Métodos para Evangelismo

 

 

Qual o melhor método de evangelismo?

P) Há uma preocupação urgente na Igreja  em ganhar vidas em quantidade e com qualidade. Uns usam a distribuição de folhetos (eu, particularmente fui alcançado através de um folheto que deram ao meu irmão na Escola), outros usam carros de som. Outros, o corpo a corpo nas ruas. Outros, o rádio e a TV. Outros, as células no Governo ou Modelo dos Doze (que é o que adotamos hoje). Qual o método mais eficaz, que poderia ser usado hoje, tanto nas grandes Metrópoles, quanto no interior dos Estados? Qual é a sua experiência pessoal?

R)  O MELHOR METODO, E AQUELE QUE GANHA ALMAS, NAO IMPORTA O MODELO CELULAS, GRUPO CASEIRO, FOLHETOS RADIO TV, CARRO DE SOM INDIVIDUAL, ONDE ESTA O ESPIRITO SANTO AI A LIBERDADE. DEVEMOS GANHAR  POIS O FRUTO DEVE PERMANECER, FRUTO ABORTADO NAO ADIANTA NADA
JESUS NOS DESIGNOU PARA QUE VADES E DEIS FRUTOS E O FRUTOS PERMANESA.

 

Comentário:
É inteligente não se eleger nenhum método como o mais eficaz para se ganhar almas. Jesus não o fez. Os quatro evangelhos mostram o Salvador tratando com uma pessoa, com várias pessoas e com multidões. Ele soube, com ética e civilidade, aproveitar as oportunidades. E em todas essas ocasiões e circunstâncias Ele foi bem sucedido e almas foram alcançadas. Todavia, não é esse o entendimento geral. Existem buscas incessantes e defesas aguerridas de métodos e mais métodos. Cada um é apresentado como sendo o melhor e, às vezes, como o único e salvador das pessoas.  Sirvam de exemplos os seguintes: Evangelismo Explosivo, Igreja com Propósito (já existe igreja sem propósito), Rede Ministerial, Grupo de Comunhão e Desenvolvimento, Governo dos Doze (G12), Modelo dos Doze (M12), Renascer Doze (R12), Governo de Deus, Discipulados e mais Discipulados, Batalha Espiritual, Nova Unção, Bênção de Toronto, Unção e mais Unção etc e tal. E, em muitos desses métodos, são difundidas, explícita ou implicitamente, as filosofias esotéricas e de auto-ajuda, campeãs dessa era chamada aqüariana.Esses métodos vêm de fora. Quase todos vêm dos Estados Unidos da América do Norte. Não se sabe se foram testados, aplicados, ou se foram tão-somente reflexões teóricas de cursos de Doutorados em universidades americanas. Alguns são razoáveis, outros totalmente desprezíveis. Vale ressaltar que as terras mães desses métodos estão ardendo nas chamas do pecado. Por que o método não funciona lá? Portanto, prevalece o MODUS OPERANDI de Jesus, dos apóstolos e de todos os servos de Deus, durante toda história da Igreja. Mas, por mais mal-entendido que eu possa ser, afirmo não concordar, a rigor, que a Igreja deva ter uma preocupação urgente em ganhar almas. Entendo que ela não  deve se assolar de preocupação. Ela deve pregar, ensinar, defender a sua fé e correr, com paciência, a carreira que lhe está proposta. Por causa dessa preocupação patológica, já vi muitos pastores, com menos de 40 anos de idade, com estresse profundo, com síndrome do pânico e muitos ainda jovens, já vitimados por ataques cardíacos. Tudo porque a preocupação se restringia, de maneira inquieta, em: almas, almas e almas. Almas a qualquer custo, como se sempre os fins justificassem os meios. Parece que alguns amam mais as almas do que o Senhor Jesus. Essa preocupação exasperada já levou pastores a uma entrega total e cega às almas, e à destruição de seus lares. Casais se separam – a esposa é viúva de marido vivo e vice-versa. E, quando os dois trabalham juntos, estão próximos  fisicamente, mas, às vezes, às milhas, no tocante esposo e esposa. Ainda há casos em que os pastores se distanciaram das famílias e dos filhos. Estes, sozinhos, caíram nas drogas e na prostituição. Preocupados, foram eles excelentes pastores dos filhos dos outros, mas foram vaqueiros péssimos dos seus, próprios. Não se privilegiando nenhum método, mas se pregando na unção do Espírito Santo, almas serão salvas, certamente. Isso não quer dizer que todas as pessoas do país ou da cidade sejam salvas. Como, por sinal, não foram as de Sodoma e Gomorra, Belém, Cafarnaum, Galiléia, Jerusalém, Galácia, Filipos, Éfeso etc. Mas, somos ou pensamos que somos conscientes: nossa função não é salvar. A nossa função é pregar, ensinar e defender a fé que professamos. Não é por força nem por método, quer venha da América do Norte, quer venha da América do Sul, da Europa ou do Oriente búdico, mas pelo Espírito Santo. E, assim, a Igreja do Senhor corre com paciência, sabendo que essa corrida não é de explosão de velocidade, mas de constância e resistência. A estrada é longa...A Paz. Mateus 28:19.

 


METODOS DE EVANGELISMO

 

 

Métodos são tentativas de nossa parte para ajudar o leigo a compartilhar sua fé com confiança e esclarecimento sem ficar perdido, sabendo que qualquer método é limitado em sua eficácia devido a complexidade e diversidade de cada indivíduo. Temos a tendência de colocar todos no mesmo barco e muitas vezes isso não funciona. Portanto, o melhor método seria a variedade de métodos que o Espirito Santo de Deus distribui aos seus servos na hora da necessidade.A distribuição de folhetos como método evangelístico é o mais conhecido e praticado no meio evangélico, se torna muitas vezes um meio mais rápido e fácil de se alcançar uma grande extensão populacional, alem de possuir, teoricamente, baixo custo, mas nem sempre esse método atende as expectativas daquele que esta evangelizando e os resultados se tornam um pouco frustrantes, devido a pouca aceitação, dependendo do local e circunstancia de evangelização, as vezes poucos param para receber o folheto e lhe concedem a oportunidade de uma conversa franca e aberta até mesmo sobre a mensagem do folheto, que deve ser elaborada com muito cuidado.A pesquisa como forma de evangelismo é usado para que você consiga adquirir o maior numero de informações possíveis da pessoa que esta sendo evangelizada, no intuito de não perder um ouvinte por falta de informação, alem do que muitas vezes causa na pessoa um sentimento de interesse de que você possui um interesse genuíno nela. Este método pode ser utilizado nas praça, parques, serviço, escola, hospital, etc.

 

Como usar esse método?

 


 

1. Aproximar-se da pessoa, cumprimenta-la e apresentar-se, em alguns casos é essencial que você esteja identificado com o crachá da igreja, o que causa uma impressão de organização.

2. Pedir permissão para tomar 10 minutos para que você possa realizar a pesquisa e anotar as respostas ( algumas pessoas podem questionar o motivo da pesquisa, e você pode brevemente explicar que a pesquisa tem o objetivo de identificar as preferencias de cada indivíduo da comunidade e consequentemente apoiar de melhor maneira possível as suas necessidades, é importante não estender muito a explicação, para que você não entre no assunto do evangelho antes de fazer a pesquisa)

3. Você deve falar as perguntas e anotar as respostas dadas pela pessoa

4. Ser objetivo, procurando maiores detalhes nas respostas somente se houver extrema necessidade.

5. Fazer um breve comentário pessoal sobre cada pesquisa realizada contando ( como foi a reação da pessoa, etc.)
É importante ressaltar que a pesquisa deve somente ser o ponto inicial da evangelização, pois com a coleta dos dados da pessoa você conseguirá elaborar uma mensagem que atinja exatamente o pontos de necessidades da pessoa, e que haja também um acompanhamento dessa pessoa até ganha-la e integra-la a uma igreja, isso é se a pessoa lhe der permissão para visita-la.Evangelismo em Massa tem como objetivo atingir uma comunidade ou bairro de uma maneira geral, deve-se porem haver um treinamento, para que haja sintonia nesse método de evangelismo onde cada um terá convicção de que todos estão no mesmo Espirito e ligados no mesmo objetivo, sempre saindo de dois em dois no mínimo, nunca sozinho e nunca adentrar a residência de alguém quando convidado sozinho sem a companhia de mais de uma pessoa, e sem a autorização do coordenador do evangelismo. Lembre-se que nesse método de evangelismo, estarão em território inimigo, por isso é necessário estar em constante oração e vigilância para que satanás não venha tentar envergonhar o povo de Deus.Evangelismo de Amizade é um dos métodos mais eficazes, pois todo mundo precisa de um “amigo”, e é natural fazer amizades, tendo como arma o amor de Deus, podemos portanto revelar este amor aos nosso vizinhos e colegas, outra vantagem é que nossos vizinhos e colegas podem ver a mensagem do amor e paz de Deus em nossas atitudes em varias situações do dia a dia. Você se torna um exemplo vivo de Jesus e isso pode contribuir para que haja a curiosidade e o conhecimento de Deus, levando a pessoa a Ter uma conversão genuína e posteriormente um comprometimento com a igreja de Jesus Cristo.

CONCLUSÃO
A Evangelização no mundo é tarefa séria. Devemos estar sensíveis ao Espirito Santo em tudo que planejamos a respeito desse assunto, devemos buscar sempre em primeiro lugar a Deus constantemente em oração, em segundo lugar, adquirir o maior conhecimento possível, e terceiro sermos testemunhas das maravilhas que Deus opera em nossas vidas.Que através deste humilde estudo, possamos compreender melhor os propósitos de Deus para nossas vidas e a luz do evangelho de Jesus Cristo, possamos realmente expressar seu Amor a todos os povos pelos quatro cantos da terra. Que Deus possa nos dar motivação e graça para participar desta tarefa de forma mais ativa para Sua honra e glória. Amem!
Atualmente existem muitos métodos usados para a proclamação do evangelho, alguns mais eficientes que outros. De um modo geral, todos têm o seu devido valor. As pessoas possuem qualidades, personalidades e habilidades diferentes, e o desejo de Deus é que cada um use daquilo que Ele deu para levar as Boas Novas. Na Bíblia encontraremos vários exemplos de personagens que foram usados por Deus para que muitos viessem a crer no Senhor Jesus, cada um usando o seu próprio estilo. Destacaremos apenas alguns dos métodos que podem ser usados tanto pelo cristão como membro, quanto pela igreja como corpo.  Lembre-se que a mensagem sempre será a mesma em qualquer época ou para qualquer pessoa, porém os métodos podem e devem variar.

1. Método de confrontação

A evangelização confrontadora é a forma pela qual os cristãos encontram uma pessoa ou mais, que geralmente não conhecem e aproveitam a oportunidade para apresentar-lhe o evangelho. Às vezes, o uso desta técnica ocorre com pessoas conhecidas pelo evangelizador, tais como colegas de trabalho ou vizinhos, com quem o cristão não tem um relacionamento particularmente forte ou longo. Uma característica bem forte deste método é que o cristão habitualmente determina quem está inclinado a ouvir o evangelho, quando e onde as condições são apropriadas, sendo a mensagem tipicamente dogmática para levar o ouvinte a tomar uma decisão no ato, ou arriscar-se à condenação eterna, ou seja, há proclamação das Boas Novas e uma chamada à decisão. A evangelização confrontadora acontece nos mais variados ambientes: no lar do não-cristão, por exemplo: evangelização de porta-em-porta ou encontro combinado por telefone; em lugares de atividade de lazer ou de descanso, como em praias, em concertos; em lugares públicos, ônibus, aviões, estacionamentos e eventos esportivos; em qualquer lugar onde duas pessoas ou mais possam manter uma conversa. Este é o método que é muitas vezes usado nas grandes cruzadas evangelísticas, onde um evangelista leva a mensagem de salvação a uma grande quantidade de pessoas. As pessoas que usam este método geralmente são mais ousadas agir como no falar. Na Bíblia encontramos o exemplo de Pedro, que tinha um temperamento muito forte, explosivo e que não hesitava em falar de Jesus independente das circunstâncias. Pedro também era incisivo em suas atitudes, tanto que quando os guardas foram prender a Jesus, Pedro não hesitou em cortar fora a orelha de um deles (Jo 18.10). Em Atos 2.11-12, na ocasião da descida do Espírito, diante do que estava acontecendo, alguns ficaram atônitos e perplexos, mas outros zombavam e diziam que os discípulos estavam bêbados. Diante desta situação, Pedro começa o seu discurso (At 2.14-41) e neste deixa bem claro as Boas Novas de salvação para aquele povo, e no verso 41 diz que naquele dia houve cerca de três mil pessoas se rendendo aos pés de Cristo. Coragem, intrepidez, disposição e paixão pelos perdidos, isto é que Pedro possuía. Deus usou a Pedro com suas características pessoais, com sua personalidade própria e com suas imperfeições.    Deus queria uma pessoa sem medo para assumir uma posição ali em Jerusalém – local em que Cristo fora crucificado.Em nosso meio há pessoas que precisam ser confrontadas com as verdades do evangelho seja pessoalmente, através de um diálogo ou impessoalmente, através de uma grande cruzada evangelística.

