forma de Baphomet, e era Baphomet quem a Inquisição acusou os Templários de adorar. Também, por esse tempo, envenenar como meio de assassinato entrou em evidência. Ervas potentes e drogas trazidas do leste durante as Cruzadas, entraram na farmacopéia dos curandeiros, dos sábios e das bruxas.Curas, mortes e mistérios desviaram a atenção dos dominicanos da Inquisição, dos hereges cristãos, para as bruxas pagãs e para os sábios, que tinham o conhecimento e o poder do uso dessas drogas e venenos. Durante a purgação das bruxas, outro deus cornudo, como Pan, chegou a ser comparado com o diabo (um conceito cristão) e o pentagrama - popular símbolo de segurança - pela primeira vez na história, foi associado ao mal e chamado "Pé da Bruxa". As velhas religiões e seus símbolos caíram na clandestinidade por medo da perseguição da Igreja e lá ficaram definhando gradualmente, durante séculos. As sociedades secretas de artesãos e eruditos, que durante a inquisição viveram uma verdadeira paranóia, realizando seus estudos longe dos olhos da Igreja, já podiam agora com o fim do período de trevas da Inquisição, trazer à luz o Hermetismo, ciência doutrinaria ligada ao agnosticismo surgida no Egito, atribuída ao deus Thot, chamado pelos gregos de Hermes Trismegisto, e formada principalmente pela associação de elementos doutrinários orientais e neoplatônicos. Cristalizou-se, então, um ensinamento secreto em que se misturavam filosofia e alquimia, ciência oculta da arte de transmutar metais em ouro. O simbolismo gráfico e geométrico floresceu, se tornou importante e, finalmente, o período do Renascimento emergiu, dando início a uma era de luz e desenvolvimento. Um novo conceito de mundo pôde ser passado para a Europa renascida, onde o pentagrama (representação do número cinco), significava agora o microcosmo, símbolo do Homem Pitagórico que aparece como uma figura humana de braços e pernas abertas, parecendo estar disposto em cinco partes em forma de cruz; o Homem Individual. A mesma representação simbolizava o macrocosmo, o Homem Universal - dois eixos, um vertical e outro horizontal, passando por um mesmo centro. Um símbolo de ordem e de perfeição, da Verdade Divina. Portanto, "o que está em cima é como o que está embaixo", como durante muito tempo já vinha sendo ensinado nas filosofias orientais. O pentagrama pitagórico - que se tornou, na Europa, o de Hermes, gnóstico - já não aparece apenas como um símbolo de conhecimento, mas também como um meio de conjurar e adquirir o poder. Figuras de Pentagramas eram utilizadas pelos magos para exercer seu poder: existiam Pentagramas de amor, de má sorte, etc. No calendário de Tycho Brahe "Naturale Magicum Perpetuum" (1582), novamente aparece a figura do pentagrama com um corpo humano sobreposto, que foi associado aos elementos. Agripa (Henry Cornelius Von de Agripa Nettesheim), contemporâneo de Tycho Brahe, mostra proporcionalmente a mesma figura, colocando em sua volta os cinco planetas e a Lua no ponto central (genitália) da figura humana. Outras ilustrações do mesmo período foram feitas por Leonardo da Vinci, mostrando as relações geométricas do Homem com o Universo. Mais tarde, o pentagrama veio simbolizar a relação da cabeça para os quatro membros e conseqüentemente da pura essência concentrada de qualquer coisa, ou o espírito para os quatro elementos tradicionais: terra, água, ar e fogo - o espírito representado pela quinta essência (a "Quinta Essentia" dos alquimistas e agnósticos). Na Maçonaria, o homem microcósmico era associado com o Pentalpha (a estrela de cinco pontas). O símbolo era usado entrelaçado e perpendicular ao trono do mestre da loja. As propriedades e estruturas geométricas do "Laço Infinito" foram simbolicamente incorporadas aos 72 graus do Compasso - o emblema maçônico da virtude e do dever. Nenhuma ilustração conhecida associando o pentagrama com o mal aparece até o Século XIX. Eliphas Levi (Alphonse Louis Constant) ilustra o pentagrama vertical do homem microcósmico ao lado de um pentagrama invertido, com a cabeça do bode de Baphomet (figura panteísta e mágica do absoluto). Em decorrência dessa ilustração e justaposição, a figura do pentagrama, foi levada ao conceito do bem e do mal. Contra o racionalismo do Século XVIII, sobreveio uma reação no Século XIX, com o crescimento de um misticismo novo que muito deve à Santa Cabala, tradição antiga do Judaísmo, que relaciona a cosmogonia de Deus e universo à moral e verdades ocultas, e sua relação com o homem. Não é tanto uma religião mas, sim, um sistema filosófico de compreensão fundamentado num simbolismo numérico e alfabético, relacionando palavras e conceitos. Eliphas Levi foi um expositor profundo da Cabala e instrumentou o caminho para a abertura de diversas lojas de tradição hermética no ocidente: a "Ordem Temporale Orientalis" (OTO), a "Ordem Hermética do Amanhecer Dourado" (Golden Dawn), a "Sociedade Teosófica", os "Rosacruzes", e muitas outras, inclusive as modernas Lojas e tradições da Maçonaria. Levi, entre outras obras, utilizou o Tarot como um poderoso sistema de imagens simbólicas, que se relacionavam de perto com a Cabala. Foi Levi também quem criou o Tetragrammaton - ou seja, o pentagrama com inscrições cabalísticas, que exprime o domínio do espírito sobre os elementos, e é por este signo que se invocavam, em rituais mágicos, os silfos do ar, as salamandras do fogo, as ondinas da água e os gnomos da terra ("Dogma e Ritual da Alta Magia" de Eliphas Levi). A Golden Dawn, em seu período áureo (de 1888 até o começo da primeira guerra mundial), muito contribuiu para a disseminação das raízes da Cabala Hermética moderna ao redor do mundo e, através de escritos e trabalhos de vários de seus membros, principalmente Aleister Crowley, surgiram algumas das idéias mais importantes da filosofia e da mágica da moderna Cabala. Em torno de 1940, Gerald Gardner adotou o pentagrama vertical, como um símbolo usado em rituais pagãos. Era também o pentagrama desenhado nos altares dos rituais, simbolizando os três aspectos da deusa mais os dois aspectos do deus, nascendo, então, a nova religião de Wicca. Por volta de 1960, o pentagrama retomou força como poderoso talismã, juntamente com o crescente interesse popular em bruxaria e Wicca, e a publicação de muitos livros (incluindo vários romances) sobre o assunto, ocasionando uma decorrente reação da Igreja, preocupada com esta nova força emergente. Um dos aspectos extremos dessa reação foi causado pelo estabelecimento do culto satânico - "A Igreja de Satanás" - por Anton La Vay. Como emblema de sua igreja, La Vay adotou o pentagrama invertido (inspirado na figura de Baphomet de Eliphas Levi). Isso agravou com grande intensidade a reação da Igreja Cristã, que transformou o símbolo sagrado do pentagrama, invertido ou não, em símbolo do diabo. A configuração da estrela de cinco pontas, em posições distintas, trouxe vários conceitos simbólicos para o pentagrama, que foram sendo associados, na mente dos neopagãos, a conceitos de magia branca ou magia negra. Esse fato ocasionou a formação de um forte código de ética de Wicca - que trazia como preceito básico: "Não desejes ou faças ao próximo, o que não quiseres que volte para vós, com três vezes mais força daquela que desejaste." Apesar dos escritos criados para diferenciar o uso do pentagrama pela religião Wicca, das utilizações feitas pelo satanismo, principalmente nos Estados Unidos, onde os cristãos fundamentalistas se tornaram particularmente agressivos a qualquer movimento que envolvesse bruxaria e o símbolo do pentagrama, alguns wiccanianos se colocaram contrários ao uso deste símbolo, como forma de se protegerem contra a discriminação estabelecida por grupos religiosos radicais. Apesar de todas as complexidades ocasionadas através dos diversos usos do pentagrama, ele se tornou firmemente um símbolo indicador de proteção, ocultismo e perfeição. Suas mais variadas formas e associações em muito evoluíram ao longo da história e se mantêm com toda a sua onipresença, significado e simbolismo, até os dias de hoje. O Pentagrama é o símbolo de toda criação mágica. Suas origens estão perdidas no tempo. O pentagrama foi usado por muitos grupos de pessoas aos longo da História como símbolo de poder mágico. O Pentagrama é conhecido com a estrela do microcosmo, ou do pequeno universo, a figura do homem que domina o espírito sobre a matéria, a inteligência sobre os instintos. Na Europa Medieval era conhecido como "Pé de Druida" e como "Pé de Feiticeiro", em outras épocas ficou conhecido como "Cruz dos Goblins". O Pentagrama representa o próprio corpo, os 4 membros e a cabeça. É a representação primordial dos 5 sentidos tanto interiores como exteriores. Além disso, representa os 5 estágios da vida do homem:

Nascimento: o início de tudo

Infância: momento onde o indivíduo cria suas próprias bases

Maturidade: fase da comunhão com as outras pessoas

Velhice: fase de reflexão, momento de maior sabedoria

Morte: tempo do término para um novo início

O Pentagrama é o símbolo da Bruxaria. Os Bruxos usam um Pentagrama para representar a sua fé e para se reconhecerem. O Pentagrama é tão importante para um Wiccaniano, assim como uma cruz é importante para um cristão, ou como um Selo de Salomão é importante para um judeu. O Pentagrama representa o homem dentro do círculo, o mais alto símbolo da comunhão total com os Deuses. É o mais alto símbolo da Arte, pois mostra o homem reverenciando a Deusa , já que é a estilização de uma estrela (homem) assentada no círculo da Lua Cheia (Deusa). Cada uma das pontas possui um significado particular:

PONTA 1 - ESPÍRITO: representa os criadores , a Deusa e o Deus, pois eles guiam a nossa vida e nos ajudam na realização dos ritos e trabalhos mágicos. O Deus e a Deusa são detentores dos 4 elementos e estes elementos são as outras 4 pontas.

PONTA 2 - TERRA: representa as forças telúricas e os poderes dos elementais da terra, os Gnomos. É a ponta que simboliza os mistérios, o lado invisível da vida, a força da fertilização e do crescimento.

PONTA 3 - AR: representa as forças aéreas e os poderes dos Silfos. Corresponde à inteligência , ao poder do saber, a força da comunicação e da criatividade.

PONTA 4 - FOGO: representa a energia, a vontade e o poder das Salamandras. Corresponde às mudanças, às transformações. É a força da ativação e da agilidade.

PONTA 5 - ÁGUA: representa as forças aquáticas e aos poderes das Ondinas. Está ligada às emoções, ao entardecer, ao inconsciente. Corresponde às forças da mobilidade e adaptabilidade. Portanto, o Bruxo que detém conhecimento sobre os elementos usa o Pentagrama como símbolo de domínio e poder sobre os mesmos.

 

Origens, Ritos e Crenças.

Um de seus mais antigos usos se encontra na Mesopotâmia, onde a figura do pentagrama aparecia em inscrições reais e simbolizava o poder imperial que se estendia "aos quatro cantos do mundo". Entre os Hebreus, o símbolo foi designado como a Verdade, para os cinco livros do Pentateuco (os cinco livros do Velho Testamento, atribuídos a Moisés). Às vezes é incorretamente chamado de "Selo de Salomão", sendo, entretanto, usado em paralelo com o Hexagrama.