2. Método socrático

Este é o método pelo do qual argumenta-se com o não-cristão acerca da realidade, reflete-se sobre os argumentos que tem ouvido e tira conclusões para uma conversa, uma troca de idéias. É um método que leva a pessoa a pensar a raciocinar e até mesmo a questionar, a fim de que suas dúvidas quanto ao evangelho sejam tiradas. Este tipo de abordagem não requer uma aceitação calada de verdades impostas. Segundo George Barna este método “…diferencia conhecimento de opinião, fato de emoção”Este é o método pelo do qual argumenta-se com o não-cristão acerca da realidade, reflete-se sobre os argumentos que tem ouvido e tira conclusões para uma conversa, uma troca de idéias. É um método que leva a pessoa a pensar a raciocinar e até mesmo a questionar, a fim de que suas dúvidas quanto ao evangelho sejam tiradas. Este tipo de abordagem não requer uma aceitação calada de verdades impostas. Segundo George Barna este método “…diferencia conhecimento de opinião, fato de emoção”.Normalmente as pessoas não têm muita confiança naqueles que alegam conhecer a verdade e, além do mais, afirmam saber como obtê-la, visto que fazemos parte de uma geração onde tudo é relativo, onde não “há mais” verdades absolutas.Através da evangelização socrática, é menor o risco do não-cristão tomar uma decisão simplesmente por emoção, por pressão de um amigo ou parente, ou por estar passando por um período de dificuldades. A sua decisão virá após uma compreensão do significado do evangelho que está aceitando. Paulo usou muito este método, mesmo que ele usasse a confrontação, o seu método envolvia também uma apresentação lógica e racional da mensagem do evangelho, ele era expert em apresentar verdades centrais a respeito de Deus, o pecado, o homem e a solução para o problema do homem, haja visto a carta aos Romanos.Certa ocasião, Paulo estava em Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus, e foi procurá-los a fim discutir sobre as Escrituras (At 17.1-4). É interessante que a Bíblia diz que este já era um costume de Paulo (v.2), e este “discutir” envolvia expor ou defender algum assunto alegando razões, envolvia muito o raciocínio, o intelecto. Paulo explicava-lhes porque foi necessário que Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos.Um pouco mais adiante, Paulo encontra-se em Atenas enfurecido por causa da idolatria do povo, e não se cala e começa a anunciar as Boas Novas, e por isso foi levado ao Areópago, que era um Tribunal Ateniense onde eram realizadas assembléias de magistrados, sábios e literatos, e lá pôde falar mais ainda a respeito do seu Deus. Paulo usou de muita sabedoria para falar àqueles homens, pois ele partiu do conhecido; que eram as várias estátuas de deuses, para o desconhecido, que era uma estátua que havia entre as demais a qual Paulo chamou de “o Deus desconhecido”. Paulo falou com eles usando cultura e conhecimento do evangelho, e alguns creram e se agregaram a ele (At 17.16-34).Há pessoas que são resistentes ao evangelho, não aceitam qualquer idéia que seja nova para elas. São pessoas que não aceitam respostas fáceis, quadradinhas, muitos querem ver a razão em tudo. Diante destas pessoas não há método melhor a ser usado que o socrático, pois este envolve o uso de uma argumentação racional, e para isto é necessário estar preparado “…para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15).

3. Método testemunhal

Este é o método em que a pessoa evangeliza falando da obra realizada por Deus em sua vida, é um testemunho do poder transformador do evangelho. Este método, como qualquer outro, exige muito mais do que falar, porque as pessoas vão querer ver o que de fato aconteceu, investigarão para ver se é verdade ou não.As Escrituras falam a respeito de um cego de nascença que fora curado pelo Senhor Jesus (Jo 9), e este teve a oportunidade de testemunhar a respeito deste milagre, tanto para seus vizinhos (vv. 8-9) quanto para os fariseus (vv. 31-33), mesmo sem conhecer o autor do mesmo. Após conhecê-lo, o que era cego creu no Senhor Jesus e O adorou (v. 38). Mesmo a liderança não acreditando, questionando o seu testemunho, ele não cessou de falar a verdade ao ponto de ser expulso da sinagoga. Nem sempre as pessoas reagirão positivamente ante ao testemunho pessoal, muitos rejeitam o evangelho independente do método usado para anunciá-lo.Outro exemplo do uso deste método é o testemunho da mulher samaritana (Jo 4.1-18) que, após compreender quem era Jesus saiu contanto a todos quem havia conhecido (Jo 4.39-42); por intermédio do seu testemunho, muitos vieram a crer no Senhor. Mesmo sendo uma mulher de má reputação ela não receou em ir até a cidade para falar a respeito de quem ela conhecera.  É bem possível que tenha acontecido alguém tê-la rejeitado, mas muitos foram os que a ouviram.A maioria das pessoas tem em mente o método testemunhal para ser usado somente por aqueles que possuem um testemunho dramático ou sensacionalista. Na realidade basta haver evidências de transformação de vida, para que um testemunho seja eficiente, e se algum cristão não consegue ver o que Deus fez e faz em sua vida, algum problema há.

4. Método assistencial

É aquele que leva as Boas Novas através de alguma obra de ação social, seja abrigando crianças de rua, distribuindo alimentos e roupas aos carentes. Este método busca infiltrar o evangelho na comunidade suprindo suas necessidades, tanto físicas quanto materiais e espirituais.Vemos em Dorcas o exemplo de alguém que praticava este método de evangelização, um personagem pouco conhecido, mas que fez muita diferença na vida de algumas pessoas. Em Atos 9.36-42, diz que Dorcas era uma mulher notável pelas boas obras que praticava, pelos seus atos amorosos; tinha um ministério de assistência às viúvas, confeccionava roupas e lhes dava. Nesta passagem fica nítido o amor que os beneficiados sentiam por Dorcas, que havia falecido e fora ressuscitada pelo apóstolo Pedro, fato este, que tornou-se conhecido por toda Jope.  Geralmente as pessoas que gostam de servir aos demais são as que se identificam com este método. Elas tem a sensibilidade de perceber a necessidade dos outros e procuram empenhar-se ao máximo para ajudá-los sentem-se realizadas e felizes em exercer este ministério, mesmo que não haja o reconhecimento de muitos.Este é um método que leva tempo até que a pessoa compreenda o evangelho, visto que muitos só estão interessados em suprir suas necessidades físicas e materiais. As pessoas que se empenham neste método de evangelismo são as que tocam naquelas pessoas que ninguém jamais tocaria, são geralmente aquelas consideradas “escória da sociedade”.Certa vez ouvi uma ilustração que contava a história de um menino de rua que estava faminto em frente a uma padaria, observando pela janela de vidro os pãezinhos que iam saindo. Eis que chegou um senhor e vendo o menino perguntou-lhe se estava com fome, ao que este respondeu positivamente. Então, aquele senhor entrou na padaria e comprou vários daqueles pãezinhos e os entregou nas mãos do menino que olhou para ele e perguntou-lhe: – Moço, o senhor é Deus?Há pessoas famintas não só de pão, mas de Deus, e nós somos instrumentos seus para suprir tais necessidades. As pessoas não estão tão interessadas no que pensamos ou falamos até estarem sensibilizadas pelo que somos e como nos interessamos por nelas, elas querem ver Jesus Cristo em nós.

5. Método Comportamental

Como o próprio nome diz, este método de evangelização baseia-se no relacionamento entre cristãos e não-cristãos.  É desenvolvido através da amizade sincera e desinteressada do cristão.  Consequentemente essa amizade desperta  uma curiosidade no não-cristão quanto ao modo de viver, padrões, conduta, razões e motivações essenciais do estilo vida do cristão. Desta forma, não se corre o risco de fazer do não-cristão apenas o projeto evangelístico, é uma oportunidade para investir em um relacionamento autêntico de amor e amizade, o que os não-cristãos estão sempre a procura. Esse método tem crescido de modo significativo, e o que é melhor, tem crescido também a confiança mútua.Joseph Aldrich, divide o evangelismo comportamental em três fases. A primeira fase é a presença, na qual o cristão se aproxima do não-cristão e antes que ele ouça a respeito do evangelho ele deve perceber através do modo de vida e do amor demonstrado pelo cristão, o evangelho no qual  ele supostamente se baseia.  A segunda fase é a proclamação, e nesta sim, o cristão falará do evangelho para o seu amigo. Viver o evangelho não é suficiente para que o não-cristão o compreenda, há também a necessidade de falar sobre a essência do evangelho, falar sobre os fundamentos ou em que está baseado este diferente estilo de vida. É fundamental, portanto, que se fale para o não-cristão as boas notícias de salvação.  A terceira fase, Aldrich a chama de persuasão.  É a fase em que a pessoa é chamada a tomar uma decisão por Cristo.Algumas vantagens deste método é que é um método que não depende de muito conhecimento bíblico, visto que o não-cristão valoriza mais a pessoa do cristão do que o conhecimento dele. O fato de apresentar o evangelho a uma pessoa com a qual já exista um laço de amizade, facilita a proclamação da mensagem do evangelho. O conteúdo do evangelho ganha impacto adicional quando é comunicado com base no que se vive, e se a presença do espírito for de fato sentida e positiva, o não-cristão perguntará a respeito da razão da sua fé.O cuidado que se deve tomar com este método de evangelismo é o de não acomodar-se a simplesmente viver o evangelho e se calar não buscando oportunidades para para compartilhar o evangelho.O “deixar que Deus fale aos corações dos pecadores” pode-se tornar desculpa para o cristão fugir de sua responsabilidade de proclamar as Boas Novas.Deus escolhe pessoas diferentes para realizar Seus propósitos; “…deleita-se em usar pessoas comuns e simples de maneiras surpreendentes e emocionantes”. O evangelho deve permanecer puro e inflexível, não importando que mecanismos são usados para apresentá-lo aos não-cristãos, porém, o mecanismo que escolhermos poderá influenciar na disposição, na capacidade de ouvir, ou até mesmo na compreensão da mensagem que está sendo pregada.O próprio Cristo usou vários métodos para falar das Boas Novas do Reino, evangelizou através do Seu testemunho de vida, supriu as necessidades das pessoas, pregou para grandes multidões e falou individualmente com as pessoas, contudo, Ele diferenciou os método que usou para alcançar judeus, samaritanos e romanos, ricos e pobres.É preciso avaliarmos o provável sucesso de cada um desses métodos baseados no que sabemos a respeito de formas de pensamento, estilos de vida, visões e experiências religiosas, bem como das necessidades e interesses pessoais desta geração.  O incentivo do apóstolo Paulo aos cristãos é que usem de todos os meios que estiverem ao alcance para efetivamente e sem comprometimento da integridade da mensagem, apresentem o evangelho aos não-cristãos (Rm 11.13-14; 1 Co 9.19-23).

 

 

METODOS DE EVANGELISMO

 

 

Métodos são tentativas de nossa parte para ajudar o leigo a compartilhar sua fé com confiança e esclarecimento sem ficar perdido, sabendo que qualquer método é limitado em sua eficácia devido a complexidade e diversidade de cada indivíduo. Temos a tendência de colocar todos no mesmo barco e muitas vezes isso não funciona. Portanto, o melhor método seria a variedade de métodos que o Espírito Santo de Deus distribui aos seus servos na hora da necessidade.A distribuição de folhetos como método evangelístico é o mais conhecido e praticado no meio evangélico, se torna muitas vezes um meio mais rápido e fácil de se alcançar uma grande extensão populacional, alem de possuir, teoricamente, baixo custo, mas nem sempre esse método atende as expectativas daquele que esta evangelizando e os resultados se tornam um pouco frustrantes, devido a pouca aceitação, dependendo do local e circunstância de evangelização, as vezes poucos param para receber o folheto e lhe concedem a oportunidade de uma conversa franca e aberta até mesmo sobre a mensagem do folheto, que deve ser elaborada com muito cuidado.A pesquisa como forma de evangelismo é usada para que você consiga adquirir o maior número de informações possíveis da pessoa que esta sendo evangelizada, no intuito de não perder um ouvinte por falta de informação, alem do que muitas vezes causa na pessoa um sentimento de interesse de que você possui um interesse genuíno nela. Este método pode ser utilizado nas praças, parques, serviço, escola, hospital, etc.