 

 

Na Grécia Antiga, era conhecido como Pentalpha, geometricamente composto de cinco Ases. Pitágoras, filósofo e matemático grego, grande místico e moralista, iniciado nos grandes mistérios, percorreu o mundo nas suas viagens e, em decorrência, se encontram possíveis explicações para a presença do pentagrama, no Egipto, na Caldéia e nas terras ao redor da Índia.

 

 

A geometria do pentagrama e suas associações metafísicas foram exploradas pelos pitagóricos, que o consideravam um emblema de perfeição. A geometria do pentagrama ficou conhecida como "A Proporção Dourada", que ao longo da arte pós-helênica, pôde ser observada nos projetos de alguns templos. Para os agnósticos, era o pentagrama a "Estrela Ardente" e, como a Lua crescente, um símbolo relacionado à magia e aos mistérios do céu noturno.

 

 

Para os druidas, era um símbolo divino e, no Egipto, era o símbolo do útero da terra, guardando uma relação simbólica com o conceito da forma da pirâmide. Os celtas pagãos atribuíam o símbolo do pentagrama à deusa Morrigan. Os primeiros cristãos relacionavam o pentagrama às cinco chagas de Cristo e, desde então, até os tempos medievais, era um símbolo cristão. Antes da Inquisição não havia nenhuma associação maligna ao pentagrama; pelo contrário, era a representação da verdade implícita, do misticismo religioso e do trabalho do Criador. O imperador Constantino I, depois de ganhar a ajuda da Igreja Cristã na posse militar e religiosa do Império Romano em 312d.C. usou o pentagrama junto com o símbolo de chi-rho (uma forma simbólica da cruz), como seu selo e amuleto. Tanto na celebração anual da Epifania, que comemora a visita dos três Reis Magos ao menino Jesus, assim como também a missão da Igreja de levar a verdade aos gentios, tiveram como símbolo o pentagrama, embora em tempos mais recentes este símbolo tenha sido mudado, como reação ao uso neopagão do pentagrama.

 

 

Em tempos medievais, o "Laço Infinito" era o símbolo da verdade e da proteção contra demônios. Era usado como um amuleto de proteção pessoal e guardião de portas e janelas.  Os Templários, uma ordem militar de monges formada durante as Cruzadas, ganhou grande riqueza e proeminência através das doações de todos aqueles que se juntavam à ordem, e amealhou também grandes tesouros trazidos da Terra Santa. Na localização do centro da "Ordem dos Templários", ao redor de Rennes du Chatres, na França, é notável observar um pentagrama natural, quase perfeito, formado pelas montanhas que medem vários quilômetros ao redor do centro. Há grande evidência da criação de outros alinhamentos geométricos exatos de Pentagramas como também de um Hexagrama, centrados nesse pentagrama natural, na localização de numerosas capelas e santuários nessa área. Está claro, no que sobrou das construções dos Templários, que os arquitetos e pedreiros associados à poderosa ordem conheciam muito bem a geometria do pentagrama e a "Proporção Dourada", incorporando aquele misticismo aos seus projetos.  Entretanto, a "Ordem dos Templários" foi inteiramente dizimada, vítima da avareza da Igreja e de Luiz IX, religioso fanático da França, em 1.303. Iniciaram-se os tempos negros da Inquisição, das torturas e falsos-testemunhos, de purgar e queimar, esparramando-se como a repetição em câmara-lenta da peste negra, por toda a Europa. Durante o longo período da Inquisição, havia a promulgação de muitas mentiras e acusações em decorrência dos "interesses" da ortodoxia e eliminação de heresias. A Igreja mergulhou por um longo período no mesmo diabolismo ao qual buscou se opor. O pentagrama foi visto, então, como simbolizando a cabeça de um bode ou o diabo, na forma de Baphomet, e era Baphomet quem a Inquisição acusou os Templários de adorar. Também, por esse tempo, envenenar como meio de assassinato entrou em evidência.

 

 

Ervas potentes e drogas trazidas do leste durante as Cruzadas entraram na farmacopéia dos curandeiros, dos sábios e das bruxas. Curas, mortes e mistérios desviaram a atenção dos dominicanos da Inquisição, dos hereges cristãos, para as bruxas pagãs e para os sábios, que tinham o conhecimento e o poder do uso dessas drogas e venenos.  Durante a purgação das bruxas, outro deus cornudo, como Pan, chegou a ser comparado com o diabo (um conceito cristão) e o pentagrama - popular símbolo de segurança - pela primeira vez na história, foi associado ao mal e chamado "Pé da Bruxa". As velhas religiões e seus símbolos caíram na clandestinidade por medo da perseguição da Igreja e lá ficaram definhando gradualmente, durante séculos.

 

 

Do Renascimento até Hoje...

As sociedades secretas de artesãos e eruditos, que durante a inquisição viveram uma verdadeira paranóia, realizando seus estudos longe dos olhos da Igreja, já podiam agora, com o fim do período de trevas da Inquisição, trazer à luz o Hermetismo, ciência doutrinaria ligada ao agnosticismo surgida no Egipto, atribuída ao deus Thot, chamado pelos gregos de Hermes Trimegisto, e formada principalmente pela associação de elementos doutrinários orientais e neoplatônicos.