 


Como usar esse método

 

 

1. Aproximar-se da pessoa, cumprimenta-la e apresentar-se, em alguns casos é essencial que você esteja identificado com o crachá da igreja, o que causa uma impressão de organização.
2. Pedir permissão para tomar 10 minutos para que você possa realizar a pesquisa e anotar as respostas (algumas pessoas podem questionar o motivo da pesquisa, e você pode brevemente explicar que a pesquisa tem o objectivo de identificar as preferências de cada indivíduo da comunidade e consequentemente apoiar de melhor maneira possível as suas necessidades, é importante não estender muito a explicação, para que você não entre no assunto do evangelho antes de fazer a pesquisa).
3. Você deve falar as perguntas e anotar as respostas dadas pela pessoa.
4. Ser objectivo, procurando maiores detalhes nas respostas somente se houver extrema necessidade.
5. Fazer um breve comentário pessoal sobre cada pesquisa realizada contando (como foi a reacção da pessoa, etc.)É importante ressaltar que a pesquisa deve somente ser o ponto inicial da evangelização, pois com a colecta dos dados da pessoa você conseguirá elaborar uma mensagem que atinja exactamente o pontos de necessidades da pessoa, e que haja também um acompanhamento dessa pessoa até ganha-la e integra-la a uma igreja, isso é se a pessoa lhe der permissão para visita-la.Evangelismo em Massa tem como objectivo atingir uma comunidade ou bairro de uma maneira geral, deve-se porem haver um treinamento, para que haja sintonia nesse método de evangelismo onde cada um terá convicção de que todos estão no mesmo Espírito e ligados no mesmo objectivo, sempre saindo de dois em dois no mínimo, nunca sozinho e nunca adentrar a residência de alguém quando convidado sozinho sem a companhia de mais de uma pessoa, e sem a autorização do coordenador do evangelismo. Lembre-se que nesse método de evangelismo, estarão em território inimigo, por isso é necessário estar em constante oração e vigilância para que Satanás não venha tentar envergonhar o povo de Deus.Evangelismo de Amizade é um dos métodos mais eficazes, pois todo mundo precisa de um “amigo”, e é natural fazer amizades, tendo como arma o amor de Deus, podemos portanto revelar este amor aos nosso vizinhos e colegas, outra vantagem é que nossos vizinhos e colegas podem ver a mensagem do amor e paz de Deus em nossas atitudes em várias situações do dia-a-dia. Você se torna um exemplo vivo de Jesus e isso pode contribuir para que haja a curiosidade e o conhecimento de Deus, levando a pessoa a Ter uma conversão genuína e posteriormente um comprometimento com a igreja de Jesus Cristo.


CONCLUSÃO
A Evangelização no mundo é tarefa séria. Devemos estar sensíveis ao Espírito Santo em tudo que planejamos a respeito desse assunto, devemos buscar sempre em primeiro lugar a Deus constantemente em oração, em segundo lugar, adquirir o maior conhecimento possível, e terceiro sermos testemunhas das maravilhas que Deus opera em nossas vidas.Que através deste humilde estudo, possamos compreender melhor os propósitos de Deus para nossas vidas e a luz do evangelho de Jesus Cristo, possamos realmente expressar seu Amor a todos os povos pelos quatro cantos da terra. Que Deus possa nos dar motivação e graça para participar desta tarefa de forma mais activa para Sua honra e glória. Amem!

 

 

Métodos de Evangelização pela Internet

 

 

A internet faz parte do dia a dia de crianças, jovens e adultos. Nela, algumas ferramentas criam novos espaços para a comunicação e permitem que a divulgação seja simples, gratuita ou de baixo custo ao alcance de todos. Há ferramentas para quem quer trabalhar com texto, som, fotos, vídeos e até mesmo para quem não tem computador, mas tem um celular capaz de acessar a internet.A Igreja Adventista constatou que o uso da mídia em suas diversas formas é imprescindível na pregação do evangelho como uso do rádio e televisão. Mas quando se trata de mobilidade, interatividade e disponibilidade, a internet ganhou o seu espaço. Enquanto que alguns programas de rádio e televisão são transmitidos em horários em que as pessoas estão envolvidas em suas atividades diárias como trabalho ou estudos, o conteúdo publicado na internet permanece disponível até mesmo para aqueles que só podem acessá-los nas madrugadas, ou seja, disponível a qualquer hora do dia.Essa fase de evangelização virtual não deve ser ignorada por se tratar de um método relativamente novo. Quanto a isso, Ellen White afirma que “Alguns métodos usados nesta obra serão diferentes dos que foram postos em prática no passado.” Evangelismo p. 130. A internet já é prova disso diante dos resultados já alcançados.Todo esforço nesse sentido é valido para divulgar o bom nome igreja e suas atividades regulares, mas principalmente, ser uma porta de entrada para a evangelização.
Conheça abaixo maneiras diferentes de evangelismo através da internet:


1) EMAIL
É um método que permite compor, enviar e receber mensagens através de sistemas eletrônicos de comunicação. Ainda é o meio de comunicação mais usado na internet.
Evangelizando com emails:
Envie mensagens a um grupo de amigos com reflexões e pensamentos bíblicos.  Crie notas de rodapé nos emails com sugestões de sites cristãos ou textos bíblicos. Mesmo que discreto, é um método eficaz, uma vez que muitos e-mails são reenviados pelos destinatários a outros amigos e uma só mensagem poderá alcançar inúmeros outros leitores.

 

2) BOLETIM INFORMATIVO (NEWSLETTER)
É um tipo de publicação de distribuição regular a assinantes (gratuito ou pago) e que aborda geralmente um determinado assunto. Por exemplo: O portal advir (
www.advir.com.br) possui um newsletter gratuito e de envio semanal para os comentários da lição da Escola Sabatina.
Evangelizando com Boletim Informativo
. Sites religiosos podem enviar periodicamente boletins por assunto. A vantagem é que o internauta ao fazer o cadastro, escolhe receber o boletim de acordo com as áreas de seu interesse.  Sugerir o Boletim aos amigos de acordo com suas preferências. Exemplo: Um estudante de Nutrição pode ser informado sobre um boletim com dicas de saúde.

 

3) GRUPOS (NEWSGROUPS)
É um serviço que permite
a criação de grupos de discussão por e-mail assim como comunidades virtuais, tornando a comunicação on-line mais prática, rápida e divertida. A diferença entre participar de um grupo de discussão e receber um Boletim Informativo (item 2) é que no caso dos grupos o assunto recebido por e-mail pode ser discutido com todas as pessoas cadastradas do grupo, através de perguntas, questionamentos e até mesmo ampliar uma idéia abordada por um dos participantes caso o sistema de moderação permita. Em cada comentário realizado por um dos participantes, todos recebem o mesmo comentário em seus emails. Porém, os grupos podem utilizar moderadores para analisar todas as mensagens ou comentários antes de serem enviadas ao grupo cadastrado, evitando comentários agressivos ou incoerentes.

 


Evangelizando com Grupos

 

 

Depois de escolher o tema do grupo, divulgue para o maior número de pessoas para que cadastrem os seus e-mails e comecem a receber as mensagens. Dê preferência a temas que não agridam a convicção religiosa de ninguém.Dicas de assuntos para Grupos: Poesias Cristãs, Meditações Diárias, Promessas da Bíblia, Estudos Bíblicos, Dicas de Saúde, Criacionismo, Profecias e etc.

 

4) SITES
A palavra site em inglês tem exatamente o mesmo significado de sítio em português, pois ambas derivam do latim situs (“lugar demarcado, local, posição”) e primariamente, designa qualquer lugar ou local delimitado (sítio arquitetônico, sítio paisagístico, sítio histórico, entre outros). No português do Brasil, a palavra sítio designa, com maior freqüência, uma propriedade rural de área modesta, freqüentemente usada para lazer ou lavoura.Em inglês, surgiu o termo website (às vezes web site) para designar um sítio virtual, um conjunto de páginas virtualmente localizado em algum ponto da Web. Acontece que, com poucos anos de uso, o termo website ganhou a forma abreviada site, que passou a ser uma segunda acepção do termo original. Site, portanto, em inglês, passou a designar alternativamente um lugar real (no campo) ou virtual (na Web).  Evangelizando com SitesUm site pode abordar um tema específico ou em sua forma mais ampla chamada de Portal, constar assuntos diversos e disponibilizar ferramentas de textos, áudios e vídeos. Escolha a abrangência do site, mas delimite-a de acordo com a capacidade de materiais que serão publicados. Um internauta tem prazer em visitar um site onde freqüentemente encontrará novidades.
Torne o site interativo para que os internautas encontrem maneiras de comunicar-se por e-mail a fim de sanar dúvidas e enviar sugestões, mas se possível, disponibilize um número de telefone também. Crie áreas de enquetes e espaços para postarem comentários. Lembre-se que esse é o grande diferencial da internet – Interatividade!
  Nomeie diversas pessoas para auxiliar na construção e manutenção do Site. O Webdesign cuidará do aspecto visual. Isso é muito importante por que a primeira impressão é a que fica. Dê preferências as cores claras e um design leve para não cansar a visão. O webmaster cuidará da linguagem de programação e geralmente será o responsável por publicar no site o conteúdo que será disponibilizado pelo administrador ou editor geral. O Administrador Geral, ou editor geral, será um tipo de moderador do conteúdo que será publicado pelos demais colaboradores.Um site ou portal será avaliado o seu grau de relevância pela forma de escrita. Por isso, muito cuidado com as questões gramaticais, termos pejorativos e gírias. A linguagem coloquial deve prevalecer por que o internauta não tem tempo para formalidades, mas cuidado com os excessos.  Disponibilize estudos Bíblicos e outros materiais espirituais.Adicione vídeos de palestras, sermões e apresentações musicais.Divulgue links de referências ou banners de outros sites e blogs denominacionais.Cadastre o site em mecanismos de buscas da Web para que seja facilmente encontrado.

 

5) WEBLOG
Weblog vem da contração de duas palavras em inglês: Web (world wide web) e Log, que significa registro. É uma página da internet que permite atualização rápida e constante de registros pessoais ou de grupos também chamados de “posts” (Postagens) ou “artigos”. Estes são organizados em ordem cronológica inversa (Iniciando pela postagem mais atual).Os weblogs, mais conhecidos por sua forma simplificada, Blogs, é um dos fenômenos mais populares da internet devido à interatividade que se cria com o internauta. Nele é possível publicar qualquer tipo de conteúdo como textos, imagens, vídeos e disponibilizar ferramentas próprias de interação, inclusive por meio de comentários.Acredita-se que 25% dos internautas vasculham diariamente os Blogs em busca de informações. Em média, a cada um segundo um novo blog é criado.
A maior vantagem dos servidores que hospedam blogs em geral é permitir que os usuários publiquem seu conteúdo sem a necessidade de saber como são construídas páginas na internet, ou seja, sem conhecimento técnico especializado em linguagem de programação. Basta acessar um tipo de editor de textos e postar informações e o melhor de tudo, gratuitamente.Evangelizando com Blogs.

 

 

Escolha um tema para o Blog.

 

 

É esperado pelos internautas que as publicações sejam pessoais e expressem “ponto de vista”. Ficar em cima do muro não desperta interesse algum.Os blogs são conhecidos como diários online e suas publicações devem ser diárias ou no mínimo 3 vezes por semana. É frustrante voltar a um Blog e não encontrar nada de novo.Adicione mecanismo de comentários para cada postagem. Desta forma, o internauta poderá interagir e ajudar a ampliar a idéia postada através de seus comentários. Isso, ajuda a criar vínculo entre o Blogueiro e o internauta.Divulgue o Blog para o maior número de pessoas em redes sociais da internet. Existem grupos na internet que hospedam informações de Blogs para facilitar o internauta a encontrar um blog de acordo com suas preferências.Adicione links de referências ou banners de outros sites e blogs denominacionais.Faça parceria de divulgação com outros blogs que abordam temas semelhantes.Disponibilize estudos Bíblicos e outros materiais espirituais.Adicione vídeos de palestras, sermões e apresentações musicais.Cadastre o Blog em mecanismos de buscas da Web para que seja facilmente encontrado.

 

6) MICROBLOG
É uma maneira de expressar suas idéias na Internet de forma rápida e objetiva. A facilidade para usar este novo serviço é para quem não dispõe de tempo para incrementar a página com os recursos dos blogs tradicionais, mas gosta de compartilhar suas idéias. Há atualmente uma grande variedade serviços de microblogs disponíveis na internet. Um dos mais conhecidos é o Twitter (
www.twitter.com). Há outras ferramentas como o Jaiku (www.jaiku.com), e outras voltadas para compartilhar idéias corporativas. O interessante dos microblogs é que as suas micropostagens não podem ultrapassar na grande maioria 200 caracteres (No caso do Twitter, as micropostagens possuem 140 caracteres. É o mesmo tamanho máximo para o envio de uma mensagem de celular por SMS).Evangelizando com Microblogs. Seja relevante. Se você tem conteúdo (informação de qualidade) você atrairá seguidores.Procure divulgar preferências pessoais relacionadas à experiência religiosa. Quando visitar um site religioso, assistir um clipe ou quando encontrar qualquer outro tipo de material evangelístico interessante na Internet faça um micropost e compartilhe-os com a lista de amigos.Evite o bate-papo. Micro-blogging é uma ferramenta assíncrona, como o blog e o e-mail. Não use para bater papo como se fosse uma mensageira instantânea, fazendo perguntas e esperando respostas.Seja conciso. Os posts no micro-blog são limitados a 140 caracteres. A informação que você quer publicar precisa de mais caracteres? Então use um blog convencional. Jamais mande dois posts consecutivos, onde o segundo apenas complementa o primeiro. Se você não respeitar essa orientação, você estará ferindo a filosofia básica que sustenta o serviço.


7) FLOG
Abreviação de fotoblog. É um blog feito com fotos. Seu número cresceu com a popularização das câmeras digitais e dos celulares com câmeras. Flogs atualizados por celular são os chamados “moblogs” (de “mobile”, palavra que em inglês refere-se ao telefone celular).Evangelizando com Flogs.  Crie um nome para o Flog. Através do nome o internauta deverá conhecer o tema do Flog e do que se tratam as fotos que serão visualizadas. Exemplo: Flog “Desbravadores …” . Neste caso o clube de Desbravadores publicará os eventos como Camporis, acampamentos, desfiles ou outros eventos e apresentações. Através das fotos publicadas, pode-se criar um forte interesse do internauta em conhecer as atividades que a igreja oferece.
Publique fotos com responsabilidade. Aquelas fotos que dão margem para inúmeras interpretações devem ser evitadas. Publiquem fotos em que o internauta compreenda o seu significado e objetivo.

 

 

O SIGNIFICADO DO IDE QUE JESUS DETERMINOU A TODOS NÓS
 

“Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura” Mc. 16:15

A quem foi destinado o ide de Jesus?

Sabemos que a ordem de Jesus aos seus discípulos foi que saíssem por todo o mundo e pregasse o evangelho a toda criatura, o que vimos hoje é uma grande falta de compreensão e entendimento desta ordem, ou até mesmo uma distorção das palavras ditas por Jesus. Queremos salientar que quando disse aquelas palavras, não as ordenou somente aos que estavam ali presentes, mas a todos que por ventura tivessem o desejo de falar sobre as maravilhas que Jesus fez e ainda faz em nosso meio. Portanto também fomos chamados a estar pregando o evangelho a toda criatura, não por vontade própria, mas como sinal de obediência à ordem expressa de Jesus.


Como ir por todo o mundo?
Hoje existe um grande questionamento sobre como cumprir a ordem de Cristo. Quando você foi chamado por Deus para fazer sua vontade, o Senhor não lhe perguntou se você tinha um nível intelectual elevado, se era formado em alguma faculdade, se você possuía poder aquisitivo para executar viagens, se você sabia ou não falar em vários idiomas, enfim, quando você foi chamado por Deus, disse venha como estas, não fazendo acepção de pessoas. Você foi chamado a um compromisso, e certamente Deus lhe concederá o que é necessário para que se cumpra toda a obra que Ele preparou para sua vida.  Temos vários recursos que nos possibilitam cumprir a ordem de Jesus, e ir a todo o mundo, talvez seja muito mais perto do que você mesmo imagina, talvez tenha em sua família uma pessoa que ainda não foi evangelizada, talvez tenha algum “amigo” que ainda não recebeu a palavra de Deus revelada e necessita de libertação, cura e salvação, lembre-se que você tem uma grande responsabilidade em suas mãos, pois foi escolhido e tem como dever divulgar quem foi o responsável pela transformação em sua vida, embora você não tenha um diploma de faculdade, não saiba falar em outros idiomas, não possua poder aquisitivo para executar viagens pelo mundo, hoje você tem um diploma concedido pelo Espirito Santo de Deus, fala a língua dos anjos, e pode muito bem executar viajem dentro de sua casa, dentro do seu bairro, dentro da sua cidade e até a outros países se essa for a promessa de Deus para sua vida, portanto existem varias maneiras de irmos por todo mundo, você pode tanto realmente viajar a outros países, mas também viajar dentro de sua família para cumprir a ordem de Jesus.


Como pregar o evangelho a toda a criatura?
Para pregarmos o evangelho primeiramente temos que conhecer o evangelho, conhecermos o verdadeiro sacrifício de Jesus na cruz do calvário, qual seu verdadeiro significado, e porque tinha que ser daquela forma, hoje pode ser que você ainda não tenha entendido a mensagem da cruz, porem existe em seu coração a disposição de entender porque foi chamado e como pregar o evangelho. Durante toda nossa vida ouvimos falar que um homem morreu numa cruz para que fossemos salvos e perdoados de todos nossos pecados, mas na realidade nunca observamos que tudo aconteceu para que tivéssemos a oportunidade de conhecer o verdadeiro poder de Deus em nossas vidas, quando nos colocamos a disposição para entender esse sacrifício e começamos a buscar sabedoria de Deus, então, o Espírito Santo nos ensina e nos capacita para a obra que devemos cumprir. Portanto participarmos das atividades da igreja, ou seja, cultos, escola bíblica dominical, e outros cursos de ensinamento bíblicos, são de extrema importância, para que estejamos preparados para pregar o evangelho a toda criatura como ensina a palavra de Deus.Todos os que foram resgatados das mãos de satanás, e liberto de uma vida de pecado, tem como dever expressar sua gratidão dando testemunho das maravilhas que Deus fez sobre sua vida, portanto todos foram chamados a evangelizar, desde que tenham verdadeiramente compromisso com a palavra de Deus.“ O Espirito do Senhor esta sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar aos pobres. Enviou-me para apregoar liberdade aos cativos, dar vistas aos cegos, pôr em liberdade os oprimidos ” (Lucas 4.18).

 

O QUE É EVANGELIZAR

 

 

Devemos primeiramente saber que os teólogos tem opiniões diferentes a respeito do que significa evangelizar, existindo dois pontos principais:
1. Evangelizar é a exposição do Evangelho de tal maneira que o ouvinte possa tomar uma decisão consciente a favor ou contra Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador.
2. Evangelizar é a apresentação do Evangelho seguida da conversão do ouvinte.
Na primeira afirmação vimos a situação em que a pessoa ouve o palavra e chega a conclusão de que esta ou não em condições de seguir a Jesus, quando portanto considera-se esta evangelizada.
Na segunda afirmação vimos que uma pessoa se torna totalmente evangelizada somente quando aceita Jesus em sua vida.Vamos indicar dois exemplos bíblicos de evangelização para que a luz da palavra de Deus, possamos chegar ao verdadeiro significado de evangelizar.Atos 26.1-28 – Paulo testemunha perante o rei Agripa.( Vimos primeiramente no vers. 3 que Paulo pede ao rei sua atenção e paciência, depois começa sua defesa dando o testemunho de sua própria vida e falando das perseguições que tivera executado contra os cristãos, depois passa a testemunhar como sua vida foi transformada, como sucedeu sua conversão, de como o próprio Jesus falou em sua vida, e obediente a voz do Senhor tem feito a vontade do Senhor, com isso no vers. 27 lança a pergunta ao rei Agripa, Crês tu nos profetas, rei Agripas?, afirmando que sabia que ele cria, sendo que no versículo seguinte, vimos a resposta do rei que não negou a interrogativa de Paulo, mas respondeu somente que se Paulo acreditará que se em tão pouco tempo poderia torna-lo um Cristão. No versículo 29 vimos a fé de Paulo, quando declara que acredita, que em pouco ou em muito tempo, se tornarão como ele, mas com a liberdade de poder falar sem sofrer “perseguições”(Exceto estas algemas).Podemos dizer que ele Agripa recebeu informação suficiente para aceitar, mas preferiu recusar, portanto conciêntemente Agripa recusou a palavra podendo conforme o item 1 considera-lo evangelizado).  Mateus 13.1-23 – A parábola do semeador. ( vimos nesta passagem quatro tipos de solo (pessoas = coração do homem) que receberam a semente (palavra) e tiveram diferentes reações, o primeiro ouve a mensagem mas não entende, satanás vem e tira o que foi semeado neles, impedindo que a palavra brote em seus corações, essas pessoas a “beira do caminho” foram semeadas, receberam de alguma forma todas as informações necessárias, mas, permitiram de alguma forma que esta palavra surtisse efeito em suas vidas onde podemos dizer que conforme o item 1 considera-lo evangelizado. O segundo, ouviu a mensagem aceitou logo com alegria, porem durou pouco por não ter raiz, devido aos sofrimento e perseguições por causa da mensagem, faltou em seu coração o desejo de levar a sério a conversão, o terceiro ouviu e recebeu, mas não entendeu e consequentemente, a verdade não permaneceu em seu coração, devido também a mensagem ter sido sufocada pelos desafios pressões do mundo, o fizeram se afastar desta verdade, não levou a sério a vida com Jesus, mas, segundo o item 1 foi evangelizado, porem, segundo o item 2 não foi evangelizado por não ter se convertido, já o quarto recebeu a palavra de verdade e houve fruto o que causou a conversão, sendo estas as únicas a serem evangelizadas de fato segundo o item 2.).  Portanto após lermos estas duas passagem bíblicas chegamos a conclusão de que evangelizar é plantar a semente sabendo que ela tem potencial para crescer e dar fruto, ou seja, falar do evangelho de Jesus com a convicção de que haverá transformação e resultado prático na vida daquele que esta recebendo a palavra da verdade. Podemos considerar que uma pessoa não foi evangelizada quando a semente não foi lançada, quando a palavra da verdade não foi professada.

 

 

QUAL O PROPOSITO DO EVANGELISMO?


Porque a fé vem pelo ouvir e ouvir da palavra de Deus ( Rm 10.17)
Jesus afirmou: “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” (Jo. 5.24).
Em Romanos 10.17 encontramos a afirmação que a fé é dada quando ouvimos a palavra de Deus. Jesus nos afirmou que aquele que crê nAquele que o enviou e ouve sua palavra, tem a vida eterna. Ficou claro para nós que para sermos salvos temos que crer nas palavras de Jesus, dai surgem algumas perguntas. Mas como crer nas palavras de Jesus ou como conhece-las, se não há quem pregue? “ Como, porem, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E Como ouvirão, se não há quem pregue?”(Rm. 10.14). O Plano de Deus para salvar a humanidade é o testemunho acerca da salvação em Jesus Cristo e a pregação da palavra de Deus por aqueles que nele creram. Deus poderia ter usado de varias outras maneiras para que seu propósito de salvação fosse cumprido, mas Deus determinou que o homem pregasse com sua boca e dedicasse sua vida a Jesus Cristo para que, assim, outros alcançassem a salvação, as vezes Deus usa outros meios alem da mensagem verbal, mas o meio principal é a pregação da palavra, seguido pela manifestação do poder de Deus. Portanto, podemos concluir que evangelização é a divulgação das boas novas e a convicção de que Jesus Cristo, como Senhor que reina, oferece o perdão dos nossos pecados e o dom do Espirito que liberta a todos os que se arrependem e crêem.Todos que desejam fazer um trabalho de evangelização devem portanto, alem, de conhecer e praticar a palavra de Deus, ter uma vida dirigida pelo Espirito Santo e estar em plena comunhão com o Senhor, ter uma vida de oração, jejum e consagração a Deus, buscando o poder e o conhecimento que lhe é necessário para entrar no território inimigo.Damos abaixo 03 exemplos de evangelização segundo o Dr. C. Peter Wagner, preletor e professor de teologia:
  Evangelização de presença: Concentra-se no nível de Assistência Social. Os cristãos que vão para uma outra cultura e procuram abrir escolas, hospitais, orfanatos e oferecer outros serviços públicos. São boas intenções, mas não é um evangelísmo direto, geralmente não há o desafio verbal, podendo despertar a igreja à ajudar as necessidade daqueles que mais precisam.  Evangelização de proclamação: Há nesse meio, o anuncio do evangelho, mas não há o prosseguimento aos recém convertidos, simplesmente se lança a palavra, mas se deixa cada um por si.Evangelização de Persuasão(Convicção): É o evangelismo que desafia plenamente. O evangelho deve ser anunciado e articulado, como Pedro Fez no dia de Pentecostes e Paulo diante do Rei Agripa. A distribuição de folhetos e bíblias contribuem e muito, mas a apresentação clara do evangelho, o Espirito Santo convence o evangelizado da verdade, é preciso continuar o trabalho de evangelização até a incorporação da pessoa na igreja, portanto podemos destacar três pontos fundamentais no trabalho de evangelização:

INFORMAÇÃO, informar ao pecador a respeito de sua condição de pecador, da natureza e conseqüência do pecado em sua vida, do amor de Deus e Sua providencia para salvação e o que fazer para ser salvo.