 

 

Cristalizou-se, então, um ensinamento secreto em que se misturavam filosofia e alquimia, ciência oculta da arte de transmutar metais em ouro. O simbolismo gráfico e geométrico floresceu, se tornou importante e, finalmente, o período do Renascimento emergiu, dando início a uma era de luz e desenvolvimento.Um novo conceito de mundo pôde ser passado para a Europa renascida, onde o pentagrama (representação do número cinco), significava agora o microcosmo - símbolo do Homem Pitagórico, que aparece como uma figura humana de braços e pernas abertas, parecendo estar disposto em cinco partes em forma de cruz; o Homem Individual. A mesma representação simbolizava o macrocosmo, o Homem Universal - dois eixos, um vertical e outro horizontal, passando por um mesmo centro.

 

 

Um símbolo de ordem e de perfeição, da Verdade Divina. Portanto, "o que está em cima é como o que está embaixo", como durante muito tempo já vinha sendo ensinado nas filosofias orientais. O pentagrama pitagórico - que se tornou, na Europa, o de Hermes, gnóstico - já não aparece apenas como um símbolo de conhecimento, mas também como um meio de conjurar e adquirir o poder. Figuras de Pentagramas eram utilizadas pelos magos para exercer seu poder: existiam Pentagramas de amor, de má sorte, etc.

No calendário de Tycho Brahe "Naturale Magicum Perpetuum" (1582), novamente aparece a figura do pentagrama com um corpo humano sobreposto, que foi associado aos elementos. Agripa (Henry Cornelius Von de Agripa Nettesheim), contemporâneo de Tycho Brahe, mostra proporcionalmente a mesma figura, colocando em sua volta os cinco planetas e a Lua no ponto central (genitália) da figura humana.Outras ilustrações do mesmo período foram feitas por Leonardo da Vinci, mostrando as relações geométricas do Homem com o Universo. Mais tarde, o pentagrama veio simbolizar a relação da cabeça para os quatro membros e conseqüentemente da pura essência concentrada de qualquer coisa, ou o espírito para os quatro elementos tradicionais: terra, água, ar e fogo - o espírito representado pela quintessência (a "Quinta Essentia" dos alquimistas e agnósticos). Na Maçonaria, o homem microcósmico era associado com o Pentalpha (a estrela de cinco pontas). O símbolo era usado entrelaçado e perpendicular ao trono do mestre da loja. As propriedades e estruturas geométricas do "Laço Infinito" foram simbolicamente incorporadas aos 72 graus do Compasso - o emblema maçônico da virtude e do dever. Nenhuma ilustração conhecida associando o pentagrama com o mal aparece até o século XIX. Eliphas Levi (Alphonse Louis Constant) ilustra o pentagrama vertical do homem microcósmico ao lado de um pentagrama invertido, com a cabeça do bode de Baphomet (figura panteísta e mágica do absoluto). Em decorrência dessa ilustração e justaposição, a figura do pentagrama, foi levada ao conceito do bem e do mal.Contra o racionalismo do século XVIII, sobreveio uma reação no século XIX, com o crescimento de um misticismo novo que muito deve à Cabala, tradição antiga do Judaísmo, que relaciona a cosmogonia de Deus e universo à moral e verdades ocultas, e sua relação com o homem.Não é tanto uma religião, mas sim um sistema filosófico de compreensão fundamentado num simbolismo numérico e alfabético, relacionando palavras e conceitos.Eliphas Levi foi um expositor profundo da Cabala e instrumentou o caminho para a abertura de diversas lojas de tradição hermética no ocidente: a "Ordo Templi Orientis" (OTO), a "Ordem Hermética do Amanhecer Dourado" (Golden Dawn), a "Sociedade Teosófica", os "Rosacruzes", e muitas outras, inclusive as modernas Lojas e tradições da Maçonaria. Levi, entre outras obras, utilizou o Tarot como um poderoso sistema de imagens simbólicas, que se relacionavam de perto com a Cabala. Foi Levi também quem publicou o Tetragrammaton - ou seja, o pentagrama com inscrições cabalísticas, que exprime o domínio do espírito sobre os elementos, e é por este signo que se invocavam, em rituais mágicos, os silfos do ar, as salamandras do fogo, as ondinas da água e os gnomos da terra"("Dogma e Ritual da Alta Magia" de Eliphas Levi).A Golden Dawn, em seu período áureo (de 1888 até o começo da primeira guerra mundial), muito contribuiu para a disseminação das raízes da Cabala Hermética moderna ao redor do mundo e, através de escritos e trabalhos de vários de seus membros, principalmente Aleister Crowley, surgiram algumas das idéias mais importantes da filosofia e da mágica da moderna Cabala. Em torno de 1940, Gerald Gardner adotou o pentagrama vertical, como um símbolo usado em rituais pagãos. Era também o pentagrama desenhado nos altares dos rituais, simbolizando os três aspectos da deusa mais os dois aspectos do deus, nascendo, então, a nova religião de Wicca. Por volta de 1960, o pentagrama retomou força como poderoso talismã, juntamente com o crescente interesse popular em bruxaria e Wicca, e a publicação de muitos livros (incluindo vários romances) sobre o assunto, ocasionando uma decorrente reação da Igreja, preocupada com esta nova força emergente. Um dos aspectos extremos dessa reação foi causado pelo estabelecimento do culto satânico - "A Igreja de Satanás" - por Anton La Vey.Como emblema de sua igreja, La Vay adotou o pentagrama invertido (inspirado na figura de Baphomet de Eliphas Levi).Isso agravou com grande intensidade a reação da Igreja Cristã, que transformou o símbolo sagrado do pentagrama, invertido ou não, em símbolo do diabo. A configuração da estrela de cinco pontas, em posições distintas, trouxe vários conceitos simbólicos para o pentagrama, que foram sendo associados, na mente dos neopagãos, conceitos de magia branca ou magia negra.Esse fato ocasionou a formação de um forte código de ética de Wicca - que trazia como preceito básico: "Não desejes ou faças ao próximo, o que não quiseres que volte para vós, com três vezes mais força daquela que desejaste".  Apesar dos escritos criados para diferenciar o uso do pentagrama pela religião Wicca, das utilizações feitas pelo satanismo, principalmente nos Estados Unidos, onde os cristãos fundamentalistas se tornaram particularmente agressivos a qualquer movimento que envolvesse bruxaria e o símbolo do pentagrama, alguns wiccanianos se colocaram contrários ao uso deste símbolo, como forma de se protegerem contra a discriminação estabelecida por grupos religiosos radicais.Apesar de todas as complexidades ocasionadas através dos diversos usos do pentagrama, ele se tornou firmemente um símbolo indicador de proteção, ocultismo e perfeição.Suas mais variadas formas e associações em muito evoluíram ao longo da história e se mantêm com toda a sua onipresença, significado e simbolismo, até os dias de hoje.