PERSUASÃO, alem de ministrar ao pecador as informações necessárias a respeito do evangelho, o evangelista deve saber que é simplesmente o instrumento de Deus nesse processo e quem convence o pecador é o Espirito Santo de Deus.

INTEGRAÇÃO, a integração da pessoa que esta sendo evangelizada ocorre após o pecador se converter, onde o novo crente passa a aprender as doutrinas bíblicas, crescendo em poder e fé, desenvolvendo-se e aplicando-se cada vez mais ao serviço do reino.  É preciso lembrar que O Verdadeiro propósito do Evangelismo é dar às pessoas a oportunidade de conhecerem e aceitarem Jesus Cristo como único e suficiente Salvador de suas vidas, através do anuncio da palavra de Deus.

 

 

QUEM DEVE EVANGELIZAR E ONDE



Quem deve Evangelizar?
Sempre houve um bom entendimento da igreja quanto ao chamado de Deus, para anunciarem as Boas Novas da Salvação, apesar das grandes perseguições, a igreja nunca se calou diante do compromisso de espalhar o Evangelho de Jesus Cristo.Muitos missionários, em seu trabalho de evangelização pelo mundo, pagaram o preço do seu ministério, o testemunho de sua fé em Jesus Cristo os levaram a sofrerem graves conseqüências. Estima-se que no ano 100 ( Cem), cerca de 500 cristãos foram mortos, Deus ainda hoje, nos escolhe para levar o evangelho ao mundo inteiro, porem, não estamos longe desta realidade, David Barret, missiólogo da Universidade de Regent nos Estados Unidos disse que no ano de 1994, cerca de 156.000 ( Cento e Cinqüenta e Seis Mil ) cristãos foram vítimas de martírio. Comentou Barret “ O martírio faz parte da missão Cristã, porque sua mensagem provoca hostilidade e o cristão paga o preço”.  Muitas vezes não entendemos o porque Cristo esta demorando a voltar e levar sua igreja, apesar de tantos fatos acontecidos, e que se encontram em evidencia no livro de apocalipse, ainda há muitas pessoas que precisam ser salvas., sabemos que esta responsabilidade é de cada um de nós, e o nosso comodismo nos torna responsável por tantas tribos, países, raças e nações ainda não conhecerem a Cristo, Segundo Barret, cerca de 24% dos 5,5 bilhões de habitantes em todo mundo, ainda não ouviram o nome de Jesus. E o que temos feito?.

Onde Evangelizar?
Em Atos 1.8 encontramos a definição exata de onde devemos evangelizar, segundo a palavra de Deus, temos que ser testemunhas em todos os lugares, bom seria se pudéssemos estar em todos os lugares, ou seja, termos missionários nos quatro cantos da terra, mas, sabemos que muitos ministérios não dispõem de condições de estarem enviando missionários. Então onde evangelizar, a palavra de Deus nesse versículo nos deixa recursos suficiente para que ninguém arranje a desculpa de que não evangeliza por não poder estar viajando e nem enviando missionários, a palavra nos diz que é possível fazer um trabalho de evangelização em seu bairro (Jerusalém) em outras cidades ou estados ( Judéia ) em outros países adjacentes ( Samaria ) e enfim para países mais distantes ( confins da terra ), portanto concluímos que podemos começar nosso trabalho bem próximo de nós, mas almejando também estarmos evangelizando os países mais distantes, principalmente os mais necessitados, dos quais sabemos que quase não se é falado do nome de Jesus. O que não podemos deixar de fazer, é espalhar o evangelho de Jesus Cristo pelos quatro cantos da terra, somente assim estaremos cumprindo a palavra ordenada no versículo 1.8 de Atos. Quantas pessoas perdidas e que necessitam do perdão do Senhor, estão neste momento tão próximas de nós, e quantas estão distantes, é por isso que não devemos nos prender somente em nosso pequeno mundinho e esquecermos dos que estão a mercê das obras malignas de Satanás, e que se encontram distante de nós. Por isso devemos orar a Deus para que Ele nos de condições de termos missionários em todos os lugares.

 

QUALIFICAÇÕES DO EVANGELISTA

 

CONVERSÃO
Que fique claro que todo evangelista deve ser primeiramente convertido, começando com fé e arrependimento de nossa parte. Só o crente que possuí uma conversão autentica, de que Cristo levou nossos pecados em Seu corpo na cruz, libertando-nos do poder do pecado e a certeza da salvação, pode ganhar almas para Jesus.

 

CONVICÇÃO
É preciso ter total convicção na mensagem de Cristo, crer que estamos ensinando a verdade à humanidade e que o único caminho que leva para Deus é através de Cristo, e também Ter convicção de que toda alma fora de Cristo esta perdida.

 

VITÓRIA SOBRE O PECADO
Viver aquilo que se prega é essencial na vida de um evangelista, devemos representar Cristo fielmente, pois Ele nos dá vitória sobre o pecado, e é através de nossa experiência vitoriosa que poderemos pregar com autoridade e ensinar o recém-convertido a também obter estas vitórias.

 

COMPAIXÃO PELAS PESSOAS PERDIDAS
Compaixão significa sentimento de preocupação em relação aos outros. Deus sentiu compaixão de nós. “ pois amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho unigênito para todo o que nEle crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3.16). A compaixão motivou Jesus Cristo percorrer tantas cidades e povoados, ensinando, pregando e curando o povo aflito (Mt.9.35-36). Somente adquirimos esse sentimento quando aprendemos a amar com Deus amou, assim poderemos enxergar as pessoas perdidas e através do amor que move nossos corações sermos motivados a agir no sentido de ajuda-las.

 

 SER CRISTÃO DE ORAÇÃO
A oração faz com que Deus abra as portas, possibilitando que as barreiras sejam vencidas.
Segundo Jorge Muller existem 5 (cinco) razões para que nossas orações pelos perdidos fossem respondidas:

1. É vontade de Deus salvar os homens ( 1 Tm. 2.4).

2. Não vivermos na prática do pecado (Sl 66.18).

3. Permanência na oração até obter a resposta (Lc. 18.7)

4. Estar cheio do Espirito Santo, é ele que convence o perdido ( Jo 16.8)

5. Transmitir mensagens dirigidas pelo Espirito Santo .

 

 

A TEOLOGIA DO EVANGELISMO


1. Jesus Cristo: O único caminho
“ Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” ( Jo 14.6 ).  “Porque há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem, o qual se deu a si mesmo em resgate por todos, para servir de testemunho a seu tempo” (1º Tm 2.5-6).
Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina. Em nenhum outro há salvação, pois também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado pelos homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4.11-12).Esses são versículos que nos levam a ter a convicção de que Jesus Cristo é nosso mediador, único caminho, Salvador de nossas vidas, e que não há nenhum outro caminho, mediador, filosofia, religião ou sistema que leve uma pessoa ao Deus verdadeiro.
Muitas vezes ouvimos falar, Deus é um só, podemos confirmar esta declaração, mas vale ressaltar que muitos declaram isso, sem necessariamente se referir ao mesmo Deus que servimos, o Deus da Bíblia. Nem sempre as pessoas servem o Deus verdadeiro, mas enganosamente pensam estar servindo ao único Deus, pois, servir a Deus, requer de nós um compromisso, uma renuncia, uma doação total de si, a serviço do reino, enquanto muitos pensam que servir a Deus pode ser de qualquer jeito, ou da maneira que cada um deseja. Quando desejamos fazer aquilo que bem entendemos, com certeza não estamos, fazendo a vontade de Deus, mas quando renunciamos nossos desejos, e anseios, e lançamos sobre Ele nossas ansiedades, verdadeiramente o adoraremos e serviremos em Espirito e verdade.  Um exemplo claro disso é que muitos crêem em um só Deus Supremo, mas não aceitam Jesus Cristo, o Filho de Deus. João 8.42,54-55 / João 14.9-10
Nestas duas passagens vimos que Jesus declara que aquele que não crê nEle, o filho, não conhece o Pai, e consequentemente não é salvo. No desejo do apostolo Felipe em conhecer o Pai, este faz um pedido a Jesus, o que coloca em questão a sua própria conversão. Vimos a indignação de Jesus quando ele diz que esta com ele a tanto tempo e ainda não o conhecia. Isso ocorre muito em nossos dias, pois Jesus tem manifestado a sua gloria, poder, majestade e domínio e mesmo assim muitos ainda não o conhecem, tem feitos grandes milagres e operado grandes maravilhas em nosso meio, e mesmo assim muitos ainda não o conhecem e até muitas vezes atribuem estes milagres a outros deuses. Vimos portanto que:  Jesus é o único Salvador, Senhor e mediador entre Deus e o homem (1º Tm 2.5-6).  Jesus não pode ser separado de forma alguma do Deus verdadeiro (1º Jo 5.11-12)
Jesus era o único Filho, o primogênito, enviado para nos trazer Salvação (Is.53.4-6 / Cl 1.15 / Jo 17.23-25).  Jesus era o único autorizado e adequado para nos salvar, por não haver pecado Nele, e o único aceitável para morrer por nós e nos purificar de nossos pecados. Ele foi o perfeito e o ultimo sacrifício necessário. (1º Pe 2.22 / Hb 9.13-14).  Muitos crêem que poderão se reconciliarem com Deus após a morte. Outros crêem em reencarnação através da qual a nova vida pode ser vivida melhor que a primeira, o que “da a chance” de evoluir a um estado mais sofisticado espiritualmente. Lembramos que estas crenças não são bíblicas. Temos uma só vida e depois de morrer haverá o julgamento (Hb 9.27).


2. O desejo de Deus - Que ninguém pereça
“ Deus não quer que ninguém pereça, mas todos se arrependam” (2º Pe 3.9).
Vimos claramente nesta passagem a verdadeira vontade de Deus para nossas vidas, o se amor transbordante nos dá a oportunidade de nos arrependermos, mas infelizmente algumas pessoas com seus corações endurecidos, vetam essa oportunidade e perdem a chance de conhecer Jesus com Salvador.  Muitos questionam o porque Jesus usava de parábolas para ensinar, mas na verdade, Jesus, usava desse artifício para que somente aqueles que queriam aceitar a mensagem pudessem entender. Quando algo é desejado e buscado com toda força, se possui, portanto as parábolas não são obstáculos para aqueles que buscam a Deus com todo seu coração, já aqueles que não querem ouvir são aqueles que possuem seu coração endurecido.


3. O livre Arbítrio.
Existe uma doutrina chamada Arminianismo, desenvolvida pelo holandês Jacobus Arminius. O Arminianismo diz que a pessoa tem que buscar a Deus. Ao mostrar interesse por Deus, abrindo o coração, faz com que Ele se aproxime dessa pessoa. Neste caso é a pessoa que toma a iniciativa e Deus responde. Esta idéia deixa a questão da salvação mais nas mão dos homens e menos nas mãos de Deus. O livre Arbítrio da pessoa determina seu destino. Esta doutrina também ensina que é possível perder a salvação ou cair da graça pela sua própria vontade.

A Tarefa da Igreja: Independente da vontade do homem sabemos que a tarefa da igreja é cumprir o mandamento do senhor e anunciar o evangelho para que todos tenham a oportunidade de ouvir falar de Jesus o aceitarem como senhor e Salvador de sua vida.