 

 

A estrela de cinco pontas associada a venus

 

Por que a Astrologia associa o planeta Vênus à simbologia do amor e da beleza? A Astrologia é principalmente baseada nos mitos, ou seja, nos arquétipos da Mitologia Grega. Os nomes dos planetas são associados, então, a um tipo de 'deus' que na cosmologia grega tinha uma determinada expressão caracterológica. Por essa razão, quando pensamos em Vênus, pensamos na deusa da beleza e do amor. Apesar de Vênus não ter somente essa atribuição, até mesmo porque existem muitas manifestações do universo feminino representado por essa deusa, podemos considerar que a atribuição dada pela astrologia tradicional ainda é considerada correta. Alexander Rupert (astrólogo alemão, nascido em Stuttgart, em 23 de maio de 1913) indica que os ciclos de Vênus são associados à experiência da individualidade e são importantes no processo de conhecimento interior e do amadurecimento emocional. Interessantes trabalhos publicados por astrólogos renomados indicam que haveria principalmente duas expressões de Vênus (seria a tão falada dualidade feminina?), ou seja, uma Vênus passiva e outra ativa, uma Vênus da beleza e uma da guerra! Os antigos astrólogos da Babilônia indicavam que quando Vênus era uma estrela matutina, surgia no horizonte antes do nascer do Sol, devia ser considerada uma deusa guerreira. Em contrapartida, quando aparecesse no final do dia, (ou Vênus vespertina), ela teria as qualidades de uma deusa feminina do Amor. O nome grego atribuído a esta Vênus matutina seria Phosphoros, que significa Luz, ou seja, Lúcifer em latim. A Kabala diz que cada sefira tem uma metade feminina ou receptiva (em relação à sefira superior) e uma metade masculina, ou seja ativa, em relação à sefira inferior.Assim, essa manifestação, seja passiva que ativa, se aplicaria a qualquer planeta e também a Vênus, consequentemente.Vênus, ao aparecer no céu, durante sua órbita de 224 dias e 3/4, desenha no céu ao longo de um período de nove anos uma estrela perfeita de cinco pontas.Cada ponta da estrela leva um ano e oito meses para ser tocada novamente.Segundo Pitágoras, o Pentagrama (de penta = cinco) era considerado o símbolo da perfeição.Desta forma, quando o pentagrama se fecha no momento em que Vênus se junta ao Sol na aurora, estaria se delineando no céu um momento de perfeição divina, de renascimento e de iniciação, simbolizando a perfeição da humanidade criada por Deus. Ao surgir de manhã, Vênus, que ficou invisível no céu durante nove meses, renasce e faz renascer em nós a esperança e a fé, difundindo um sentimento de amor.Os astrólogos astecas diziam que esta manifestação era o Guerreiro Espiritual "Quetzalcoatl", que voltava da batalha do mundo da Xibalba, onde havia enfrentado os Senhores da Noite e da Morte.

 

Pentagrama de Ferro

 

Dentre muitas ferramentas produzidas pela Tradição Feri, os trabalhos com os Pentagramas são os que se fazem mais populares ultimamente e não sem espanto, já que sua eficácia é definitivamente absoluta para aqueles que sabem como usá-la. Mas o que acontece muito e que se torna muito complicado o manejo destes instrumentos é a falta de contextualização. O Pentagrama de Ferro quando elaborado por Victor Anderson estava unido com o Pentagrama de Pérola, juntos formavam o Decagrama. Victor ensinava os dois juntos, já que um fatidicamente leva ao outro, mas no tempo que Starhawk apresentou os pentagramas para a comunidade pagã em geral eles já haviam sido separados em dois pentagramas distintos. A Tradição Feri é assim mesmo, uma tradição viva, que se molda de acordo com quem a ensina sem nunca perder a sua essência. O trabalho com os Pentáculos devem ser sempre feitos, de preferência, supervisionados por alguém que tenha experiência com as energias que ele movimenta. Do contrário pouco benefício se tira, pois logo “perde-se a graça” ou não faz o efeito esperado, nossos bloqueios e defesas começam a arranjar desculpas para evitar o trabalho e é ai que tudo desanda se não tiver alguém por perto para dizer que tudo isso faz parte e que devemos continuar a trazer a tona estes sentimentos e frustrações. De nada adianta você ter uma tomada, mas não saber onde ligá-la. O Pentagrama de Ferro tem se mostrado uma ferramenta poderosa para o trabalho de transformação interna e movimentação energética, se torna rapidamente uma mandala para o praticante, um norteador de prática e ação no mundo, um mapa que pode indicar as questões nas quais a energia (física e psíquica) está sendo desperdiçada, oferecendo ações e reflexões para harmonizar cada aspecto de nosso eu interior. Um verdadeiro talismã de grande poder. A energia gerada pelo pentagrama de ferro é Mana, a forma mais crua de energia, é densa, cheia de vitalidade e poder, nutre e preenche o ser através do Unihipili e desperta forças primitivas, inatas em casa pessoa, pois nos fala de aspectos profundos e selvagens de nós mesmos.