Gratidão a Deus: A principal motivação da igreja primitiva para evangelizar, foi a experiência extraordinária do amor de Deus que Jesus Cristo lhe proporcionou. “O Filho de Deus me amou e a si mesmo se entregou por mim...” (Gl 2.20). Nossos irmãos do 1º e 2º séculos tiveram uma gratidão muito grande a deus aos seu grande amor, gratidão que teve um importante papel na evangelização, a exemplo disso, devemos hoje evangelizar impulsionados pela experiência pessoal do amor de deus em nossas próprias vidas, e com base em Deus que deu tudo por nós. Sabemos que a melhor forma de agradecermos a Deus é compartilharmos com outras pessoas o Amor de Jesus e nossa fé Nele. “Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos” (Atos 4.20).

Responsabilidade diante de Deus: Devemos Ter responsabilidade diante de Deus no que tange a vivermos uma vida coerente com a nossa fé. É preciso querer agradar a Deus em tudo que fazemos, e sentir em nós a responsabilidade de anunciar ao mundo que “temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5.1). 

Sentimento de preocupação: Na igreja primitiva havia uma preocupação muito grande com a vida dos não salvos, Paulo se dedicou à tarefa de proclamar às pessoas de todos os lugares o perigo que corriam sem Jesus e a necessidade de conhece-lo, pregava convidando as pessoas ao arrependimento e à fé em Cristo. Portanto devemos nos preocupar e muito, a exemplo de Paulo, com as pessoas que necessitam de ouvir a palavra de Deus e conhecer e reconhecer Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas. Sabemos que por trás da indiferença que alguns fazem ao evangelho esta a ação de Satanás com o objetivo de manter as pessoas longe da Salvação em Cristo.

Obediência a Jesus: Como podemos ficar calados e inativos quando o mundo esta sem o conhecimento de Jesus Cristo? Lembre-se: “Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15), o verdadeiro discípulo que ama a Jesus obedece seus mandamentos: “Se Guardardes meus mandamentos, permanecerei no Meu amor, do mesmo modo que Eu tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e permaneço no seu amor”(Jo 15.10. E o mandamento que Jesus nos deu é este: “...que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei ”(Jo 15.12). Se amarmos aos outros, aos que não conhecem a Cristo, falaremos do maior amor que o mundo já conheceu: O amor do pai e o Amor de Jesus. Assim, evangelizando, estaremos obedecendo um dos mais fundamentais mandamentos de Jesus.

 

Você tem certeza que estará com Deus no céu?

 

Se Deus lhe perguntasse: "Por que deveria eu permitir que você entre no meu céu?"

O que você responderia?

Se você não tem certeza ou está meio indeciso como responder a esta pergunda, este texto tem as melhores notícias que jamais ouviu!

Os próximos minutos de que precisará para ler este texto podem ser os momentos mais importantes de sua vida!

Você sabia que a Bíblia diz como você pode TER CERTEZA que tem a vida eterna irá estar com Deus no céu?

 

"Estas coisas vos escrevi a fim de saberdes que tendes a vida eterna..." (1 João 5:13)

Aqui está como você pode ter certeza...

A Bíblia diz:

1 -  O Ceu (a vida Eterna) é um Presente.

"...o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6:23b)

E desde que o céu é um presente, como qualquer outro presente, é genuíno.  Esse presente não é GANHO (ou COMPRADO) POR OBRAS ou MERECIMENTO... Então, seus próprios esforços, suas boas obras e até seu trabalho religioso não são suficientes para merecer um lugar no céu.

"Porque pela graça sou salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras para que ninguém se glorie" (Efésios 2:8-9)

POR QUE Ninguém Consegue Merecer o Céu? Porque...

 

2 - O Homem é Pecador

"Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Romanos 3:23)

O pecado é qualquer coisa que não agrada a Deus ou é contra os princípios da Bíblia, e isso inclui a mentira, desejos e comportamento imorais, falsidade, ira, pensamentos maus, etc.. E como resultado disso o homem não pode Salvar-se a si mesmo.

"Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é vosso Pai celeste" (Mateus 5:48)

Obviamente, com um padrão tão alto, ninguém consegue salvar-se a si mesmo, porque a Bíblia também diz:

"Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, se torna culpado de todos"(Tiago 2:10)

Apesar de nossos pecados, porém...

 

3 - Deus é Misericordioso Portanto Não Quer nos Punir

É assim: "Pois Deus é amor" (1 Joao 4:8b)

e Ele Diz: "...Com amor terno eu te amei, por isso com benignidade te atraí"(Jeremias 31;3b)

Mas, a mesma Bíblia que nos ensina que Deus nos ama também diz que DEUS É JUSTO  portanto TEM QUE PUNIR O PECADO. Deus diz... "...ainda que não inocenta o culpado..."(Êxodo 34:7b).  "... a alma que pecar, essa morrerá."(Ezequiel 18:4b)

Estamos com um problema:  Todos nós temos pecado.  A pena para o pecado é a morte.  Precisamos de perdão para podermos ter um relacionamento certo com Deus.
Deus Resolveu Esse Problema do Homem na Pessoa de...

 

4 - JESUS CRISTO

Quem é Jesus Cristo, na sua opinião?

A Bíblia nos ensina claramente que ele é o inifinito Deus- Homem.
"No princípio era o verbo (Jesus) e o verbo (Jesus) estava com Deus e o verbo (Jesus) era Deus... e o verbo (Jesus) se fez carne, e habitou entre nós cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai" (João 1:1-14)
Jesus cristo veio para a terra e viveu uma vida sem pecado. Mas enquanto estava na terra...

 

O QUE ELE FEZ?
Jesus morreu na cruz e ressucitou dentre os mortos para pagar a pena por nossos pecados e para comprar um lugar nos céus para nós.
"Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre Ele (Jesus) a iniqüidade de nós todos" (Isaías 53:6)

Deus não aceita os nosso pecados, mas por causa de seu amor por nós, ele os colocaou sobre o seu filho. Cristo carregou nossos pecados sobre seu próprio corpo, na cruz.
Agora Jesus cristo lhe oferece a vida eterna (o céu), como um presente gratuito.
Esse Presente é Recebido Pela...

 

5 - FÉ

A fé é a chave que abre a porta do céu. Muitas pessoas confundem a fé salvadora com:

1) Mero ASSENTIMENTO INTELECTUAL, isto é, a Bíblia diz que o diabo crê em Deus; então crer em Deus não é o que a Bíblia chama de fé salvadora.

2) Mera FÉ TEMPORAL, isto é, confiar em Deus somente diante das crises temporarias da vida tais como finceiras e familiares ou necessidades físicas.

Claro que essas coisas são importantes, e você deve confiar no Senhor quanto a elas, mas como vê, mesmo um assentimento intelectual ou uma fé temporal não são fé salvadora!

A FÉ SALVADORA é confiar somente em Jesus Cristo para a vida eterna. Isso significa depender de Cristo e do que Ele fez, e não de nossos esforços para merecer o céu.

 

"Responderam-lhes: Crê no senhor Jesus Cristo, e serás salvo..."(Atos 16:31a)

A fé é como a mão de um mendigo estendida para aceitar o presente de um Rei. Não merecemos o presente da vida eterna. Mas, podemos tê-lo, se o recebermos pela fé.  Você acaba de ler a maior história já contada, sobre a maior oferta já feita, pelo maior homem que já viveu - Jesus Cristo.

A pergunta que Deus faz a você agora é...

 

VOCÊ GOSTARIA DE RECEBER O PRESENTE DA VIDA ETERNA?

Desde que este é um assunto tão importante VAMOS ESCLARECER exatamente O QUE ESTÁ ENVOLVIDO. Receber o presente da vida eterna singnifica, em primeiro lugar, transferir sua confiança daquilo que vinha fazendo até aqui, para que o Cristo fez por você na cruz. Significa, também RECEBER A CRISTO RESSURRETO E VIVO em sua vida como SALVADOR.

CRISTO diz: "eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo"(Apocalipse 3:20)

Além disso, significa RECEBER A CRISTO COMO O SENHOR. Ele vem como Meste e Rei. Ele vem para pedir-lhe algo. Ele diz que há um "trono" em seu coração e que esse tono pertence a Ele. Ele no fez. Ele nos libertou. Ele nos comprou. Ele deseja ocupar o lugar que tem direito no trono de sua vida. Finalmente, significa ARREPENDER-SE DE SEUS PECADOS, isto é, deixar o que estava fazendo e o que não agrada a DEUS, dar meia-volta e segui-lO através de sua palavra. Agora, se é isto que você realmente deseja, você pode falar com Deus em oração onde está. Você pode receber o presente da vida eterna, através de Jesus Cristo, agora mesmo.


"Porque com o coração se crê para a justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação... Porque todo aquele que invocar o nome do senhor será salvo" (Romanos 10:10;13)

Se você deseja receber o presente da vida eterna através de Jesus Cristo, então ore a Ele, pedindo esse presente agora.

Faça essa oração:  "Senhor Jesus Cristo, eu sei que sou pecador e não mereço a vida eterna. Mas, creio que Tu morreste por mim e ressucitaste dentre os mortos para pagar a pena por meus pecados e para comprar um lugar nos céus para mim.  Arrepdendo-me dos meus pecados e peço teu perdão. agora, eu coloco toda a minha confiaça em Ti e Te aceito como meu Salvador pessoal e como Senhor e Mestre de minha vida.  Aceito o presente gratuito da vida eterna. Não o mereço, mas te agradeço por ele. Amém".

Cristo prometeu:  "Em verdade, em verdade vos digo: Quem crê [em mim] tem a vida eterna" (João 6:47).

 

Bem-vindo à família de Deus!

Se você está realmente arrependido dos seus pecados(isto é, está decidido a mudar de caminho e atitude com respeito ao pecado e a Deus), colocando a sua confiança em Jesus Cristo e no que Ele fez por você através de sua morte, e recebendo o presente de vida eterna, você é agora um(a) filho (a) de Deus! Para sempre! Bem-vindo à família de Deus!

"Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome."(João 1:12).

 

Hoje é seu aniversário Espiritual!

Um dia do qual vai quere sempre se lembrar!  "Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1.13)

Ao nascer fisicamente, o dia de seu nascimento foi atestado por uma "Certidão de Nascimento"

Então, hoje, para ajudá-lo a se lembrar do que Deus tem feito em sua vida, neste dia importante assine e guarde a seguinte certidão: CERTIDÃO DE NASCIMENTO ESPIRITUAL.

 

"Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo"

Sabendo que tenho pecado e preciso do Senhor Jesus Cristo como meu Salvador, arrependo-me dos meus pecados e coloco toda a minha confiança nele para a vida eterna.

 Peço perdão e libertação do poder do pecado e aceito o presente da vida eterna que Jesus Cristo me oferece. Convido-O a morar no meu coração e ser o Senhor da minha vida. Hoje e para sempre, assim como Ele me dá forças procurarei servir-lhe e obedecer-lhe em tudo.
Data:____/____/____
   Assinatura:_________________________________

 

E Agora?

Assim como um recém-nascido cresce fisicamente, você vai crescer espiritualmente, por seguir estes passos:

1) Ler um capítulo do evangelho de João na BÍBLIA, cada dia.

"Desejai ardentemente, como crianças recém-nacidas, o genuíno leite espiritual, para que por ele vos seja dado o crescimento para salvação."(1 Pedro 2.2)

 

2) Marcar um encontro com Deus diariamente, para Orar.

"Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo porém seja conhecidas diante de Deis a vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças." (Filipenses 6:6)


3) Freqüentar uma igreja que lhe ensine a Bíblia e que honre a Jesus Cristo, dando-lhe oportunidade para ADORAÇÃO.

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Salmos 122:1)
"Deus é espírito, e importa que os seus adoradores, o adorem em espírito, e em verdade" (João 4:24).

 

4) Ter COMUNHÃO com outros crentes que o ajudarão a crescer na fé.

"Então os que lhe aceitaram a palavra...perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no parti do pão e nas orações"(Atos 2:41,42)


5) TESTEMUNHAR aos outros aquilo que Jesus Cristo significa para você! JESUS disse: "Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também, eu o confessarei diante do meu Pai que está nos céus.

 Mas aquele que me negar diante dos homens, também eu, o negarei diante do meu Pai que está nos céus" (Mateus 10:32,33)

Lembre-se, finalmente, de freqüentar com regularidade uma igreja que ensine a Bíblia e adore a Jesus Cristo. Fale de sua nova fé em Cristo para o pastor da igreja e pergunte como se tornar um membro da comunidade.
"Não deixemos de congregar-nos como é de costume de alguns; antes façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o dia se aproxima" (Hebreus 10:25)

Se você gostou desta mensagem de boas novas, comunique-se conosco. Gostaríamos de saber daquilo que Deus tem feito em sua vida e ajudá-lo a crescer espiritualmente.  Se precisar de qualquer esclarecimentos, estaremos a seu inteiro dispor. Por favor, escreva para nós.

 

 

O Melhor Método Evangelístico

 

 

O MÉTODO DO MESTRE Jesus

Esse é o seminário que ensina você a evangelizar como Jesus o fazia

Um renomado cirurgião, chamado Lewis Evans, viajou a Coréia para visitar um colega que estava trabalhando como missionário ali. Dr. Evans acompanhou  seu amigo a uma vila distante onde uma mulher doente requeria uma cirurgia de emergência. Ele assistia ao médico, enquanto este calma e firmemente realizava a operação que durou sete horas em um sufocante calor e sob primitivas condições.  Depois, enquanto conversavam, o Dr. Evans brincou: “Ei Doutor, quanto você ganhou por uma operação como esta de hoje? Nos Estados Unidos ganharia no mínimo $ 15.000.”  O outro homem  pegou uma moeda de cobre furada de sua gaveta e explicou que aquilo era tudo o que o paciente tinha dado. Então, disse: “Primeiro, eu ganhei esta moeda furada, e depois, tenho a profunda convicção de que Cristo esteve trabalhando por sete horas através destes dedos para tocar e curar um de seus filhos.” Isto é cristianismo!  É nosso privilégio tocar outras pessoas do mesmo modo que Cristo fez. De fato, este é o nosso modelo de evangelismo. O livro de João deixa-nos alguns exemplos de como Jesus Se propõe a mudar as pessoas.

 

Como Jesus Se relacionava com as Pessoas

A história começa no primeiro capítulo de S. João, versos 37 e 38. Aqui, nós vemos dois discípulos de João Batista que ouviram Jesus falar e, imediatamente, se afastaram da multidão para segui-lO. Jesus Se volta para eles e pergunta: “Que buscais?” O Mestre não iniciou a partir de sua agenda, mas da deles. Ele não Se aproximou deles com um programa pré-arranjado. Ele começou onde eles estavam e, gradualmente, os conduziu a Si mesmo: “– Rabi, onde moras?” Respondeu-lhes: “Vinde e vede.”  Em S. João 2 está registrada a visita de Cristo à festa de casamento em Caná. Durante a celebração, acabou o vinho. Isto significava um desastre social. Era humilhante aos convidados ficarem sem ser servidos. A mãe de Jesus percebeu a ansiedade dos anfitriões e a comunicou ao Filho. Ele ordenou que se enchessem as 6 talhas de pedra e os transformou em vinho, o melhor da festa. Problema resolvido. O milagre mostra a disposição de Cristo em atender às necessidades das pessoas, mesmo daquelas que não parecem espirituais. Ele atendia às necessidades do momento. Em João 3, nós encontramos Jesus conversando com um fariseu que Lhe pediu uma audiência na calada da noite.  Nicodemos se tornou consciente de que necessitava de algo mais do que uma religião formal; algo mais do que a tradição e o ritual.  Então, Jesus mostrou-lhe exatamente o que ele estava procurando e como obtê-lo: “Você precisa nascer de novo.”  Esse líder estava receptivo, naquela noite, para receber direção espiritual, assim, Jesus o atendeu nesse nível.  Então nós chegamos a S. João 4. Cristo estava passando por Samaria e encontrou-Se com uma mulher perto do poço.  Ele atendeu às suas necessidades, com muito tato, ao dar-lhe uma medida de respeito. Ignorando séculos de preconceitos, Ele pediu: “Dá-me de beber.” Essa mulher havia passado por 6 maridos.  Os homens da vila a consideravam um mero objeto de prazer.  Ela tinha ido sozinha ao poço, já que as demais mulheres da vila a evitavam. Então, Jesus ofereceu a essa rejeitada apoio emocional, tratando-a com respeito e oferecendo-lhe algo maravilhoso: água que saciaria para sempre a sua sede. Ele, cuidadosamente, a conduziu ao ponto onde ela estava, preocupada em tirar água do poço para Ele, o Doador da Vida Eterna. João 5 mostra-nos uma dramática cura junto ao tanque de Betesda. Novamente, Jesus estava encontrando um ser humano precisamente no ponto de sua presente necessidade.  Este pobre paralítico, que tinha estado em desespero por 38 anos, queria mover-se, andar! Então, Jesus lhe perguntou: “Queres ficar são?”  Despertando, assim, uma fagulha de fé no seu coração. Respondendo à ordem de Jesus, ele se levantou sobre os seus pés.  Seu corpo inválido, subitamente, tornou-se perfeito. Jesus atendeu à sua necessidade física.  Era essa a maneira de Jesus trabalhar.  Ele não disse aos noivos das bodas de Caná que eles tinham de nascer de novo. Ele atendia às necessidades sentidas no momento.  Ele não falou ao paralítico sobre a Água viva, pois isso não o despertaria. Ele o ajudou a andar.  Em João 6, nós encontramos Cristo envolvido com milhares de pessoas famintas na encosta de uma colina em frente ao Mar da Galiléia.  Elas tinham uma necessidade definida, a qual era indicada pelos soluços das crianças.  Os discípulos sugeriram que a multidão fosse dispensada para cada um providenciar o seu próprio alimento.  Mas, Jesus insistia que eles como evangelistas, precisavam atender às necessidades do povo com suas escassas provisões.  Necessidade atendida.

O evangelismo simples de Jesus

Cinco anos atrás me mudei para um novo bairro. Logo que cheguei à Rua Lajeado, pensei em evangelizar nossos novos vizinhos. Claro, sendo eu um missionário veterano, saberia muito bem o que fazer... (Que nada!) Como “religioso profissional”, já atravessara o Brasil e até outros países para evangelizar. No entanto, para minha vergonha, nunca havia ganhado nem um vizinho para Cristo. Lia os livros sobre evangelismo e mergulhava nos textos sobre crescimento da igreja. Porém, no meio de tanta complicação, desenvolvi algumas atitudes, certos hábitos e “síndromes”, que me afastaram do evangelismo simples de Jesus.  Minha falta de sucesso em evangelizar os vizinhos tem me levado a refletir sobre a forma tão humana e simples com que Jesus se relacionava com as pessoas no seu trabalho missionário. É claro que, dependendo da situação, Jesus agia com rigor. No dia-a-dia com os vizinhos, precisamos aprender da simplicidade de Jesus. Um texto que tem me impressionado muito é o de João 1.35-50, no qual encontramos as primeiras atividades evangelísticas de Jesus. Certamente é uma passagem que devemos estudar com cuidado. Nela, notaremos quatro características do evangelismo simples de Jesus que podem nos livrar de algumas “síndromes” complicadas e nos encorajar a imitá-lo. Tenho procurado seguir o modelo, e, para minha alegria, na Rua Lajeado, já está começando a funcionar!

 

O diálogo

As primeiras palavras evangelísticas de Cristo, registradas na Bíblia, foram: “O que vocês querem?” Oh, foi uma pergunta!  João Batista estava na companhia de dois discípulos quando viu Jesus passar. Na hora ele disse: “Eis o Cordeiro de Deus!” Os dois discípulos, ouvindo isso, seguiram Jesus. E este, que não somente sabia toda a verdade, mas é a Verdade, voltando-se para eles, lhes fez uma pergunta, um convite para o diálogo.  Eu, e talvez você também, fomos orientados a pensar em evangelismo como um monólogo. Eu tenho a verdade, o meu vizinho não a tem. Eu falo e ele escuta. Certo? Um bom evangelista é aquele que fala bem. Não faz muitas perguntas. É especialista em respostas. Só que, muitas vezes, isso não funciona. Especialmente quando se trata dos nossos vizinhos.  A postura de conhecedor, de superior, é impessoal e ofensiva às pessoas. Um dos moradores do nosso bairro desabafou um dia:  “Não entendo esse pessoal. O cara chega ao meu portão e dispara a falar que nem metralhadora. Não sei se ele tem um número de pessoas para evangelizar por dia, ou se ganha dinheiro com isso, ou sei lá o quê...”

 

Eu não tive como lhe responder.

Quando adotamos o método de evangelismo ao estilo “monólogo”, descobrimos que as pessoas não nos escutam. Nem fizemos a metade da nossa apresentação e aparecem os bocejos e os sinais de aborrecimento e de cansaço. Então passamos a falar mais alto ou mais enfaticamente. Jesus começou sua carreira missionária com uma pergunta. Quem sabe, se seguirmos esse exemplo simples dele e começarmos a fazer perguntas e a ouvir respostas, quebraremos a “síndrome do monólogo” e ganharemos o direito de sermos ouvidos?

O processo

No texto citado, Jesus tem encontros rápidos e transformadores com vários jovens. Entretanto nem tudo foi tão instantâneo... Eram instantes em um processo. Esse processo começara havia mais de vinte anos na formação religiosa daqueles jovens judeus, culminando anos depois em maturidade e em um honrado apostolado. Mesmo na ocasião em que deram os primeiros passos, levaram ainda alguns meses até se decidirem por seguir a Jesus definitivamente (Mt 4). O encontro com ele era um momento crucial, com certeza, mas fazia parte de um processo.  Aqui encontramos outra “síndrome” que nos afasta da simplicidade de Jesus e nos causa muita ansiedade. Achamos que é nosso dever levar as pessoas a uma decisão imediata. Temos a idéia de que, se encontrarmos a palavra certa, se tivermos uma unção mais poderosa ou uma técnica mais apurada, a pessoa irá se render aos pés de Jesus imediatamente.  Na Rua Lajeado, minha tarefa não é ganhar todo mundo “de uma tacada só”. Preciso de sabedoria para discernir em que posição as pessoas se encontram nesse processo, e ajudá-las a dar o passo seguinte. Nem sempre aquela é a hora de ganhar a pessoa. Alguns vizinhos têm necessidades físicas que precisam ser atendidas primeiro, e outros carecem de bons modelos para se sentirem motivados. Em determinados casos, será necessário derrubar as barreiras intelectuais. Tenho vizinhos que precisam de libertação espiritual, porque tiveram envolvimento com o espiritismo. Muitos necessitam de oração. É bom dar-lhes um pouco de tempo. Assim o coração deles pode amolecer a ponto de reconhecerem sua necessidade de Deus. Chegará a hora da persuasão, do confronto e da decisão, mas nem sempre o dia é hoje.  Sem pressão, sem necessidade de mostrar serviço, preciso fazer minha parte... e você, na sua rua, fazer a sua. Como Jesus, com muita simplicidade, precisamos discernir em que etapa a pessoa se encontra em seu “processo”, e ajudá-la a seguir adiante. Devemos procurar ser amigos, dar bom exemplo, emprestar um livro, explicar a Bíblia, oferecer oração, ou convidar para ir à igreja. Acompanharemos a cadência do trabalho do Espírito na vida do vizinho.

 

O tratamento individual

Nos versículos 29 a 51, podemos observar as diversas formas que Jesus usou para chamar aqueles homens para segui-lo. Vejamos como o chamado é diferente para cada pessoa:

– João Batista recebe uma revelação vinda diretamente de Deus (vv. 29-34).

– André e o outro discípulo passaram o dia com Jesus (v. 39).

– Simão Pedro, levado pelo irmão, encontra-se com Jesus e este muda-lhe o nome (vv. 40-42).

– Jesus encontra Filipe e lhe dá uma ordem: “Segue-me” (v. 43).

– Natanael, depois de ouvir Filipe, aproxima-se de Jesus cheio de dúvidas e se rende diante do conhecimento sobrenatural dele (vv. 45-51).