 

 

Brevemente, as pontas podem ser entendidas da seguinte maneira:

Sexo representa a força criativa do universo, é adentrar na corrente Divina de criação, é o orgasmo no qual nos abrimos para a dança Universal do acasalamento e participamos ativamente de sua construção e destruição. Um momento que acontece a todo momento. É o encontro, o prazer, a força natural que compele a criação. Sexo é ao mesmo tempo a peça chave para o controle ou liberdade da humanidade. De todos os anseios fundamentais da humanidade, este é o que tem sido mais temido, o que tem sido submetido aos maiores controles e repressões e é em contrapartida o mais libertador, o mais curador de todos. Mas se o sexo foi reprimido e negado, foi também venerado em muitas partes do mundo, indo desde procissões cerimoniais com um falo de mármore, ereto em Delos, nos templos Lingam/Yoni na Índia, no misticismo tântrico entre muitos outros. Todo ritual primitivo de fertilidade é uma celebração do poder e prazer do Sexo. Sexualidade, criatividade e espiritualidade são a mesma energia, com a mesma origem e com o mesmo objetivo. São inseparáveis, negar um é negar o outro. Mas nesta questão tem-se que te muito cuidado, sexo é feito com respeito, com entrega e presença, não é somente a satisfação de uma necessidade, é olhar nos olhos do outro e se reconhecer neste olhar, sentir prazer com a troca e aceitar o outro ao invés de negá-lo como temos visto muito ultimamente. Se antes existia uma negação do ato sexual, hoje existe uma exarcebação do mesmo, sem respeito, sem entrega e sem verdade.

Orgulho é reconhecer nosso próprio valor e é a capacidade de viver integro, sem reservas, permitindo que a nossa verdadeira natureza brilhe, sem precisar se comparar ao outro, é um estado de completa inocência, viver completamente o momento, orgulhando-se de si mesmo, está muito ligado ao amor-próprio.

Self é um conceito estranho a muitos na língua portuguesa, é o reconhecimento do seu verdadeiro potencial bem como das limitações, saber quem se é em relação com o outro e com o universo, é aquilo por trás de cada papel que atuamos no dia a dia, nossa parcela de individualidade. Esta ponta do Pentagrama está muito associada com a Responsabilidade, em se responsabilizar por cada ato, por si mesmo e é isso que o liga diretamente com o Poder.

Poder, aqui considerado como Poder Interior, é acessar o nosso potencial e expressá-lo através de ações, de trabalho e serviço. É a ação equilibrada e centrada, é a projeção de nossa essência no mundo que provoca mudanças, que transforma, que é mágica! Nunca é manipulativa, já que o poder interior é o poder fazer, o poder escolher, o poder agir, nunca impondo, já que o verdadeiro poder age em comunidade, cooperativamente com outros seres e outros pontos de vista. O Verdadeiro poder vem de dentro, das nossas camadas mais profundas e é o resultado de muito trabalho e crescimento, nada tem a ver com controle sobre outros, coerção ou manipulação (isso na verdade é falta de poder), Poder é a habilidade de moldar, de criar, de manifestar e estruturar, psíquica e fisicamente.

Paixão é a vibração expressiva da vida, a intensidade que dá cor, profundidade e vitalidade a nossa existência. Paixão é a habilidade, o sentimento de estar aberto a experiência da vida e a cada aprendizado que o viver pode trazer, abraçando a alegria intensa bem como o sofrimento profundo. É o incorporar do êxtase. É a ânsia do encontro, é a busca, o sentimento visceral, motivador de partir em busca, é a intensidade de reconhecer a possibilidade de vir-a-ser. Quando observadas individualmente, as pontas do pentagrama representam aspectos importantes de nossa consciência que são geralmente interpretados de maneira negativa pelo ponto de vista social. Basta olharmos para os padrões sociais de beleza, sexo e trabalho. Buscamos ideais e renegamos o nosso verdadeiro potencial, buscamos nos relacionar com idéias ao invés de nos voltarmos a nós mesmos e buscar compreender como nos relacionamos com o nosso fazer criativo, desde o nosso trabalho até o ato sexual, os conceitos gerais nos desencorajam e diminuem nosso poder interior tendo como conseqüência uma diminuição no fluxo de Mana e o efeito é dominó, nos sentimos desmotivados, com baixa auto-estima, descontentes com nossa vida, nosso trabalho, nosso relacionamento amoroso, preguiçosos, sempre doentes e por ai segue já que no pentagrama, cada ponta influencia diretamente a outra e juntas formam um só diagrama. Para agirmos no mundo de maneira consciente precisamos estar alinhados e em harmonia com todas as pontas, somente assim o Mana flui.Precisamos despertar deste sono social onde vivemos constantemente comparando nossos corpos com os da revista, nossas vidas com tramas de novelas e filmes, nossas expectativa com livros e romances, precisamos despertar e fugir de sentimentos que nos obrigam a ser modestos o tempo todo, que nos faz sentir egoísta cada vez que aceitamos um elogio ou que nos faz pensar “Não fez mais que a obrigação!” a cada bom trabalho, precisamos mais ainda despertar de uma sociedade que equaliza “Poder” com “Corrupção”. Sim, ser bruxo é ser agente político também, é transformar a sociedade com cada ato, a cada momento.Reestruturando o nosso relacionamento com cada um destes conceitos podemos harmonizar nossa visão de mundo, removendo os pré-conceitos negativos impregnados em nossa psique. Isso permite termos acesso a nossa autenticidade, reprimida pela cultura dominante, para que possamos agir com integridade e consciência. Somente assim que podemos fazer a magia acontecer. Só quando estivermos livres de medos irracionais é que poderemos viver de verdade e é exatamente isso que os Deuses nos orientam a fazer: Viver. Para podermos mediar o Poder verdadeiro no mundo (A real função de um Sacerdote e Sacerdotisa) nós temos que nos tornar íntegros, fazer as pazes com nosso “Eu” interior, reconhecermos quem e o que somos verdadeiramente. Fácil falar, difícil é fazer.Cada ponta do Pentagrama de Ferro representa um estado de nossa consciência que quando isolada das outras pontas se apresenta pouco útil no desenvolvimento saudável de nosso ser, de nossa psique. Quando conectamos cada ponta podemos entender como o conceito atua na realidade e como evolui, de um estado para o outro, criamos uma relação. Isso nos abre a possibilidade de reconhecer como cada ato no mundo reflete em mim e como isso me afeta, positiva ou negativamente. No início faz parte meditar sobre cada ponta individualmente, mas isto precisa evoluir até certo nível em que um conceito leve a outro diretamente, até que tudo junto forme um conceito só, o centro da questão é que se torna energizante, é assim que o poder flui. Sexo, Orgulho, Self, Poder, Paixão, Sexo... Formando um espectro multicolorido. Juntas as pontas do Pentagrama se harmonizam como as vozes de um coral, se tornando algo maior que a soma das partes. Quando as cinco pontas atuam em conjunto, é como se a Deusa fiasse o tecido da existência, um portal psíquico se abre nos levando aos reinos féricos mais profundos, pois nos coloca em conexão com a Energia Divina Criadora. Assim damos o primeiro passa para construir relacionamentos saudáveis, uns com os outros e com o mundo, passamos a ser mais humanos em cada ato.Mas a pergunta que não quer calar é: Por que numa tradição neo-pagã precisa-se focar em ferramentas que são obviamente psicológicas? Por que não deixar que o praticante faça terapia e deixe que os assuntos da psique sejam cuidados por especialistas no assunto?   O trabalho psicológico se faz muito mais amplo que tudo isso e com certeza, todo bruxo que se preze precisa viver o seu momento psicoterápico com um profissional, mas não seria sábio eu dizer que os reinos da psicologia não interagem com o espiritual. Mas para um bruxo ter a mínima base psicológica necessária para manusear e intermediar o entre mundos, se faz necessário esse olhar mais profundo para o nosso ser, em todos os níveis. O Pentagrama de Ferro não é somente um exercício psicológico-espiritual, se tornou uma egrégora, ele é um símbolo vivo que cresce a cada dia e atua sobre o nosso ser de maneira inteligente e independente. Isso faz deste trabalho algo único e muito poderoso. Por anos, praticantes de várias tradições, mas principalmente da Tradição Feri, vêm usando estas mesmas pontas como foco em meditações e manejo energético com sucesso, então quando alguém o incorpora nas práticas diárias não está sozinho, está sempre bem acompanhado. Focando-se nisto, o Pentagrama de Ferro é de certa forma, um lembrete de como estamos interconectados num nível mais pessoal e que podemos trazer este pessoal para o mundo. O Pentagrama de Ferro é o primeiro passo para incorporarmos em nosso ser e em nossa psique os aspectos divinos da criação e a partir disto começarmos a transformação interior e a agir no mundo. Os trabalhos com os Pentagramas nos abrem para o Mistério e nos garante acesso a Grande Mãe, o estado primordial de ser. Assim como o ferro em nosso sangue é a fundação de nossas vidas e de nosso bem-estar, o Pentagrama de Ferro se torna a fundação de nosso fazer mágico, despertando o nosso verdadeiro potencial, o potencial de ser humano, por completo. Os trabalhos com o pentagrama podem acontecer de duas maneiras: A primeira é rodeando o Pentáculo, Começando em cima, na testa com Sexo e partindo para a esquerda, Self, Paixão, Orgulho, Poder e novamente Sexo, ou pode ser entrelaçado, começando com Sexo na testa, partindo para Orgulho no pé direito, Self na mão esquerda, Poder na mão direita, Paixão no pé esquerdo e Sexo novamente na testa. Claro que as direções podem e devem ser invertidas, assim como as pontas poder ser trocadas. Cada experiência é uma experiência e revela diferentes aspectos de nós mesmos.Muito mais pode ser e já foi falado sobre os pentagramas, mas a melhor maneira de apreendê-los é vivendo cada ponta e trabalhando com o sistema como um todo, sentir o impacto desta energia no seu corpo e no seu cotidiano.

 

 

Ritual Maior do Pentagrama

Sinal do Anti-Cristo

Sinal da cruz

 

Quando alguém faz o sinal da cruz no peito, sem perceber faz a cruz de cabeça para baixo, na simbologia do satanismo a cruz de cabeça para baixo significa anti-cristianismo vamos observar a figura abaixo:

 

As três cruzes representam a trindade satânica, 666.

 

 

1. Toque a testa e diga: Atah ( Tu és)

2. Toque o peito: Malkut (O Reino)

3. Toque o ombro direito: Ve Gebura (O Poder)

4. Toque o ombro esquerdo: Ve Gedula (A Glória)

5. Una as mãos adiante do peito: Lê Olam (Para sempre)

6. A ponta dos dedos apontando para cima: Amen.

Perceba que a parte onde deveria estar a cabeça da cruz é a parte dos pés. Veja outro exemplo da cruz do anticristo, João Paulo II e uma cruz de cabeça para baixo por trás dele.

 

Dedicatória:

O Ministério de Intercessão Ceifeiros em Chamas http://jesuscristooreidosreis.blogspot.com.br/p/destruindo-o-altar-de-baal.html

trabalha na arêa da libertação, visando o bem estar das pessoas, familias, intercedendo e ministrando libertação.

A Palavra de DEUS diz: em 1jo 3:8b, Para isso o filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo, baseado neste texto bíblico resolvemos escrever esta pagina e mostrar um pouco das artimanhas do nosso adversário, está escrito em Oséias 4:6, O Meu povo foi destruído porque, lhe faltou conhecimento:porque tu rejeitas-te o conhecimento, também eu te rejeitarei... ,2Cor 2:11, Porque não ignoramos os seus ardis. e 1Pd 5:8-9, Sedes sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; ao qual resistir firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo.

 

 

`Deus quer que conheçamos melhor o nosso inimigo.`

 

O Ministério Igualdade Independente também apoia este trabalho e concorda com todas as bases Biblicas com referencia a este assunto.

 

Oséias 4:6 `O Meu povo foi destruído porque, lhe faltou conhecimento`

 

 Estudo realizado por  Pr.Rogério Costa

Caxias do Sul - Janeiro 2013

 

Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com

 

Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

fundamentos distorcidos!

Data: 06/06/2017 | De: Leviathan comedor de putas

Falta estudo e quase tudo ai nessa merda distorcida! Vai estudar, antes q o pai Lucifer mande Mammon devorar vossas almas imundas!

PARABENS

Data: 30/04/2017 | De: DOUGLAS ALVES

OTIMA EXPLICACAO!!!SERA QUE AS PESSOAS NAO PERCEBEM A INFLUENCIA DO CAO NAS PROPRIAS VIDAS E DOS DEMAIS?POR MAIS QUE AS EVIDENCIAS ESTAO ESCANCARADAS COM TANTAS TRAGEDIAS, CRIMES, SUICIDIOS, ESTUPROS ,FOME, DOENÇAS TUDO QUE SATANAS MAIS GOSTA ONDE O MESMO APROVEITA PRA AGIR COM AUTORIDADE, AS PESSOAS PREFEREM NAO ACEITAR A VERDADE E FICAM COM SUAS MENTES CAUTERIZADAS SEGUINDO AS SUAS PROPRIAS VONTADES, MUITAS ENGANADAS POR SUAS ADORAÇOES A SANTOS E "ENTIDADES DE LUZ" INDO TOTALMENTE CONTRA O EVANGELHO DE JESUS O UNICO QUE DEVE SER ADORADO E EXALTADO MAS DEIXAM O DIABO AGIR CAMUFLADO....COMO DIZ NA PALAVRA O MUNDO JAZ NO MALIGNO VAMOS ORAR E PEDIR QUE O SENHOR ABRA MAIS OS OLHOS E SALVE CADA VEZ MAIS ALMAS PARA O REINO!!

Cruz de Ponta Cabeça

Data: 20/03/2017 | De: Elayne Moura

Parei de ler na foto da Cruz de Ponta Cabeça lá do Vaticano. Cara, a questão é o seguinte, esta cruz de ponta cabeça nada tem a ver com o diabo ou coisa anticristã. Esta Cruz simboliza a Cruz em que Pedro sofreu o seu martírio. Sim, Pedro ao sofrer Martírio achou se indigno de sofrer o martírio como Jesus sofreu e ele por conta disto optou em sofrer o martírio com a cruz de ponta cabeça. E de acordo com a tradição católica, sendo Pedro o primeiro Papa esta cruz fica exposta no Vaticano.

allan@webnode.com.br

Data: 30/12/2016 | De: ALLAN

QUANTAS ASNEIRAS!!! E DEPOIS, AINDA SE DIZEM FILHOS DE DEUS! VOCÊS SÃO UM BANDO DE IGNORANTES!

Ctrl+c Ctrl+v

Data: 21/11/2016 | De: Cristão

É só Ctrl+c Ctrl+v de td oq tem de mais raso na internet sobre o assunto.. começou errado pois são 7 principes.. 4 potestades.. e pra piorar, o desfecho foi de lascar.. Cruz de ponta cabeça é erroneamente tido como símbolo satanista.. nenhum estudo ocultista fala da cruz de ponta cabeça.. apenas os imbecis anti-cristãos é q pensam que blasfemam contra Cristo desta forma e saem usando.. Só que não! É mais Cristão do que nunca, pois foi a forma de que Pedro pediu para ser crucificado para não se comprar à Criso! E como a igreja católica o intitulou como primeiro papa, logo, tornou-se um simbolo papal ter a cruz invertida! Apenas isso!!! Lavey foi um ridículo.. Marilyn Maison é artistazinho mequetréfe... vá estudar ocultistas de verdade feito Crowley..

interessante

Data: 18/11/2016 | De: Matheus santos

Cara, é mais que um almanaque sobre os demonios. Interessante. Desperta a curiosidade mesmo

Magia negra

Data: 11/04/2016 | De: Redney Prado

gosto de praticar magias negras

TEXTO

Data: 03/09/2015 | De: MARCELO MARQUES DE FRANÇA

ACHEI ,MUITO RICO EM TODOS ASPECTOS ESTOU MUITO INTERESSANDO VOU ME APROFUNDAR MAIS NESSE ASSUNTO OBRIGADO MEU EMAIL mfranca1965@bol.com.br OBRIGADO

Re:TEXTO

Data: 21/10/2015 | De: Pr. Rogério Costa

Obrigado amigo Marcelo M. de França pelo seu comentário. Agradeço pela apreciação deste estudo.

Deus o abençoe.

Novo comentário