Precisamos deixar Jesus trabalhar de forma singular na vida das pessoas. Às vezes tentamos ser mais organizados do que Deus! Levanta-se a “síndrome da metodologia”. Somos fascinados por categorias, métodos e fórmulas. (Quatro temperamentos, sete tipos de inteligência, quatro leis espirituais...) Mas o fascínio de Deus é para cada pessoa, individualmente. O importante não é onde elas fizeram o compromisso ou o que elas disseram, mas o resultado final, se o indivíduo se arrependeu dos pecados, exerceu fé em Jesus e se relaciona com ele.  É como nas histórias de amor e casamento. Cada uma é diferente. Um amigo meu viu aquela que seria sua esposa no outro lado de uma sala e disse consigo mesmo: “É ela”, e pronto. Outros cresceram juntos na mesma rua, e a amizade tomou um rumo diferente. Alguns fizeram da cerimônia um espetáculo suntuoso. Já outros se casaram na sala da sua humilde casa. Mas o importante é que todos vivam um relacionamento de amor.  No reino de Deus é assim também. Alguns não sabem a hora em que fizeram a decisão, foram batizados da forma “errada”, não tiveram um discipulado formal, ainda não conseguiram deixar de fumar, e são discípulos de Cristo. Por outro lado, há pessoas que sabem o dia da conversão, dominam o vocabulário evangélico, foram batizados por imersão e falam em línguas estranhas, mas não demonstram as marcas de um discípulo de Jesus.  As pessoas da Rua Lajeado não entrarão no reino de maneira idêntica. Daqueles que já se decidiram,cada uma vem por um caminho próprio. O primeiro homem a se converter, angustiado por uma separação conjugal, leu um livro sobre perdão e depois se decidiu em um culto público. Outra vizinha, após receber oração por uma enfermidade, orou sozinha e falou que “nasceu de novo”. O marido dela vem acompanhado-a, devagar e sempre. Mãe e filha oraram em minha casa junto com minha esposa. Cada uma foi a Jesus de forma diferente,mas vivem hoje um relacionamento com ele.

 

Os Relacionamentos

É interessante notar no texto de João o importante papel dos relacionamentos nas primeiras conversões a Jesus. Vejamos a seqüência:

- João Batista era primo de Jesus.

- João indica Jesus a seus discípulos, e um destes era André.

- André apresenta Pedro.

- Filipe, da mesma cidade e provavelmente um conhecido da turma, leva Natanael.

Parece que complicamos muito essa forma simples de Jesus que aproveitava os contos naturais. Esquecemo-nos de que até hoje a maioria das pessoas vem para Jesus por meio de relacionamentos, talvez até em 80% dos casos, segundo alguns pesquisadores.  Nos dias de hoje, somos acometidos pela “síndrome da mídia”. Estamos cada vez mais envolvidos com tecnologia. É rádio, televisão, telemensagens, publicações, placas luminosas e agora a Internet. E enquanto estamos comprometidos com projetos mirabolantes, não cultivamos relacionamentos – com parentes, amigos, colegas de trabalho e vizinhos – que oferecem maior potencial para a evangelização.  Com certeza Jesus ganhou pessoas nos encontros casuais que teve através das pregações que fez às multidões, e não duvido de que aproveitaria a mídia atualmente. Porém, nesse primeiro episódio missionário dele, como na maioria dos casos hoje,o evangelho se alastra por meio de relacionamentos. Olhemos para nossa experiência. Qual foi a influência principal no processo de aceitarmos a Cristo? Uma família? Um colega da escola ou do trabalho? Um vizinho? Façamos uma pesquisa entre os membros da nossa igreja. Ficaremos surpresos. Na sua grande maioria, as pessoas foram alcançadas por meio de relacionamentos. Isso quer dizer o quê, para mim, que moro na Rua Lajeado? Que preciso aprender a me relacionar melhor com os não-cristãos da minha rua. Meu maior desafio não é aperfeiçoar minha técnica evangelística, mas me relacionar com naturalidade e amor. Meus vizinhos não são “escalpos” ou troféus para provar minha espiritualidade. São pessoas de inestimável valor, portadoras da imagem de Deus. Eu também sou humano. Preciso me relacionar com eles não como pastor, nem guru, mas como um homem frágil que foi transformado por Jesus. Aqui no Sul isso significa tomar chimarrão e jogar conversa fora (bater um bom papo) Requer tempo para conversas na frente de casa sobre serviço, política e cortadores de grama. Para as mulheres, uma xícara de açúcar emprestada e o chá para curar uma gripe é o caminho. É mostrar interesse pela pessoa como pessoa, não como “alma”. Usando a ponte de relacionamento, mais pessoas virão a Jesus.  O evangelismo simples de Jesus me ajuda a ver com mais clareza o que Deus quer de mim, ali na Rua Lajeado.  Por envolver diálogo, preciso me preocupar em fazer perguntas e esperar as respostas.  Por ser um processo, não preciso me apavorar em chegar ao alvo imediatamente. Por ser individual, minha preocupação não deve ser com os detalhes de um método perfeito, mas deve ser levar as pessoas a um relacionamento com Deus. Por ser relacional, minha tarefa é construir pontes de amizade. Só agora, no final destes primeiros cinco anos em que moro na Rua Lajeado, é que estamos vendo alguns resultados. Cada terça-feira nos reunimos em uma casa diferente para um estudo bíblico, e assim vamos revezando. Somos aproximadamente vinte pessoas. Algumas já se posicionaram e estão se integrando à igreja local. Outras ainda se encontram com um pé atrás. Entretanto estou mais tranqüilo, porque sei que Deus quer de mim um evangelismo simples... como o de Jesus.


Mas o que e evangelizar mesmo?
 

Este artigo foi escrito por Atilano Muradas. Ele é jornalista, teólogo, compositor, escritor, músico e pastor. Possui sete CDs gravados, três livros publicados, e reside nos Estados Unidos. Para falar com o autor, escreva para: atilanomuradas@uol.com.br

Muito se tem dito a respeito de “evangelizar”. Esta primeira frase, inclusive, pode ser que já tenha sido escrita, diversas vezes, por gente que decidiu, assim como eu, agora, finalmente, resolver a questão do evangelismo na Igreja de uma vez por todas. O mundo será outro depois deste texto. No entanto, já encerro aqui a minha ilusão de que conseguirei isso. Não depende apenas do meu desejo, da minha habilidade em argumentar, ou de Deus. É, isso mesmo, não depende de Deus.
Apesar de tudo nesta vida ser “se Deus quiser”, a missão de evangelizar ele deixou para nós. Ele vai salvar a quem a gente pregar – seja direta ou indiretamente – loucos, natimortos, criancinhas, abortados, etc., só no Céu saberemos o que será deles. Ninguém aceitou a Jesus do nada. Alguma coisa ele ouviu, algo sentiu a partir de informação externa que lhe chegou aos ouvidos e desceu ao coração. Sei de pessoas que aceitaram a Jesus de todo jeito, até mesmo através do Diabo. Ele mesmo pregou, acredite. Um sujeito estava fazendo um despacho grandioso com uma determinada finalidade maldosa quando o Diabo, em pessoa, lhe apareceu e disse que de nada adiantaria aquele trabalho todo, pois a pessoa a quem se destinava o “trabalho” era crente. “Ela é filha do cara lá de cima. Com ele eu não mexo, pois é mais poderoso”, disse o Pai das Trevas. Ao ouvir tal declaração do patrão chifrudo, o sujeito respondeu: “Se o outro é mais poderoso, então, não te sirvo mais”. Abandonou a vida de despachos e foi servir a Deus numa igreja cristã. Outro amigo era do tipo que denominamos “doidão”. “Cheirava todas” e vivia em petição de miséria, como diziam os antigos. Certo dia, fumando sua tradicional maconha junto com um amigo, resolveu ler um livro diferente: a Bíblia. Entre baforadas, blasfêmias e risadas, ele parou num texto que lhe informou claramente que, se ele continuasse naquela vida de drogas, certamente, iria para o Inferno. Sem pestanejar, largou tudo e entrou na primeira igreja evangélica que viu aberta e aceitou Jesus. Histórias assim são produto de oração, de investimento de muitas pessoas, tenha certeza. Aliás, a maioria das conversões veio de exaustivos trabalhos de pregação corpo a corpo. Deus e seus anjos não descem à Terra para pregar o Evangelho. A missão é nossa. Contudo, parece-me que a evangelização está um pouco esquecida, coitada, no final da fila das prioridades eclesiásticas. Analise comigo.
Os cânticos de sucesso apelam para o emocional, estão centrados no homem e no seu bem-estar. Enquanto isso, as pregações, cujas canções refletem, visam entusiasmar, motivar a conquistar bens terrenos a todo custo. O apelo à salvação é dado ao final dessas pregações, criando um paradoxo sem precedentes na história dos sermões cristãos. Prega-se uma coisa e se faz apelo para outra. Ouça: “Deus vai resolver todos os seus problemas, dar-lhe tudo o que precisa, e fazer você milionário nesta Terra. Quem quer aceitar Jesus?” Ora, quem não irá aceitar?! Tudo bem, ainda bem que aceitou Jesus, mas a propaganda foi enganosa, e o novo convertido poderá se frustrar quando descobrir que não é bem assim como lhe prometeram. A vida com Deus é vida feliz, mas, temos que suportar outros lances que estão sendo omitidos aos novos convertidos. Vida com Deus também é perder pra ganhar; é morrer pra viver; é dividir o pouco que tem; é servir e não ser servido; é passar por lutas e agradecer; é estar preso e cantar; é levar um tapa e dar a outra face; é aguentar uma série de desaforos dentro e fora da Igreja; é suportar os crentes (cristão é outra coisa); e mais uma série de outras aventuras aparentemente ruins, mas que enriquecem o homem de sabedoria e o fazem entender o verdadeiro sentido de ser cristão – se você ainda não entendeu isso, peça ao Espírito Santo pra lhe fazer entender. Aí você vai ser feliz mesmo tendo que viver essas tribulações. São alguns dos mistérios da vida cristã.  Essa forma de expor o Evangelho parece o daquelas propagandas com uma porção de letrinhas miúdas no pé da página, quase ilegíveis de tão pequenas. A gente só fica sabendo de tudo mesmo, depois que assina o contrato, e vê onde entrou.
Tanto se fala, hoje em dia, em respeitar os direitos. Pois é, os cristãos deveriam respeitar os direitos dos incrédulos e pregar-lhes o verdadeiro Evangelho para trazê-los para a Igreja. Aliás, eu acho até que viria mais gente que sinceramente aceitou a Jesus porque o ama de verdade, e não aos presentes que oferece. Os incrédulos não são todos idiotas e vão caindo na conversa de qualquer um não. Alguns caem, hoje, mas, daqui uns dias, pulam fora. Falsos pregadores podem enganar por um tempo, mas não por todo o tempo. E fazer com que esses desviados compreendam o verdadeiro Evangelho é quase um outro milagre.  Mas, porque será que isso acontece? A resposta, talvez, venha ao se tentar responder “Mas, o que é evangelizar mesmo?” Quando entendemos que nascemos com uma missão que vem “antes” de qualquer missão que tenhamos que exercer na Terra, então começamos a entender melhor a vontade de Deus. Em Marcos 16:15-18 Jesus deixa isso claro: “Ide e pregai”; e o resto vem depois. Em Atos 1:8 ele diz que receberíamos o poder para sermos “testemunhas”, ou seja, que pregam o Evangelho; depois vêm as atividades desde onde se está até os confins da Terra (missões).  Evangelizar é um dom que nasce com todas as pessoas. Pode e deve ser exercido, desde a mais tenra idade. Evangelizar é falar daquilo que se crê, sem a necessidade de fórmulas mágicas de multiplicação ou de estratégias de marketing mirabolantes. Isso tudo pode ser usado, mas se as pessoas estão desfocadas, é dinheiro jogado no lixo. Evangelizar é uma decisão que alguém toma antes de querer ser pastor, apóstolo, profeta, doutor, ou até mesmo evangelista. Isso mesmo, evangelista, pois tem gente que quer assumir seu dom de evangelista depois que fizer o bacharel em Teologia, o mestrado em divindade, o doutorado em anjos, e conseguir os recursos para se sustentar no campo missionário. Você conhece alguém que se preparou a vida inteira para tocar piano sem nunca ter tocado um piano? Claro que não. Quem toca bem começou cedo e nunca parou. Quem não treina evangelismo nunca será evangelista. Quem não conhece a Bíblia nunca será evangelista. Quem não ora, não evangeliza. Quem não insiste com as pessoas, corre atrás, suporta umas pedradas, não alcançará sucesso no evangelismo. É igual no trabalho: um leão por dia – inclusive, o que ruge como um leão ao redor tentando nos tragar. Ser cristão da teologia da prosperidade é mole. Quero ver é ser cristão da teologia da verdade.

 

Estudo realizado por Pr.Rogério Costa

Caxias do Sul - Novembro 2009

 

 

Ministério Igualdade Independente

www.ministerioigualdadeindependente.webnode.com.br

Projeto Plantar

www.projetoplantar.webnode.com


Envie um comentário sobre o que voce achou deste link!

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário